Home Artigo DOT&E FY16AR: F-35 x MANPADS

DOT&E FY16AR: F-35 x MANPADS

4862
11

O Escritório de Testes Operacionais e Avaliações do Pentágono analisou a resistência da célula do F-35 frente aos mísseis MANPADS. Veja os resultados

F-35C em testes - foto jsfmil
F-35C em testes – foto jsfmil

por Guilherme Poggio

O Escritório de Testes Operacionais e Avaliações do Pentágono (DOT&E) é um dos principais braços operacionais do Secretário de Defesa dos Estados Unidos. O objetivo principal das atividades desenvolvidas pelo DOT&E é compreender como equipamentos novos e sistemas modernizados se comportarão diante de condições reais de combate antes que eles atinjam a etapa de produção em larga escala ou sejam empregados em combates reais.

Pode-se imaginar o tamanho do trabalho desde escritório, uma vez que ele responde tanto pelas pequenas armas de mão até os grandes navios da frota da US Navy.

Anualmente o DOT&E publica um relatório de caráter público sobre o andamento dos testes e avaliações de diferentes sistemas de defesa. O mais recente relatório foi publicado no ano passado. Este foi o último relatório do diretor Michael Gilmore, no cargo desde 2009. O documento possui 532 páginas sendo que 62 são dedicadas exclusivamente ao programa F-35, tema deste post.

Como sempre as informações são muito interessantes e, em vários casos, reveladoras. Neste ano não foi diferente. Em função da complexidade e da quantidade de informações, o Poder Aéreo selecionará e resumirá muitas delas e as publicará em diferentes posts.

Desta maneira esperamos contribuir para o aumento do conhecimento dos nossos leitores frente ao programa F-35. Lembrando que estas informações são oficiais e oriundas de relatórios do próprio governo. Ou seja, é uma fonte de dados confiável e passa longe das diversas especulações que surgem na mídia.

Resistência do F-35 frente a MANPADS e projéteis HEI  

linha de montagem do F-35 - foto 2 jsfmil
linha de montagem do F-35 – foto 2 jsfmil

Um dos capítulos mais interessantes do documento (pelo menos no meu ponto de vista) diz respeito ao programa de teste e avaliação com sistema de arma real (Live Fire Test and Evaluation – FLT&E).

O programa F-35 LFT&E completou os testes estruturais da seção anterior fuselagem e da empenagem frente a ameaças do campo de batalha. Os testes ocorreram no laboratório de sobrevivência a danos de armas da Marinha em China Lake (Califórnia).

O objetivo foi avaliar a capacidade da aeronave (mais especificamente da estrutura da parte posterior dela) de sustentar danos frente a ameaças como projéteis HEI (high-explosive incendiary) e mísseis MANPADS (disparados do ombro como os SA-7). Para isto foi empregada uma seção estrutural da cauda da aeronave F-35C em escala real.

Uma primeira avaliação dos dados mostrou que a deriva vertical é capaz de aguentar o impacto de um projétil HEI. O projétil pode atingir e danificar um ponto de fixação da estrutura, mas os demais pontos de fixação demonstraram capacidade de suportar as cargas normais de voo após o impacto.

Em relação aos mísseis do tipo MANPADS, dois desses sistemas foram disparados contra a seção da cauda da aeronave. Testes deste tipo já haviam ocorrido contra seções de caudas de aeronaves do modelo F-35A e F-35B. A união dos dados destes diferentes testes indicou que é provável a ocorrência de danos a um único atuador porém, a estrutura é suficientemente robusta para que a aeronave apresente um mínimo de controlabilidade e desta maneira o piloto poderia levá-la até um local mais favorável à ejeção.

O que os testes atuais demonstraram foi a possibilidade da ocorrência de danos no sistema hidráulico do motor. Numa situação como esta um incêndio poderia irromper na aeronave e o piloto seria obrigado a abandoná-la sobre território inimigo.

