Home Aviação de Caça FAB queria caças suecos desde 2002, diz FHC testemunha de Lula

FAB queria caças suecos desde 2002, diz FHC testemunha de Lula

14069
62
Caças Gripen e Mirage IIIEBR em Anápolis, no ano 2000

Ex-presidente, arrolado pela defesa de seu sucessor, declarou à Justiça Federal que, ao final de seu segundo mandato, ‘achou melhor não fazer uma compra que seria paga por outro governo’

Segundo o Estadão, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse nesta terça-feira, 12, que a Força Aérea Brasileira (FAB) já tinha preferência pelos caças Gripen, fabricados pela multinacional sueca Saab, em 2002, ao fim de seu governo. Em depoimento por videoconferência à 10.ª Vara da Justiça Federal em Brasília, ele explicou que a opção da Aeronáutica foi-lhe manifestada numa reunião, mas que ele preferiu não comprar as aeronaves de defesa naquele momento para não “onerar” a gestão do sucessor, que viria a ser Luiz Inácio Lula da Silva.

“Depois de um longo processo de escolha, houve uma reunião e a decisão da FAB naquela época era de comprar os aviões suecos. Os suecos estavam dispostos a transferir tecnologia”, disse o ex-presidente tucano. “Não foi tomada a decisão. Como estava se aproximando fim do meu mandato, achei melhor não fazer uma compra que seria paga por outro governo”, acrescentou.

Nesta terça, 12, também depuseram como testemunhas de Lula o ex-ministro da Fazenda na gestão de Fernando Henrique Pedro Malan, além dos ex-ministros da Justiça José Eduardo Cardozo e da Defesa Nelson Jobim. Os dois últimos exerceram os cargos nos governos petistas.

As testemunhas negaram saber de qualquer interferência de Lula no governo de Dilma para viabilizar a MP e o contrato dos caças. “Absolutamente, não, nenhuma (tentativa de Lula). Quero lhe falar algo que eu presenciei: a presidente Dilma tinha uma característica de não permitir ingerência política de quem quer que seja. Reagia muito mal”, disse Cardozo.

Jobim explicou que uma comissão da Aeronáutica entendeu ente 2009 e 2010 que os Gripen eram os modelos que mais atendiam às necessidade do Brasil. Porém, em sua gestão, a Defesa decidiu fazer uma reavaliação sobre o caso, levando em conta a estratégia nacional de defesa, que envolvia questões mais amplas, e indicou os caças franceses Rafale como melhor opção, embora eles fossem mais caros.

Ele explicou que deixou o governo em 2011 e não participou mais de tratativas a respeito, mas que a FAB manteve sua opção original. Jobim contou que, ao assumir o cargo, em 2007, o então presidente Lula lhe deu carta branca para tocar o projeto dos aviões e nunca interferiu nas negociações. “Em momento algum, o presidente fez qualquer tipo de referência sobre esse tema”, disse.

VEJA TAMBÉM:

62 COMMENTS

  1. Ou seja, FHC foi um covarde, que abdicou de um ato de governo que teria poupado a FAB de 10 anos de inúmeros custos, de atraso tecnológico, de papo furado e encheção de saco!

  2. Fabão,
    Ao meu ver quem merece esse puxão de orelha é o Lula que deixou de comprar os caças substitutos do Mirage 3 por conta do populismo de dizer que era para poupar para o “Fome Zero” e depois comprou o Aerolula pra substituir o Sucatão.

  3. É a raposa fantasiada de Galinha no galinheiro esse FHC. Não tenho como provar, nem idade e saúde para me estressar mas a situação é mais tenebrosa de que se apresenta. É triste.

  4. Fabão,
    Ao meu ver quem merece esse puxão de orelha é o Lula que deixou de comprar os caças substitutos do Mirage 3 por conta do populismo de dizer que era para poupar para o “Fome Zero” e depois comprou o Aerolula pra substituir o Sucatão.

  5. Baita atraso em termos de desenvolvimento tecnológico e de doutrina.
    Se aparentemente todos os últimos presidentes poderiam ter dado carta branca a compra de novos caças, porque só a Dilma finalmente encerrou a novela? Nunca saberemos!
    Pelo menos saiu, saiu atrasado e está tudo atrasado, mas saiu.

