Home Aviação de Transporte Fotos do Kawasaki C-2 ELINT

Fotos do Kawasaki C-2 ELINT

5373
44
AEL Sistemas
Kawasaki C-2 ELINT

As imagens revelam o progresso da variante de coleta de inteligência do cargueiro C-2 do Japão

O spotter japonês わかあゆ119V divulgou as primeiras imagens em alta resolução da aeronave japonesa Kawasaki C-2 de testes da versão de coleta de inteligência (ELINT).

A fotos, feitas na base da Força Aérea de Autodefesa do Japão (JASDF) em Gifu, mostra um C-2 com carenagens ampliadas no nariz, cauda, ​​parte superior e laterais da fuselagem traseira. De acordo com documentos divulgados pela agência de aquisição do Ministério da Defesa do Japão, a variante da aeronave terá uma suíte de inteligência eletrônica e inteligência de comunicação.

Gifu é o lar da Air Development and Test Wing da JASDF, que, como o próprio nome sugere, realiza testes de desenvolvimento e voo de novas plataformas e sistemas para a JASDF.

Um representante da Kawasaki no Singapore Airshow confirmou que a empresa recebeu um contrato “há vários anos” para desenvolver e construir uma aeronave para coleta de informações.

A Agência de Aquisição, Tecnologia e Logística do Japão em um simpósio de 2015 revelou em documentos que o Japão buscou uma nova plataforma para substituir o avião turboélice NAMC YS-11EB de COMINT, que deve ser retirado de serviço da JASDF.

Os documentos também revelam que os estudos iniciais sobre a modificação do C-2 em uma plataforma ELINT/COMINT começaram em 2004, com o desenvolvimento e modificações adicionais em uma bancada de testes a partir de 2013. Os testes de aceitação e início de voo na base aérea japonesa Iruma estavam programados para começar no final de 2017 e seguir até o final de 2018.

Espera-se que a plataforma C-2 ELINT/COMINT possa coletar, processar e transmitir dados interceptados de sistemas terrestres, navais e aéreos adversários usando um processo altamente automatizado, com antenas dentro das carenagens adicionais capazes de interceptar sinais emitidos em um amplo espectro de freqüência de longo alcance, bem como identificar a direção e a localização dos sistemas adversários.

A Kawasaki produziu seis dos 40 C-2 encomendados pela JASDF, e o governo japonês tem tentado ativamente promover o tipo em ultramar como parte de seu esforço para exportar artigos de defesa japoneses. A JASDF já enviou o C-2 ao Dubai Airshow, além de visitar a Austrália e a Nova Zelândia, com a última tendo requisito para um novo avião. (com informações do Defense News)

44 COMMENTS

  1. Isso demonstra que o nosso KC-390 pode se desdobrar em diferentes versões o que reduziria custos de operação pela plataforma em comum, acredito que ele possa realizar missões de alerta aéreo em um primeiro momento é poderia se converter em uma plataforma de patrulha marítima, podendo até mesmo carregar mísseis anti-navio .

    Alguém saberia me dizer quais as versões já em testes ou ao menos planejadas para o KC-390 ?, GRATO . ..

  2. Ele deve substituir também o YS-11EA, YS-11 Elint/Sigint que usa motores GE do Buffalo, porque os originais RR Dart interferiam na eletrônica a bordo.
    Muitos ventilam que deveriam ter uma versão menor que o C-2, como foram feitos o EC-1 e YS-11EA, pois o C-2 é uma plataforma grande e cara de se voar como único vetor para isso.
    . https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQn-EfGFjgd-UdbCpuNN9hJplJnEeFI9UNYGGH0CoVKP5T7d8dFjlM_5na4dg

  3. Prefiro um E190 E2 com as asas do E195 pra ser nosso futuro avião de patrulha marítima e alerta aéreo antecipado. Nossos futuros aviões de reconhecimento poderiam ser desenvolvidos sobre uma plataforma Executiva da Embraer. Um jato na categoria do Global ou Gulfstream em termos de alcance, caso ela venha a desenvolver um dia. (Ela já demonstra interesse.) No mais achei estranho esse avião com essas “deformações” pela fuselagem.

