quarta-feira, maio 12, 2021

Gripen para o Brasil

T-50 Golden Eagle

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O T-50 Golden Eagle é um jato treinador supersônico coreano para o século XXI. Ele foi desenvolvido pela Korean Aerospace Industries, em conjunto com a Lockheed Martin americana. Existe também a versão A-50 ou T-50 LIFT (light attack aircraft).
O T-50 foi projetado para substituir os jatos de treinamento T-38, F-5B e o A-37. O primeiro vôo ocorreu no dia 20 de agosto de 2002, e entrou em serviço em 22 de fevereiro de 2005.
Pelas fotos, percebe-se que o design do T-50 recebeu bastante influência do caça F-16. O avião é motorizado por uma turbina GE F404, podendo voar supercruise a Mach 1,05 e alcançar velocidade máxima de Mach 1,4. O peso vazio é de 6.350kg e o máximo de decolagem é de 13.470kg.
Um canhão Vulcan M61-A1 de 20mm pode ser instalado atrás do cockpit, mísseis Sidewinder nas pontas das asas e a marioria das armas ar-solo padrão sob as asas.

- Advertisement -

45 Comments

Subscribe
Notify of
guest
45 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Erich Hartmann

Penso que a EMBRAER teria plena capacidade para projetar e fabricar ums aeronave do tipo, com algum bom parceiro estrangeiro da AL, Argentina ou Chile. Restaria saber a capacidade de vendas, mesmo em nosso país, que seria o calcanhar de Aquiles do empreendimento.

Fábio Max

Não seria uma boa opção, com aviônica Elbit, para substituir os Xavante no treinamento avançado da FAB?

RL

Erich. Concordo com o amigo quando menciona a parceria de mais paises da América Latina para o projeto. Vem de encontro ao cenário Sulamericano atual, por tres motivos. Primeiro pela questão da possível parceria já com a ENAER do Chile para o projeto do C-390 da Embraer, Segundo pela também possível participação da Embraer junto a empresa estatal argentina de aviação, e terceiro pelo fato da FAB junto da Embraer manifestar a reativação da linha de produção do AMX. No entanto, caso isso tudo fosse se concretizar, poderiamos abrir esta linha para fabricar os AMX-T sem necessidade de um novo… Read more »

Vassily Zaitsev

O Golden Eagle é excelente por ser novo; O AMX-T seria ótimo, por ser nacional; mas, na função de treinamento avançado prefiro o Mako, se um dia ele sair do papel.

Baschera

Senhores, o Vice presidente para o mercado de Defesa da Embraer já disse que o mesmo está morto. Não será mais fabricado, para desconsolo de suas viúvas.
O projeto do T-50 só pode ser terminado com a ajuda maciça da LM americana, inclusive financeira.
Repararam como o seu painel é praticamente igual ao do Super Tucano ?
Sds.

Tiago Jeronimo

Muito bom, muito bonito, mas já temos o super-tucano para treinamento, vamos gastar dinheiro com o que realmente é preciso.

Tomcat

Senhores, a despeito das qualidades do avião, ele parece uma fusão do F-16 com o F-18. Frente (radome, cabine, LEX e entradas de ar) do Hornet, com asas e traseira do Falcon.
De qualquer forma, queria muito esse pássaro na FAB!

Tomcat

Esqueci de comentar que até o trem de pouso é do F-16 também. A Lockheed-Martin não somente buscou inspiração, mas sim, pegou um F-16 e o encolheu!

Tomcat

Baschera, concordo com você sobre o AMX-T. Acho que “longa vida para os que ainda existem”, mas fabricar novos seria um tremendo retrocesso.
Para quem fala que ainda existe o ferramental, não deve ter lembrado de um fator chave: o A-1 foi um projeto conjunto Brasil-Itália, onde entramos com somente 30% do avião. Fabricamos as asas e, se não me engano, também as entradas de ar. Parafraseando Garrincha, teríamos que “combinar com os russos” (no caso, italianos), para reativar a produção. E isso, certamente, eles não irão querer.

Meirelles

Um AMX-T “turbinado” como treinador avançado não seria tão ruim assim.
Sds.

FALCON

Concordo c/ o Vassili o melhor avião p/ o treinamento intermediário seria o MAKO,porém ainda é um sonho,li (não me lembro onde) q o Brasil estava interessado em comprar ou fabricar o L-159,acho q p/ a nossa realidade essa aeronave seria interessante,pois me parece que ela é de fácil manutenção e barata de se operar e adquirir.ABRAÇOS .

FD

Mauro,

OS F-5B são completamente diferente do modelo “F”.

