Saiu mais um relatório do GAO – U.S. Government Accountability Office sobre o Programa F-35.

O GAO fornece ao Congresso, aos chefes das agências executivas e ao público informações oportunas, baseadas em fatos e apartidárias que podem ser utilizadas para melhorar o governo e poupar milhares de milhões de dólares aos contribuintes.

O trabalho é realizado a pedido de comitês ou subcomitês do Congresso ou é legalmente exigido por leis públicas ou relatórios de comitês, de acordo com Protocolos do Congresso.

Desta vez o relatório concentra-se nos problemas de manutenção do avião a nível de parque e possíveis soluções para aumentar a disponibilidade da aeronave.

Um dos problemas apontados pelo GAO, é a falta de equipamentos de apoio disponíveis na linha de voo. O equipamento de apoio consiste em todo equipamento (móvel ou fixo) que não faz parte inerente do sistema de armas primário, mas é necessário para apoiar a operação e manutenção da aeronave.

Os mantenedores precisam de uma variedade de equipamentos de suporte que forneçam uma infinidade de funções diferentes, incluindo, mas não se limitando a, ar frio condicionado (como mostrado na figura abaixo), energia elétrica, energia hidráulica e reboque para realizar a manutenção em nível de campo dos F-35.

De acordo com os mantenedores com quem o GAO conversou nas três instalações visitadas, a quantidade de equipamentos de apoio necessários para manter o F-35 é de longe maior do que outras plataformas de aeronaves em suas respectivas frotas.

De acordo com os mantenedores de uma instalação, em um desdobramento de curto prazo, o esquadrão exigiu 13 aeronaves C-17 para transportar o equipamento de apoio para manter 12 aeronaves F-35.

No entanto, nenhuma das instalações pesquisadas e nenhum mantenedor com quem falaram nas três instalações visitadas disseram que sempre tiveram equipamentos de apoio prontamente disponíveis na linha de voo.

Um esquadrão de 12 aeronaves F-35 precisou de 13 cargueiros C-17 Globemaster III para transportar o equipamento de apoio

Por exemplo, os mantenedores de uma instalação disseram que tinham equipamento de apoio suficiente para fornecer energia e ar para apenas duas aeronaves, e eram constantemente forçados a pedir emprestado equipamento de apoio a outros esquadrões.

Segundo mantenedores de outra instalação, o empréstimo de equipamentos de apoio de outros esquadrões tornou-se uma prática normal. Os mantenedores de duas das três instalações visitadas disseram que o problema é agravado quando os esquadrões são mobilizados porque o contingente em desdobramento retirará a maior parte do equipamento de apoio da instalação para apoiar as aeronaves em desdobramento, deixando o contingente restante do esquadrão lutando por equipamento de apoio para manter as aeronaves não desdobradas.

Os mantenedores podem entrar em contato com o Lightning Sustainment Center para obter assistência, e o pessoal entrará em contato com outros serviços e participantes do programa para encontrar os equipamentos disponíveis. No entanto, funcionários do Departamento de Defesa disseram que não havia nenhum pool de equipamentos de apoio que as unidades pudessem utilizar para cobrir a escassez.

Em vez disso, o equipamento de apoio precisaria ser retirado de outras unidades de F-35. Além disso, os responsáveis pela manutenção das três instalações visitadas disseram que o equipamento de suporte quebrava com demasiada frequência e, devido à natureza proprietária da maior parte do equipamento, não conseguiam repará-lo sozinhos.

Como resultado, os representantes do fabricante têm de comparecer à instalação para reparar o equipamento ou o equipamento é enviado de volta ao fabricante do equipamento original. Assim como os componentes, os equipamentos de suporte podem levar meses para serem reparados pelos fabricantes de equipamentos originais. Os mantenedores quem o GAO conversou em uma instalação disseram que têm a capacidade de reparar muitos equipamentos de suporte quebrados em sua instalação; no entanto, eles não são habilitados para fazê-lo. Afirmaram que a sua incapacidade de reparar o equipamento está tendo um efeito negativo na prontidão; no entanto, eles não puderam fornecer números.

Para acessar o relatório completo, clique aqui.

Subscribe
Notify of
guest

76 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Camargoer.