  6. Gustavo 12 de setembro de 2017 at 17:21
    Discordo do amigo… A Saab aventou o desenvolvimento do Gripen NG, hoje Gripen E/F, exclusivamente em resposta ao Program FX2 do Brasil? Por acaso ela não mirou no reaparelhamento, a princípio, da própria Força Aérea Sueca?
    Tivesse o governo FHC feito a aquisição do Gripen C/D, as possibilidades de alguma ‘ToT’ e/ou desenvolvimento conjunto da Saab com a EMBRAER para a futura nova versão do Gripen é que ficariam — acredito — descartadas. Mas acho que o Gripen NG viria ao mundo assim mesmo.
    Bem, é o meu entendimento…
    Abraços!

  7. Em setembro de 2009 Lula anunciou o Rafale como vencedor do programa FX-II, antes mesmo de comunicar à FAB essa decisão, que felizmente não se concretizou.

  8. Tivesse o FX se resolvido por aquela época, e hoje estaríamos discutindo o MLU das aeronaves, além de estar projetando uma compra para a década que vem…

    Em verdade, creio que o interesse da FAB é até anterior ao ano 2000. Lembro-me de ter lido matérias na época a respeito do caça e de como ele era visto com bons olhos no Brasil.

  9. Gustavo ( 12 de setembro de 2017 at 17:21 );

    Não creio… Penso que ‘Gripen E’ sairia de um jeito ou de outro; até por interesse dos próprios suecos em manter sua industria aeronáutica viva e o mercado provável… Na realidade, se houvéssemos optado pelo ‘Gripen C’, o modelo seguinte seria uma opção natural na década que vem…

  10. Vejam por esse lado…. pelo menos resolveu esse caso – não a melhor escolha, na minha humilde opinião – e teremos uma versão mais avançada que a a da época. Assim não teremos mais uma desculpa em não modernizar a aeronave pois esta será em estado de arte.

  11. Foi melhor assim.
    Caso tivessem fechado em 2002, hoje estaríamos voando a variante C, já desatualizado e inferior ao Gripen E em praticamente tudo.
    Sem falar que Lula poderia vir com a tesoura e capar as encomendas, restringindo para 12 lá no GDA.

    Sds.

  12. Em uma situação de crise FHC fez o correto: Deixou para o sucessor assinar a compra de uma despesa de bilhões. O problema aí é que o ladrão que veio depois jogou tudo na maracutaia das suas raposas e saiu fazendo lobby para a França e seus caríssimos Rafale. Tava tudo praticamente pronto para fechar logo em 2003 a compra do pacote sueco mas Lula sentou em cima e ainda peidou.

  13. O avião da Airbus que serve à Presidência da República foi comprado no governo FHC e entregue quando Lula era Presidente.

  14. O Lula na época candidato a Presidência apoiava abertamente o Mirage2000mk2, chamado pela Embraer de Mirage 2000BR, fictamente um caça brasileiro.

    Se o FHC decidisse no final do mandato o Lula iria rever a decisão. Ira causar mais confusão. Era melhor deixar para o novo presidente mesmo.

  15. Calma aí gente, estamos falando de 2002, ou seja, 15 anos atrás. O Gripen C naquela época era avançadíssimo, ainda hoje é uma boa aeronave. O FX-1 envolvia apenas 12 aeronaves, se a decisão fosse tomada naquela época, hoje estaríamos, no mínimo, com mais dois esquadrões, pois atravessaríamos a época da bonança (entre 2004 a 2013 o Brasil teve um PIB médio de 4%).
    .
    Muito provavelmente estaríamos planejando a versão E/F com os suecos, sem desespero, para entregas a partir de 2022 (poucos lembram que a Suécia queria a versão E somente para 2022, anteciparam para 2019 com o objetivo de atender ao FX-2, talvez seja esse um dos motivos para as poucas notícias sobre a versão E).
    .
    Naquela época até existiu a possibilidade de participação societária (20%) da SAAB na Embraer e vice-versa. A indústria brasileira teria participado, em conjunto com os suecos, de todos os estudos e soluções encontradas para aumentar a autonomia da versão C/D, que é muito mais necessária para nós do que para os suecos.
    .
    Estaríamos milhares de quilômetros à frente em termos de doutrina aérea e de indústria aeronáutica. Essa decisão de FHC, na minha opinião, foi desastrosa sim. Ele deixou para o próximo governo uma concorrência que foi toda feita na sua gestão. Essas decisões são de estado e não de governo, perdemos 15 anos por essa omissão camuflada de responsabilidade.
    .
    Ps: não estou excluindo a falta de responsabilidade de Lula com essa opinião.

