Home Noticiário Internacional Jobim vai aos EUA negociar nova frota de caças da FAB

Jobim vai aos EUA negociar nova frota de caças da FAB

316
206

Eliane Cantanhêde – colunista da Folha

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, marcou viagem ontem à noite para Washington, onde deve se reunir ainda hoje com Robert Gates, que ocupa o cargo de secretário de Defesa no governo George W. Bush e será mantido pelo futuro presidente, Barack Obama. Em pauta, a compra de jatos de caça F-18 E/F Super Hornet, produzidos pela Boeing norte-americana.

Os dois lados, Jobim e Gates, têm pressa, porque o presidente da França, Nicolas Sarkozy, virá ao Brasil nos dias 22 e 23 deste mês, e os franceses são os principais concorrentes dos EUA para a venda dos caças.

Os três finalistas para a renovação da frota da FAB (Força Aérea Brasileira) são o F-18 norte-americano, o Rafale, da francesa Dassault, e o Grippen NG, da sueca Saab, que chegou à reta final contrariando as expectativas de que o competidor dos americanos e dos franceses seria o Sukkoi, da Rússia.

Apesar da inclusão do Grippen NG, a disputa ferrenha para vender os caça ao Brasil praticamente afunilou entre a Boeing e a Dassault. Seria uma surpresa se a sueca Saab acabasse abocanhando o negócio.

Jobim manteve a ida a Washington sob discrição, enquanto o embaixador norte-americano em Brasília, Clifford Sobel, fazia a intermediação com a Secretaria de Defesa.

A exigência número um do Brasil para fechar qualquer negócio na área militar é a transferência de tecnologia, que não é a praxe nesse setor. A Defesa, porém, considera os americanos muito mais fechados do que os franceses e os suecos nesse quesito.

A pretensão brasileira é que a indústria nacional, capitaneada pela Embraer, tenha condições de, a longo prazo, participar da produção de componentes e dos próprios aviões de caça de quinta geração.

Sobel retornou dos EUA anteontem e bateu o martelo com Jobim, avisando que Gates havia flexibilizado as condicionantes do lado norte-americano e estava pronto a conversar. A intenção de Jobim é ficar em Washington apenas dois a três dias, retornando ainda nesta semana. Ele também participará das rodadas de negociações com Sarkozy.

Além dos caças, a agenda do presidente francês inclui negociações bilaterais para a venda de um submarino tradicional ao Brasil, como base para o futuro submarino de propulsão nuclear brasileiro.

Subscribe
Notify of
guest
206 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Wilson Johann
Wilson Johann
11 anos atrás

Será que é isso mesmo, ou ele foi averiguar as reais possibilidades de transferência de tecnologia. Apesar da Boing alegar total disponibilidade, resta-nos saber realmente se existe o aval do governo americano para tudo o que estamos querendo. É esperar prá ver. No inicio da próxima semana certamente teremos noticias mais concretas.
De minha parte, torço pelos Rafales, depois F-18 e, por último, os Grippens.

Abraços!!!

Wilson Johann
Wilson Johann
11 anos atrás

Digo: Gripen (e não Grippen).

RL
RL
11 anos atrás

Também torço para os Rafalecos..más..se vierem os Hornets estaremos muitissimo bem equipados.

Só resta saber se tudo isso ai é verdade né.!!!

Politica é F#$%#$%…

kaleu
kaleu
11 anos atrás

Amigos blogueiros, vamos adquirir os MELHORES ou seja, SUPER HORNET´S F/A 18 E/F

ABRAÇOS
KALEU

Wilson Johann
Wilson Johann
11 anos atrás

Mas se for verdade, será que os americamos estão nos oferendo algums super pacote? Esta visita de última hora ao Secretário de Defesa não estava agendada. Será que os yanques não estão propondo alguma “parceria” estratágica e vantajosa para o Brasil, em vista do avanço francês em uma área de influência predominantemente americaca? Certamente o ministro Jobim não vai fechar nenhuma compra, a não ser que exista uma ótima oferta, com vantagens e garantias que superam os demais concorrentes. esperemos para ver!

Abraços!!!

hms tireless
hms tireless
11 anos atrás

Excelente notícia!

