domingo aereo AFA 2011 - Mirage 2000C 2 - foto Poggio

O programa de desenvolvimento do Mirage 2000 recebeu diferentes designações conforme o projeto evoluía. Estas eram conhecidas como “designação de ensaios”, sendo identificadas por um traço seguido de um número. Geralmente essas designações de ensaios sofriam alterações quando ocorria uma evolução significativa na aviônica (principalmente troca de radar e mudança no layout do cokpit), na motorização ou no armamento.

Inicialmente nem o fabricante e nem a Força Aérea Francesa utilizaram esta terminologia para identificar os exemplares das gerações iniciais, mas o que seria a primeira geração (Mirage 2000-1) foi representada pelos Mirage 2000 com radar RDM e motor M53-5. Já a segunda geração (Mirage 2000-2) foi representada pelos caças com radar RDI e motor M53-P2.

A partir da década de 1990 o sistema de designação empregado nos ensaios passou a ter conotação comercial e desde o desenvolvimento da variante 2000-5 os Mirage não seriam mais identificados por uma letra após o numeral “2000” como era feito até então (Mirage 2000C, Mirage 2000D, Mirage 2000N, etc). A seguir as principais designações de ensaios.

  • 2000-3

Programa de modernização desenvolvido e custeado pela própria Dassault e outras empresas associadas ao programa Mirage 2000. Os estudos para o programa começaram em 1984 e foi efetivamente lançado em junho de 1986. O foco desse programa teve como base os desenvolvimentos no layout do painel projetado para o novo caça  Rafale. O novo layout ficou conhecido como APSI (advanced pilot system interface) e era composto basicamente por telas multifuncionais no padrão glass cockpit.

Utilizando-se de um Mirage 2000B (B.01) modificado a Dassault ensaiou em voo as modificações pela primeira vez em março de 1988. A Dassault ofereceu esta atualização da aeronave no mercado internacional com o nome Mirage 2000 Flex. Porém, com exceção do protótipo reconstruído nenhuma aeronave com esta configuração foi comercializada.

  • 2000-4

Este desenvolvimento é muito pouco divulgado e raramente mencionado. Trata-se dum programa privado (assim como o anterior) tendo como objetivo principal a integração do míssil Matra MICA. O mesmo avião empregado nos ensaios em voo para o programa 2000-3 recebeu um radar RDY e voou pela primeira vez com esta configuração em maio de 1988. O programa culminou com o primeiro disparo de um MICA por um Mirage 2000 contra um drone em janeiro de 1992.

MBDA MICA - foto Poggio

  • 2000-5

Esta variante incorporou os avanços das variantes -3 e -4 associando-os à introdução do radar RDY e à nova central de processamento de dados. Também foi incorporado um novo HUD e contramedidas eletrônicas ICMS Mk 2. Externamente as mudanças mais significativas são a ausência do tubo de pitot no nariz e a adição de uma antena no bordo de ataque da deriva (para guiagem de meio curso do míssil MICA), logo abaixo da antena de RWR(ver detalhes no desenho abaixo).

compraracao Mirage 2000c x 2000-5F
Compraração entre o perfil do Mirage 2000C e do 2000-5F

O primeiro avião com estas modificações (o mesmo B.01) voou pela primeira vez em outubro de 1990. Na Força Aérea Francesa 37 aeronaves foram modernizadas para o padrão -5 e receberam a designação Mirage 2000-5F. No mercado internacional a variante foi exportada para Qatar e Taiwan.

  • 2000-9

Esta versão é uma evolução da variante anterior (-5). Ela foi desenvolvida para atender os requisitos específicos da Real Força Aérea dos Emirados Árabes Unidos. A aeronave incorporou capacidade avançada de combate ar-superfície, sendo capaz de lançar mísseis de cruzeiro Black Shaheen (versão do míssil Scalp) e bombas guiadas Hakim. A versão também está capacitada para usar os casulos de designação de alvo e iluminação Shehab (versão do Damoclès) e de navegação/FLIR Nahar. Além disso o radar RDY sofreu melhoramentos dando origem a versão RDY-2. O novo sistema IMEWS (Integrated Modular Electronic Warfare System) incorporou os sistemas ECM Spirale e Eclair.

PGM is a family of highly accurate, modular air-to-surface precision guided stand off weapons. Three types of guidance: laser, TV, IIR. There are 2 classes of blast fragmentation warhead. Designed for the attack of strategic and mobile land and naval targets and operable from light and medium tactical fighters. The range is in excess of 50 km. Autonomous or man-in-the-loop operation, all variants are currently in service, currently with the United Arab Emirates (Mirage 2000) and is being qualified on F-16.
Mirage 2000-9 do EAU lançando bomba guiada Hakim
  • 2000-5 Mk2

Esta foi a última versão do Mirage 2000. Ela foi inicialmente anunciada em abril de 1999 e empregou basicamente as mudanças incorporadas pela versão 2000-9, vendida para os Emirados Árabes Unidos. A Dassault definiu esta como a versão de produção e exportação do Mirage 2000 para a primeira década do Século XXI.

