Home Aviação de Caça F-5EM x F-5E Tiger III: brincando de ‘jogo dos sete erros’

F-5EM x F-5E Tiger III: brincando de ‘jogo dos sete erros’

1077
63

O título não quer dizer que haja algo de “errado” nos programas de modernização de caças F-5 das forças aéreas do Brasil (FAB) e do Chile (FACh). É sim um convite aos leitores para encontrar as principais diferenças visíveis entre as aeronaves, mostradas em pares de fotos de ângulos razoavelmente próximos. Podem até ser mais do que sete “erros”, a gosto do freguês.

Lembrando que a diferença no comprimento da perna dianteira do trem de pouso, que aparece no segundo par de fotos, não vale como “erro” – trata-se de uma característica comum aos F-5E, sendo estendida na hora da decolagem. Boa diversão!

FOTOS: Poder Aéreo e Força Aérea do Chile

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
63 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
7 anos atrás

Olhei olhei olhei e só reparei uma diferença… rsrs

Os radomes parecem diferentes… o do F5M parece ser ligeiramente mais “grosso”, enquanto o do F-5 III vai afinando até a ponta…

Giordani
Giordani
7 anos atrás

Vamos lá então, aproveitar esse dia chuvoso no litoral gaúcho. Sem pesquisar no “gugou”; Externamente o F-5M é mais ‘bicudo’ por causa da antena do radar (Grifo F, capaz de múltiplos alvos e engajamentos, look down and shot down e combate BVR). Lembra um pouco o nariz do F-20. O F-5E Tiger III usa um radar da ELTA com capacidade look down and shot down/BVR e que teoricamente seria superior ao APG-66. Ambos tem um sistema de dados por data link Ambos tem tem um sistema de RWR O cockpit do F-5M possui 3 telas multifunção. O Tiger III apenas… Read more »

Hamadjr
Hamadjr
7 anos atrás

Tá difícil, mas não sei se é ilusão ótica provocado pelo ângulos das fotografias, mas me parece que as entradas de ar são diferentes, a do F5E é mas achatada enquanto F5 III é arrendondada, já as outras 6 diferenças deve estar no interior hehehehe

Giordani
Giordani
7 anos atrás

Só para preocupar os amigos mais um pouquinho com a defesa aérea do braZil…

Forevis-5M vs MiG-29 da FAP
Forevis-5M vs F-16(A/B/C) da FACh
Forevis-5M vs Su-30 da FAV

Sem um E-99 por trás, é melhor nem sair do solo…

Guilherme Poggio
Editor
7 anos atrás

O principal erro é que o Brasil usa o F-5 como primeira linha, tanto em qualidade como em quantidade e o Chile usa o F-5 como segunda linha, tanto em qualidade como quantidade.

ivanildotavares
ivanildotavares
7 anos atrás

Os diferentes padrões de pintura não configuram uma diferença não? O cinza dos chilenos não é de superioridade aérea? Ou tem a ver mais com as condições geográficas do Chile com os Andes e a Patagônia?

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Uma década de diferença entre o MLU da FACh e da FAB.

Nick
Nick
7 anos atrás

Como o Poggio afirmou, o F5-E III é 2ª linha por lá e aqui o F-5EM é o caça principal.

E é provável que quando derem baixa por lá venham pousar nos PAMA para um retrofit e modernização na Embraer.

[]’s

Marcos
Marcos
7 anos atrás

No F-5M:

1) Cone do nariz mais bojudo;

2) Adoção de um só canhão;

3) Mais sensores: nariz e estabilizador vertical;

4) Não é visível, mas há alguma modificação na asa, devido a redistribuição de peso;

5) Na quinta imagem, o F-5M ao fundo, tem uma curvatura na seção que encontra o estabilizador vertical e a fuselagem, enquanto que nas outra imagens essa seção é reta.