  16. Ok todo mundo mais a torcida do framengo e do curintias queriam o Gripen,
    mas isso não exime ninguém de comissões (café) e é por ai que as investigações tem que rolar.

  17. Todos já sabiam disto, estamos sofrendo de uma amnésia coletiva seletiva, o preferido por Lula era o Rafalle, quevha estaria por aqui, se não fossem as exigências da FAB. O Gripen era o predileto do alto comando da FAB, e principalmente da Embraer, tudo está nos jornais, revistas, depoimentos. Os aviadores preferiam o SU 30/35 que foram ignorados pela FAB, no início do processo. Lula é um idiota, nas não o culpe por erros e interesses de outros.

  18. Paulo Jorge 12 de setembro de 2017 at 18:09
    .
    P. J., esta mentalidade que existe de ficar esperando o melhor acaba atrasando as Forças Armadas.
    Ja ouvi que foi bom não modernizarem os Mirage III porque não geraria a compra dos Mirage 2000.
    Que foi bom não modernizarem os Mirage 2000 porque poderia atrasar a decisão do FX-2.
    Que foi bom não comprar os F-16C/D ou o Gripen C/D no FX-1 porque hoje não seria comprado o Gripen E/F.
    E assim vamos voando de F-5E/F modernizados, pelo menos estes foram modernizados.

  19. Isso é o que, no mundo jurídico, se chama de tergiversar.
    Para que chamar esse Sr., ex Presidente, para falar de um crime que, em tese, teria sido praticado após o impasse “Super Hornet” e antes das eleições de 2014 ??????? Se foi escolhido lá atrás, em 2002, pouco importa. Aliás disso já tínhamos forte indicativos. O fato real, controvertido, é que esse negócio estava empacado. Já se falava em F-16 ex-USAF. E aí, após anos de espera, de repente surgiu uma decisão no final de 2013. Dizer que o Gripen teria sido escolhido em 2002 ou no relatório da COPAC de janeiro/2010, nada tem a ver com o objeto da denúncia.
    Abraços

  20. Muito bem, Galinha.
    Usando a lógica jurídica.
    Esse molusco só tentando embolar o meio de campo.
    Talvez na defesa também mencione o fato de que até a África do Sul também comprou gripen. É a Suécia também.
    Portanto, se lá foram compraram, por que não aqui?
    Alguém perguntou as testemunhas porque a decisão só foi tomada no final de 2013 e se os grampos de Obama tiveram influência?
    E porque Lula queria rafales e anunciou?
    E porque desistiu, já que não dependia dos militares para dar canetada?

  21. Em defesa da SAAB e do Gripen é público e notório que o Lula queria com toda a potência dos motores e supercruise, se fosse possível, a eleição do Rafale… Chegou a declarar isso ao lado do Sarkozy e quase derrubou a página do Poder Aéreo à época…

    Se o Rafale tivesse ganho, aí sim, seria o caso de investigar a fundo, ou nas alturas, esse contrato.

  22. O importante e ganhar tempo no processo que fecha um cerco ..

    Mas a decisão do presidente FHC foi correta, a oposição eleita para o governo seguinte poderia pensar diferente e uma decisão desta importância mas sem urgência poderia esperar alguns meses.

    Se o sucessor ser mostrou um inepto é um outro problema, a ser debitado na conta de democracia.

