Home Guerra eletrônica Saab voa pela primeira vez seu sistema de autoproteção ESTL

Saab voa pela primeira vez seu sistema de autoproteção ESTL

415
12

Gripen com ESTL - foto3 Saab

Em nota divulgada nesta quarta-feira, 18 de junho, a Saab informou que seu novo sistema de autoproteção ESTL já realizou seu primeiro voo, o que aconteceu no início de junho, carregado por um caça Gripen.

Segundo a empresa, o ESTL é um sistema de autoproteção para praticamente qualquer aeronave de asa fixa em que ele possa ser instalado, sendo necessária apenas uma interface padrão para mísseis AIM-9 Sidewinder e AIM-120 AMRAAM na aeronave. Assim, o equipamento pode ser compartilhado por várias aeronaves de uma frota. Tanto a massa quanto a aerodinâmica são compatíveis com mísseis Sidewinder e AMRAAM, o que simplifica bastante a integração e a certificação.

Conforme o perfil da missão, o ESTL pode ser configurado para diferentes cenários de ameaça, lançando despistadores e alertando contra lançamento de mísseis.

Gripen com ESTL - primeiro voo - foto 2 Saab

O sistema pode lançar flares (despistadores para mísseis guiados por infravermelho) à frente da aeronave, o que, combinadoa sensores de aproximação de mísseis e capacidade opcional de lançamento de chaff (despistadores para mísseis guiados por radar), confere proteção contra os mais novos  mísseis ar-ar e terra-ar, segundo o chefe da unidade de negócios de sistemas de guerra eletrônica da Saab, Carl-Johan Bergholm.

ESTL - esquema - imagem Saab ESTL  em pilone de Gripen foto Saab

FONTE / IMAGENS: Saab (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Iväny Junior
6 anos atrás

Deveria usar um derivado do pirate ou o próprio. Mas vamos acompanhando o desenvolvimento da Saab.

joseboscojr
joseboscojr
6 anos atrás

Nunão,
Os flares só servem mesmo para despistar mísseis guiados por infravermelho, mas os flares, apesar de só desviarem os mísseis guiados por radar (ativo, semiativo, CLOS-radar), podem ser usados contra mísseis guiados por infravermelho, já que alguns possuem espoleta de proximidade por radiofrequência que pode ser sensibilizada pelos chaffs e detonar a ogiva prematuramente.
Hoje, a grande maioria dos modernos mísseis guiados por IR, usa espoleta laser, imune aos chaffs, mas ainda existem mísseis antigos com espoleta por RF e até por IR.

joseboscojr
joseboscojr
6 anos atrás

Correção:
“Os flares só servem mesmo para despistar mísseis guiados por infravermelho, mas os “CHAFFS”, apesar de só desviarem os mísseis guiados por radar (ativo, semiativo, CLOS-radar), podem ser usados contra mísseis guiados por infravermelho, já que alguns possuem espoleta de proximidade por radiofrequência que pode ser sensibilizada pelos chaffs e detonar a ogiva prematuramente

Oganza
Oganza
6 anos atrás

Ufa bosco…

tava muuuuito estranho mesmo. rsrsrs 😀

Sds.

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
6 anos atrás

Me parece ser uma notícia de equipamento de desenvolvimento dos Gripen C/D.

Nada a ver com o Gripen E ou seus protótipos uma vez que relaciona o equipamento especificamente aos mísseis em serviço com os Gripen Legacy em uso na Suécia os AIM-9 Sidewinder e AIM-120 AMRAAM…

Notícia mais relevante para a África do Sul e para República Tcheca…
Para o Brasil pero no mucho…

Marcelo
Marcelo
6 anos atrás

Pois é. Espera-se que o Gripen E leve o sistema de auto proteção internamente, para não perder um pilone que poderia ser usado para armamento.

Nick
Nick
6 anos atrás

Caro Marcelo,

O Gripen tem dispensers nos pilones. Aliás pelo fato do caça ser pequeno foi preciso usar todo o espaço “disponível”. 🙂

Por exemplo os trilhos de ponta de asas foram estendidos e também receberam sensores.

[]’s

Marcelo
Marcelo
6 anos atrás

Creio que no Gripen E, alguns dos sensores do ESTL, como o MAWS, serão instalados nos trilhos das pontas de asa, como o Nick lembrou.
A inovação desse ESTL é o lançamento de chaffs e flares à frente da aeronave. Seria para se proteger de mísseis vindo pela frente? Qual seria a vantagem disso?

rommelqe
rommelqe
6 anos atrás

Caros: o texto refere-se, pelo menos até onde entendi, a uma interface digital padrão MIL compatível com o sidewinder , o que torna esse sistema utilizavel por uma grande serie de aeronaves. A capacidade de lançar flares e shaffs para a frente parece ser muito efetiva, pois possibilitaria cobrir um ângulo de proteção adicional; contudo não fica claro como o “pyrotechnical dispenser” ilustrado no desenho adicionado pelo Nunão , atua para conseguir direcionar as iscas “para a frente”. Outra coisa: parece ser possivel optar ou por um MAW adicional na parte de tras ou um BOL (dispersor de radar e/ou… Read more »