A Grécia foi o primeiro cliente dessa versão e recebeu caças novos de fábrica bem como modernizou parte da frota mais antiga. Esta era a versão oferecida pela Dassault para o programa F-X, cancelado em 2004.

O programa de modernização dos Mirage 2000 indianos segue basicamente as linhas do programa -5 Mk2 com algumas atualizações pontuais mais modernas.

VEJA TAMBÉM:

 

30
Deixe um comentário

avatar
27 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
21 Comment authors
Iväny JuniorDelfim SobreiraGuatavoeriksondbiksonBueno Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
marcus
Visitante
marcus

Se o Mirage estivesse em produção venderia mais que o Rafale?

Nonato
Visitante
Nonato

Acho que se o F5 estivesse em produção venderia mais do que o F35…

kfir
Visitante
kfir

Já pararam para pensar que o Gripen entra na fatia de mercado do mirage? do F5?
foi uma visão de mercado sensacional…um monte de Mirage saindo do mercado, um monte de f5 para serem substituídos, e no lugar apareceu um Rafale super caro e outro mais em conta com tudo o Gripen..
Deveríamos ter projetado isso..

Rodrigo Maçolla
Visitante
Rodrigo Maçolla

Sim Kfir tem razão, A Dassault apostou tudo no Rafale, muito bom, mais também muito mais caro, Talvez se tivessem conseguido fazer uma venda de aviões novos no meados dos anos 2000, como o FX-1 por exemplo, a linha de produção ainda estivesse funcionando e ai poderiam oferecer pra outras concorrências, como bem sabemos isso não aconteceu e a produção foi encerrada.
Legal a matéria eu não sabia que a nomenclatura correta dos Mirage 2000 da Grécia é “2000-5 MK2”

Claudio Moreno
Visitante

Bom dia Senhores!

Kfir e Maçolla é aí que a SAAB e EMB estão pensando! No mercado sul americano especialmente com o Peru, Colombia, Equador (quem sabe a Argentina se ela mudar de postura referente as ilhas Falklands) e claro o leste europeu e os Balcãs.

Lembrando ainda que Finlândia, Dinamarca e Suíça estão no páreo. Os dois primeiros com história de compras com a SAAB.
CM

Lemes
Visitante
Lemes

A Dassault não interrompeu a linha do Mirage 2000 por falta de clientes, estes haviam, a India antes de inventar moda com o famigerado MMRCA tentou comprar Mirage 2000 e os franceses prefeririam fechar a linha e apostar tudo no rafale.

Mauricio R.
Visitante

Me parece que está acontecendo alguma convenção de plastimodelistas, na cidade.

Mauricio R.
Visitante

“…a India antes de inventar moda com o famigerado MMRCA tentou comprar Mirage 2000 e…”
.
O único comentário lucido até o momento, mas mesmo assim necessita de duas pequenas correções:
.
“…a (força aérea da) India antes de (o governo hindu) inventar moda com o famigerado MMRCA tentou comprar Mirage 2000 e…”

Lucas Lima
Visitante

Alguém sabe informar se ha algum calendário do PORTÕES ABERTO 2016 ?

Claudio Moreno
Visitante

Lima,

Ano passado nesta data nós já tínhamos disponível o calendário na pagina da FAB.
Talvez por razões orçamentárias não teremos isso este ano…
É esperar para ver…no geral elas começam no mês de Outubro pra frente.

CM

Marcelo
Visitante

creio que um M2000 com radar AESA e um IRST seria um bom competidor para o Gripen. Mas ia matar o Rafale.

Lucas Lima
Visitante

Claudio Moreno,

Obrigado pela ajuda

Att

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Poggio,

Excelente comentário.

Pelas razões que citaste, os franceses estão precisando de uma “evolução” nas M88 do Rafale.

Abraços

Clésio Luiz
Visitante

Faltou comentar que a versão inicial de exportação tem designação genérica de Mirage 2000E. Elas usavam o radar RDM.

Seria bom uma reportagem rápida sobre isso Poggio, pois é confusa a lógica adotada pela Dassault nos nomes.

Arthur Duval
Visitante
Arthur Duval

É mais esses deltas são bonitos vão deixar saudades até hoje a Arme d´Leir não se furta ao emprego dos mesmos.

Delmo Almeida
Visitante
Delmo Almeida

Poggio,
.
Muito bom o texto e especialmente os comentários.
.
PS: Editores, estou tentando comentar no Poder Naval mandando uma notícia que achei interessante falando dos Scorpene indianos mas não ta indo.

