Home Noticiário Nacional Força Militar: Sucessão com clima tenso na FAB

Força Militar: Sucessão com clima tenso na FAB

538
17

Por Bruno Dutra

vinheta-clipping-aereoRio –  Ao recusar uma taça de vinho nas comemorações do Dia Internacional da Aviação de Caça na base aérea de Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, o brigadeiro Juniti Saito chamou a atenção pela postura de insatisfação que, de acordo com uma fonte da Coluna, é pontuada pela preocupação do comandante da Aeronáutica com a sucessão do seu cargo que se aproxima.

Em Brasília, as especulações de bastidores em torno do assunto ganham força e Saito parece não estar confortável com os nomes mais cotados para substituí-lo na função que ele ocupará, pelo menos, até a conclusão da compra dos novos caças, por meio do demorado Projeto FX-2.

Pelo critério da antiguidade, seis brigadeiros são cotados nos bastidores para substituírem Saito, mas dois, em especial, por questões políticas, ganham a simpatia para assumir o posto máximo da FAB. São eles: o brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato, que mantêm importantes relações no governo Dilma e o brigadeiro Francisco Joseli Parente Camelo, do Ceará, que está a frente do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. Este último conta com apoio das tropas para assumir o cargo.

FONTE: Jornal O Dia

17 COMMENTS

  1. Vamos supor que seja realmente o que esta escrito, que os cotados para comandar a FAB tenham apoio da presidência da republica.

    Ter apoio político no Brasil significa mais ou menos o seguinte: “Eu te coloco no cargo e você uma vez no cargo faz o que eu quero que seja feito, entendido Lewandowski?

    Diretores de estatais, conselheiros de agencias reguladoras, alguns ministros do STF tiveram este “apoio” para chegarem a seus cargos.

    Voltemos a FAB.

    Um dos motivos que o FX não saiu há cinco anos atrás é porque Saito (e outros oficiais honrados) não deram seu “apoio” a idéia de Lula em um triste 7 de setembro de comprar o Rafale e fazer uma moral com o “cumpanheiro” Sarkozy ali do seu ladinho no palanque de autoridades.

    Um comandante com “apoio” de Dilma pode representar um pacote de uns 10 bilhões de reais por 36 caças, fabricados pela Embraer (fabricar = montar kit de aeronave), com seus hangares reforçados construídos pela Odebrecht, além de estágios para 20 engenheiros no país fabricante, cujo objetivo é depois “Projetar um caça nacional de 5° Geração”. Tudo em teoria muito bonito, muito desenvolvimentista, muito “Brasil Potencia”, na prática o preço deste modelo vem depois.

    Modelo de negócio que não é novidade no Brasil. E a esquadra deve pagar o preço nos próximos anos.

  2. Descobriram o composto químico da imortalidade?

    “…substituí-lo na função que ele ocupará , pelo menos, até a conclusão da compra dos novos caças…”

  3. Podemos supor, também pela nota, que a presidenta ainda não bateu o martelo do FX2 só para um desagrado com o Saito ? Será que ele saindo a tia decide de vez ?

  4. Também estava pensando nessa questão que o Edgar colocou.

    Se ele não sai até ter uma definição do FX-2, ele pode ficar como CA da FAB até digamos, indefinidamente?? 🙂

    []’s

  5. O autor acaba de criar o “Dia Internacional da Aviação de Caça”.
    E alguém precisa avisá-lo de que o substituto do Brigadeiro Saito será escolhido pelo(a) próximo(a) presidente(a) da República.
    E mais ainda, quem mantém “importantes relações no governo Dilma” é o Brigadeiro Joseli Parente Camelo e não o Brigadeiro Rossato.
    Ou seja, uma reportagem totalmente equivocada.
    Sabre

    • Prezado Sabre

      Os dois jornalistas do “O Dia” foram convidados para as festividades do dia da Aviação de Caça. Infelizmente não saiu nada fora do figurino. As bombas caíram onde tinham que cair, etc. Mas como o jornalista tinha que publicar alguma nota que chamasse a atenção, então saiu isso aí.

  6. Se eu entendi o Saito vai sair depois do anúncio do FX2 ?
    Se for isso mesmo precisamos preparar o Saito para ser empalhado, pq o FX2 está longe de ser anunciado(espero estar errado).

    Que situação

  7. interessante que ele nao comentou o tom da cor da gravata nem a cor do sapato do (b)rigadeiro Saito – uma clara indicacao da insatisfacao da tropa…

  8. Fofoqueira de salão. Coisa de jornalista desocupado.
    O Saito não tem que aprovar nem desaprovar ou muito menos ficar contrariado. Seja a Dilma ou o Aecio Neves ou a Vovó Tuza na presidência, quem decide isso é o líder do executivo e não tem choro nem vela.
    No mais, duvido muito que o Comandante Saito esteja passando por isso. Isso é o tipo de mediocridade moral não condiz com sua carreira e personalidade.

  9. Senhores, à exceção dos que estão no STM, todos os tenente-brigadeiros da ativa foram escolhidos pelo brigadeiro Saito. Difícil acreditar que ele não esteja confortável com eles, em especial com os citados nesta reportagem. Um deles então…

  10. O “jornalista” tá acostumado a cobrir fofoca de celebridade, o jornal põe o cara pra cobrir algo sério e dá nisso aí.

  11. Vinho e aviação de caça não se misturam.??

    Misturam sim…. com uns goles (ou garrafas) a mais, o “former” Pres. Lulla ferrou com o FX-2 Parte I – A Ida Dos Que Não Foram.

    Agora a recusa a ser “bebum de festa” pode ter derrubado um Brigadeiro ao posto máximo do Comando da Aeronáutica…..

    Ou seja, “se beber não dirija, não compre aviões de caça e não trate de seu sucessor” 🙂

    Eta pais de louco !

    Sds.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here