Home Aviação de Ataque Suíça vai votar (novamente) sobre a compra de novos caças

Suíça vai votar (novamente) sobre a compra de novos caças

5460
90
Gripen E nas cores da Força Aérea Suíça – ilustração Saab

Os eleitores suíços terão uma palavra a dizer sobre a compra de novos aviões de combate – mas não sobre o tipo de jato. O Conselho Federal disse hoje que a questão seria colocada à nação, tendo em conta a grande quantidade de dinheiro envolvida e que era uma parte essencial da segurança nacional.

Ele acrescentou que os dois projetos anteriores para comprar novos jatos – F/A-18 em 1993 e caças Gripen em 2014 – também foram sujeitos a uma votação nacional. O contrato do Gripen de 22 aviões foi rejeitado por 53,4% dos eleitores.

Espera-se que seja realizada uma votação até 2020, o mais tardar. O governo disse que o tipo de avião será decidido após a votação.

Em novembro, o Conselho Federal disse que queria gastar CHF$ 8 bilhões (US$ 8,4 bilhões) em novos aviões de combate e defesas de mísseis para o Exército Suíço. O ministério da defesa foi incumbido com a análise de potenciais aeronaves e pediu-se que ele iniciasse conversações com a Airbus, Boeing, Dassault, Lockheed Martin e Saab.

Hohe, o grupo pacifista “Suíça sem Exército” criticou a estratégia do governo como “antidemocrática”, dizendo que os eleitores não saberiam nem o custo nem o número de aviões – ou mesmo o que os aviões poderiam mesmo fazer. O grupo disse que começaria a colecionar assinaturas para um referendo contra a compra.

FONTE: www.expatica.com

90 COMMENTS

  1. Novamente a população dirá não.
    Isso não é o tipo de coisa que o povo diga se quer ou não que compre.
    Imagina se fosse aqui. Não teria NG, nem Ocean, nem nada.

  2. A neutralidade deles sempre foi conseguida pela dissuasão que cada cidadão suíço tinha uma arma em casa.Isso para qualquer exército invasor vira um pesadelo.
    Aí lá tem um grupo suíça sem exército!
    Tem que mandar essa turma rachar lenha!

    • Antigamente né? Hoje uma nova guerra mundial ninguém escapa mais, visto que aviões podem fazer vôos a grande distâncias em poucas horas, mísseis balísticos,foguetes guiados e por aí vai….

      • Hitler subjugou a Bélgica e os Países Baixos em uma semana. Passou por cima da França em questão de mês. A Polônia também foi uma semana. E não invadiram a Suíça por causa dos cidadãos armados? Kkkkkkk

      • Bélgica, Polônia e Países Baixos foram subjugados em uma semana. A França, o maior exército do continente fora a Alemanha, foi derrotada em questão de mês. E a Suíça não foi invadida porque os cidadãos estavam armados. Kkkk

          • Esqueci de dizer que o Iraque está entre os cinco países com mais armas per capita do mundo, se estivessem desarmados era bem mais fácil.

        • O fato da Suíça ser montanhosa e ligar nada com lugar nenhum não deve ter nenhum peso na decisão do III Reich. Além disso, os alemães estavam tendo bastante trabalho defendendo a França e o litoral norte do continente.

          Um país montanhoso e condições climáticas complicadas é um problema, vide o poderoso Exército Vermelho na Finlândia e novamente eles no Afeganistão na década de 1970.

        • Foi exatamente por isso companheiro! A Suíça possui uma geografia montanhosa e uma população com treinamento militar e armada, é assim desde a idade média, por isso sempre esteve neutra em todas as guerras. No tocante a segunda guerra, possuía naquele momento um exército regular bem treinado e bem armado com 1 milhão de efetivos e uma população, inclusive mulheres, armada até os dentes. Subjugar a Suíça custaria muito caro ao exército nazista, Hitler não quis se meter neste atoleiro. Deve-se ter em mente que foi extremamente tentador para o líder nazista, como para outros conquistadores antes dele, dominar aquele país que guarda verdadeiras fortunas em seus bancos.

          • Na verdade os suíços foram grandes mercenários. Imaginem soldados acostumados com o clima montanhoso lutando mais perto do nível do mar com oxigênio sobrando. Os lanceiros suíços estavam entre o melhor que o dinheiro podia comprar. Tanto que a guarda papal era de suíços. Tradição mantida até hoje.

    • Pessoal, a Suíça nao foi invadida pelos alemães pois fez um acordo com os nazistas. Manteve seu território “neutro”, as custas de financiar com seus bancos o esforço de guerra alemão, além de ser fiel depositário de espólios (roubo) de guerra.

