Home Operações Aéreas Debriefing da Cruzex V, pela Força Aérea Francesa

Debriefing da Cruzex V, pela Força Aérea Francesa

238
18

 

Assim como foi o caso da revista da Força Aérea do Chile (veja matéria anterior), o número mais recente da revista da Força Aérea Francesa, a Air Actualités de dezembro 2010 / janeiro 2011, traz uma matéria de capa sobre a participação do destacamento francês na Cruzex V, realizada no final do ano passado em Natal.

Selecionamos e traduzimos alguns trechos, para a apreciação dos nossos leitores, ilustradas pelas fotos da cobertura realizada pelo Poder Aéreo:

Em meio a estas dezenas de formações de aeronaves, a coordenação é essencial. O fluxo de aviões é concentrado em diversos níveis de altitude, divisão denomidada ‘deconfliction’ (literalmente evitar conflitos).”Cada patrulha deve manter a área que está sendo atribuída a ela”, disse o tenente-coronel Sebastian Michel, comandante do esquadrão de caça Rafale 1 / 91 ‘Gascogne’. “Isso evita colisões em vôo, especialmente dentro do COMAO com aeronaves muito diferentes, como caças de quarta geração Rafale, passando por equipamentos modernos (F16) ou mais velhos, como o Dragonfly ou Super Tucano.”

As equipagens de Rafale assumiram repetidamente o papel de Comandantes de Missão, chefes e coordenadores de todas as aeronaves aliadas. ““Isso é representativo de um grande trabalho de preparação”, comentou o tenente-coronel Michel. “O Comandante da Missão atribuía a cada uma os objetivos a cumprir, tanto para defesa aérea quanto para ataque ao solo.”

“Estávamos todos alocados num mesmo prédio, o que facilita enormente os contatos”, explica o tenente-coronel Vincent Cost, comandante do esquadrão de caça 1 / 2 ‘Cicognes’.”Pudemos facilmente confrontar nossos pontos de vista, o que fizemos naturalmente, especialmente com os nossos homólogos brasileiros.” Desde 2006, a Força Aérea Brasileira está equipada com o Mirage 2000.

“O JFACC (Joint Force Air Component Command) internacional foi composto por uma centena de especialistas”, disse o coronel Xavier Béguin, chefe dos franceses inseridos. Suas estruturas foram modeladas nas normas vigentes no âmbito da NATO. “No domínio das estruturas C2, os franceses puderam compartilhar seus conhecimentos. “Não impusemos a nossa maneira de fazer as coisas”, disse o coronel Béguin. “Nos adaptamos à organização criada pelos brasileiros. Estes têm demonstrado uma grande vontade de progredir num campo onde os ocidentais são avançados.”

A quase totalidade das missões planejadas para os aviões franceses foram honradas. Disponibilidade de aeronaves tem sido excelente.

“É a primeira vez que o Rafale cruzou o equador!”, exclama o general Dominique Le Longvilliers, chefe do destacamento francês. Durante a Cruzex V, o Rafale participou de seu primeiro exercício no Brasil.

A Cruzex permitiu que o Rafale demonstrasse a extensão de suas capacidades. Com100% de missões cumpridas, reabastecimentos efetuados, objetivos em terra alcançados e nenhuma aeronave perdida, o seu recorde é impressionante. A polivalência e o desempenho do caça ‘omnirôle’ conquistou a admiração de todos. “Me dei conta disso enquanto estava voando no assento traseiro de um de nossos F16”, disse Ro general MacNamara, chefe do destacamento chileno. “Fomos abatidos durante um combate aéreo simulado, que é o destaque de nossa aeronave. Foi impressionante “.