  23. Nonato 12 de setembro de 2017 at 21:38
    Galinha é ?
    Só para esclarecer, eu não li a denúncia, mas vi alguns depoimentos e as delimitações feitas pelo próprio juiz nas audiências. Analisa-se a prática em tese de crimes que somente poderiam ter ocorrido ali entre 2012 (mais ou menos, se não me engano) e 2014.
    Processo “sigiloso” e tal… mas muita coisa acabou vazando. Aliás, difícil seria se não vazasse para o público civil… Enfim, por que não deu Rafale ? Porque faltaram culhões para o Stalinácio Nine Fingers colocar a assinatura dele no campo da direita, e depois justificar perante os eleitores porque estava escolhendo o último colocando na avaliação técnica. Por que não deu SH ? Snowden. E o Gripen ? Se não estiver estragando agora na capação… será um o mais avançado caça de quarta geração, até mesmo por ter sido desenvolvido por último e contar com muitos avanços em aviônica. Mas isso não impede, claro, que se punam os “cafezinhos” ilicitamente distribuídos, usando o termo citado pelo Carlos A. Soares aí para cima…
    Abraços

  24. Rodrigo Botelho Campos 12 de setembro de 2017 at 18:54

    De modo algum. O projeto de aquisição de uma nova aeronave presidencial começou no Gov. Lula.

  25. Mentiroso adicto. Jamais iria permitir que os aviões dos fabricantes do Bill Pynton não fossem adquiridos. Ficou de enrolation. Naquele tempo este sueco era apenas pensamento. Fundação serve para receber numerário sem fiscalização, assim como igreja

  26. A ação penal não versa sobre as capacidades dos três concorrentes, mas sim sobre as práticas espúrias do governo petista no âmbito da concorrência.
    Ouvir testemunhas como as mencionadas é puro diversionismo, para ganhar tempo. FHC e outrem não têm nada a acrescentar à instrução do processo, e, para o PT, arrancar de FHC que ele não tinha ciência de nada ilícito equivale a dizer que “seu maior adversário político inocentou LUla”. O grande público vai acreditar, e isso lhes basta.
    Enfatizo que Lula já tem mais de 70 anos de idade, e assim se beneficia da vergonhosa contagem privilegiada dos prazos prescricionais (art. 115 do Código Penal – prescrição reduzida pela metade).

  27. Quanto ao caça Gripen, se tem uma coisa confiável nele, talvez seja seu motor. Na época desse negociação do Brasil com a Suécia, li um artigo numa revista, em que a RAF (Britânica), iria trocar os motores (turbinas) rolls roice de seus helicópteros militares, pelos da Saab, tão resistentes, mas com melhor custo/benefício. Alguém viu isso também?

  28. Não sei quem é mais mentiroso o FHC ou o Molusco. ambos mentem descaradamente. Infelizmente a população em boa parte possui memória curta. Houve negligência, superfaturamento, omissão…Cabe a PF investigar mais ainda, o MP aprofundar a denúncia e a justiça acatar ou não.

  29. A FAB queria o Gripen C mas havia um lobby forte pelo M2000-5.
    Na época a Dassault tinha participação na EMBRAER. Houve uma edição da RFA com o então presidente da EMBRAER Maurício Botelho junto de um M2000. Seria produzido aqui e isto influenciou muitos políticos.
    Aliás a Dassault adora influenciar, se me entendem.
    FHC fez bem em postergar o F-X2. Estava virando negociata.
    No final os M2000 vieram mas como tampões (bem) usados do F-103.

  30. Nonato,

    O Lula desistiu do contrato do Rafale porque ficou p… da vida que a França puxou pra trás na última hora de apoiar o Brasil numa cadeira no Conselho de segurança da ONU sem direito à veto. Dizem as más línguas e diga de passagem que não há prova que o ex-presidente francês Sarkozy havia prometido duas casas na Riviera Francesa caso Rafale ganhasse! Mas isso é uma coisa que nunca saberemos!

  31. Se FHC tivesse feito a compra, estaríamos tratando agora de mais 3 lotes de 12 aeronaves, condicionadas a um MLU. E não teriam gasto a fortuna jogada fora no FX 2. Respeito quem pensa em contrário, mas essa não é uma discussão politica, mas técnica. FHC comprou porta-aviões, os A-4, os Super Tucanos, e empacou no processo mais importante do país dessa natureza, porque já poderia estar rendendo frutos industriais e não militares.