  3. Francamente… Nao entendo esse grupo “Suíça sem Exercito”… Em caso de uma invasao… Nao iriam se defender entao? Simplesmente aceitar o jugo???

    Me faz lembrar as aulas de Historia na escola: O Egito era invadido e dominado por “todo mundo”!! rs

    • Na antiguidade, quem era conhecido por fazer isso era cidade-estado de Tiro. Eles não lutavam. Simplesmente pagavam os tributos ao conquistador da vez, em troca eles eram deixados em paz.

  4. Emmanuel
    Aqui o povo só sabe qual foi o resultado do jogo de futebol, mais nada.
    .
    E na Europa essa modinha esquerdista do politicamente correto vai arruinar todo o continente.

  5. Pessoal tem que entender primeiro como é a democracia na Suiça. Eles são uma Confederação Helvética, onde os Cantões são muito autônomos.

    Isso é uma nação desenvolvida onde o cidadão que paga impostos deve ser consultada sim. E eles sabem, diferente de nossa sociedade, o que é uma política de estado de defesa.

    Cada um no seu quadrado. Mas acho que o sim ganha desta vez!

    • As pessoas daqui entendem o que é uma democracia, Marcelo. E pelo visto, claramente os suíços não sabem o que é uma política de estado de defesa, me desculpe. Uma força aérea que funciona apenas em horário comercial está lá só de enfeite, diga o que quiser.

      Os suíços apostam na força de seus colegas europeus para protegerem-se o que, a meu ver, e considerando que a Suíça possui recursos financeiros de sobra, é uma postura covarde e patética. Eles podem perfeitamente sustentar 22 Gripens sem qualquer efeito negativo nas suas condições sociais.

      • Por que ,do mesmo jeito que querer não é poder,o inverso também é verdadeiro,ou seja,poder não significa querer.
        Por mais improvável que possa parecer essa escolha, os Suíços podem vir a mostrar que ela não é impossível. Quem viver,verá…

  6. Pelo andar da carruagem, acredito que dará Gripen ou Typhon. Se bobear até o Rafale entra.

    Estou me referindo a “tendência” atual da Europa anti Trump.

  7. Por mais que o povo suíço seja bem educado e informado, esse tipo de questão (geopolítica, defesa nacional, qualidade e quantidade de meios e recursos de defesa, etc) está tremendamente além de sua compreensão. Trata-se de ótima oportunidade para esses “grupos” bradarem suas ideologias sensacionalistas e desinformarem/manipularem a sociedade a seu favor.
    É o lado ruim da democracia…. ou acham que só a democracia não tem lado ruim?

    • Adriano, me permita discordar. Você os está medindo pela régua dos brasileiros. Eles são bastante conscientes destas questões.

      • Por mais conscientes que os cidadãos medianos sejam, poucos entendem as complexidades da Defesa nacional.
        Para isso existem os especialistas, o Ministério da Defesa e os profissionais militares, estes sabem melhor do que ninguém o que um país precisa.

        • Desde Napoleão não são ocupados; não foram fantoches em nenhuma guerra mundial; mantiveram sua política interna e externa na Guerra Fria. Para eles o modelo funciona.

          Talvez o sucesso dos índices econômicos, sociais e de segurança venha do controle da sociedade sobre os gastos e a administração pública. Lá o Estado é visto como uma conjunção de esforços para a prosperidade coletiva, não um meio de enriquecer uma casta ao custo de uma maioria passiva. Do mesmo jeito que decidem sobre caças, também decidem sobre tributos e grandes obras de engenharia.

          Ademais, pelo que me consta, militares também são humanos, um tipo de espécie que habita a Terra e é famosa por ser falível, gananciosa, egoísta e egocêntrica. Ou seja, seu julgamento de necessidades muitas vezes pode ser viciado, para dizer o mínimo, quando não corporativista mesmo.

          Por fim, sabe um lugar onde os profissionais militares têm um destaque quase completo na sociedade e administração pública? Respondo: República Popular Democrática da Coreia.

          • Eles foram 100% subjugados pelos nazistas na Segunda Guerra mundial e você vem falar em “não foram fantoches em nenhuma guerra mundial”? Menos ufanismo, muito, muito menos.

          • “Eles foram 100% subjugados pelos nazistas na Segunda Guerra mundial e você vem falar em “não foram fantoches em nenhuma guerra mundial”? Menos ufanismo, muito, muito menos.”

            onde eles foram subjugados? explique de maneira coerente.

