Home Aviação de Caça Paramount Group da África do Sul compra Mirages F1

Paramount Group da África do Sul compra Mirages F1

4849
23
Mirage F1

O Paramount Group da África do Sul adquiriu quatro caças Dassault Mirage F1 do governo francês para apoiar o treinamento de agressor.

Os caças franceses excedentes da força aérea serão operados pela subsidiária Paramount Aerospace Systems.

A Paramount declina divulgar o preço da compra, mas diz que é uma transação “multimilionária”.

Não foi tomada nenhuma decisão sobre datas de entrega ou locais de operação, com estes regidos pelos potenciais requisitos do cliente.

As aquisições juntar-se-ão à frota existente da empresa de Mirage F1s, que comprou da Força Aérea Sul-Africana em 2006.

Além do treinamento de agressores e pilotos, o Mirages serão usados para auxiliar no treinamento de manutenção e suporte.

FONTE: FlightGlobal

23 COMMENTS

  1. E se alguma ditadura africana contratasse uma empresa dessa pra fazer as vezes de “força aérea”? O que diria o direito internacional? Quais são os limites para utilização de PCs?

  2. Isso me cheira muito a mercenários do século XXI. Quem já leu “Cães de Guerra” de Frederick Forsyth sabe como funcionam os mercenários…

    Muito interessante, eles têm um portfólio de produtos também vasto, e fabricam até patrulheiro de 85M (http://www.paramountgroup.com/capabilities/sea/85m-frontier/).

    Mas o que denuncia como provável companhia de mercenários do século XXI é isso:

    “International Peacekeeping
    Our vast experience in this field means we can deliver a comprehensive, turnkey service for international peacekeeping forces.
    Our impressive range of capabilities extend to fully operational camps, personnel equipment, armoured vehicles, aerospace support and the most technologically advanced command and communications systems. Having supported many peacekeeping missions in recent years, we understand the security, economic and political needs and challenges facing modern peacekeeping forces.”

    Dogs, of war, of world…

    (paramountgroup.com/capabilities/solutions/)

  3. Estes aviões agressores e treinadores como os F1, A-4, L-39 e outros são desarmados, não serviriam para terceirizar uma Força Aérea, mas servem para treinar Forças Aéreas mundo afora, no caso da Paramount sem a necessidade de aprovação do Gov. Americano exigida no caso da Draken e ATAC que são americanas.
    Tem empresa no Texas com DC-3 turbohélice com radar de busca para formar pilotos de patrulha, precisa autorização do Dep. de Defesa no caso de estrangeiros.

  4. Walfrido

    Esses aviões são fáceis de armar no mercado negro. Todos os aviões com central de vôo eletro-hidráulica o são, aliás. Afinal, como será que voam os F-4 iranianos?
    Tem um bocado de matéria em inglês sobre o mercado negro de armas, pasmem, fabricadas em Israel pra manter o phantom iraniano voando.

  5. Terceirização de força aérea?
    Alô, é da empresa Y?
    Dá para vocês mandarem 10 caças amanhã?
    Quanto vocês estão cobrando?
    Fornecemos a feijoada para os pilotos…
    Mandem 100 mísseis também.
    Quanto estão os mísseis?
    Aceitam pagamento em soja e azeite de dendê?
    Peixe? Carne de boi?

  6. Vejo isso como uma ameaça à estabilidade no mundo. Uma organização pode contratar tais mercenários para tomar reservas naturais em países onde houver forças armadas “fracas”, com infantaria e força aérea os não há limites! Um bilionário lunático do estilo de vilões do 007 pode “comprar” seu exército e satisfazer sua megalomania.

  7. Bavaria Lion 6 de outubro de 2017 at 18:47.
    .
    paramountgroup.com/capabilities/solutions.

    Eles são bem organizados. No meio do caos eles podem se apresentarem como solução, talvez.

  8. É muita viagem de vcs imaginarem uma Força Aérea formada por aviões agressores civis sendo usada para atacar um país para tomar seus recursos.
    Andam lendo muito sobre o ataque que o Brasil vai levar quando vierem roubar a Amazônia e o Pre-Sal no dia de São Nunca.

  9. Walfrido Strobel 7 de outubro de 2017 at 12:03

    Pode ser viagem ou não…
    Porém o mundo da década de 60-80, onde os mercenários encheram as burras de dinheiro na África, era um mundo mais honrado que hoje. Os inimigos se declaravam, se mostravam em campo de combate.
    O problema do terrorismo, que é o que o mundo civilizado enfrenta de pior hoje, é justamente a desonra e a covardia das ações. Como o Roberto falou, preferiria que existissem 1000 companhias de mercenários a um ISIS.

    Saudações.

  10. Não sei o porquê da surpresa de muitos aqui. Até parece que nunca viram guerras inventadas pelo complexo industrial-militar da América ou pelos camaradas linha dura Soviéticos?
    Meu, vivemos num mundo onde os valores conservadores do ocidente e que fundaram os EUA e todo o ocidente foram para o vinagre e hoje o que sobrou foi o capitalismo de gangue que captura o Estado para acabar com a livre iniciativa e o livre mercado com todo tipo de barreira (regulamentar, sanitária, fiscal, etc.) O ocidente está pra acabar, precisamos reagir agora ou será demasiadamente tarde.

  11. Nonato 7 de outubro de 2017 at 1:03, sob certas condições até pode rolar, mas só lá no interiorzão da África e olhe lá….
    Hoje em dia atuação de mercenários nos moldes que alguns amigos aí acima imaginam ou mencionam (como referência histórica) é bem restrita. Coisas de um mundo moderno, onde um simples celular Nokia da década de 2000 (mega ultrapassado para os ocidentais…) pode capturar uma foto que vai entregar o caça de aluguel….. E como caças não são construídos num fundo de quintal, seria questão de tempo até alguém achar até mesmo no Google quem é o dono…
    Não duvido que role de tudo com tropas em terra, atuando discretamente, poucos homens que podem se manter escondidos e sem marcas de identificação, mas colocar um par de caças no ar e atacar uma nação qualquer, mesmo nos confins da África, é arriscadíssimo e, vamos combinar, pouco eficiente.
    Quem tem poder econômico para bancar algo assim, contrata os melhores “consultores” para derrubar governos, roubar segredos, assassinar inimigos…..

  12. Esses aviões poderiam armar países pequenos.tomará que não haja muitas firmas desta no futuro em maõs erradas servem até para golpes de estado ou algo assim.Ou até parar na mãos de terroristas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here