Home Indústria Aeroespacial A chegada do Super Tucano e a difícil reconstrução da Força Aérea...

A chegada do Super Tucano e a difícil reconstrução da Força Aérea Afegã

1636
12

Situação só deve melhorar com a chegada do Super Tucano

O coronel  Qalandar Shah Qalandari assumiu recentemente o comando da mais nova unidade da Força Aérea Afegã (AAF): um esquadrão de helicópteros de ataque de fabricação americana destinado a resolver a falta crônica de apoio aéreo aproximado para as tropas em solo.

Dezesseis helicópteros armados MD-530 foram entregues em caráter urgente este ano com grande alarde, e mais uma dúzia deverá se juntar a eles. Mas o coronel Qalandari não ficou nada impressionado. “Esta aeronave é uma porcaria”, disse ele. “Para ser honesto, eu não sei por que nós a recebemos”.

“Eu vou dizer a verdade. Este é o meu país, e estes são os meus homens, e eles merecem a verdade “, continuou o coronel.

Ele jogou um mapa sobre a mesa mostrando o alcance efetivo do helicóptero a partir de Cabul. A aeronave não pode sequer chegar às áreas onde o Taliban opera normalmente. No verão, a sua altitude máxima com uma carga completa de combustível e munição é de apenas 7.000 a 8.000 pés, disse ele – o que significa que não pode atravessar a maioria das cadeias de montanhas que circundam Cabul, que está a uma altitude de cerca de 6.000 pés. (ver mapa abaixo)

mapa d eoperacao do MD-530 no afeganistao

“É inseguro para voar, o motor é muito fraco, o rotor de cauda é defeituoso e não é blindado”, disse o coronel Qalandari. “Mesmo as armas não são boas.”

Cada helicóptero carrega duas metralhadoras calibre .50, montadas em casulos laterais. “Elas travam com frequência”, disse um dos dez pilotos recém-treinado pelos norte-americanos.

Os afegãos se queixam de que seus aliados têm ignorado seus pontos de vista sobre o que eles precisam para lutar contra o Taleban.

No passado, os esforços concentraram-se na reconstrução da força aérea deixada para trás pelos soviéticos, ou pelo menos a parte de asas rotativas (transporte e ataque). Durante a era soviética a Força Aérea afegã tinha caças MiG-21 com pilotos afegãos. O que os afegãos possuíram em tempos recentes foi um frota de aviões de transporte Cessna, helicópteros de transporte MI-17 e de ataque MI-35, este último o tipo que o coronel Qalandari voava no passado.

Os esforços americanos para reconstruir a frota de origem russa foram   paralisados após as sanções impostas pelo Ocidente em função do conflito na Ucrânia. Isso fez com que peças de reposição difíceis de obter e novos helicópteros russos quase impossível comprar.

Da frota original de cinco helicópteros MI-35, uma aeronave temível e bem adaptada às condições afegãs, apenas um ainda está voando. “E isso não vai durar muito mais tempo”, disse o coronel Qalandari.

Alguns dos MI-17 russo, normalmente utilizados para transporte, foram equipados com armas ou para missões do tipo medevac, mas existem problemas constantes em mantê-los em serviço devido a problemas com manutenção e peças de reposição.

As autoridades americanas elegeram o MD-530 como uma solução rápida e realista para as necessidades da Força Aérea do Afeganistão.

Criado pela McDonnell Douglas, o helicóptero de dois lugares tem uma história de 33 anos. É simples de ser mantido e pode ser colocado em ação no Afeganistão rapidamente, disseram autoridades norte-americanas.

Os primeiros MD-530  já passaram por duas missões de combate em agosto e, oficialmente, tanto os afegãos como os americanos declararam um sucesso.

“Esta é uma solução sustentável”, disse o tenente-coronel James Abbott, um instrutor da Força Aérea que adiou sua passagem para a reserva para ajudar a executar o programa MD-530 no Afeganistão. “Você está lutando caras com uma arma na parte de trás de uma caminhonete: quanta tecnologia precisa para se opor a isso?”

Os novos helicópteros foram adquiridos e entregues, com pilotos afegãos suficientemente treinados e prontos para voá-los em menos de um ano. “Foi incrível o que eles fizeram em um curto espaço de tempo”, disse o coronel Abbott.

Alguns dos pilotos afegãos já se qualificaram no MD-530 como pilotos instrutores, e estão treinando outros afegãos. Mecânica de treinamento e mantenedores vai demorar mais tempo, e empreiteiros americanos ainda estão fazendo a maior parte desse trabalho.

O capitão Naiem Azadi, 27, um dos novos instrutores e veterano da primeira missão de combate do MD 530 em Jalalabad no mês passado, está entusiasmado com o helicóptero. Mas ele gostaria de contar com um mira. Atualmente os alvos são adquiridos visualmente e o helicóptero precisa ser manobrado para que os tiros acertem o alvo.

Um dos novos helicópteros caiu recentemente enquanto um piloto americano estava voando com um aluno afegão perto da Passagem deLataband, cerca de 8.000 pés de altura. Coronel Qalandari disse que o incidente mostrou as limitações do helicóptero em terreno afegão.

Após o helicóptero pousar, um problema recorrente do rotor de cauda associado ao seu peso leve, causou a tombamento do mesmo com uma rajada de vento. A tripulação escapou com segurança, mas a aeronave rolou pela encosta da montanha.

“Quando meus pilotos voam neste helicóptero só Deus e eu sabemos o que eles estão passando”, disse o coronel. “E eu não sei se eles vão voltar”.

O MD-530 não é a única aeronave problema no arsenal do Afeganistão, segundo autoridades afegãs.

Eles também têm 25 C-208 aviões de transporte, basicamente modificados Cessna aviões a hélice de 12 lugares, uma aeronave norte-americanos louvar pela sua simplicidade e laborioso habilidades.