    • Este mesmo povo, quando convencido com fatos e argumentos por seus militares, transformaram o país quase numa fortaleza inexpugnável e a população em uma milícia de fazer a Força Nacional norte-americana de alguns estados passar vergonha.

      Se os generais suíços fazem tanta questão de caças de alto desempenho, que vão a sua população e apresentem os custos e as razões de forma clara e transparente, garanto que alguma coisa eles conseguem.

      Ps: este mesmo eleitorado rejeitou um projeto de renda mínima por 77%. Populismo e ideologia barata lá não cola tão fácil.

    • Eu acho interessante esse sistema suíço mas tambem acredito que tem que existe um limite, há alguns assuntos específicos como esse que a população no geral nao vai gastar anos estudando pra ter uma boa visao sobre o assunto. Um general conta com o auxilio de varios especialistas e ainda tem que estudar por muitos anos pra ter uma visao realmente ampla de segurança nacional. Acho que eles se apegaram demais a ideia de que ninguém vai invadir la, essa politica como ja falaram de so fazer voos em horários comerciais e ridícula. Nao sei se e certo analisar uma ocupação da Suíça apos Napoleão pois pais nenhum tentou invadir ela de la pra cá.

  8. Pelo menos desta vez parece que farão a coisa na ordem certa: primeiro o referendo autorizando o gasto, depois a escolha da aeronave.

    No processo anterior, fizeram o referendo após a escolha da aeronave (Gripen). Resultado: os lobbies dos concorrentes derrotados (Typhoon e Rafale) fizeram tudo que podiam para promover a campanha do “não”, de forma a forçar uma nova concorrência no futuro.

  9. Um povo educado, pacífico, sem pretensões bélicas. A Suíça está anos luz do resto do mundo. Seria….!, digo, seria bem melhor se não houvesse armas no mundo, mas isso e utopia. O ser humano e bélico por natureza. Quem não ataca pelo menos se defende como pode.

    • Sem pretensões bélicas? Cada cidadão armado em casa; caças distribuídos em bunkers encravados nas montanhas e com capacidade de usar rodovias como pistas; abrigos anti-aéreos (talvez com capacidade de resistir a ataques nucleares) com capacidade de receber a população total do país.
      Precisam mais do que? Claro tem que manter caças atualizados. Com certeza será aprovado e trocarão os F-5 pelo Gripen (preço, manobrabilidade e tamanho adequado aos bunkers).

  10. Esse tipo de democracia participativa só é viável onde a população já alcançou um nível educacional elevado. Se fizessem plebiscito para tudo no Brasil acabaríamos tendo carnaval o ano inteiro

  11. O fato dos suíços votarem reiteradamente contra o rearmamento não é culpa da democracia e dos referendos. A culpa é da incompetência do governo em demonstrar que isso é importante. Democracia nunca é demais.

  12. “O Conselho Federal disse hoje que a questão seria colocada à nação, tendo em conta a grande quantidade de dinheiro envolvida e que era uma parte essencial da segurança nacional.”

    Um gesto à altura de uma nação social e economicamente consolidada, o que faz a democracia direta num tema desses também fazer todo o sentido.

    É bem certo que o Brasil, por exemplo, eternamente na (de)formação social do seu povo, jamais teria uma massa crítica apta a discutir sobre esse tema, contudo isso não legitima, por outro giro, algumas escolhas bélicas, aberrantes do ponto de vista ético e estratégico, sem adentrar no financeiro, a título de manutenção de doutrina da qual nem se imagina …

    Tal povo, tais líderes, tal democracia.

  13. Acho que eles vão comprar o kfir eles fingem que tem uma força aérea,e os aviões ficam enfeitando a base.Acho que o grispen,é ideal para eles,e se serve muito bem s suécia serviria muito bem,tem um alcance bom,bem armado,aterriza em pistas curtas é a hora de võo e barata(em relação aos concorrentes.Eles pensam que os russos em caso de invasão na Europa,os pouparás,além de invadir vão saquear os cofres suíços,lembrando aõs suíços que eles tem uma posição estratégica,bem perto da Inglaterra.

  14. Boa noite
    Caso a Suiça selecione o GRIPEN seria benéfico para a EMBRAER? Me parece que as operações de venda/fornecimento EMBRAER/SAAB seriam conjuntas, embora já li que dependendo do mercado a venda seria direcionada para uma ou para a outra. Ainda não entendi como serão essas operações, se compartilhadas ou não.
    Algum colega pode informar melhor?

