Home Indústria Aeroespacial Airbus mira o mercado brasileiro de defesa

Airbus mira o mercado brasileiro de defesa

473
6

EDA 60 anos - C-105 Amazonas da FAB em exposição - foto Nunão - Poder Aéreo

Por Virgínia Silveira

ClippingNEWS-PAA Airbus Defence and Space, divisão do grupo Airbus e uma das dez maiores companhias do setor de defesa no mundo, com faturamento de € 14 bilhões, tem planos para expandir a presença dos seus negócios no Brasil, no curto e médio prazo nas áreas de aeronaves militares, sistemas espaciais, comunicação, inteligência e segurança e eletrônica.

O diretor comercial da Airbus Defence and Space, Christian Scherer, afirmou que a expectativa é de que nos próximos dez anos o mercado aeroespacial e de defesa da América Latina movimente negócios da ordem de € 48 bilhões.

“O Brasil é um mercado chave na região. Somos e continuaremos a ser o mais brasileiro de todos os grandes grupos aeroespaciais em atuação no país”, disse o executivo.

A empresa, conforme revela o executivo, está em fase de criação da Airbras, uma companhia que dará suporte às 12 aeronaves de transporte logístico C-295, que a Força Aérea Brasileira (FAB) opera com a denominação de C-105 Amazonas.

As aeronaves cumprem missões de transporte aéreo militar e logístico, lançamento de paraquedistas e carga, busca e salvamento, evacuação aeromédica. Atualmente, estão localizadas nas bases aéreas de Campo Grande (MS) e de Manaus (AM).

O diretor também confirma o interesse da empresa de instalar um centro de manutenção, reparo e revisão (da sigla em inglês MRO), que em uma segunda etapa também poderia atender à frota de aeronaves civis da Airbus no país.

A companhia europeia acaba de fechar a venda de mais três aeronaves do modelo na versão busca e resgate (do inglês SAR), um contrato assinado com a FAB de € 187 milhões. O montante inclui o suporte logístico para as aeronaves. O primeiro avião deverá ser entregue no quarto trimestre de 2016 e o último no final de 2017.

Segundo o presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate da Aeronaútica (Copac), brigadeiro Augusto Crepaldi, o contrato com a Airbus foi assinado no final de abril, mas entrou em eficácia no dia 17 de junho, depois de passar por trâmites burocráticos.

A FAB adquiriu o primeiro lote do C-105 Amazonas em 2005, época em que também entregou à Airbus a tarefa de modernizar nove aeronaves de patrulha marítima P-3 Orion.

P-3AM

Os dois contratos foram avaliados à época em mais de US$ 700 milhões. A última aeronave P-3 modernizada, de acordo com Scherer, já está sendo testada em voo nas instalações da Airbus em Sevilha, na Espanha, e será entregue à FAB em breve.

Na área espacial, o grupo quer que sua empresa espacial no Brasil, a Equatorial, de São José dos Campos, tenha forte posição na cadeia de fornecimento global da companhia.

O diretor ressalta que “a Airbus, ao contrário de outras empresas internacionais, tem feito investimentos significativos no Brasil e com resultados tangíveis, que vão muito além de projetos de pesquisa genéricos”.

O executivo também destaca a parceria da empresa com a com a Atech, controlada pela Embraer, para o desenvolvimento do sistema de missão naval para o programa do helicóptero EC-725, coordenado pela Helibras. Scherer ressalta ainda o investimento de 450 milhões de euros já feitos no âmbito deste programa pela Airbus Helicopter e Helibras na transferência de tecnologias e na indústria brasileira.

No Parque Tecnológico de São José dos Campos, a companhia europeia instalou um centro de pesquisa e tecnologia, onde pesquisadores e técnicos da Airbus Defesa e Espaço irão desenvolver projetos e parcerias com a indústria aeroespacial e de defesa brasileira. Um dos focos da pesquisa no local é o programa Sisgaaz (Sistema de Gerenciamentoto da Amazônia Azul), coordenado pela Marinha, cuja fase de implantação está avaliada em R$ 14 bilhões.

O Valor apurou que a Airbus já estaria fazendo composições com alguns grupos locais, que atuarão como “main contractors” no Sisgaaz, para participar da competição. A fabricante europeia não esconde o interesse de uma parceria com a Embraer, com quem afirma ter um relacionamento muito bom, assim como um enorme respeito pela sua liderança.

O diretor Christian Scherer, da Airbus Defence, acredita que haja oportunidades significativas para que as duas empresas possam trabalhar juntas e de forma complementar. “Em algumas áreas as nossas condutas convergem para uma concorrência saudável e na maior parte das outras para um ganho de capacidades complementares”, afirmou.

FONTE: Valor Econômico

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Baschera
Baschera
5 anos atrás

Agora entendi o porque destas aeronaves custarem mais de € 60 milhões cada (R$ 190 milhões)… lá vamos nós pagar pelo tal “centro de manutenção” da Airbus……

Sds.

juarezmartinez
juarezmartinez
5 anos atrás

Negativo Baschera, o contrato inclui apenas o CLS das aeronaves e mais nada, com limite horas estipuladas e bem cobradas, o tal centro é uma “cousa” a parte.
Interessante né, os contratos da Airbus com o atual desgoverno tem sido assinados, normalmente, em anos eleitorais, uma coicidência é óbvio……

Grande abraço

Mauricio R.
Mauricio R.
5 anos atrás

Airbus, então veja se erra essa mira!!!
Nós já temos Embraer, Avibrás, então não necessitamos de mais enguiços.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
5 anos atrás

Independente dos custos e falcatruas, o P-3AM é uma aeronave formidável e, junto com o HARPOON, nos deu um grande incremento na capacidade de controle das nossas águas territoriais.
O SC-105, com os equipamentos e sistemas aeroembarcados especificados, estará na vanguarda das missões de busca e resgate. Desse projeto eu participei.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
5 anos atrás

Corrigido, falcatruas que, porventura, possam ter ocorrido com alguns contratos com a AIRBUS. Não estou afirmando. Não tenho conhecimento do que se passa nas altas esferas do GF.

juarezmartinez
juarezmartinez
5 anos atrás

Caro Cel Nery! O senhor não precisa explicar, nós bem sabemos que aonde esta esta empresa está metida no Brasil hay bruxas, pelo que las hay las hay….
Este caso do 105 é troço que me dá náuseas, ânsia de vômito e dor de barriga……..nada contra o amigo até porque sei qeu se trta de homem honrado e foi um exelente oficial.

Grande abraço