O chefe da Força Aérea afegã de equipe discordou. “O C-208 não é bom para o território afegão, é inaceitável para a geografia do país”, informou o brigadeiro Mohammad Dawran em uma entrevista. “Ele não é pressurizado, o teto operacional é de 4.000 a 5.000 metros, não é bom no tempo quente. E tem apenas um único motor. ”

“Os nossos amigos internacionais, especialmente os EUA, fez um monte de coisas boas para ajudar a Força Aérea Afegã”, disse ele. “Começamos do zero, e agora estamos em uma situação melhor. Mas os americanos não prestaram atenção para o que queríamos. Eles não nos consultaram”.

O brigadeiro afegão estava esperançoso, no entanto, sobre a planejada entrega no próximo ano de 20 novos aviões A-29 projetados no Brasil, uma aeronave de ataque leve comprada pelos militares americanos. Ao contrário dos novos helicópteros, a A-29 será capaz de lançar bombas guiadas a laser e outras armas de alta tecnologia.

O brigadeiro Chris Craige da USAF, comandante da missão de treinamento da Força Aérea, reconheceu que o desenvolvimento de uma Força Aérea Afegã ficou para trás em relação a outros esforços de treinamento militar. Por um lado, os Estados Unidos e seus aliados da coalizão nem sequer começaram a trabalhar na formação de uma Força Aérea Afegão até 2007 e os esforços foram complicados pela natureza altamente técnica do poder aéreo e pelos longos períodos de formação necessários para pilotos e mecânicos. Pilotos em particular necessitam de proficiência em idioma Inglês, o que ocupa a maior parte do primeiro ano da sua formação.

O A-29, disse o Craige, “é definitivamente o avião certo para eles. Ele trará o próximo nível de capacidade a eles, não apenas pelas metralhadoras e foguetes, mas também por ser capaz de soltar bombas. E é a partir deste ponto que a Força Aérea Afegã poderá se sustentar nessas batalhas difíceis”.

Piloto afegão voa pela primeira vez no A-29 - 4

O treinamento com o A-29 não começará até o próximo ano, e o complemento total de 20 aviões não chegará até Dezembro de 2018.

Mas as forças terrestres afegãs estão implorando por apoio aéreo à medida que enfrentam desafios em terra contra os determinados insurgentes do Taliban, que se vangloriam da facilidade da luta na ausência de ataques aéreos americanos.

A maioria dos ataques aéreos americanos em apoio às forças afegãs precisa ser aprovada caso a caso pelo general John F. Campbell, o comandante americano no Afeganistão, e nem todos são.

Uma exceção foi Musa Qala, um distrito da província de Helmand, que caiu nas mãos do Taliban em 26 de agosto. ataques aéreos americanos pesados ​​foram feitos quase continuamente no distrito durante semanas depois disso, de acordo com autoridades afegãs e moradores locais.

Mas acima de tudo, o general Craige disse, “este é o primeiro ano em que a coalizão não chegou e disse: ‘Nós vamos cuidar disso.”

Isso tem sido difícil para os afegãos a aceitar. Como outro general americano disse, falando sob condição de anonimato ao criticar um aliado, o uso pesado  do poder aéreo americano nos anos anteriores fez com que as forças do governo afegão se sentissem excessivamente dependentes dele.

FONTE: The New York Times (tradução e edição do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

VEJA TAMBÉM:

12
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
André Sávio Craveiro BuenoEdcarlos Prudentecarvalho2008Anderson Petronionadimchaachaa Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Interessantes as críticas ao MD-530F. Eu sou simpático a família dos Little Birds, principalmente a atual versão da Boeing- AH-6i e defendo a compra deles para o EB e para a MB (FN). Os motores dos dois são os mesmos e, aparentemente, limitados para alguns TOs. E isso não tem solução. Mas a diferença de armamento é gritante. O MD-530F afegão não contar ao menos com foguetes guiados é uma falha lamentável (que os afegãos pretendem sanar, incorporando-os). Ainda mais levando-se em conta que as .50 são coaxiais e, segundo a matéria, travam com frequência. O AH-6i tem miniguns, foguetes… Read more »

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Boa propaganda para a aeronave. Embora Mister M diga que o avião não presta.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“Saiu no New York Times.”

Dá no mesmo dizer que saiu na Folha…

Se não servir p/ contrabandear ópio, então nenhuma aeronave no Afeganistão presta.

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Kkkkkk. Olha ele aí!

nadimchaachaa
Visitante
nadimchaachaa

Isso aqui está parecendo programa de calouros do Sílvio Santos. Até jurado tem, o mesmo estilo do Pedro de Lara, até apelido já ganhou…Já estou vendo sendo vaiado pela platéia…

Anderson Petronio
Visitante
Member
Anderson Petronio

búúúúúúúúúúúúúúú

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

vamos torcer para os Super Tucanos fazerem bonito.

De tudo transcrito como necessidade deles, os ST fazem de sobra….só não vai dar para comparar as ações com tiro de canhão, pois as doutrinas de visadas são bem diferentes.

Se ele demonstrar o que esperamos dele, vai vender que nem agua em todo este cenario mundial.

Edcarlos Prudente
Visitante
Edcarlos Prudente

Para resolver o problema do Afeganistão, quanto a aeronaves de ataque, talvez a opção do tucano revitalizado na Colômbia.

https://www.aereo.jor.br/2014/10/05/videos-sobre-a-modernizacao-dos-avioes-t-27-tucano-da-colombia/

Células para modernizar são fáceis de encontrar!

Saudações!

André Sávio Craveiro Bueno
Visitante
Member
André Sávio Craveiro Bueno
carvalho2008
Visitante
carvalho2008