Para se contrapor aos Su-30 venezuelanos, nada melhor que o Rhino…o queijo podre não é o melhor p nós….

Douglas
Douglas
11 anos atrás

A reinserção da embraer como fornecedora da industria aeronautica americana, a inclusão de F 18 block 3 e a também a versão G no pacote a ser oferecido ao Brasil além de 4 destroyers Arleigh Burke seria interessante.

Storm
11 anos atrás

O Jobin esta indo pros States, porque foi chamado, com certeza os Iankes tem alguma coisa a mais pra oferecer (um trunfo, quem sabe uns F-18 C/D de lambuja pra operar no opalão !!!) e querem fazer isso antes da visita do Sarkozy. Pessoalmente gosto muito do F-18 Super Hornet e to torcendo pra que ele vença o FX-2, mas desde que atenta os requisitos de transfência de tecnologia que o Brasil e a FAB tanto almejam… Acho tudo isso muito saudavel, “essa negociata”, o Jobin vai lá houvir o que os Yankes tem a oferecer e depois vai comparar… Read more »

marujo
marujo
11 anos atrás

Quais serão as armas, navios e aviões velhos que eles oferecerão para nós? Está correndo alguma lista? Já ouvi falar em obuseiros de 155 mm e mais autopropulsados M-109. Se hover este tipo de oferta, como aconteceu na época do FX-1, o que será vantajoso para nós negociar? NDD Classe Austin?

cesar
cesar
11 anos atrás

Imagino o seguinte. Será q os EUA ñ buscam uma parceria estratégica na AL e no Atlântico Sul p/ contrapor a recente investida russa no quintal deles ou mesmo o avanço chinês na África? O aliado natural e de maior relevância dos EUA na região s/ sombra de dúvida é o Brasil, quer alguns gostem ou ñ. Se este for o caso, é provável q liberem os códigos fonte e quem sabe uma possível tranferência de tecno dos SH. Ou como comentou o amigo Wilson Johann, talvez eles ofereçam um super pacote. Vamos ficar esperando pelo próximo lance. Sds.

Cinquini
11 anos atrás

Jobim vai a Washington fortalecer relações com nova administração Brasília, 03/12/2008 – O ministro da Defesa, Nelson Jobim, inicia nesta quarta-feira (03/12) viagem a Washington, onde terá encontros com líderes da nova administração norte-americana, do presidente eleito Barack Obama. O principal objetivo de Jobim será o fortalecimento das relações bilaterais e da cooperação nos âmbitos da Defesa e do intercâmbio tecnológico. Jobim também debaterá o futuro da relação bilateral em seminário promovido pelo Woodrow Wilson Center, sobre o fortalecimento futuro da parceria estratégica entre o Brasil e os Estados Unidos. O ministro viaja acompanhado do comandante do Exército, General-de-Exército Enzo… Read more »

Francisco AMX
Francisco AMX
11 anos atrás

Será que teremos um “bom” e “velho” novo avião??? E quando começarem a chegar, em 2015, realmente estaremos com um novo ultrapassado vetor, concebido na década de 70, como o F-16, mas que custa 1/3 a mais do que o novo F-16B60 e, fora a autonomia, tende a ser igual ou inferior ao F-16, que, queiram ou não, é só olhar o projeto, desenho, inovações do F-16 frente ao F-18, que verão o que eu falo, além do mais o F-16 é mais barato de operar, por ser monorreator e nem por isso perde em desempenho para o F-18. Só… Read more »

Thiago Sala
Thiago Sala
11 anos atrás

O que realmente interessa é negociar de verdade, impor as nossas vontades seja com quem for, contanto que tenhamos os requisitos da FAB cumpridos,é o que interessa, afinal acho que os finalista são bons aviões. Com certesa o Tio Sam vai vir com um pacotão, vamos ver se interessa…
Abraços

Billy
Billy
11 anos atrás

Que os F-18 E venham o mais rápido possível!!

welington
welington
11 anos atrás

Sou viúvo do SU-35 BM e neto da vovódka e não nego mas agora torço para o F-18E/F Super Hornet pelas suas características, mas vai dar Rafall.