  4. Marcelo, se não estiver falando bobagem as asas do 195 são maiores acredito que poderiam levar mais combustível. Mas isso fica prós nossos amigos que detém maior conhecimento. Saudações.

  5. “MATHEUS 16 de Fevereiro de 2018 at 19:01
    Prefiro um E190 E2 com as asas do E195 pra ser nosso futuro avião de patrulha marítima”
    .
    Q coincidência !! A a Boeing teve a mesma “ideia” q vc para o P8 Poseidon (asa de 737-900 em airframe de 737-800)…

  6. “Mauricio R. 16 de Fevereiro de 2018 at 22:56
    São 10 ton a mais que o “+ um” e 1 ton a menos que o A-400M.
    Melhor esse “Atlantique 2020”, que qualquer coisa que a Embraer faça, ao menos são 8 países dividindo a conta.”

    Como vai Mauricio R. ???
    Parece-lhe que as “uvas continuam verdes”, não é querido ???

    Para a Embraer, tanto faz se é “+ um, “- um” ou “nenhum”.
    Aliás, para a Embraer, tanto faz você ou eu !!!

    Caso você não tenha se dado conta durante estes anos todos, o mentor do KC390 é o Governo Federal via Ministério da Defesa.
    E, como mentor, é ele quem dita as regras e paga a conta.
    Conta essa coberta pelos impostos do contribuinte, entre eles, eu e você …

    A vantagem é que o “+ um” terá sua serventia junto às FAB e não será um elefante branco resultante de uma malfadada “Copa das Copas do 7×1”, que como legado deixou estádios grandiosos e superfaturados sem uso algum e obras de mobilidade (vide VLT de Cuiabá) a custos estratosféricos e jamais concluídas.

    Por falar em oito países dividindo a conta, esta notícia deve te interessar (traduzido):
    Fonte: https://www.ainonline.com/aviation-news/defense/2018-02-15/airbus-loses-more-money-a400m-airlifter

    “Airbus perde mais dinheiro no transporte A400M”

    “A Airbus declarou mais uma perda de 1,3 bilhões de Euros (US$ 1,6 bilhão) no avião A400M para o ano fiscal de 2017, o último de muitos outros custos anuais sobre o projeto problemático.”
    “Seis nações parceiras europeias, como a Alemanha, consideram uma redução na quantidade de aviões encomendados.”

    Você viu Maurício R., a Airbus com o seu “+ seis” em nada é melhor que a Embraer, já que para você “melhor esse Atlantique 2020 que qualquer coisa que a Embraer faça”, para usar as suas palavras …

    Um abraço a você, querido!

  7. O Brasil tem inumerar formas e modelos de aviões para fazer patrulha aéreas até o kc pode se transformar em um,já que o que interessa é o recheio eletrônico.Esse avião deve ter um preço bem salgado,pois todo armamento feito no japão diferentemente da china,sai caro para nossos padroês.è só ter um contrato na mão que a Embraer faz e faz bem feito.

  8. Rapaz que “bichão nervoso”.
    Bonito demais.

    Acho que o Brasil deveria se aproximar da indústria de defesa Japonesa.

    Temos forte ligação cultural com eles.
    A maior população japonesa fora do Japão vive no Brasil. A maior colônia imigrante no Japão é brasileira.
    E como a indústria deles é extremamente avançada, inclusive a militar, só teríamos a ganhar com uma eventual parceria.

    Mas vá convencer nossos generais, almirantes e brigadeiros que só sabem olhar EUA e outros países da OTAN pela frente…

  9. Olá.
    Mauricio R. 16 de Fevereiro de 2018 at 22:56
    Xará, logo qualquer reclamação, crítica ou elogio destinado a Embraer ou seus produtos deverá ser encaminhado para Chicago…
    SDS.

  10. Pessoal, não se fala mais do KC390, nenhuma pista, nada?PTZNF qual resultado das apurações daquele ESTOL? E o que foi para a AMÉRICA? Estou com muita saudade de ouvir notícias deles e o andamento do progeto. Falando de associar com indústria japonesa não seria má idéia não, más ,porque será que não consegue sair do quadrante ocidental?

