Fabricante de viúvas?

    1099
    15

    F-104G-luftwaffe

    Antes de mais nada esta afirmação não é 100% verdadeira como veremos a seguir. O F-104G enfrentou diversos problemas nos primeiros sete anos de sua carreira na Luftwaffe, mas os outros 20 foram tranquilos.

    A Alemanha escolhe o F-104

    A Alemanha Ocidental optou por uma versão modernizada do Lockheed F-104 Starfighter para equipar sua Força Aérea em 1958. O Starfighter substituiu os modelos F-84 Thunderjet e F-86 Sabre (aqueles que a FAB tanto queria).

    Antes de optar pelo Starfighter a Alemanha também avaliou o Dassault Mirage III, o Sud Trident III, o Northrop N-156F, o Grumman F11F-1F, o Republic F105, o Convair F-102 e F-106, British Sauders-Roe SR.177 e o English Electric P-1B. Mas acabou optanto por uma versão bastante modificada do interceptador Mach 2 da USAF.

    Ocorre que quando o mesmo entrou em operação no ano de 1964, sucessivos acidentes começaram a ocorrer. As taxas eram alarmantes. Até o fim de 1964 um total de 35 aviões haviam sido perdidos. Outros 25 foram perdidos no ano seguinte e até o final de 1966 a conta já somava quase 70 perdas. Mas o pior de tudo é que em mais da metade dos casos o piloto perdeu a vida.

    O caso foi a público e os jornais mais sensacionalistas começaram a apelidar a aeronave de “caixão voador” e “fabricante de viúvas”. Mas por que o F-104G caía tanto?

    Comparativos

    Analisando a taxa de perdas somente no ano de 1965 temos uma relação de 87.7 acidentes para cada 100.000 horas de voo. Este número era o dobro dos valores encontrados para outros usuários europeus do mesmo avião. A comparação fica mais gritante quando estes mesmos números são colocados ao lado da taxa de atrito da USAF (32.6 acidentes para cada 100.000 horas de voo), que voava aeronaves semelhantes, porém mais simples.

    Leia a continuação deste interessante texto que trata de uma das passagens mais controversas da história do caça F-104 Starfighter.

    Subscribe
    Notify of
    guest
    15 Comentários
    oldest
    newest most voted
    Inline Feedbacks
    View all comments
    Bosco
    Bosco
    10 anos atrás

    Do mesmo modo que existem as “aeronaves não tripuladas” existem os “mísseis tripulados”. Esse é um.

    Felipe Cps
    Felipe Cps
    10 anos atrás

    Um belo exemplo de como fazer tudo errado.

    rrdocosta
    rrdocosta
    10 anos atrás

    Neste avião o piloto não poderia errar!
    Porque o Brasil recebeu tantos vetos americanos ao tentar compar equipamentos made in usa?
    O Brasil não foi sempre um aliado inconteste?

    Felipe Cps
    Felipe Cps
    10 anos atrás

    rrdocosta em 04 dez, 2009 às 7:42: “O Brasil não foi sempre um aliado inconteste?” Não meu caro, isso é errado. O Brasil relutou muito pra entrar na WWII, até porque nosso ditador tinha mais simpatia pelo Eixo do que pelas democracias dos aliados (lembrar o episódio Olga Benário). Sempre tivemos uma relação pra lá de errática com os EUA. Sempre uma relação pra lá de desconfiada: minha avó por exemplo se recusava a falar Estados Unidos do Brasil (na década de 30); ela preferia chamar de Brasil dos Estados Unidos… 🙂 Até os militares denunciaram o acordo de cooperação,… Read more »

    Wilson "Giordani" de Souza
    Wilson "Giordani" de Souza
    10 anos atrás

    Coitado do F-104… foi o primeiro kit Revell que eu montei (destruí)… 🙂

    []s

    Dalton
    Dalton
    10 anos atrás

    Complementando o que o Felipe escreveu…

    havia ainda a necessidade de tentar manter um certo equilibrio de
    forças dentro da América do Sul.