    • Imagino que talvez a Embraer fosse a fornecedora dos bipostos. Indiretamente, mais um cliente para a aeronave daria mais argumentos ao time de vendas da Embraer, nos mercados onde ela é responsável pelas vendas.

        • Convertem diretamente, mas usando o biposto do F-18 em parte dos voos de conversão. Da mesma forma que o Brasil, onde se converte diretamente do A-29 para o F-5, em que o primeiro voo de cada nova missão treinada é feito no biposto (F-5FM) antes de se voar no monoposto (F-5EM).

          Na concorrência passada abriram mão do biposto para economizar pois para formar os dois esquadrões usariam pilotos experientes que fariam conversão na Suécia. Mas futuramente provavelmente teriam um novo lote com biposto.

          Já para essa nova concorrência, que visa substituir também o F-18, certamente precisarão de exemplares do tipo biposto.

  15. Sem sombra de dúvidas o Gripen NG é o melhor vetor para Suíça por suas características.
    Não vejo outro concorrente se for aprovado o referendo. Ainda mais pela relação muito próxima entre estes dois países.

  16. A Suíça vai acabar comprando, e o fator custo operacional vai ser decisivo pela pressão dessa novela toda, logo o vencedor tem uma chance enorme de ser o Gripen NG. E com ctz em poucas unidades, talvez menos até que as 22 pretendidas anteriormente.

  17. O Padrão da Força Aérea da Suiça é um absurdo!!!! Linda demais. A FAB poderia dazer um favor e não estragar as cores do Gripen.

  18. Não acho que isso seja uma coisa que se devesse fazer consulta popular! Não existe o Ministério da Defesa da Suíça ? Não é destinado um orçamento todo ano para compra de material bélico ? Então pronto. A Força Aérea faz uma concorrência para escolher o melhor dentro dos requisitos que ela propõe e pronto, igual foi feito aqui!

    • Com um orçamento regular de um MD não da para fazer uma compra de caças de bilhões de dólares, para isso é previso um aporte específico do Governo com liberação do setor econômico e em muitos países uma aprovação do congresso.

  19. Daglian 9 de Março de 2018 at 20:09.

    Daglian, acredito que você confundiu a Suíça com a Suécia. E mesmo, assim, em minha opinião o verbo subjugar não se aplicaria, se a conotação que você utiliza for a de: submeter, subjugar ou sujeitar algo ou alguém pela força.

    Caso você de fato se refira à Suíça, gostaria que você me apontasse as batalhas travadas em solo helvético ou qual foi o governo de índole nazista ou fascista colocado no poder por Hitler, como ele fez na Europa Central e do Leste. Acredito que apenas assim, com total controle da política suíça, a Alemanha poderia subjugá-la.

    A participação da Confederação Helvética na Segunda Guerra Mundial de fato é polêmica, e está longe de haver um consenso. Muitas das críticas partiram dos Aliados no pós-guerra, o que soa cômico, já que até a declaração de guerra, os norte-americanos comercializavam normalmente com os nazista; a França entregou sua indústria e criou governos fantoches e a URSS tinha pactos secretos. Do mesmo modo, muitos países neutros também não podem tacar pedras ou acusá-los de fazer jogo duplo: Portugal fez acordos a respeito de territórios orientais com o Império do Japão; Suécia permitiu passagem de tropas e vendeu minérios de suma importância para o esforço militar; Espanha permitiu alistamento de seus cidadãos, etc.

    Para mim, a concentração de críticas neste país tem forte caráter ideológico e não leva em conta aspectos próprios do país, sem contar os exageros. O ideal oficial deles de neutralidade é não invadir, não aceitar invasão ou trânsito de tropas e não fornecer mercenários. O que de fato não fizeram. O apoio econômico, com transferência de capitais, conversão de moeda e entreposto de negociação também é colocado fora de perspectiva. Havia todo um continente para os nazistas surrupiarem. O que manteve a guerra por tanto tempo foi o desrespeito do regime nazista para com seu povo, a conquista de territórios e a exploração de seres humanos. Mas tem que prefira imputar a culpa em banqueiros inescrupulosos que trocaram dentes de ouro por rifles…

    Ademais, se havia tanta cumplicidade e apoio, por quê os suíços construíram tanto abrigos, fortalezas, obstáculos e armadilhas para veículos blindados e mobilizaram sua população? Tanto investimento apenas para manter aparência?

