Home Sistemas de Armas Tejas atinge IOC

Tejas atinge IOC

132
8

O caça leve indiano Tejas recebeu a IOC (initial operational clearance) em cerimônia no dia 10.01, em Bangalore. A aeronave, que está recebendo melhorias, passará pela integração de armas BVR, canhão, foguetes e bombas guiadas e terá seu envelope de voo ampliado, para -3.5 a 8G (-2 a 6G para a IOC), e ângulo de ataque de 24 graus (22 graus na IOC), até atingir a FOC (final operational clearance).

O Tejas Mk.II, em desenvolvimento, será equipado com o motor GE F414, novos aviônicos e mudanças no design da estrutura. O primeiro voo do Mk.II está previsto para 2014 e o objetivo é ter 75% dos componentes nacionalizados.

Planeja-se adquirir até 83 Tejas Mk.II, o que elevará para 123 unidades da aeronave na IAF.

Abaixo, as empresas que fornecem componentes para o Tejas.

FONTE: Livefist

BATE-PAPO ONLINE: Converse com outros leitores sobre este e outros assuntos no ‘Xat’ do Poder Aéreo, clicando aqui.

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Qnta empresa americana, não???

ZE
ZE
9 anos atrás

O Hal Tejas dá uma vantagem muito grande para o Super Hornet/Growler e o Gripen NG, pois eles também usam o motor F-414. Esse motor que equipa o Tejas e o Super Hornet/Growler (futuramente equipará o Gripen NG), já tem mais de 1050 unidades produzidas. Os EUA já encomendaram mais 60 Super Hornet/Growler, ou seja, serão pelo menos mais 60 motores F-414. O Tio Sam deverá comprar um segundo batch com mais 50 Super Hornet/Growler. Estima-se que a Índia irá comprar cerca de 160 motores em 2 batchs. Somando-se ainda a produção do referido motor para o Gripen NG, veremos… Read more »

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

Não sei se procede mas já disseram (acho que foi aui no blog mesmo) que o Tejas seria uma caça leve, como está afirmado aqui, e sendo o MMRCA para um caça médio, estaria então o Gripen enquadrado dentro dos quesitos de um caça leve e não médio por isso em desvantagem na concorrência indiana inclusive por causa do próprio Tejas. Seria apenas especulação? E há o desenvolvimento da versão naval do Tejas, que caíria como uma luva para ser utilizado no porta-aviões São Paulo, bem como do Gripen Naval.. E creio que se a versão naval do Tejas for… Read more »

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

Ah sim, estou ansioso para ver o o grande demômonio do norte embargar esses componentes e não deixar o Tejas voar! rsrsrsrrsr!!!

Luiz Padilha
Luiz Padilha
9 anos atrás

Pois é Antonio, é isso que eu tb quero ver, pois se assim fosse, nossos Mikes estariam no chão faz tempo.

Pura propaganda anti americana sem fundamento.

Compramos Helis com minigun e mais um monte de outros equip. americanos e não temos problemas, mas, como é um caça, a regra mudaria.
Sei não. Para mim, os EUA são tão confiaveis quanto nós.

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

E se o Tejas realemente der certo e se tornar um produto de exportação de sucesso será uma porrada na cara dos franceses, pois lembra muito o Mirage III ou 2000 levando a crer que se a Dassault optasse em continuar e melhorar a linhagem do Mirage, não estaria passando pelo sufoco de estar com o ” “elefante branco” do Rafale nas mãos.

asbueno
asbueno
9 anos atrás

Parabéns aos indianos. Com competência, grana e paciência estão desenvolvendo uma importante aeronave. Ela terá uma boa capacidade de combate mas, principalmente, dará aos indianos a condição de trabalhar em projetos de aeronaves modernas. Como se vê, nada é feito sozinho. Vide o banner com os fornecedores. ————————————————————————————— Armas são produtos caros e aviões de caça mais ainda. Os americanos querem um negócio conosco para ganhar ainda mais grana. Seriam os aviões, seus sistemas, sua manutenção, armas etc etc etc… Um negócio para 30 anos. Se vão embargar? Depende. É só não pisar onde não devemos. É só não dar… Read more »

Joker
Joker
9 anos atrás

Eu acharia um lote de Tejas pra substituir os Xavantes/F5M como LIFT muito bem vindo, mas fica só no desejo…