Pedro
Pedro
11 anos atrás

Vale lembrar que o professor do “men” (homi – o que manda de verdade, o americano é claro) é/foi o Mangabeira. E que é lingua corrente nos blogs, sites, imprensa e principalmente nas FAs que depender de um só fornecedor (frança) não é bem o que se quer…. Reitero que essa viagem pegou todos de “suprise”. Pra desbancar os ianques nesse jogo, além de aviões e offsets o Sarkhozy vai ter que oferecer ao lula um “changing wifes” tipo: lula fica umas noites com a Carla Bruni e o francês leva a dona marisa pra passear!ahahaha! Certamente é pacote fechado… Read more »

JACUBÃO
11 anos atrás

ACHO O F-18 UM EXELENTE CAÇA PARA A FAB, PRINCIPALMENTE SE VIER COM TODOS OS ARMAMENTOS DISPONÍVEIS P/ OS MESMOS, E DE QUEBRA, PODERIA VIR NO PACOTE UNS 14 F/A-18 Ex USN PARA DEFENDER O OPALÃO E COMPLEMENTAR OS AF-1 MODERNIZADOS.

ABRAÇOS.

Francisco AMX
Francisco AMX
11 anos atrás

Agora se vier uns 200 MBTs M-1A2, uns obuseiros, uns 4 Destroiers, uns 20 F-18C usadinhos, mas que nunca foram taxi! para o “paulista”, uns SAMs de variados tipos, + uns 30 Cobras…ficaria de bom tamanho!
Abraços!

Luciano Baqueiro
Luciano Baqueiro
11 anos atrás

Não vejo essa capacidade na ‘inteligencia governamental’, mas bem que poderia ser um belo blefe p/ barganhar algo mais c/ os franceses, p.ex. : os EUA estão nos oferecendo novas vantagens como blábláblá … vcs já estão c/ um trem de pouso do Rafale na cova, sendo assim só compro se me der x% de desconto e ainda vier isso e aquilo …
Mas acho que já tô querendo demais dessa galera do mal do planalto central.

JACUBÃO
11 anos atrás

PODERÍAMOS COMPLETAR ESTA LISTA COM UNS NDDs E MAIS ATUAIS, UNS SANs DO TIPO HAWK OU RAPIER, E OS MÍSSEIS HARPOOM PARA SUBSTITUIR OS EXOCET MM40.

Douglas
Douglas
11 anos atrás

são 120?? poderia se tyer um mix 80 F 18 e 40 F 35 a serem entregues como ultimo lote la pra 2018/2020.

Hornet
Hornet
11 anos atrás

Vixi!!!…estamos fazendo leilão com os futuroas caças da FAB… Quem da mais? Dou-lhe uma, dou-lhe duas… Vendido para aquele senhor ali do canto, com uma cartola cheia de estrelinhas brancas na cabeça e uma barbicha suspeita, que além de 36 caças também nos está oferecendo, 4 destróyers, 45 tanques, 3 máquinas de costura, 2 TVs coloridas, um fusca da Vimave e mais um fim de semana na Disney….hehehe Pra falar a verdade, acho que o Jobim está indo negociar com o secretário de defesa norte-americano a transferência de tecnologia exigida no processo do FX2, que é o assunto mais “delicado”… Read more »

welington
welington
11 anos atrás

A proposta americana em se tratando de material será a melhor, mas em termos de transferência tecnológica “sensível” só os franceses e Russos é que podem nos passar facilmente, mas convenhamos que a tecnologia sensível deles já é o F-22 e F-35, o F-18 é uma super aeronave mas para os padrões de tecnologia sensível dos americanos não é tão TOP a ponto de não poder transferir a ninguém(vejam o caso do F-20 que os americanos queriam vender o projeto para a gente) acho que se os EUA quiserem nos manter longe dos Russos e um pouco mais longe dos… Read more »

Fulano Beutrano
Fulano Beutrano
11 anos atrás

Como eu já esperava… os americanos sempre tem algumas cartas nas mangas e quando eles querem difato não perdem uma concorrência… e uma coisa é certa… não querem e nem podem perder influencia por aqui… então acho que vão jogar pesado… o que é muito bom pra nós.