  32. Aos que não lembram se discute sobre a substituição dos Mirage III desde meados da década de 1980, quando fizeram aquela modernização meia boca da instalação de canards. Lembro da revista “Segurança & Defesa” (ou Tecnologia & Defesa?) com uma matéria de um suposto “ACX” onde tinha uma concepção artística muito parecido como o que viria a ser o IAI Lavi.

    Ou seja : de qualquer jeito, estariamos atrasados em quase 30 ou 40 anos !

  33. André Luiz.’. 12 de setembro de 2017 at 17:29
    _RR_ 12 de setembro de 2017 at 17:47

    A Suécia cogitava apenas uma grande modernização de seus Gripen C/D, sem alteração de autonomia, medidas e etc. De fato eles não precisavam naquele momento pensar nisso, a Suécia é um país pequeno territorialmente e a grande quantidade de Gripens C/D por lá não justificava tal esforço.
    Em contrapartida, os concorrentes deixavam ele para trás na autonomia e vende-los aos países de maior extensão territorial fazia perder pontos em qualquer concorrência.
    Eles foram “visionários” o suficiente em ver que em concorrências iguais ao F-X2 abririam mais portas, como Índia, Canadá e demais países que pudessem se interessar pelo caça. Então o F-X2 foi um diferencial, pois praticamente financiou a saída do projeto, aí sim, em conjunto com a suécia injetando dinheiro para adquiri-lo, mas mesmo se o F-X2 fosse cancelado ou o Gripen perdesse, acredito que o projeto do Gripen E tb seria abortado por lá e o dinheiro desviado para a modernização do Gripen C/D, que sairá de qualquer maneira.
    O F-x2 foi vital para que o caça saísse do papel, tanto que foi só em 2013, mesmo ano do anuncio por aqui que o Gripen ganhou a concorrência, que a Suécia encomendou suas 60 aeronaves.

  34. Interessante
    Sempre ouço de pilotos de caça e de colegas q tem irmãos pilotos de caça, q o preferido destes é Gripen.
    Demorou muito essa decisão.

  35. Mais do mesmo…
    Sarney, Collor, FHC, Lula, Dilma e Temer.
    Tudo farinha do mesmo saco embalados em marcas diferentes para você ficar brigando dizendo qual é o melhor sabor!
    Talvez ainda o Itamar se salve dessa turminha.

  36. Aqui temos ótimos engenheiros e pessoas capacitadas para trabalhar . porque não fabricar os próprios caças em vez de comprar , seria muito mais vantajoso para o governo e aeronáutica só a grana que iria gastar para o comprar esses caças que desse esse dinheiro para a Embraer fabricar caças de ponta

  37. Marcelo 12 de setembro de 2017 at 23:09
    Marcelo, a SAAB não fabrica turbinas aeronáuticas. A turbina do Gripen é uma General Electric F-414.

    Delfim Sobreira 13 de setembro de 2017 at 1:43
    A Dassault adquiriu uma participação acionária na Embraer como forma de fortalecer sua proposta para o F-X, com o Mirage 200BR. Quando o processo “andou para trás”, ela vendeu essa participação acionária. Parece que essa associação Embraer/Dassault foi feita sem a aprovação da aeronáutica e pegou muito mal, pois colocou uma faca no peito da Força Aérea, pois amarrou a única fabricante brasileira com um dos concorrente. No F-X 2 a Embraer ficou de fora, com o acerto de participar do projeto em associação com qualquer fabricante vencedor. Ainda bem que o FHC não escolheu o Mirage 2000. Logo após o término do F-X a Dassault fechou a linha de produção. Embora um bom avião, era um projeto em fim de linha.

  38. Isto ai é conversa para boi dormir. Não havia em 2002 nenhuma decisão tomada, o que aconteceu foi no apagar das luzes o Brig Batista tentou empurrar a proposta de Kfir usados como tampão, só o negócio está podre e o FHC tinha sido avisado para não entrar neste negócio.
    No FX 2 em 2012 após o congresso americano liberar a venda do pacote de armas junto com o SH o EMAER se reuniu com a Copac para definir e naquela reunião o SH foi apontado como melhor opção. O GF não queria e colocou o processo na geladeira. Depois o lado negro da força indicou o caminho das pedras para a SAAB porque sem “café” o negócio não sairia. Então veio M&M, Marinho, o juntador de coco de elefante e milagrosamente da as vésperas da campanha.
    Não existe Papai Noel no negocio, somente interesses.