Longe do brilho dos refletores, os pilotos de Mirage 2000-5 também demonstraram sua experiência em matéria de defesa aérea. “Realizamos exclusivamente missões de escolta e de varredura, explica o tenente-coronel Vincent Coste, comandante do 1 / 2 ‘Cicognes’. “Lutamos contra aeronaves inimigas, a fim de limpar terreno para permitir que os fizessem seus ataques (ataques em profundidade, tiro ar-solo…”. Mirage ou Rafale: a missão foi bem-sucedida para as equipagens francesas.

FONTE: Armée de l´air (Força Aérea Francesa) – Air Actualités 637

Subscribe
Notify of
guest
18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo
Rodrigo
9 anos atrás

A hora que apertarem os franceses sobre eles não terem tido derrotas, vão entregar a rapadura, da mesma forma que entregaram as anunciadas falsas vitórias sobre o F22.

Fazer o que? Ainda tem gente que leva este povo a sério.

ZE
ZE
9 anos atrás

“Com100% de missões cumpridas, reabastecimentos efetuados, objetivos em terra alcançados e nenhuma aeronave perdida, o seu recorde é impressionante”. Estou feliz por saber que a eles cumpriram 100% das missões aqui no Brasil. É uma pena que eles não consigam replicar esse índice na própria França, pois segundo o Relatório da Reunião da Comissão de Finanças, Economia Geral e do Controle Orçamental da Assembléia Nacional Francesa: “Na Força Aérea, a disponibilidade do Rafale, que havia melhorado no ano passado (2008), voltou a se deteriorar no primeiro semestre de 2009, o que não é nada agradável em vésperas da assinatura de… Read more »

Nautilus
Nautilus
9 anos atrás

Chamar o Super Tucano de “avião velho” demonstra ignorância ou pedantismo da parte de que escreveu o artigo.

João Paulo
João Paulo
9 anos atrás

Putz Nautilus. Fiz o login no site só para comentar isso.

Realmente, “estupenda” frase do tenente-coronel Sebastian Michel. Foi infeliz.

Vader
9 anos atrás

A fonte não é confiável. Aliás, franceses (no geral) não são confiáveis.

Grifo
Grifo
9 anos atrás

Com100% de missões cumpridas, reabastecimentos efetuados, objetivos em terra alcançados e nenhuma aeronave perdida,…

Nenhuma aeronave perdida só se for tirando aquelas duas que foram abatidas pelos agressors, e que tantos protestos causaram por parte da delegação francesa.

Vai ver agora eles tem o seu próprio árbitro e contam o seu próprio placar…

Nick
Nick
9 anos atrás

Realmente chamar o SuperTucano de avião velho , é típico. Esse “avião velho” está sendo avaliado pela US NAvy.

[]’s

asbueno
asbueno
9 anos atrás

Declarar que o Super Tucano é um avião velho deve ser falta de conhecimento. O que é muito pior do que arrogância.

Imagino que o ST deve ser, em relação a projeto e desenvolvimento, mais recente do que o tal Rafale, que teve uma gestação de paquiderme.

asbueno
asbueno
9 anos atrás

E teremos em breve um carrinho de mão… capaz de levar uma carga paga de 23t.

Um Transall leva cerca de 16t.

Nada mal para um carrinho de mão levar cerca de 45% mais carga. Ah, mas eles terão o A400. Boa sorte! Outra gestação de paquiderme!

asbueno
asbueno
9 anos atrás

Nick disse:
26 de janeiro de 2011 às 12:23

E até poderia ser. Mas não é. O B-52 possui meio século de atividade e as aeronaves continuam sendo melhoradas.

O sujeito é mal informado, ignorantão.

cfsharm
cfsharm
9 anos atrás

Tem certas coisas que não mudam nunca… como a arrogância ignorante estampada na frase do TC francês. É que nem doença – a primeira fase é a da negação. ” Não abateram ninguém… dentro dos nossos parâmetros”, vai ver que só vale se houvesse o abate de fato! RSRSRS.
Quanto ao Super-Tucano – é como diz um amigo meu: ” Ignorante é aquele que tem uma opinião formada sobre aquilo que não conhece”!!!
Concordo com o Rodrigo e o Vader! Não merecem confiança… e querem me convencer que a melhor opção é o Rafale???
Me dá um tempo!

