segunda-feira, agosto 2, 2021

Gripen para o Brasil

Formalizada união BAE-Northrop para a concorrência TX

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Programa visa substituição dos jatos T-38 (foto acima), operados ao longo dos últimos 50 anos

A BAE Systems e a Northrop Grumman anunciaram durante a Conferência da Associação da Força Aérea que as duas empresas estão se unindo para oferecer os aviões Hawk para a concorrência TX. O TX substituirá os Northrop  T-38 Talon que já completaram 50 anos.

O vice-presidente da BAE Systems para o seu setor de serviços, Larry Antes, disse que a Northrop Grumman irá montar os jatos nos Estados Unidos a partir de kits construídos na Grã-Bretanha.

Bob Wood, líder da campanha da BAE para o programa TX, acrescentou que muitos dos componentes são provenientes dos Estados Unidos.

Wood disse que embora o projeto Hawk date da década de 1970, a aeronave em questão é praticamente nova, pois foi extensamente modernizada para a Força Aérea Real Britânica (RAF). As empresas disseram que poderiam iniciar a produção quase que imediatamente.

A USAF necessita de um substituto para o T-38 urgentemente, mas não está certo se ela poderá comprar os novos jatos.

FONTE: DefenseNews

- Advertisement -

4 Comments

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz

Para os que pensam que o substituto do T-38 deve ser supersônico, saibam que a USAF realiza praticamente apenas um voo desse tipo com o aluno, antes de ele partir para outras plataformas. Descobriu-se que os voo supersônicos não agregavam muito valor para a instrução do aluno, assim forma suprimidos para redução de custos no treinamento.

Já a USN, essa nunca se preocupou em ter um treinador supersônico. E vale lembrar que o T-45 nada mais é que um BAe Hawk navalizado.

Fernando "Nunão" De Martini

Pois é Clésio, acho difícil o Hawk perder essa concorrência, pois provavelmente deve oferecer o menor custo operacional global em relação aos seus concorrentes no T-X (o T-50 da Coreia do Sul e o M-346 italiano). O jato sul-coreano tem a vantagem de utilizar um motor norte-americano (o F-404) e o jato italiano talvez possa simular melhor as diferenças dinâmicas entre os novos e velhos caças da USAF, que conviverão por um bom tempo. E esses dois oferecem desempenho supersônico – o primeiro com pós combustores e um número mach mais alto, o segundo sem pós combustores e número mach… Read more »

Antonio M

Se não é necessário que seja supersônico, quem sabe o Xavante ganhava essa hein?!?!!? rsrsrsrsr!!!!

Por isso sempre digo que o Xavante deveria ter recebido melhor continuidade e hoje em dia estariamos operando algo como o MB339 e estaríamos bem servidos por mais uns 15 anos.

Sagran Carvalho

Caro Antonio, concordo com suas palavras. A falta de continuidade e investimentos sempre nos impediram de desenvolvermos a pleno os poucos projetos por aqui realizados.
Já no Japão o problema é outro, la o desenvolvimento e tão efetivo e produtivo que as vezes causa problemas:
http://defesaepolitica.wordpress.com/2011/09/20/japao-reforca-seguranca-em-fabricante-de-armas-apos-ataque-cibernetico/
Abraços.

Últimas Notícias

Pilotos russos usaram receptores GPS feitos nos EUA durante missões de combate na Síria

Pilotos militares russos usaram receptores comerciais GPS de navegação por satélite durante suas operações de combate na Síria, de...
- Advertisement -
- Advertisement -