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Jogo dos sete erros: 1) Nunca, jamais deixe sua força aérea desprovida de vetores modernos e em quantidade suficiente. Quando você menos espera, pode precisar de algo que você não tem. 2) No quesito segurança não existe decisão política, existe só decisão técnica. Você colocaria qual alarme de segurança na sua casa? Um meia boca oferecida pela loira gostosa ou aquele completo, seguro oferecido por um engenheiro? 3) Transferência de tecnologia na compra de equipamentos militares é algo que você recebe de graça, uma oferta a mais que o fabricante lhe oferece na tentativa de lhe vender o produto. 4)… Read more »

Vader
7 anos atrás

Fernando “Nunão” De Martini disse: 27 de dezembro de 2012 às 15:39 Nunão, adoraríamos nós, meros entusiastas, que algum Jaguar viesse aqui querendo “te matar”, e aproveitasse e nos expusesse o que se passa por lá e que bicho irá virar se os Mirage-2000 forem retirados de serviço sem substituto. Por outro lado, se tivéssemos como comparar nossos F-5 “originais”, com os “agressor”, os “jordanianos” e os Tiger III chilenos, certamente a FAB se tornaria a maior autoridade do planeta em matéria de F-5, possivelmente mais do que a própria Northrop. Acho que ficaria faltando apenas algum F-5 suíço ou… Read more »

Vader
7 anos atrás

Marcos disse:
27 de dezembro de 2012 às 16:13

Excelente comentário.

Nick
Nick
7 anos atrás

Caro Nunão,

Se os F-5E III chilenos vierem, acredito que alguma atualização teriam que ter, afinal pelo menos para voarem mais uns 10-15 anos…. A realidade é que a quantidade atual de F-5EM da FAB é insuficiente para substituir os M-2000 do GDA. Ou seja mais F-5E(Arghhhhhhhh!!!) são necessários. Se não forem os chilenos, poderão ser sul-coreanos, turcos(?),mexicanos e se tivermos sorte, suiços….. hahahaha(é rir para não chorar.. 🙁 )

[]’s

Vader
7 anos atrás

Sete diferenças, só no visual: 1 – EM evidentemente mais “bicudo” que o III, por conta do radar; 2 – aleta atrás do cockpit (antena?) no EM é na diagonal e no III é na vertical. 3 – o EM possui sensores instalados no topo da fuselagem e na deriva que o III não possui; 4 – a junção da deriva com a fuselagem no FAB 4862 é arredondada, e não reta como nas demais aeronaves (inclusive outras da FAB) o que sinaliza, salvo melhor juízo, que é uma das aeronaves de construção mais antiga da frota (seria um dos… Read more »

Diegolatm
Diegolatm
7 anos atrás

Só acredito no fim dos Forevis- FIVE quando o “Zombie Dorminhoco” do Saito sair da cadeira dourada e “pseudo” Forevis de comando da F.A.B.

Está mais fácil ver Mumm-Ra (Thunder cats) morrer do que isso acontecer

🙁

nunes neto
nunes neto
7 anos atrás

O da Fab tem um sensor para detectar a aproximação de misseis na traseira…

nunes neto
nunes neto
7 anos atrás

O do Chile tem um sensor, antena sei lá,kkk., bem grande na parte de baixo do radome

nunes neto
nunes neto
7 anos atrás

RWR (receptor de alerta radar) na traseira

Daglian
Daglian
7 anos atrás

Embora já apontada esta diferença, pode-se dizer que o fato do F-5EM possuir somente um canhão é uma desvantagem? Ou este possui maior cadência de tiro que o do F-5E Tiger III Chileno, o que então de certa forma compensaria a menor quantidade?

Giordani
Giordani
7 anos atrás

Um canhão ou dois já foi debatido aqui no PA se é um bom negócio…e não é!

Agora, que tristeza pra nós. Debatendo qual das porcarias é menos pior…

Assim como Eu navego o mundo em outros sítios dedicados à aviação, também devem haver centenas de “olheiros” aqui…se matando de rir! Menos os hermanos, é claro!

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Giordani:

Eu não sei se a coisa seria boa ou não, mas na minha opinião, mais dia, menos dia, vão acabar comprando algo usado. E não duvido que venham os primeiros lotes do Eurofighter, aqueles que ninguém quer mais lá na Europa. Por quê eu acho que vem Eurofigher? Porque tem uma tal de Odebrecht no negócio, em sociedade com a EADS.