Justin Case
Visitante
Justin Case

Amigos, Novas tecnologias construtivas e de materiais permitiram evolução nas M88 do Rafale. Essas tecnologias envolviam novas ligas, uso de “blisks” (blades and disk em peça única), refrigeração interna das palhetas, entre outras soluções. De maneira semelhante ao que ocorre com o GE F414, esse tipo de evolução tecnológica pode tomar dois rumos: aumento da segurança/durabilidade ou aumento de potência. Para o Rafale, essas duas direções foram desenvolvidas no programa TCO (ou pack CGP) e no programa ECO, respectivamente. Um projeto de aumento de potência tem que ser acoplado a outros desenvolvimentos na aeronave para que todo seu potencial seja… Read more »

Aéreo
Visitante
Aéreo

Aproveitando a presença de vários Fabianos neste espaço, gostaria de lançar uma questão. A moderna defesa aérea na FAB, criada há uns 40 anos atrás com os DACTA, previa algumas bases com caças em alerta para interceptação, 3 bases, Anápolis, Santa Cruz e Canoas como todos sabem. Um modelo coerente técnica e economicamente que só não foi melhor, por falta de recursos para mais bases aéreas em pontos descobertos do território. No projeto FX, até onde sei os aviões estarão baseados em Anápolis apenas, o que nos remete ao seguinte cenário. Os F-5 irão manter a capacidade de interceptação em… Read more »

Bueno
Visitante
Bueno

OFF TOPIC Vídeo – Primeiro Trailer Oficial – Documentário “Turma da graxa” Muito bom.

https://www.facebook.com/turmadagraxa/videos/1062557010457957/

Delmo Almeida
Visitante
Delmo Almeida

Aéreo,
.
36 Gripens da pra dotar dois esquadrões com 18 cada (14 monopostos e 4 bipostos ou outra configuração diferente para a especificidade das missões). Esse é só um primeiro lote (espero que venham um segundo e um terceiro). A ideia é que substitua os Mirage (os primeiros entrariam pra preencher um buraco), os F-5 (estão no limite) e depois os AMX.
Com o ganho de autonomia do Gripen sobre o F-5, acredito que seria melhor deixar só os AMX no RS (com apoio dos Gripens do RJ) e o terceiro esquadrão eu colocaria em Manaus.
.
Valeu

eriksondbikson
Visitante

Delmo Almeida, eu particularmente acho essa divisão 14+4 para o esquadrão coisa de 1º mundo, penso que os 36 seriam pra mobiliar 3 esquadrões, chute meu.

Mauricio R.
Visitante

O lote ora adquirido contempla 28 monplaces e 8 biplaces. Seriam então possivelmente 3 conjuntos de 8+2 células e 1 conjunto de 4+2 células.
O melhor seria descartar os biplaces e arredondar a conta p/ 40 monoplaces.

Guatavo
Visitante
Guatavo

também achei que 36 dava pra mobiliar 3 esquadrões, mas depois pensei que ainda teria que ter reservas para quando chegasse o tempo das manutenções periódicas das naves. será que falei certo? sou leigo mas ando prestando atenção e muito nos comentários dos especialistas…. mas sério bem que podia equipar os esquadrões de Anápolis, Manaus e Canoas.

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

36 Gripen NG pra substituir quase 100 aeronaves F-5 e A-1, com nossa imensidão, acho que não.

Mas se os caças adicionais serão mais Gripen NG, algo inferior (como o FA-50 coreano), ou até mesmo algo superior (F-35), depende dos rumos futuros da economia e da política.

Rodrigo Maçolla
Visitante
Rodrigo Maçolla

Mauricio R. o que você tem contra os plastimodelistas ?

“Mauricio R. 3 de maio de 2016 at 11:29
Me parece que está acontecendo alguma convenção de plastimodelistas, na cidade”.

“O único comentário lucido até o momento, mas mesmo assim necessita de duas pequenas correções:”

Não vejo o que este tipo de observação acrescenta a discussão se na verdade só critica posições de outros comentaristas.

Iväny Junior
Visitante
Member

Caros Com anexos aerodinâmicos, o F-16 block 60 e posterior conseguiu incorporar muitos avanços atuais. Porém, como o Poggio já explicou, o que acontece hoje é que os motores dele estão no limite do desenvolvimento. Os anexos aerodinâmicos (tanques conformais, aumento do MTOW, aumento de potência, troca de radar, etc), foram proporcionados por layout de asas mais flexível neste sentido (em relação ao formato delta do m2000). A aerodinâmica do falcon permitia isso e o delta conservador do Mirage, não. A Índia vai gastar em torno de 2,6 bilhões de dólares pra modernizar 40 m2000 a um padrão já atrasado.… Read more »