    G abraco

  39. Ainda no assunto, já que é sobre possíveis compras proprinadas, olha que link bacana do defense news.

    https://www.defensenews.com/naval/2017/05/22/french-officials-probe-bribery-allegations-in-brazil-scorpene-sale/

    Basicamente, a marinha disse em meios oficiais que atrasou desde a segunda parcela, logo, não haveriam nem 2 bilhões de euros pagos (o que já seria caro, diga-se de passagem);

    Os franceses afirmam para as autoridades francesas que já receberam 4.1 bilhões, dos deliciosos 6.7 bilhões de EUROS.

    Por favor fiscalizem essa compra e deixem a FAB em paz. Já basta a entubada de caralhais.

  40. A Revista Istoé naquela época, abertamente a favor do Mirage2000MK2, atribuiu a decisão da FAB pelo Gripen por pressão dos americanos para não comprar o Mirage e comprar o caça sueco (como se na concorrência não tivesse um candidato americano, o F16)
    Eu guardo essa revista até hoje. É a edição n. 1716. A decisão da FAB pelo Gripen foi matéria de capa. Colocaram o Bush vestido de vampiro.
    No FX1 estava mais do que claro que a FAB queria o Gripen.

  41. Não é verdade Manuel, não havia decisão tomada, ao contrário do F X 2.
    Bavária, um governo que super faturou compras de material hospitalar e creches, não teria imposto o mesmo aos contratos militares???
    Não passou um lambari sequer nesta rede.
    Se investigar, não fica um , a excessão dos contratos do FMS que não tem governo americano pagar “café”.

    G abraco

  42. Manuel Flávio ( 14 de setembro de 2017 at 3:01 );

    O F-16 era um dos concorrentes daquele certame. Não faria sentido uma pressão americana a favor do Gripen…

    Havia, isso sim, um lobby pesado no País a favor da proposta do consórcio Embraer-Dassault, que oferecia uma variante do Mirage 2000-5.

  43. Juarez

    Caso tenha havido no caso do gripen, pelo menos o contrato final foi no mesmo valor da data do anúncio (em coroas suecas). Por isso, e pela ética de atuação da Saab (todos os operadores estão satisfeitos com logística, manutenção e preços praticados), eu acredito que o contrato da FAB é o mais limpo, ou, menos sujo, por assim dizer.

    Agora no caso do insubmersível nós temos a marinha e a união dizendo que atrasaram a segunda parcela (o que deixaria um saldo pago de menos de 2 bilhões de euros), e a Naval Group (antiga dcns), afirma que recebeu 4.1 bilhões de euros. Isso é mentira na cara dura, significa que o programa foi pago além do cronograma e que se está atrasado é por incompetência em vários ciclos do processo.

    Além de tudo, uma MENTIRA deslavada na prestação de contas da união, dizendo que não pagou o que já pagou de fato. Tudo muito mal contado, mal explicado e tremendamente mal feito.

    O mais irônico é que com os contatos da roubabrecht, se alguem descobrir alguma coisa nesse âmbito serão os investigadores franceses, e a “imprensa” nacional não vai sotar uma nota sobre o assunto.

  44. Bavaria Lion,
    .
    Segundo notícias da época o Prosub custou 6,7 bilhões de euros, destes 4,3 bi foram via financiamento externo de 20 anos, e 2,4 bi parcelados com pagamentos diretos do Tesouro até 2024.
    .
    Provavelmente as parcelas que a Naval Group alega ter recebido seja a soma do valor financiado pela instituição financiadora com as parcelas do Tesouro, com a maior parte sendo do financiador, deve ser por isso que o programa não sofreu tantos atrasos.

  45. Prezado Bavaria, este conversa de “menos sujo” e que nem barriga de mulher, pois não existe mulher “meio grávida”, ou tá ou não tá, se é que me compreende.

    G abraço

  46. Juarez

    Entendo, porém, não vejo como os caras poderiam ter superfaturado (pelo menos na casa de bilhão) se o contrato final ficou no preço do contrato oferecido.
    Além de tudo, era a proposta mais barata.
    Se cancelarem, vai dar ruim pra fab.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here