‘Burners on, now!’

    149
    9

    Em 1975 foi lançado um documentário em vídeo sobre a equipe de demonstração da Marinha dos EUA, os ‘Blue Angles’. Este foi, na minha opinião, o melhor documentário sobre eles já produzido, cujo nome era ‘Threshold: the Blue Angles experience’. Não é à toa que, quando adquiri meu primeiro aparelho de vídeo cassete VHS, este foi um dos primeiros vídeos que gravei.

    Naquela época (1975) o esquadrão havia acabado de deixar de voar os F-4J Phantom II, em uso desde 1969, para voar o subsônico A-4 Skyhawk. O Phantom não era exatamente uma aeronave própria para acrobacias aéreas. Devido ao seu envelope de voo, suas demonstrações ficavam um pouco distantes do público. Mas não se empolgar com a passagem de doze J79 com pós-combutor acionados? E era exatamente esse o comando do líder antes da decolagem.

    Burners on, now!

    9
    Deixe um comentário

    avatar
    9 Comment threads
    0 Thread replies
    0 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    7 Comment authors
    rommelqeGuilherme PoggioRoberto F SantanaHRotorVader Recent comment authors
      Subscribe  
    newest oldest most voted
    Notify of
    Nautilus
    Visitante
    Nautilus

    Eu tive (ou tenho, pois pode estar em algum lugar na casa de minha mãe, em Niterói…) este documentário! Ë sensacional! Para quem não reconheceu a voz, o narrador é o ator (falecido) Leslie Nielsen, o Ten, Frank Drebin dos filmes “Corra que a Polícia vem aí!” e Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu!…

    Clésio Luiz
    Visitante
    Active Member
    Clésio Luiz

    Nas câmeras instaladas nas aeronaves, dá para ver como o Phantom era lento nas respostas para manter a formação. Isso foi aprimorado no A-4 que veio depois e com o Hornet, as aeronaves parecem andar em trilhos. O F-16 é mais impressionante ainda.

    Curiosamente, os Flankers quando voam em formação ficam iguaizinhos ao Phantom nesse vídeo.

    Vader
    Visitante
    Member

    Espetacular! E olha que não sou muito fã dessa aeronave.

    Mas como o Clésio disse, devia ser p#oda fazer acrobacia com os F-4. Vê-se bem o quão instável era esse avião.

    Aliás, descobri um ângulo em que o F-4 não é tão feio: por baixo! 🙂

    HRotor
    Visitante
    Member
    HRotor

    Isso é o que se chama “voar dentro de asa”…
    E sem fly-by-wire ou qualquer auxílio, tudo na mão…
    (Esses caras até seriam bons pilotos de helicóptero hehehe…)

    Roberto F Santana
    Visitante
    Member
    Roberto F Santana

    Os Phantom dos Blue Angels tinham algumas peculiaridades, algumas sui generis. Os compensador do profundor (trim) era modificado para que não houvesse necessidade de ajustes na apresentação, com isso, a aeronave ficava leve nas “picadas” com as imensas acelerações facilmente suportadas e corrigidas pelo piloto, contrariamente, subir a aeronave ou “cabrar” ficava quase que insuportável, exigindo grande esforço físico nas cabradas e descelerações. Isso, aliado ao fato de não usarem equipamento anti-G, tornava o voo cansativo ao extremo. A desativação dos Phantom na equipe, se deu, creio eu, por motivos econômicos e políticos, o avião era caro demais para manter… Read more »

    Clésio Luiz
    Visitante
    Active Member
    Clésio Luiz

    No caso dos Thunderbirds, o fim de carreira do T-38 também foi marcado por uma grande tragédia, quando o líder não recuperou de uma manobra (looping de “chão a chão”) e as outras aeronaves o seguiram no encontro ao solo.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Diamond_Crash

    HRotor
    Visitante
    Member
    HRotor

    A la chasse…! 😉

    rommelqe
    Visitante
    Member
    rommelqe

    Caro Poggio,
    Há uma história (ou estória?), pela qual os Phantom dos Thunderbird (e quem sabem de outros esquadrões) chegavam a decolar da California, executar missões no Vietnã e voltar aos EUA, sem pousar, apenas com sucessivos reabastecimentos. Voces sabem de algo a respeito?
    Caros Vader e Clesio,
    Certa vez um amigo justamente estava comentando a respeito desta instabilidade aerodinâmica típica dos Phantom, definida propositadamente com o emprego do triedro invertido. Incrivel como os caras conseguiam segurar no braço estes pássaros!
    Abraços a todos