Observador
Observador
9 anos atrás

Senhores, Não sejamos tão ácidos com os gauleses! Se, no meio de tanta informação, pinçarmos apenas esta frase, vai parecer mesmo que ele está desmerecendo o ST. O que ele quis foi comparar as tecnologias, de um aparelho à jato e um aparelho à hélice. Só isto. É muito mais interessante pegarmos outra frase do texto: “É a primeira vez que o Rafale cruzou o equador!”, do general Dominique Le Longvilliers. Ele quer dizer com isto, que o Rafale vai cruzar a linha do equador outras vezes? Por causa do FX-2? Esperemos que a primeira vez que o Rafale cruzou… Read more »

tplayer
9 anos atrás

Estranho, como falaram ali em cima o F-5M tinha abatido 1 ou 2 Rafales nas simulações.

Vai ver não contaram pros Franceses porque seria vergonhoso apanhar de um “vovô” de 50 anos.

Cesar
Cesar
9 anos atrás

Pensei que o velho para o ST poderias ser uma adaptação na tradução, mas parece que não, pois foi citado junto com o Dragonfly. O que é um aparelho velho? É idade ou tecnologia obsoleta? Talvez tenha havido confusão entre classe e idade, pois tecnologia de ponta e atendimento aos requisitos, dentro de sua classe, o ST tem e já comprovou, sendo um sucesso de exportação, ao contrário do Rafale. Interessante também o comentário: “Estes têm demonstrado uma grande vontade de progredir num campo onde os ocidentais são avançados.” O que siginifica, que nós somos orientais? Os russos se encaixam… Read more »

Baschera
Baschera
9 anos atrás

“Me chamam de grosso…eu não tiro a razão…”

Os scargots sabem ofender…. ou são burros e ignorantes mesmo:
-Carrinho de mão
-Avião velho
-Brasil “não ocidental”

Vão comer “jaca”….. e apanhar de “velhinho” e depois mentir…. dizendo que “o seu recorde é impressionante”….

Impressionante são os bananeiros aqui comprarem um helis defasados foleados à ouro …..

Sds.

Nautilus
Nautilus
9 anos atrás

tplayer, se aconteceu, nem mesmo a FAB JAMAIS irá admitir que um F-5M tenha derrubado um Rafale, quanto mais dois, no mesmo exercício. Sabe porquê? Por que não haveria como justificar a compra bilionária de 36 caças de 4,5 geração, se meia centena de caças de 2,5 geração, reformados, “dão pro gasto” e cumprem a missão.
Só restaria a desculpa que eles não vão durar para sempre. Mas já seria motivo para adiar a compra dos novos caças até o limite da célula e, aí, compra-se mais caças de segunda-mão e dá-se uma recauchutada neles.

tplayer
9 anos atrás

Nautilus, mas não é exatamente isso que está sendo feito?

Cancelaram o F-X e compraram um caça usado, adiaram o F-X2.

No fim essa é a opinião do governo, nossos caças são bons o suficiente para eles.

Vader
9 anos atrás

Mais duas pra longa lista de bolas-fora e ofensas dos nossos “parceiros estratégicos”. Pra quem não se lembra: – Caso “Irã” (França traindo a confiança do molusco na votação no CS da ONU); – Hervé Morin, ex-ministro da Defesa, dizendo que o Embraer KC-390 seria um “Carrinho de Mão”; – Ministro da Agricultura dizendo que “a Europa não é lixão dos produtos agrícolas sul-americanos”; E agora os novíssimos: O “Brasil não é ocidental”, e a melhor: O Super-Tucano é um avião “velho”!!! Esqueci alguma? Ora Sr. Sebastian Michel, vá catar coquinho na ladeira… “Velha” é essa JACA defasada desse Rafale… Read more »