Fábio Max
11 anos atrás

Os americanos tem muita coisa a oferecer num negócio destes, desde tecnologia, que seria o principal, até aeronaves para entrega imediata (F18s e F16s), como os F18 para o NAe São Paulo, passando por facilidades na aquisição de mais helicopteros Blackhawks e mesmo navios para a marinha. Mas eles oferecem isso para parceiros comerciais-militares que lhes dêem exclusividade, razão pela qual, não acredito que o negócio exceda à venda dos F-18 do FX3 com a opção de fechar o lote total de 120 aeronaves no futuro. Porém, se olharmos pelo outro lado, eles podem até adoçar um pouco a proposta,… Read more »

welington
welington
11 anos atrás

Só ressaltando uma coisa o Huguito mexeu no ponto que mais stressa os americanos energia nuclear ( tecnologia nuclear) firmando esta parceria com a Rússia( sou a favor de todos os países que quiserem possuir estas armas as possuam mesmo que seja o menor país do mundo trinidad e tobago), mas a Venezuela não é em nenhum momento preocupação para os EUA pelo menos até dominarem a tecnologia nuclear, acho que os EUA não querem perder mercado e influencia no seu quintal só isso por este motivo virão vários brindes e repito se eles transferirem as tecnologias que a FAB… Read more »

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

Como o título da matéria diz nova compra, o certo é que somente será anunciado após a visita do presidente francês ao Brasil.
O Brasil conta com a França como conta com os Americanos.
então o Brasil comprará alguns caças franceses e a “nova compra”ficará com os americanos, pois serão eles quem possui a quantidade de material que a FAB necessita.

Rogerfer
Rogerfer
11 anos atrás

Confesso que já começo a acreditar nesta história de transferência de tecnologia por parte do governo dos EUA. Tudo bem que o histórico da relação com eles não favorece muito esta idéia de tranferência de tecnologia, e com certa razão, mas está parecendo que o discurso realmente mudou (apenas impressão). Perceberam o “gabarito” da agenda do NJ? E o convite para retornar ao exercício da RedFlag, com o nosso F5, não têm alguma coisa estranha no ar! Não me surprienderia se os EUA ganharem o FX-2 e depois de algum tempo o Jobim negociar a compra de novos A4 pra… Read more »

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

Em tempo:
Os produtos americanos são universais. Os caças americanos são melhores, como são os celulares. Alguém já comprou celular francês? O Brasil precisa de quantidade e qualidade. A Embraer só tem a ganhar com a parceria com a Boeing.

kaleu
kaleu
11 anos atrás

Amigo Francisco AMX, o SH é um projeto novo 1998, já o Block II, oferecido ao Brasil é de 2006, o SH juntamente com o F22 e F35 serão a espinha dorçal da defesa aérea EEUU dos próximos 30 anos, portanto sua tecno não é obsoleta na visão americana, não queremos “brindes” queremos transf de tecno, para desenvolvermos nosso próprio vetor de 5ªG (palavras da FAB) e isso é o que esta sendo oferecido pelos americanos, a visita do N.J. serve tão somente para “confirmar” essa disposição americana com a chegada do novo Gov. Barack Obama, que é democrata e… Read more »

Wolfpack
Wolfpack
11 anos atrás

Senhores, escrevo a muito tempo que neste negócio não existe transferência de tecnologia, isso não passa de pretexto para passar mais facilmente no Congresso a autorização para a verba necessária. Nem França, nem Suécia e nem a Rússia passam tecnologia de ponta para parceiro nenhum. Os Estados Unidos não o fizeram com Israel, vão fazer com os Brazucas? Se os Americanos nos ofertarem toda a gama de armas para o F18EF, mais os AESA, tudo bem, é isso mesmo com um preço razoável, porque não? A Dassault teria trânsito mais tranquilo na Embraer, mas uma Aliança Boeing e Embraer para… Read more »

Wolfpack
Wolfpack
11 anos atrás

O problema do F18EF é sua espectativa de vida em produção, e evolução com as nossas tecnologias. Eu acredito que a plataforma, embora dizem que é uma totalmente nova, esteja no limite de seu desenvolvimento.

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

Em tempo III:
Os americanos já adiantaram 30 bilhões de dólares do tesouro americano para conter a “crise financeira dos banqueiros”. O mínimo que o governo poderia fazer é pelo menos comprar algo dos americanos em troca do favor e confiança no país.