Justin Case
Justin Case
7 anos atrás

Amigos, Concordo com o Giordani. Ter dois canhões é melhor do que ter um, assim como ter quatro seria ainda melhor. Mas manter dois canhões no F-5M significaria manter a antena do radar na posição original (com o tamanho original), com menor alcance. O espaço utilizado por esse canhão obrigaria a espalhar equipamentos pelo avião, em vez de utilizar um novo bay aviônico, com seu ambiente controlado. Também haveria um excesso de peso no nariz, pela adição dos aviônicos, que obrigaria a colocar lastro na parte traseira, aumentando o peso total. Esses pesos adicionais iriam aumentar a fadiga no “upper… Read more »

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Qual o último dogfighter de jatos supersônicos utilizando canhões?

Daglian
Daglian
7 anos atrás

Obrigado por todas as respostas. Um radar superior obviamente auxilia no uso de mísseis por aprte dos F-5EM. Isso talvez compense a perda do canhão.

Vader
7 anos atrás

Sinceramente um ou dois canhões não faz a menor diferença hoje em dia. As situações operacionais em que um interceptador os utilizaria são mínimas. Para estas, um canhão dá e sobra.

nunes neto
nunes neto
7 anos atrás

Marcos , eu me lembro dos Mirages de Israel fizeram a festa em 67 (http://www.aereo.jor.br/2009/02/28/vitorias-aereas-de-israel-na-guerra-de-1967/), agora com tanta guerra pelo mundo(África principalmente), eu não saberia dizer qual foi o último mesmo;alguém sabe? teve algum dogfighter só com canhões nas malvinas?.Abraços

Nick
Nick
7 anos atrás

Caro nunes neto,

Se for lá no Poder Naval e pesquisar Guerra das Malvinas, deve ter material sobre isso.
Eu me lembro que teve dogfight SeaHarrier X MirageIII com ampla vantagem para os Sea Harriers (táticas, manobrabilidade e míssil ar-ar superior).
Agora não me lembro se houve engajamento por canhões…

[]’s

nunes neto
nunes neto
7 anos atrás

Teve na venezuela durante a tentativa de golpe em 1992,inclusive teve F-16 abatendo dois Broncos e um tucano,agora não lembro se todos foram na bala. Por favor me corrigam se eu estiver enganado!Abçs

nunes neto
nunes neto
7 anos atrás

Nick, eu tb lembro disso ,mas acho que foi quase tudo, se não tudo resolvido na base dos misseis, claro dos que o Tio SAM cedeu para os Harrier! Canhões foram usados no C 130 , acho que em helicópteros, minha memória é ruím, teve a guerra entre Peru e Equador(Vale do CENEPA) tb não lembro se teve,bala.Abraços

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Este debate sobre o anacronismo dos canhões é antigo, da década de 60, talvez final dos anos 50, com um quarto de século… … mas as boas e velhas bocas de fogo continuam aí! Em 1º de junho de 1982 no Atlântico Sul ocorreu um combate que novamente mostrou o valor (mortal para os hermanos) do anacrônico canhão aéreo. Um par de Sea Harrier do esquadrão No.801 da Royal Navy interceptou e atacou o C-130 Hercules da Força Aérea Argentina matrícula TC-63 e indicativo “Tiza”. Dois mísseis AIM-9L Sidewider foram disparados (e acertaram), mas foi necessário o serviço dos canhões… Read more »

Guilherme Poggio
Reply to  Ivan
7 anos atrás

O canhão continua nos caças por dois motivos:

A munição é barata e não é influenciada por contra-medidas.

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Poggio,

Conclusão irretocável !
Direta, resumida e contundente.
Como um tiro de canhão… 🙂

Abç,
Ivan.

Giordani
Giordani
7 anos atrás

Essa discussão sobre um ou dois canhões é tipo a do “vaporzinho”… 😉 Uma curiosidade é que o F-5 Tiger III manteve os dois canhões, mesmo colocando um radar, que segundo o folhetim da ELTA é superior ao Grifo F. Como eles fizeram isso sem mexer no cone do nariz? Como pode? A ELTA alega um alcance 100km enquanto o Grifo F é de 56km. Como isso? Votando aos canhões, no caso do AM-X e do AMX, penso que a FAB foi beneficiada com a negativa do M61. O Vulcan é um canhão ar-ar. Penso que ali os italianos “chuparam… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
7 anos atrás