    Ps: sério? Você me considera um ufanista da Suíça? Agora além de russófilos e americanófilos temos o grupo de admiradores radicais da Suíça…

  20. O que o povo Suiço decide é problema da Suiça e é completamente irrelevante comparar a Suiça com o Brasil, por uma enormidade de fatores, pois creio que a única coisa comum ao Brasil e à Suiça é que ambos operam o F-5. O resto é comparar Elefante com Mixirica. Sem querer justificar as causas do problemas brasileiros não podemos tentar adotar soluções suiças para nossos problemas. A Suiça é menor do que o Rj. Nem vou perder mais tempo.

  21. Boa Tarde:
    Srs adminsitradores, perdoem-me pelo assunto não diretamente ligado à matéria. Fica a critério dos senhores publicarem e entenderei certamente se decidirem pela supressão.
    Dúvida: Talvez a informação ja tenha sido dada em outras matérias, porém não as encontrei no PA. Segundo informações da propria SAAB, a distância mínimo para pouso do GRIPEN é de cerca de 500 m e de decolagem de cerca de 600 m. Considerando essa característica os F-39 da FAB poderão pousar e decolar de Marte (PAMA-SP) ao invés de pousarem em Cumbica e serem transportados por carreta até o PAMA-SP como é realizado com os F-5? Existem outras restrições de operação que não seja o comprimento da pista de Marte?
    Obrigado

  22. Alguém aqui sabe se há uma possibilidade da adoção do empuxo vetorizado nos motores GE F414? Ou se a Saab tem idéia de implementar está solução para encrementar a capacidade de manobrabilidade.

    • Prezado Leonardo
      Creio ser muito difícil a adoção de empuxo vetorado no F-39 e cito motivos:
      1- Para que o VTC seja utilizado em uma aeronave, a estrutura da mesma deve prever os esforços estruturais advindos do uso de tal recurso, gerados nas manobras.
      2 – A fuselagem, mais particularmente a nacele do motor, teria que ser alterada, gerando perfis aerodinâmicos diferentes do atual, talvez com maior arrasto, o que significaria menor desempenho supercruise.
      3 – O empuxo vetorado é fundamental para aeronaves de decolagem/poso verticais, porém para voos em combate é muito discutível. Alguem poderia argumentar suas gabilidades em dog-fights porém esse tipo de combate esta cada vez mais distante da realidade uma vez que foram completamente descartados pelos mísseis BVR. O VTC seria inócuo se a aeronave estiver “travada” por um missil BVR de última geração.
      4 – Com excessão nas aeronaves VTOL, o empuxo vetorado é apenas para Shows Aéreos, na minha opinião.

        • A redução da assinatura térmica em um motor com VTC ficaria extremamente dificultada, alvo mais fácil para os AIM-9X ou R-27. Mas como eu comentei, apenas minha opinião, pelas pesquisas que fiz.

          • Poderia ser feita a vetorização através de motores turbojatos pequenos, tipo TJ-100 da PBS, a exemplo do que é utilizado no espaço sideral? É claro que não haveria capacidade para pouso/decolagem, mas estou pensando em manobrabilidade em dog-fight…
            É bastante clara a utilidade dos mísseis BVR e sua prevista letalidade, mas acredito que o dog-fight vai continuar a existir sob determinadas condições. Lembro que já o F-4 era inicialmente armado apenas com mísseis, porém durante a guerra do Vietnã houve necessidade de instalarem canhões, o que se provou muito útil e até hoje é utilizado nos mais diversos caças.

      • Grato pelas considerações.
        Suas informações foram de grande valia.
        E que está solução de VTC ficou um pouco fora das propostas de novos caças atualmente.

  23. O pais não tem pretensões de fronteira. Não tem paises interessados no seu territorio. Para que gastar uma fortuna em armas se pode melhorar (ainda mais) a qualidade de vida da população.
    Todos, todos mesmo, os imperios que tiveram o nivel.de gasto militar alto, caíram, desde a Assiria, Grécia e adjacencias, Roma, até chegarmos na URSS.

  24. não vejo grande coisa no exercito suiço eles se armam por que toda nação tem que ter um exercito mesmo que seja fraco , sobre questão de todo suiço usar armas em casa é uma faca de dois gumes um invasor vai ter que enfrentar um exercito muito maior que ele esperava por outro poderá atirar em qualquer cidadão suiço ou mesmo bombardear qualquer cidade e alegar que eram soldados em potencial , sobre o território ser montanhoso e uma dificuldade mas a suiça é um pais pequeno e sua população também não e muito grande para poder ter uma grande resistência , logo cairia , mas é um pais com tradição de neutralidade e é interessante que se tenha um pais neutro seja para transações econômicas como também para fins de negociação paz . só isso .

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here