A FAB possui(a) alguns exemplares, vendeu para um Coronel da Reserva com apoio privado, mas não os entregou…

Walderson

Pessoal, alguns detalhes foram esquecidos por aqui; Baschera, vc está certíssimo. A EMBRAER já deu o recado: AMX nunca mais. Pessoal, falaram em juntarmos com Argentina, mas esqueceram que ela possui um treinador à reação (se não estou enganado o PAMPA), que ela já tentou vender, mas não foi muito longe. O Chile já está para desativá-los se já não o fez. Então acho complicado. Outro detalhe, a EMBRAER é macaca velha. Ela faz um vasto estudo antes de entrar no mercado. Sinceramente, penso que ela quer distância deste nicho, pois tem várias opções no mercado. O dela seria apenas… Read more »

garcia

Pessoal o AMX é tecnologicamente defasado, nem controles FLY-BY-WIRE tem. Não vejo motivo nem vantagens em ativar sua linha.

Baschera

Mauro,
Colega que trabalha na Embraer, disse a algum tempo atráz, antes desta polêmica : Não temos praticamente mais nada do AMX, o ferramental, os módulos de montagem, nada…. até algumas empresas terceirizadas já não tem mais os equipamentos. O que podemos fazer é remontar, tipo, de dois tentarmos fazer um…..
É o que vão fazer na modernização, espere e verá, e ainda vamos investir milhões para cada unidade.
Sds.

Baschera

Mauro,
Esqueci de escrever.
Dos 56 AMX da “frota”, somente serão modernizados menos de 30. O resto ficará para scrap.
Sds.

Fábio Max

Sei não…

Tenho certeza que li que o contrato de modernização dos A-1 é para 54 unidades…

Felipp

Só por curiosidade, Guido Pessoti, que foi projetista da Embraer (renomado, por sinal), foi projetista desse avião também. Li isso numa das primeiras revistas ASAS.
Só pra lembrar também, de nada adiantaria F-5B na FAB. Os que ela tinha ela já aposentou. O que lhe interessa são os F-5F, como já foi veiculado na imprensa especializada há tempos.
O Chile não tem e nunca teve o Pampa.
Abraços.

Nunão

Sei que a matéria já tem mais de uma semana de postada, o que num blog é uma eternidade, mas vai aí minha contribuição, caso alguém ainda passe por aqui: Considero a versão A-50 uma ótima pedida para o lado “low” de um hipotético hi-lo mix com o futuro FX-2, caso esse tenha futuro. Eu não boto fé que se consiga equipar todos os 8 esquadrões que hoje operam jatos na FAB por um único modelo da categoria dos prováveis finalistas (mesmo levando-se em consideração a extinção de algum esquadrão, sem falar na possibilidade de criação de novos). Apostaria mais… Read more »

[…] não conheçam, e a Escola de Pilotos de Teste da Marinha Norte-Americana este ano requisitou o KAI T-50 Golden Eagle junto à RoKAF (Republic of Korea Air Force – Força Aérea […]

[…] The Korea Times, o embaixador polonês em Seoul afirmou que o treinador supersônico sul-coreano, o KAI T-50 Golden Eagle, estaria à frente na disputa para equipar a Força Aérea Polonesa com uma nova aeronave Lift […]

[…] T-50 Golden Eagle […]

Erich Hartmann

Penso que a EMBRAER teria plena capacidade para projetar e fabricar ums aeronave do tipo, com algum bom parceiro estrangeiro da AL, Argentina ou Chile. Restaria saber a capacidade de vendas, mesmo em nosso país, que seria o calcanhar de Aquiles do empreendimento.

Fábio Max

Não seria uma boa opção, com aviônica Elbit, para substituir os Xavante no treinamento avançado da FAB?

RL

Erich. Concordo com o amigo quando menciona a parceria de mais paises da América Latina para o projeto. Vem de encontro ao cenário Sulamericano atual, por tres motivos. Primeiro pela questão da possível parceria já com a ENAER do Chile para o projeto do C-390 da Embraer, Segundo pela também possível participação da Embraer junto a empresa estatal argentina de aviação, e terceiro pelo fato da FAB junto da Embraer manifestar a reativação da linha de produção do AMX. No entanto, caso isso tudo fosse se concretizar, poderiamos abrir esta linha para fabricar os AMX-T sem necessidade de um novo… Read more »

Vassily Zaitsev

O Golden Eagle é excelente por ser novo; O AMX-T seria ótimo, por ser nacional; mas, na função de treinamento avançado prefiro o Mako, se um dia ele sair do papel.

Baschera

Senhores, o Vice presidente para o mercado de Defesa da Embraer já disse que o mesmo está morto. Não será mais fabricado, para desconsolo de suas viúvas.
O projeto do T-50 só pode ser terminado com a ajuda maciça da LM americana, inclusive financeira.
Repararam como o seu painel é praticamente igual ao do Super Tucano ?
Sds.

Tiago Jeronimo

Muito bom, muito bonito, mas já temos o super-tucano para treinamento, vamos gastar dinheiro com o que realmente é preciso.

Tomcat

Senhores, a despeito das qualidades do avião, ele parece uma fusão do F-16 com o F-18. Frente (radome, cabine, LEX e entradas de ar) do Hornet, com asas e traseira do Falcon.
De qualquer forma, queria muito esse pássaro na FAB!