DORNIER
DORNIER
11 anos atrás

Wolfpack VC FALO A VERDADE
O RESTO SO E INLUSAO

Manfred Von Richthofen
Manfred Von Richthofen
11 anos atrás

Wolfpack, não ache apenas, tenha certeza.
Você precisa ler esse material da Boeing pra ver que o F/A-18 Super Hornet tem muito espaço para crescimento ainda:
http://www.aereo.jor.br/downloads/pas_2007fa-18_final-r1

Baschera
Baschera
11 anos atrás

Heheheheeee… é a velha política do beija-mão e abaixa as calças….os mais “velhinhos” como eu, já virão este filme !!
Olha aqui menino Jobinzinho, vocês não podem ter estas arminhas não meu filho…… sua benção “padinho”….
Está encerrada a fase de compras de prateleira…… a não ser que nos ofereçam a prateleira.
Sds.

Ivan
Ivan
11 anos atrás

Amigos, esta notícia é muito boa. São apenas 32 ou 36 caças, mas é negociar com um país emergente, uma potência econômica regional (na verdade A potência econômica regional), rico em minérios (de todo tipo), com capacidade de alimentar boa parte da população do planeta, água doce como poucos, biodiversidade fenomenal (plantas, animais e, maravilhosamente, pessoas) um potencial de crescimento assombroso e uma democracia que a cada eleição amadurece mais. Eu estou falando do nosso BRASIL mesmo. Somos tudo isso e mais. Já escrevi várias vezes, temos que saber negociar e cobrar cumprimento dos contratos… Esqueçam o vexame bolliviano… Vamos… Read more »

Wolfpack
Wolfpack
11 anos atrás

Red Baron, Os slides são interessantes, já os conhecia, mas vc acredita realmente na capacidade desta célula sobreviver como plataforma principal de combate da USNAVY até 2030? Nada na apresentação fala sobre supercruise/furtividade (somente os pods Jamming), e thrust vector. O desenho da célula da aeronave é robusta, não existe dúvida sobre isso, mas pode suportar os anos que virão e as modernizações necessárias aos caças dos anos 2020/2025? Sinceramente isso não deve ser um impeditivo, falando sério, e considerando a política atual da FAB de manter as aeronaves com boa manutenção e upgrades F5EM, mas se deseja-se mudar o… Read more »

Ivan
Ivan
11 anos atrás

Baschera, Não adianta querer mudar os parceiros de negócio. Na verdade os E.U.A. são os maiores parceiros comerciais do mundo, inclusive da Venezuela. O que temos de mudar é nossa atitude… Beija mão? Não, vamos fazer negócios. Eles vão tentar defender o american way of life… Nós vamos defender nosso jeito de ser, nosso espaço no mundo. Por mim, faria negócios de defesa com americanos e franceses, com uma boa dose de negócios com Israel, só para dar equilíbrio. Não gosto de depender de ninguêm, mas ninguêm, pessoa ou país é totalmente independente.

rufini
11 anos atrás

castanhede é, sei sei

Francisco AMX
Francisco AMX
11 anos atrás

Kaleu, que falou em “brindes” foi o Welington! he he Minha visão sobre o SH: Pegaram o Hornet, aumentaram o tamanho (cpacidade de carga e autonomia), colocaram novos motores, novos atualizados e disponíveis sensores e equipamentos, revisaram a doutrina moderna da marinha e adicionaram nova suíte, colocaram radar AESA (movimento natural), entre outras menores modificações. Mas ele não deixa de ser o Hornet! aquele projeto dos anos 70! engraçado que tem muita gente aqui que diz que o SU-35 é um SU-27 melhorado! e está errado, o SU-30 é uma melhoria, assim como o SH é uma melhoria do Hornet,… Read more »

Manfred Von Richthofen
Manfred Von Richthofen
11 anos atrás

Wolfpack, acredito sim, porque o F-35 vai demorar a emplacar totalmente. O Programa está atrasado e vai atrasar mais ainda.
O F/A-18 Super Hornet é o melhor que podemos ter, porque o Rafale não vale o preço e não vai oferecer a flexibilidade do SH, nem a facilidade de manutenção.

Jorge
Jorge
11 anos atrás

Toda vez que alguém do governo brasileiro vai para os “States”, meu pesadelo retorna.