  11. Mauricio_Silva 17 de Fevereiro de 2018 at 11:52
    Olá.
    Mauricio R. 16 de Fevereiro de 2018 at 22:56
    Xará, logo qualquer reclamação, crítica ou elogio destinado a Embraer ou seus produtos deverá ser encaminhado para Chicago…
    SDS.

    Se a empresa não tivesse mérito nem a FAdeA argentina olharia para ela …

    Uns veem o copo meio vazio.
    Outros veem o copo meio cheio …

  12. PR-ZFU decolou de Casablanca no Marrocos e está vindo direto até o Brasil, creio que vai pousar em Recife. Alguém sabe onde foi realizado os testes de vento cruzado do E190 E2? Ou será que ainda bem foram feitos? Engenheira “Gata” disse que o PT-ZNF ia decolar semana passada. Até agora nada…

  13. Caerthal 17 de Fevereiro de 2018 at 11:43
    8 países definindo requisitos comuns, não tem como dar errado.
    Caerthal, tem tudo para dar muito certo ou muito errado se cada um insistir nas suas necessidades, agradar gregos e troianos nem sempre é possível.

    • Exato, Walfrido e Caerthal

      Muitas vezes 8 países que se juntam pra definir “requisitos comuns” de um avião, levam anos e anos em reuniões e de comum, no fim de muita briga, ficam só a fuselagem, as asas e, quem sabe, os motores…

  14. W. Strobel,

    Pensei que teria ficado clara a ironia, penso tem tudo para da errado (vide o A400 que foi um saco de gatos). Estava fazendo referência ao amiguinho que sempre se destaca pelas críticas à Embraer (ele se enrola um pouco quando tem que elogiar algum outro programa ou empresa porque a contradição é muito evidente).

    É um avião de nicho e francamente não há como não se decepcionar com a indústria aeronáutica do Japão, que recebe um estímulo governamental tão poderoso e prolongado. Não consigo me lembrar que nada excepcional em termos de performance ou custo/benefício. Como as aeronaves são operadas apenas por suas forças armadas fica difícil ouvir uma crítica ou opinião isenta.

  15. A Airbus com todos os problemas do A-400M, tem 179 aeronaves encomendadas e já entregou 54, o que é o dobro do tamanho da única encomenda que o “+ um” tem.

    “Flight Fleets Analyzer records Airbus Defence & Space as having so far delivered a combined 54 A400Ms to the air forces of France, Germany, Spain, Turkey and the UK, plus four to export customer Malaysia. The company’s total order book for the Atlas remains at 179 units.”

    (https://www.flightglobal.com/news/articles/a400m-customers-move-towards-fresh-contract-revision-445730/)

    Fernando “Nunão” De Martini 17 de Fevereiro de 2018 at 17:25

    Se não fosse pelo F-35, seu raciocínio até que faria sentido.

  16. Uma coisa é você ter um líder inconteste no programa (EUA no caso do F-35, Brasil para o KC-390), com países se agregando a um produto basicamente definido visando a sua industrialização, com pouca customização. Bem diferente é juntar 5, 8, 10 países em “pé de igualdade” para chegar a um consenso. Pode funcionar, mas é uma loteria.

  17. “Mauricio R. 17 de Fevereiro de 2018 at 18:20
    A Airbus com todos os problemas do A-400M, tem 179 aeronaves encomendadas e já entregou 54, o que é o dobro do tamanho da única encomenda que o “+ um” tem.”

    Melhor tem 28 encomendas firmes ao preço contratado e justo do que ter US$ 1,6 bilhão de prejuízo somente em 2017.
    Esqueceu também de comparar quantos são os países atrás do malfadado programa.
    Esqueceu também de comparar a economia desses países com a do Brasil.

    Entenda, você gostando ou não, a realidade não mudará.
    O KC390 está próximo de sua certificação e três aviões já se encontram na linha de produção, um deles, praticamente pronto …
    Ahhhhh, mas os corneteiros …

    Um abraço a você, querido !!!

  18. Olá.
    É realmente difícil passar mensagens com “toques de ironia”, sem ser “agressivo” ou “mal educado”.
    Eu tentei…
    Quando ao C-2, mostra a inegável mudança de postura bélica que o Japão está passando: de um país “legalmente” pacifista para “legalmente” defensivo; seria a próxima etapa, “legalmente” ofensivo?
    SDS.