Tomcat

Esqueci de comentar que até o trem de pouso é do F-16 também. A Lockheed-Martin não somente buscou inspiração, mas sim, pegou um F-16 e o encolheu!

Tomcat

Baschera, concordo com você sobre o AMX-T. Acho que “longa vida para os que ainda existem”, mas fabricar novos seria um tremendo retrocesso.
Para quem fala que ainda existe o ferramental, não deve ter lembrado de um fator chave: o A-1 foi um projeto conjunto Brasil-Itália, onde entramos com somente 30% do avião. Fabricamos as asas e, se não me engano, também as entradas de ar. Parafraseando Garrincha, teríamos que “combinar com os russos” (no caso, italianos), para reativar a produção. E isso, certamente, eles não irão querer.

Meirelles

Um AMX-T “turbinado” como treinador avançado não seria tão ruim assim.
Sds.

FALCON

Concordo c/ o Vassili o melhor avião p/ o treinamento intermediário seria o MAKO,porém ainda é um sonho,li (não me lembro onde) q o Brasil estava interessado em comprar ou fabricar o L-159,acho q p/ a nossa realidade essa aeronave seria interessante,pois me parece que ela é de fácil manutenção e barata de se operar e adquirir.ABRAÇOS .

FD

Mauro,

OS F-5B são completamente diferente do modelo “F”.

A FAB possui(a) alguns exemplares, vendeu para um Coronel da Reserva com apoio privado, mas não os entregou…

Walderson

Pessoal, alguns detalhes foram esquecidos por aqui; Baschera, vc está certíssimo. A EMBRAER já deu o recado: AMX nunca mais. Pessoal, falaram em juntarmos com Argentina, mas esqueceram que ela possui um treinador à reação (se não estou enganado o PAMPA), que ela já tentou vender, mas não foi muito longe. O Chile já está para desativá-los se já não o fez. Então acho complicado. Outro detalhe, a EMBRAER é macaca velha. Ela faz um vasto estudo antes de entrar no mercado. Sinceramente, penso que ela quer distância deste nicho, pois tem várias opções no mercado. O dela seria apenas… Read more »

garcia

Pessoal o AMX é tecnologicamente defasado, nem controles FLY-BY-WIRE tem. Não vejo motivo nem vantagens em ativar sua linha.

Baschera

Mauro,
Colega que trabalha na Embraer, disse a algum tempo atráz, antes desta polêmica : Não temos praticamente mais nada do AMX, o ferramental, os módulos de montagem, nada…. até algumas empresas terceirizadas já não tem mais os equipamentos. O que podemos fazer é remontar, tipo, de dois tentarmos fazer um…..
É o que vão fazer na modernização, espere e verá, e ainda vamos investir milhões para cada unidade.
Sds.

Baschera

Mauro,
Esqueci de escrever.
Dos 56 AMX da “frota”, somente serão modernizados menos de 30. O resto ficará para scrap.
Sds.

Fábio Max

Sei não…

Tenho certeza que li que o contrato de modernização dos A-1 é para 54 unidades…

Felipp

Só por curiosidade, Guido Pessoti, que foi projetista da Embraer (renomado, por sinal), foi projetista desse avião também. Li isso numa das primeiras revistas ASAS.
Só pra lembrar também, de nada adiantaria F-5B na FAB. Os que ela tinha ela já aposentou. O que lhe interessa são os F-5F, como já foi veiculado na imprensa especializada há tempos.
O Chile não tem e nunca teve o Pampa.
Abraços.

Nunão

Sei que a matéria já tem mais de uma semana de postada, o que num blog é uma eternidade, mas vai aí minha contribuição, caso alguém ainda passe por aqui: Considero a versão A-50 uma ótima pedida para o lado “low” de um hipotético hi-lo mix com o futuro FX-2, caso esse tenha futuro. Eu não boto fé que se consiga equipar todos os 8 esquadrões que hoje operam jatos na FAB por um único modelo da categoria dos prováveis finalistas (mesmo levando-se em consideração a extinção de algum esquadrão, sem falar na possibilidade de criação de novos). Apostaria mais… Read more »

[…] não conheçam, e a Escola de Pilotos de Teste da Marinha Norte-Americana este ano requisitou o KAI T-50 Golden Eagle junto à RoKAF (Republic of Korea Air Force – Força Aérea […]

[…] The Korea Times, o embaixador polonês em Seoul afirmou que o treinador supersônico sul-coreano, o KAI T-50 Golden Eagle, estaria à frente na disputa para equipar a Força Aérea Polonesa com uma nova aeronave Lift […]

[…] T-50 Golden Eagle […]

[…] para o fornecimento de radares multimodo EL/M 2032 para equipar os jatos de treinamento e ataque TA/FA-50 e radares de defesa aérea, no valor total de US$ 280 […]

Reportagens especiais

O Rafale apresentado por quem entende

O Poder Aéreo participou de uma coletiva com a imprensa especializada fornecida pela Dassault Aviation na LAAD 2009. A exposição...
- Advertisement -
- Advertisement -