Olá Colegas. Um aspecto problemático do F35 parece ser esta questão da propriedade dos sistemas. A própria USAF declarou a próxima geração de caças terá uma abordagem diferente. Realmente, a situação do MD Tcheco fica cada dia mais complicada.

Leandro Costa

Acho que o MD Tcheco deveria procurar uma clínica para tratamento mental ou de reabilitação de abuso de narcóticos. O que vier primeiro.

Camargoer.

RIso, Talvez seja mais apropriado uma Comissão de Investigação do Parlamento Tcheco.

Leandro Costa

Sabe como eu sou bonzinho. Já presumo inocência e recomendo o tratamento óbvio, mas o parlamento Tcheco deveria investigar sim heheheh

Fernando "Nunão" De Martini

Vejam pelo lado bom:

Os tchecos fazem parte do programa KC-390.

Se precisa de 13 C-17 para apoiar uma dúzia de F-35, e eles vão comprar duas dúzias, então também precisarão comprar uns 50 jatos KC-390 pra dar conta de tanto equipamento de apoio!

Last edited 9 meses atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Leandro Costa

“Always look on the brrriiiiiiight siiide of life… <whistles>”

Palpiteiro

Meu palpite é que ao se perguntar qual aeronave você quer ter na hora de um combate, todos tem a mesma resposta.

Paulo

sim… a resposta é: a que se possa usar… não adianta ter a melhor arma se não se pode contar com ela no momento certo – seja por falta de dinheiro, treinamento, peça etc..e isso vale para F35, SU35, Gripen, Eurofighter, Rafale ou até um P51 Mustang

Leandro Costa

Eu não falei que o avião é ruim. Falei que é caro.

RICARDO N BARBOSA

Depende do referencial. Mais barato fácil do que um Rafale ou Typhoon e entrega muito mais.

Leandro Costa

Existem N possibilidades para o F-35 ser caro. Pode não ter sido projetado com preocupação de orçamento na cabeça, pode ser que os EUA esteja enviando equipamento de apoio que já tem disponível e novo para seus clientes no exterior para que ‘não pegue’ mal e continue vendendo, deixando seus próprios esquadrões um pouco descobertos nesse sentido, e falando nisso pode ser que a taxa de produção do maquinário de apoio não seja alta, pode ser que sejam de construção mais complexa, pode ser que a aeronave requira uma complexidade maior do que as existentes para que seja mantida, pode… Read more »

Cansado

kkkkk conta agora aquela do papagaio

George

Sim. E a resposta é “aquela que está disponível para voar”.

RICARDO N BARBOSA

Melhor economizar tempo e dinheiro, só escolheram o caça 5G que venceu todas as concorrências até agora e custa menos do que um Rafale. A matemática é simples.

carvalho2008

Custa mesmo? Acho que estes C-17 estavam fora da conta….

RICARDO N BARBOSA

Creio que países que não fazem desdobramos de esquadrões para outro lado do mundo e não possuem C-17 não devem ter contabilizado os C-17 rs. Fica a dica.

Camargoer.

Olá Ricardo. Uma opção é desdobrar um esquadrão de F35 para uma base de outro país que também opere o F35. Daí não precisa levar nada.

Franz A. Neeracher

O caso é que os EUA na maioria das vezes, desdobram para países que não operam o F-35 como Qatar ou EAU….
Mesmo que o país aliado tb opere o F-35, esse país não deve ter equipamento sobrando para emprestar para os americanos por meses a fio..

Camargoer.

Olá Franz. Obrigado. Claro que fiz apenas uma piada sobre desdobrar os F35 para outras bases que operam F35. De qualquer modo, há sempre o risco de alguém não entender o conteúdo e levar a proposta a sério.

André Macedo

Eu acho é pouco pra eles e pra todos os países pequenos que compraram essa bomba.

Nilo

“De acordo com os mantenedores com quem o GAO conversou nas três instalações visitadas, a quantidade de equipamentos de apoio necessários para manter o F-35 é de longe maior do que outras plataformas de aeronaves em suas respectivas frotas.
“nenhuma das instalações pesquisadas e nenhum mantenedor com quem falaram nas três instalações visitadas disseram que sempre tiveram equipamentos de apoio prontamente disponíveis na linha de voo.”
Me pergunto da possibilidade de o F-35 vir a ser uma aeronave de curta vida útil quando se pensa em um F-15 ou F-16, parece real.