Ivan,
Eu sei que está brincando, mas só pra que fique claro, eu não sou contra canhões, muito pelo contrário. Eu sou contra canhões especificamente antiaéreos, principalmente os rebocados.
Também acho que o tempo do canhão em um caça já passou. Mantê-lo porque um dia quem sabe todos os mísseis podem já terem sido usados e ainda sobrar um alvo, não acho que justifica. E quando a munição do canhão acabar, vão abalroar?
Acabaram-sem os mísseis? Dê meia volta e luta amanhã de novo.

joseboscojr
joseboscojr
7 anos atrás

E quando me refiro a canhões em caças estarem ultrapassados e que os caças de 6ª G não os terão, me refiro a países centrais, com forças aéreas modernas, que usam equipamentos, armas e métodos em estado da arte.
Por aqui, ainda usaremos caças velhos, métodos velhos e armas velhas e tem lugar de sobra pra canhões de todos os calibres.

nunes neto
nunes neto
7 anos atrás

Bosco, acho que um canhão não faz mal a ninguém, melhor prevenir que remediar, tanto para apoio as tropas em terra como para qualquer eventualidade, lembra que a RN havia abolido os canhões navais nas T22-1, por que não eram necessárias já que existiam mísseis, para fazer o trabalho, depois voltaram atrás?Se eu fosse para guerra mesmo estando de fuzil, de prevenção levava uma faca tb :).Abçs

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Giordani,

“A ELTA alega um alcance 100km enquanto o Grifo F é de 56km.”
Além da confiabilidade da informação do fabricante, como lembrou Nunão, há também as condições em que cada alcance é calculado.
Contra qual tipo de alvo?
Qual o RCS do alvo?
Na mesma altura?

Aparentemente os fabricantes adoram misturar tudo e ‘vender o peixe’ como melhor lhes parece.

Abç,
Ivan.

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Bosco, Não é apenas a questão ‘psicológica’ da segurança que o piloto ‘sente’ ao dispor de um canhão, mas também há questões práticas. O episódio Sea Harrier vs Hercules que lembrei é um exemplo. As vezes é necessário mais poder de fogo para botar abaixo uma aeronave grande, multimotor e resistente. As vezes acontece o contrário, contra um alvo menor e de baixo valor, como um UAV de reconhecimento mais simples, tipo o Scan Eagle. Por outra há ainda a atividade de polícia aérea, onde é necessário um tiro de aviso a frente de um intruso não identificado. Acredito que… Read more »

Grifo
Grifo
7 anos atrás

Uma curiosidade é que o F-5 Tiger III manteve os dois canhões, mesmo colocando um radar, que segundo o folhetim da ELTA é superior ao Grifo F.

Caro Giordani, acho que o alcance do radar vai depender do tamanho da antena e da potência utilizada, que acredito serem superiores no nosso F-5EM.

Vale lembrar que quando da concorrência para a modernização do F-5 ambas as propostas (IAI e Elbit) originalmente previam o radar ELTA da IAI. O radar foi trocado a pedido da FAB para o Grifo da FIAR, como foi feito nos F-5 de Cingapura.

Giordani
Giordani
7 anos atrás

Ivan disse:
28 de dezembro de 2012 às 17:38

Alcance de detecção do radar ELTA EL/M-2032B:
747………100km
737………. 72km
F-16………55km
Cessna…..23km
ASM……….7km

O ELTA é adequado para interceptação, guiagem de armas ar-ar, como pode ser igualmente utilizado em missões de ataque ao solo, guiando armas inteligentes.

Mas é aquela coisa…folhetim do fabricante… (http://www.iai.co.il/34481-41834-en/Groups_ELTA_EltaNumber_Products-ELM.aspx?btl=1)

Se não me engano o AMX-AT usaria este radar…usaria!

Groo
Groo
7 anos atrás

Gosto da idéia de canhōes em caças. É uma arma simples que pode derrubar qualquer aeronave.

Acho que foi porque eu cresci lendo sobre a falta que os canhōes fizeram no Vietnã ou no excelente uso destes na guerra dos seis dias.

Se os Sea Hariers não tivessem canhōes aquele Hércules argetino poderia ter sobrevivido. Os dois Sidewinders não deram conta do recado.

E se em vez do Hercules fosse um bombardeiro?