Os dados coletados neste mais recente teste serão empregados ao longo do ano de 2017 para que um quadro mais amplo da vulnerabilidade da aeronave seja traçado. Este tipo de análise é comumente feito com aeronaves de caça de projeto recente. Os dados coletados permitem não só prever o comportamento da estrutura como aperfeiçoá-la para elevar a capacidade de sobrevivência da aeronave em combate (para mais informações sobre o tema veja o artigo “O Brasil precisa de um caça de quinta geração?”, publicado na revista Forças de Defesa número 5, página 10-13).

 

 

11
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Alfredo AraujoBoscoVaderGuilherme PoggioClésio Luiz Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Bosco
Membro
Member
Bosco

O F-35 é especialmente vulnerável a MANPADS disparados do topo do Everest. Inclusive seu sistema de navegação o impede de voar num raio de 10 km em volta do Everest. rsrss

Clésio Luiz
Membro
Active Member
Clésio Luiz

Tradicionalmente aeronaves de alta performance não são equipadas com blindagem, como ocorre com o A-10 e Su-25.
.
Mas mesmo assim, impactos de mísseis inimigos ocorrem e a literatura disponível tem farta descrição de casos onde algumas aeronaves foram atingidas mas conseguiram voltar.

Obviamente, devido as condições de um conflito, não é possível estudar o que falhou nas aeronaves que eventualmente foram derrubadas em território inimigo…

Bosco
Membro
Member
Bosco

Para que um caça ou um avião de ataque voa baixo e ataca baixo e fica vulnerável aos mampads? Resposta: para poder identificar visualmente o alvo e poder atacar com grande precisão utilizando armas burras (canhões, foguetes, bombas, tanques de Napalm, etc.), e mantendo-se em baixa altitude reduz o tempo da defesa antiaérea de baixo nível e impede a aeronave de ser atingida por sistemas de média e alta altitude. O F-35 não utilizará a identificação visual de alvos e não utilizará armas burras. Não faz parte dos armamentos disponíveis ao caça nenhuma arma burra (fora o canhão) e ele… Read more »

Vader
Membro
Vader

Manpad? Caraca, é um caça, não um MBT!
Todo teste é válido, mas a possibilidade de um F-35 ser atingido por manpad, a não ser estacionado num pátio de aeródromo, é próxima do zero.

Bosco
Membro
Member
Bosco

Poggio, O A-10 com seus 1200 cartuchos pode dar umas ou 8 passadas utilizando o canhão. O F-35 só o fará uma ou duas vezes com seus 180 cartuchos. É uma arma que não deve ser desprezada mas ele só a utilizará em casos excepcionais. Claro que só essa excepcionalidade já justifica ele ser avaliado quanto à resistência relativa aos manpads. A utilização de mini bombas ao meu ver é mais seguro que a utilização do canhão quando as tropas amigas e inimigas estiverem exageradamente próximas. Uma passada com canhão (2 ou 3 segundos) é algo que está longe de… Read more »

Bosco
Membro
Member
Bosco

Vale salientar que o F-35 tem um canhão de 25 mm com 180 cartuchos e cadência de e o A-10 tem um canhão com 1200 cartuchos (1350 são possíveis) e cadência de 4200 t/m. Cada rajada de 2 segundos do GAU-8 do A-10 dispara cerca de 150 projéteis, que corresponde quase que a totalidade da quantidade de projéteis levados pelo F-35. Já o F-35 com uma rajada de 2 segundos dispara pouco mais de 100 projéteis. No máximo o F-35 terá duas “passadas” sobre o alvo (se tanto) enquanto o A-10 terá 8. Uma rajada de 2 segundos do A-10… Read more »

Bosco
Membro
Member
Bosco

Cadência do GAU-22 do F-35 é de 3200 t/m.

Alfredo Araujo
Membro
Alfredo Araujo

CAS no F-35 ? SDBs e Hellfire’s/Brimstone’s/Cuda’s

http://www.f-16.net/forum/download/file.php?id=16589&mode=view