Camargoer.

Olá Nilo. O F35 é caro demais para fracassar, contudo concordo com você que ele não terá sobrevida. Ainda é cedo para entender o que virá depois. O F16 e o F5 são excepcionais. Outros modelos tiveram vida curta. Eu temo que o custo de operação deste avião tem a tendência encarecer ao invés de baratear.

Nilo

Eu temo que o custo de operação deste avião tem a tendência encarecer ao invés de baratear.”
Justamente neste sentido que também pensei.
Vejo um F-15 e F-16 que ao longo do tempo tem sofridos grandes alterações do seu projeto original, o F-35 tem um litimator, a sua furtivida.

Nilo

…limitador…

Camargoer.

Perfeito. A impressão que tenho é que o F35 é um sistema integrado. Qualquer upgrade parece interferir em todo o avião, ao contrário dos F16 e principalmente do F39 que é modular. Contudo, a cada dia que passa, fico mais intrigado com as dificuldades relacionadas com a questão da propriedade. o que poderia ter sido um facilitador da logística, mas tem se tornado um obstáculo.

Willber Rodrigues

Como falaram abaixo, em questão de disponibilidade, acredito que ele terá vida longa, graças a quantidade de caças, e a quantidade de peças de reposição a disposição da frota nas próxima décadas.
O problema é que sua principal característica é a furtividade ( o que impede alterações profundas na fuselagem ) e sua baia de armas, de tamanho fixo.
Se o “dono” da aeronave quiser mais mudanças, como levar novas armas a serem desenvolvidas fora da baia interna, esse aspecto furtivo terá que ser sacrificado.
Em compensação, upgrades em software deverão ser fáceis, pois já foram pensados pra isso

RICARDO N BARBOSA

150 produzidos por ano, escala total de uns 3 mil, vencendo todas as concorrências e sendo atualizado mais rápido do que qualquer outro. De fato, vai ter um vida curta.

Cansado

É tudo isso….e ainda assim é caríssimo e cheio de problemas.

Helio

Operacionalidade é isso ai

Gustavo

F-Bug at its best

Rinaldo Nery

Agree…

Francisco Soares

Estamos no Brasil. Acho que o “post” deveria ser em portugues.

Camargoer.

Soo desu, né?

Rinaldo Nery

Continue achando.

Francisco Soares

Estamos no Brasil. Acho que o “post” deveria ser em portugues.

L G1

Misericórdia esse F-35. Ainda bem que o Brasil foi de Gripen que consegue desdobrar 2 ou 4 aeronaves em uma estrada com pouco apoio logístico e muito mais barato. Parabéns FAB.

Bardini
Fernando "Nunão" De Martini

É que no vídeo não aparecem os 13 C-17 escondidos nas árvores!

Palpiteiro

O APU dessa aeronave não elimina a necessidade das fontes de suplementos externo? Esse seria um ponto interesse de se comparar entre as aeronaves

Fernando "Nunão" De Martini

Você está falando da comparação entre Gripen e F-35?
Ambos têm APU.

Palpiteiro

Sim, mas a APU não eliminaria parte da necessidade desses equipamentos de solo?
Em termos logísticos, a APU dos dois aviões tem a mesma capacidade?

Fernando "Nunão" De Martini

Palpiteiro,

Cada APU tem que ter capacidade adequada ao avião em que opera.

rommelqe

E que os C17 sao invisiveis (stolen stealth), inclusive para os tchecos e outros

Camargoer.

Olá Nunão. Esta estrada é o acesso para a base aérea. A filmagem foi feita a partir do portão da base aérea.

André Macedo

Mais de um cargueiro pra cada aeronave, cada C-17 carrega umas 80 T, com certeza ele vai operar bem em pistas pouco preparadas kkkkkkkkkk… Daqui a pouco vai exigir uma pintura especial vermelha pra pousar.
Por videozinho é fácil.

