Home Noticiário Internacional Foguete é lançado com sucesso em Alcântara

Foguete é lançado com sucesso em Alcântara

189
10

Foi realizado, com sucesso, o lançamento do Foguete de Treinamento Básico – FTB do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão. A operação, denominada Operação Falcão, ocorreu às 15h do dia 27 de abril, terça-feira. Segundo o Diretor Interino do CLA, Tenente Coronel Aviador Ricardo Rodrigues Rangel, o foguete atingiu seu apogeu a 31.680 metros do solo, com 167 segundos de voo. Fabricado pela empresa brasileira Avibras e tecnologia 90% nacional, o foguete percorreu sua trajetória e caiu em alto-mar a 17,3 quilômetros da costa.

O objetivo da operação Falcão é lançar e rastrear o foguete para fins de certificação do mesmo, além de treinar os recursos humanos, operacionais e equipamentos do CLA. Estiveram presentes durante a contagem regressiva um grupo de estudos do ITA (São José dos Campos), composto de professores e 12 alunos do curso de engenharia aeroespacial.

Está previsto o lançamento de um foguete FTI em julho deste ano, quando se estima obter sua certificação para fins comerciais com outros países que necessitam de foguetes de treinamento e para que as próximas etapas de pesquisas sejam colocadas em prática para aprimoramento e desenvolvimento de veículos de pequeno porte.

O ano de 2010 é o início de um novo ciclo na capacitação operacional do Centro de Lançamento de Alcântara em virtude da modernização do Centro de Controle e da Casamata, além da construção da nova Torre Móvel de Integração, que estarão em pleno funcionamento a partir de novembro de 2010. Essas melhorias no sistema de lançamento são consideradas o aporte para que o Brasil tenha um dos mais modernos centros de lançamento do mundo, capacitado, ainda, para lançar a nova versão do VLS que se encontra em fase de desenvolvimento no IAE (São José dos Campos).

FONTE: CLA

10 COMMENTS

  1. Wagner,

    Teoricamente, qualquer engenho que um país possa lançar para alcançar o espaço, pode ser um míssil, desde que tenha os equipamentos específicos. Tem muita tecnologia sensível embarcada. O Brasil, por força de acordos como o TNP, Tratado de não-proliferação de mísseis, não desenvolve tal arma. Imagine, se nós tivemos que re-inventar o foguete para podermos lançar satelites, imagine como seria o embargo para misseis?
    Sinceramente, acho que necessitamso muito mais de armas anti-aéreas de médio alcance, do que armas estratégicas de longo alcance.

  2. Até que enfim, pq até o Irã lançou satelites, tomara que no proximo ano o Brasil ja lance seu próprio satélite, coisa fundamental para apoio militar em um conflito, imagina o salto em tecnologia que isso proporciona com envio de experimentos para o espaço e o emprego de novas tecnologias de satelites…

  3. eapero que isso sirva de plataforma para misseis sei que iso ia dar pro blema queria que o brasil produzisse armas nucleares

  4. Ultroloth

    Trata-se do Regime de Controle de Mísseis (MTCR silga em inglês), um tratado informal e voluntário iniciado pelo G7 que depois expandiu-se para 34 países, inclusive o Brasil. Visa coibir a proliferação de artefatos que possam levar armas de destruição em massa e abrange mísseis balísticos, vls, foguetes de sondagem, vant’s, mísseis de cruzeiro e drones.
    Pelo acordo, estes artefatos têm seu alcance limitado a 300 km e sua capacidade de carga a 500 kg. Só podem ser exportados até esta limitação e só entre os países do acordo. Não tive paciência de ler todo o tratado, portanto não sei se também é vedado a produção.
    A única coisa que eu sei é que se não entrasse no MTCR, o Brasil não poderia ter a cooperação da Rússia e da Ucrânia no nosso programa espacial. Não que estes dois países não quisessem, mas porque os EUA os proibiram, alegando justamente o MTCR.
    Nestas horas a gente entendo o que o ministro Nelson Jobim quis dizer quando se referiu aos EUA no que diz respeito a TT.
    Abraços

  5. Valeu Paulo,isso só podia ser coisa de FHC, cada dia me convenço que o boato dele ser um agente da CIA é verdadeiro. E ainda tem gente aqui com saudades do governo dele…

  6. Ultroloth

    Acho que você está fazendo confusão. O Brasil foi obrigado a entrar no, caso contrário ninguém nos ajudaria no nosso programa espacial. Inclusive Israel, mesmo sem aderir ao tratado, anunciou que vai respeitá-lo.
    Se você quer culpar alguém, culpe as potências que possuem mísseis balísticos intercontinentais. Elas é que pressionaram por este “tratado”, como forma de se manterem na vanguarda.

  7. marcelo tadeu muito obrigado por mim responder!
    Olha o BRASIL é grande e deve pensar grande!
    O SS-300 MT é um otimo missil só que tem quer ser mais rapido!
    Tipo uns 2mil km!
    AVIBRAS sabe fazer isso !
    OK!
    Valeuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here