    Por exemplo, vender uma determinada e sofisticada aeronave para um pais ao mesmo tempo que o vizinho deste país não poderia adquirir
    por ter orçamento menor, evitando corridas armamentistas era uma forma de manter a estabilidade na região, pois com a guerra fria
    o principal foco de preocupaçao americana era e tinha que ser a Europa.

    sds

    Franco Ferreira
    Franco Ferreira
    10 anos atrás

    Guilherme Poggio Este seu trabalho de pesquisa disparou a “caixa da memória” do águia velha (de garras cortadas)! Permita-me alguns comentários – um por um – que a lembrança traz. No parágrafo “Antes de optar pelo Starfighter a Alemanha também avaliou…” Você aponta 9 aeronaves do período; o Mirage, o Trident, os Convair F-102 e F-106, o SR 177, o English Electric P-1B e o Northrop N 156F (em realidade esta é a designação do fabricante para os F-5 – depois F-5A) na missão de in-terceptação; o F11F-1F e o F-105 como caça-bombardeiros. O que a Alemanha queria – e… Read more »

    Ivan
    Ivan
    10 anos atrás

    Franco Ferreira,

    Interessa e muito ‘ouvir’ a experiência de uma águia com maior milhagem.
    Quanto às garras cortadas, bem, elas sempre podem crescer, até sob novas formas, para ensinar aos menos experientes.

    Abç,
    Ivan.

    POGGIO, desculpe a intromissão…

    Colt
    10 anos atrás

    A matéria ilustra um trabalho investigativo muito interessante. Constatar um problema, reunir dados, buscar condições concorrentes ou determinantes. Nesses casos, a busca pelo que “está errado” se dá em dois aspectos. Um macro, em que se procura ter uma visão do geral, desde a concepção do projeto, as condições de operação e de treinamento. No outro aspecto investiga-se os detalhes, o funcionamento dos equipamentos, o tempo de resposta do assento ejetor, o desvio esperado do INS, etc. Interessante como a técnica, a metodologia e a persistência podem trazer à tona algo muito próximo da verdade.

    Clésio Luiz
    Clésio Luiz
    10 anos atrás

    faltou um detalhe importante: A escolha do F-104 foi feita mediante propina. Isso mesmo, a Lockheed subornou muita gente para conseguir vender o seu fracassado caça à Alemanha. Esse suborno foi essencial porque muitos países iriam pegar carona no que os alemães iriam comprar. Note que o famoso ás Erich Hartmann foi contra a escolha do F-104. A Lockheed também subornou membros do governo japonês para que esse comprasse o Starfighter. Ambos os casos são documentados e podem ser lidos aqui: http://en.wikipedia.org/wiki/Lockheed_bribery_scandals

    Vovódka Abduzida
    Vovódka Abduzida
    10 anos atrás

    E que historia e´essa que esse lockhedezinho de asinha curta era fabricante de viuva? Fabricante de viuva mesmo e´ esse F-X2 que fez um monte de viuva de Sukhoi ai´ no Brasil e eu que sou veia e era a verdadera viuva do Pavel Sukhoi fiquei com um monte de viuva querendo ser mais viuva que euzinha!!!!!! So´ que agora a veia aqui nao e´ mais viuva de Sukhoi nao porque o Pavelzinho querido nao morreu nao, ele foi abiduzido que nem a veia e ta´ vivinho da silva e conservadao por causa daquele tal de Einstein que descobriu que… Read more »

    Baschera
    Baschera
    10 anos atrás

    Poggio, Permita-me discordar…. mas fabricante de viúvas por fabricante de viúvas… o título deveria ser do Mig-21 Indiano ….”1989 a 26 de novembro de 2009, 265 caças MiG-21 caíram. Um total de 96 militares e 44 civis foram mortos nos acidentes. Apelidado de “caixão voador” na Índia, por suas quedas frequentes”….. hehehehe… Mas, falando sério, sempre que se menciona este avião, o F-104 Starfighter, lembro justamente do título de “fazedor de viúvas”. Também acho este avião (na verdade um avião foguete, pois era exatamente isto que era, um foguete com asas….) um dos mais bonitos jamais fabricados. Wilson “Giordani” de… Read more »