Victor Filipe

Logística amigos, Logística é a mãe de tudo. Se fala na produção anual de F-35 que se planeja passar dos 150 ao ano, mas nunca vi, em site nenhum como está a produção dos itens necessários para a manutenção da aeronave, provavelmente porque não é uma matéria muito “sexy” Mas esse relatório da a entender que não está acompanhando o ritmo da produção. As demandas logísticas do F-35 já devem ser conhecidas a muito tempo então não tem como jogar a culpa disso na aeronave, a solução é aumentar a rede logística dele. Acredito ser insustentável que todas as bases… Read more »

Franz A. Neeracher

Exatamente!! Que o F-35 é um programa cheio de pepinos, não se discute. Mas não é culpa do F-35 se os esquadrões possuem um número insuficiente de equipamentos de apoio e logística e estes sempre apresentarem problemas e defeitos. Uma das bases visitadas nessa matéria, foi a a Hill Air Force Base que possui três esquadrões de F-35A, com 26 aviões em cada esquadrão, num total de 78 aeronaves!! Sendo no momento a maior base que opera o F-35A. Se por exemplo, a USAF envia 12 aviões para o Oriente Médio e mais uns outros 12 a 18 para o… Read more »

Bardini

“Uma das bases visitadas nessa matéria, foi a a Hill Air Force Base que possui três esquadrões de F-35A”
.
No Red Flag 22-1 eles participaram com 12 F-35A, onde o número de aeroanves citadas encaixa em um desdobramento de curta duração.
.
E neste Red Flag eles testaram o Core 54 e o Lightning Technician Program
.
https://www.388fw.acc.af.mil/News/Article-Display/Article/2922158/f-35a-maintainers-honing-agile-combat-initiatives-at-red-flag/

Fernando Vieira

Esse avião foi mal nascido desde o início. A princípio eu até achei interessante a ideia das forças armadas americanas padronizarem um caça. Mas aí elas pariram um pato.

Eu tenho pena é dos ingleses que gastaram uma fortuna com dois porta-aviões que só podem operar essa aeronave.

Willber Rodrigues

A idéia em sí, foi boa. O problema principal foi a execução da mesma. Fizeram um contrato com a LM aonde, pra cada erro, atraso ou promessa não cumprida, ela era “punida” com cheques em branco pra resolver os problemas, além de terem dado sinal verde pra produção em massa antes de seus principais problemas terem sido sanados. Resultado: um protótipo sendo produzido em massa, enquanto a LM não precisa se preocupar em resolvê-los com celeridade, pois o contrato não prevê a punição se seu produto não atender as especificações exigidas. E como o F-35 já atingiu a fase que… Read more »

Adriano RA

Isso um dia vai ser contado em detalhes, pois é um absurdo completo. Sem falar que foram entregues para a USAF centenas de “protótipos ” que serão retirados em breve da linha de frente, pois fica caro demais para atualizar. Eu não consigo entender os pequenos países europeus entrando nessa…

Fernando Vieira

Vai dar uma boa comédia igual aquele filme sobre o Blindado Bradley. “Pentagon Wars” se não me engano.

Carlos Campos

o erro maior foi o F35B, nunca deveria ter sido feito, o mais problemático foi o C, parecia que os problemas nunca iam acabar.

Toro

Fascinante o documento. Muito bom mesmo! Engloba analises e fala de riscos e coloca perguntas sobre um bando de questoes do programa. Os Apendices sao muito validos e tambem mostram perguntas/respostas e o que esta sendo enderecao, resolvido e ainda em aberto. Poucos programas tem esse tipo de transparencia. Um dos muitos pontos que fica claro e que varios dos problemas sao gerados pela mudanca de filosofia de manutencao e disponibilidade. Voltando no tunel do tempo eu me lembro do F-16 ter gerado muita dor de cabeca no inicio justamente por ser tao inovador (electric fighter – Fly By Wire).… Read more »

Marcos Borges

Então seria, num caso hipotético, os “adversários” do F-35 focar na destruição das aeronaves de transportes?

Carlos Campos

sim, seria um meio de ganhar no longo prazo, mas como tu vai passar pelo F35?

Eduardo Angelo Pasin

Carregando quanto armamento, quantas surtidas esses caças realizaram? Esse número pode variar e muito dependendo as missões executadas.