  19. Mauricio_Silva 17 de Fevereiro de 2018 at 21:53

    As regras do blog são, ou deveriam, valer pra todos.
    Inclusive você.

    NOTA DOS EDITORES: AS REGRAS SÃO IGUAIS PARA TODOS, QUE SÃO ADVERTIDOS INDEPENDENTEMENTE DE SUAS OPINIÕES, DENTRO DOS LIMITES DA TOLERÂNCIA PARA QUE NÃO VIRE CENSURA. ISSO MUDA, PORÉM, QUANDO A PESSOA É SUSPENSA MAIS DE UMA VEZ POR ATACAR OS DEMAIS E USAR O ESPAÇO COMO PALANQUE PARA INTERESSES PESSOAIS, COMO É O SEU CASO. PARA OS QUE JÁ FORAM SUSPENSOS, OS EDITORES SÃO MENOS TOLERANTES E OS COMENTÁRIOS SÃO BLOQUEADOS AUTOMATICAMENTE E PUBLICADOS SÓ APÓS VERIFICAÇÃO, COMO FOI O CASO DESTE.

  20. Pois é, meu comentário ironizando esse Maurício R foi bloqueado.

    Esse sujeito a anos destila a frustração pessoal dele com a Embraer, desrespeitando a empresa, seus empregados e esse espaço aqui.
    Tem muito tempo que vejo as advertências à ele, como essa acima.

    Mas seus comentários mentirosos e depreciativos continuam sendo publicados. Aos editores, nos façam um favor e apague os comentários dele igual fazem com os nossos que fogem às regras do site. Esse espaço aqui é único e não merece essa ladainha que esse cara prega.

    Porque se fica só os comentários dele, é capaz de algum despercebido não vacinado sair replicando por ai a besteirada que ele posta!

    NOTA DOS EDITORES: AS REGRAS SÃO PARA TODOS E OS ESCLARECIMENTOS E AVISOS PERTINENTES JÁ FORAM DADOS EM NOTAS ANTERIORES. CHEGA DESSE ASSUNTO.

  21. Olá.
    “?”
    A própria existência de uma versão ELINT do modelo C-2 mostra que o país (Japão) está mudando sua postura.
    Faz sentido, uma vez que a região está se tornando um “Hot Spot”, devido, principalmente, a pretensões chinesas na área. Não dá para ser somente “flower power” na região.
    SDS.

  22. Uma aeronave a reação para Patrulha foi descartado anteriormente e seria um erro pelo modo de operação que geralmente é feito abaixo de 5000ft, a não ser que se tenha uma tecnologia de radar ______________capaz de identificar um napaco em alto mar a 20000ft. Fora isso, os P3 ainda são uma boa plataforma.

    COMENTÁRIO EDITADO. MODERE O LINGUAJAR. LEIA AS REGRAS DO BLOG.

  23. Se (poe um grande se aí) a Embraer lançar uma versão turbohélice do E2 talvez essa fosse a aeronave mais adequada ao trabalho de patrulha marítima combinando menor custo por hora (menor consumo), grande persistência e capacidade de carga relevante. Quem sabe se um projeto conjunto de patrulha/TP regional e o uso de sistema emprestados do P8 não viabilize as coisas?

    Quanto ao nosso amiguinho, nenhuma trégua lhe será dada. Como ele participa apenas para criticar, sofrerá igualmente. Falou bobagem ou caiu em contradição será lembrado, simples assim.

  24. Não acho que a Embraer vá entrar em um nicho reduzido destes ali, muito menos projetar um turboélice específico para tal função.
    O sucesso da empresa se dá por fazer bem o que se propõe a fazer, sem querer competir em faixas saturadas de mercado e com gigantes dominando a área.
    Uma pena nossos governos serem tão incompetentes a ponto de deixar o KC comercialmente abandonado como produto nacional.

  25. Caerthal 17 de Fevereiro de 2018 at 11:43
    8 países definindo requisitos comuns, não tem como dar errado.

    Na vdd eh o contrário, tem tudo pra dar errado justamente por isso.

    Mt cacique pra pouco índio.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here