Home Noticiário Internacional IA-63 Pampa II com armamento ar-superfície

IA-63 Pampa II com armamento ar-superfície

470
17

24_imagenes - IA-63 Pamapa II aeroespacio

Na semana passada o “Centro de Ensayos en Vuelo” (CEV) da Força Aérea Argentina (FAA) deu início à campanha de ensaios com armamento do FMA IA-63 Pampa II para que a aeronave receba certificação das autoridades aeronáuticas locais.

Atualmente o IA-63 Pampa II com o novo motor Honeywell TFE-731-40-2N já está certificado para voo, mas sem o armamento. O objetivo da campanha é confirmar a utilização da carga externa projetada para a aeronave.

O desenvolvimento da mesma teve início em 13 de dezembro com o protótipo do IA-63 Pampa II (Ex-03) que se encontra no CEV e é pilotado pelo major Ariel Ambrogi e pelo capitão Ariel Spinsanti.

Já foram realizados voos empregando armamento ar-superfície, incluindo um casulo com canhão de 30 mm e um outro do tipo Colibrí com metralhadoras de 7,62 mm.

O término da campanha está previsto para o começo do próximo ano, quando a aeronave deverá obter o certificado definitivo em diferentes configurações.

FONTE/FOTOS: Ivana Módica / Aeroespacio (tradução e edição do Poder Aéreo a partir do original em espanhol)

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Roberto F Santana
Roberto F Santana
7 anos atrás

Na foto, um Defa 554.

Giordani
Giordani
7 anos atrás

E esse vai ser o futuro e único jacto da FAA…

Roberto F Santana
Roberto F Santana
7 anos atrás
asbueno
asbueno
7 anos atrás

Mas Roberto, a Alenia matou-o introduzindo o 346.
Poderiam até sugerir comprar a linha de montagem do Veltro – 2 mas ele poderia ser um concorrente, penso.

Giordani
Giordani
7 anos atrás

O Pampa é inferior, superior ou mesma categoria que o MB-339?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
7 anos atrás

Cheguei a comparar uma vez (não estou com tempo de fazer de novo), e o que concluí na época é que, se o critério for desempenho, só com a remotorização que levou ao Pampa II conseguiram superar o MB-339.

Mas, para treinadores, desempenho é só um dos quesitos para se falar em superioridade ou inferioridade.

Se pensarmos em versões armadas, como a da foto, as asas altas do Pampa são muito mais adequadas para transportar bombas do que as asas baixas do MB-339.

Roberto F Santana
Roberto F Santana
7 anos atrás

O MB-339 são superiores, assim como os Hawk.
O Pampa, assim como o Aviojet, o S 211 e outros, são o nível mais inferior no trainer a jato.
É claro, mais em baixo, tem o Pinto, mas esse não subiu, digo, não decolou, que foi uma tentativa da USAF de se começar o treinamento primário pelo jato.

Roberto F Santana
Roberto F Santana
7 anos atrás

Prezado asbueno,

Eu não sei como ficaria a questão da licença ou concorrência.Tenho uma revista italiana que fala do avião na época de seu voo.
Era veloz, fácil de operar, era baixinho.Um Impala melhorado.Seu motor, o Viper, bem mais fácil e barato que o 731.
E claro, dois Defa de 30mm internos, é um tremendo de um “punch”, acho que ele sem os tip-tanks devia ser muito bom.

eduardo pereira
eduardo pereira
7 anos atrás

Ta bom que o A-29 nao tem propulsao a jato,mas,sou muito mais ele que este ai !!

Mayuan
Mayuan
7 anos atrás

E a FAB heim? o que pretende usar na função de LIFT? Não sei se seria aplicável mas o que foi feito do AMX T? Não seria mais interessante para a FAB converter os AMX num treinador a jato ao invés de ser um bombardeiro no mínimo modesto? O espaço deixado por ele seria ocupado com folga e vantagem pelo escolhido do FX, se um dia houver um… Dessa forma o Xavante teria um substituto decente, a aviação de ataque teria um equipamento melhor e padronizaríamos os vetores de combate.

CorsarioDF
CorsarioDF
7 anos atrás

Sinceramente não consigo entender a utilização de metralhadoras
7,62 mm em jatos? Acredito que nem para treinamento serve.
Já em helicópteros elas ainda podem ser muitos úteis.

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Corsário,

Concordo. Metralhadoras 7,62mm já eram pequenas até para os caças do final da Segunda Guerra Mundial, quanto mais para jatos.

Para dar poder de fogo ao Pampa é melhor usar um pacote (pod) original no pilone ventral do Alpha Jet, com um canhão francês DEFA 553 de 30 mm (já usado pelos Pucará) ou alemão Mauser BK-27 Revolver Cannon de 27 mm. Deve haver alguns pods usados disponíveis na Europa.

Segue link com um Alpha Jet alemão:
http://www.warbirdsresourcegroup.org/LRG/alphajet.html

Abç,
Ivan.

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Na relação de armamentos do Pampa já consta a previsão do canhão de 30mm Defa-Giat 554, um ‘improved’ 553.

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

Usar o AMX como LIFT não resolve o problema, a falta de uma aeronave de desempenho cinemático/aerodinâmico intermediário entro o T-29 e o próprio A-1/AMX.
Sem contar seus consideráveis custos operacionais.
Uns Hawks recauchutados c/ F-124 ou mesmo uns L-159T-1, seriam a solução ideal.
Que mané de MB-339, que nada, já foi, já era!!!

Mayuan
Mayuan
7 anos atrás

Mauricio, concordo que o AMX não deve ter o desempenho de um Golden Eagle nem os custos de um Alpha mas já estão disponíveis e não voarão por tempo ainda, mesmo depois do upgrade. Penso que o foco da reforma deveria ser transformá-lo em treinador ao invés de avião de ataque. Quando estivesse pra acabar a vida útil já teríamos tido tempo pra projetar ou comprar outra coisa. Isso só não ocorre porque não temos nada pra colocar na função de ataque, o que não aconteceria se os vetores do FX tivessem sido comprados e comprados em quantidade pelo menos… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

Isso é o que dá, pretender projetar um treinador, a revelia do que pensa a força aérea:

(http://livefist.blogspot.com.br/2013/02/iaf-furious-over-hals-star-trainer.html)