E começou desde quando o Sr. Lampreia (sinceridade típica dos arrogantes) disse que o Brasil devia abandonar a idéia de ser potência mundial.

Vão ser longos dias até que a decisão sobre o FX-2 seja tomada e aí vão ser longos meses até tudo ser explicado, se for. Haja coração.

Flavio Santana
Flavio Santana
11 anos atrás

O comentário do PEDRO me deixou pensativo.

Dassault fabrica 15 Rafales por ano (e tem os dos franceses juntos)… SH, apenas nós poderiamos receber 30-36 em poucos anos…

Fora a disponibilidade imediata de uns F-18 enqto os SH não chegam…

Não sei, diante da situação atual da FAB uns F-18 “imediatos” viriam bem a calhar…. Imagina se a gente ganha uns Cobras, obuseiros de bandeja… Pode valer a pena!

Iuri Korolev
11 anos atrás

Galante Embora não seja assunto relativo a essa matéria, essa semana ocorreu um fato que acho muito importante para defesa mas que passou meio desapercebido por aí “IAE/CTA celebra contratos 1 de Dezembro de 2008 A edição do dia 01 de Dezembro de 2008 do Diário Oficial da União (DOU) traz algumas informações sobre contratos celebrados pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), ligado ao Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), sobre projetos espaciais. Há um contrato em favor da companhia russa “Konstruktorskoe Buro Khimavtomatiky” – OSC KBKha, tendo como objeto a elaboração de concepção de complexo de testes e banco… Read more »

Baschera
Baschera
11 anos atrás

Caro Ivan,
Não pense que não acho que as coisas deveriam ser como vc escreve.
O problema é que sempre ocorreram como descrevi e desdenhei acima.
Toda a vez que vamos criar coragem para sermos independentes e desenvolvermos algo promissor, vem os EUA com seus “espelhinhos e bacias de plástico” para trocar…… e nós, índios, trocamos….
Sds.

WAR
WAR
11 anos atrás

Os norte americanos são nossos aliados naturais. Um atlantico sul dominado por esta aliança estaria de bom tamanho (vamos exportar os minérios do pré-sal para eles também. A Amazonia Azul não é só petróleo, lembremos). No entanto, é claro, não é bom depender apenas de um fornecedor. Parcerias (além desta com a França) com Israel e a Rússia (craque de bola em foguetes. Já estamos juntos nesta), são fundamentais. E copiar, não mata ninguém (desde que valha a pena enfrentar o desgaste político internacional, na opinião de quem realmente entende: nossos estrategistas, que estudam a vida inteira e muuuuuuito, para… Read more »

Marlos Barcelos
Marlos Barcelos
11 anos atrás

Prefiro os Rafales que são mais modernos, bem superiores aos f-18, mas os f-18 também nos daria superioridade aérea na América do Sul.

Marlos Barcelos
Marlos Barcelos
11 anos atrás

EUA são uma superpotência em declínio, as futuras potências mundiais pela nova ordem mundial que está surgindo são: China, Rússia, ìndia e Brasil em 4º lugar, o déficit americano chega a 4% (a dívida americana chega a 70%do PIB, hoje) do PIB por ano, taxa de crescimento baixo, quando não são negativas, envelhecimento da população, redução do PIB americano em realação ao mundo. O PIB mericano em 1929 era 50% do PIB mundial, Hoje é de 20% e entrando em recessão vai ser menor ainda, em poucos anos, talvez uma década, deixarão de ser superpotência. Temos que nos aliar com… Read more »

Henrique
Henrique
11 anos atrás

Prezados, Creio (minha opinião) que o momento na AL está levando o Brasil a acelerar suas ações na área de defesa. O provável calote dos “amigos” bolivarianos, aliado ao aumento da influência russa e ao sucateamento generalizado de nossas FAAs traz um casamento perfeito entre Brasil x EUA. Um querendo manter a influência na AL e o outro querendo rapidez na reestruturação de suas defesas. Neste jogo de interesses irá ganhar quem tem mais “bugigangas e tralhas” pra oferecer e os EUA tem muito mais opções a pronta-entrega do que os demais concorrentes além de poder prover com maior rapidez… Read more »