As bases aéreas da FAB e a defesa do espaço aéreo brasileiro

fab_map

O principal vetor de defesa aérea da FAB é o F-5M (Mike), que é o famoso Northrop F-5E Tiger II modernizado pela Embraer, com aviônicos israelenses da Elbit. O F-5E ganhou uma sobrevida depois da modernização, mas ainda tem sérias limitações, como o pequeno raio de ação com carga bélica e a velocidade máxima de apenas Mach 1.6. A vantagem dos F-5M reside no seu novo radar e na sua capacidade de engajamento BVR, além do alcance visual, proporcionada pelos mísseis Rafael Derby.

f2000b-1A Base Aérea de Anápolis, no centro do país, criada na década de 1970 para a defesa de Brasília, abriga atualmente uma dúzia de caças Mirage 2000C, adquiridos de segunda mão da França. Com tecnologia da década de 80, a vantagem dos Mirage 2000 sobre os F-5M está na velocidade de Mach 2 e na alta performance em combate, similar a do F-16A. Os Mirage são deslocados para outras bases em exercícios da FAB e também têm, como os F-5M, capacidade de reabastecimento em vôo (aliás, uma das grandes limitações da FAB é o pequeno número de aviões-tanque, outro problema que precisa ser resolvido).

Os aviões de ataque A-1 (AMX), que começam a passar por um programa de modernização semelhante ao F-5BR, podem exercer uma função de defesa aérea marginal, em teatros de baixas ameaças, mas sua capacidade de combate aéreo é apenas para auto-defesa.
a-29-1Restam os A-29 Super Tucano, que são os vetores de defesa aérea na fronteira amazônica, contra vôos ilícitos feitos por pequenas aeronaves.

O Programa F-X2 é vital para que a FAB possa alcançar um novo patamar de credibilidade na defesa do espaço aéreo brasileiro, já que países vizinhos estão se reequipando com vetores muito mais capazes que os nossos, tanto em raio de ação, quanto em capacidade de combate.
Felizmente, uma grande vantagem da FAB diante dos avanços de forças aéreas vizinhas, ainda continua sendo sua capacidade de alerta aéreo e controle (AWACS), proporcionada pelos Embraer R-99A.

amx

FONTE: www.milavia.net

Neste dia na História da Aviação

1 de setembro de 1937 – Primeiro voo do Bell YFM-1 Airacuda, um caça pesado projetado para abater bombardeiros, o primeiro […]

O AT-26 Xavante, conforme visto (e voado) por Franco Ferreira

  O texto abaixo é de autoria do nosso amigo Gustavo Adolfo Franco Ferreira, tenente-coronel aviador reformado da FAB, especialista em Segurança […]

Caça F-35 Lightning II será testado contra o A-10 Thunderbolt II em 2018

Oponentes do esforço da Força Aérea dos EUA em aposentar logo o Fairchild Republic A-10 Thunderbolt II dizem que o avião […]

Helibras recebe novo reconhecimento de crédito pelo programa H-XBR

Empresa recebeu termo por cooperação industrial em valor superior a €17 milhões A Helibras recebeu mais um reconhecimento de crédito […]

Há 33 anos voava o caça Northrop F-20A Tigershark

Em 30 de agosto de 1982, o caça F-20A Tigershark fazia seu primeiro voo. Durante 40 minutos do voo de […]

Ciência do País vive pior crise em 20 anos

A crise econômica está batendo com força à porta da ciência brasileira. Não bastassem os ajustes fiscais, que reduziram o […]