Carlos Campos

Sim o F35 tem uma operação mais barata que o Gripen, CONFIA

RICARDO N BARBOSA

Único fato é que no fim, ninguém quer economizar um pouco mais para operar um 4.5G mais leve.

Nilo

O Gripe e o Rafael estão aí para dizer o contrário.

Heli
RICARDO N BARBOSA

Tente levar 24 Gripen E para operar do outro lado do mundo por meses e veremos a mágica acontecer. Já começa que cargueiro táticos como o KC-390 nem dariam conta do recado sem dezenas de voo. Não são desdobramentos de Anápolis para São Paulo rs.

Nilo

Vc virou o jogo, fazer comparativos entre cargueiros KC 390 versus C17, mas aí são categorias totalmente deferente.

Rosi

Os desdobramentos dos F35 foram dentro dos EUA ou eu estou equivocada?

Carta Branca

Acho que muita gente aqui nos comentários não leu o artigo. O problema apresentado aí não é do caça mas sim do programa, da sua concepção. Todo aeronave a jato precisa de equipamento de solo, Gripen também precisa de muitos equipamentos, e quanto mais moderno precisa de mais equipamentos. ?w=700&ssl=1 O problema apresentado pela GAO é que as bases não estão recebendo muitos desses equipamentos, então quando precisam se deslocar, eles precisam emprestar equipamentos em outras bases, por isso usaram os 13 C17, caçando equipamentos de solo em múltiplas bases. Imagino que o problema maior é que o F35 implementou… Read more »

Tutor

Como era aquela música do Cazuza mesmo? Exagerado… eu sou mesmo exagerado…

Felipe

Imagine se fossem Gripens, que tem custo operacional maior, de acordo a uma reportagem aqui. Seriam uns 20 cargueiros.

Fernando "Nunão" De Martini

Felipe,
Não tem reportagem aqui dizendo que o custo operacional do Gripen é maior que o do F-35. Tem reportagem sobre o MD tcheco dizendo que a diferença pra menos do Gripen, pelos cálculos deles, é menor do que a alegada pela fabricante. Acho que você não leu direito.

EduardoSP

Eu tendo a ser crítico a esse avião, mas cada vez que eu vejo a Força Aérea de Israel utilizando-os, e comprando mais, penso que ele deve ter muitas qualidades.

Camargoer.

Caro. Existem dois erros que precisam ser evitados quando comentários relacionados ao F35: achar que o equipamento é ruim e achar que o equipamento não tem problemas. É óbvio que o equipamento tem um desempenho superior ao de outras aeronaves mas também é óbvio que o programa tem problemas graves e seus custos são muito mais altos do que se havia estimado. Sobre Israel, é preciso lembrar que os F35 são comprados com recursos da ajuda financeira dos EUA, ao contrário de outros países que estçai usando seus próprios recursos, como o Japão.

capao pintado

Valeu a pena dispender uma montanha de dinheiro no projeto desse caça?…

Fabio Araujo

Para manter em operação tofo o pacote tecnológico do F-35 deve precisar de um bom suporte por isso tsnto equipamento, só não entendo o MD tcheco falar que o F-35 é mais barato que o Gripen. Quero ver o F-35 operar no meio do nada numa pista de rodovia com o mínimo de suporte!

Orlando Rios

Acho absurdo ianques explorarem fora do sistema solar com suas voyagers, pousado na Lua com Apolos, engarrafarem trânsito marciano com seus jeeps e precisarem de enormes APU’s externas para ligarem seus jatos furtivos e cada jato precisar de um enorme e caríssimo cargueiro de apoio para funcionarem. Imaginem uma guerra contra a China, os ianques perderiam de 14 a 0 no primeiro tempo. Acho que o governo americano está totalmente escravo e dependente da indústria armamentista local, que por sua vez controlam a mídia mundial e o poder militar para gerarem “noticias” que produzem belos contratos de produção de armas… Read more »

Cansado

Caríssimo, cheio de problemas e, para operar direito, “só” precisa de uma USAF de apoio.
Baita negócio né…

Tallguiese

Cê tá loco meu, só lamento pra república Tcheca