sexta-feira, outubro 22, 2021

Gripen para o Brasil

Turbina do Super Hornet poderá ter redução de 3% no consumo específico

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Motor F414 de Super Hornet em manutenção em CVN - foto US Navy

A GE Aviation informou sobre inicativa, em conjunto com a Marinha dos EUA, para reduzir o consumo específico dos motores The F414-GE-400. Paralelamente, emprego de biocombustível no motor está sendo testado.

Em nota do primeiro dia deste mês, a GE Aviation informou que o Naval Air Systems Command (NAVAIR) da Marinha dos EUA (USN), emitiu em fevereiro uma modificação de 7,34 milhões de dólares (aproximadamente 13 milhões de reais) a um contrato original de US$ 7,5 milhões (aprox. R$ 13,3 milhões) concedido em 2009.

O contrato refere-se ao projeto “Near Term Energy Efficiency Technology Demonstration and Research” do motor F414-GE-400, que busca desenvolver e adotar tecnologias para recuzir o consumo específico de combustível (specific fuel consumption – SFC) das aeronaves F/A-18E/F Super Hornet e E/A-18G da Marinha dos EUA, equipadas com o motor.

A meta é reduzir o consumo específico do motor F414 em três por cento, sendo que a NAVAIR também solicitou à GE uma estimativa de custos de incorporação das tecnologias de recução de consumo na frota de F/A-18 no cronograma mais curto possível. A GE Aviation está fabricando um único motor para demostrar essas tecnologias, e deverá conduzir testes para quantificar a economia de combustível tanto de uma combinação de tecnologias como de maneira individual (componente por componente).

Entre os componentes que deverão ser demonstrados estão f414_maintenance - imagem GE Aviationum compressor avançado de seis estágios, uma turbina de alta pressão com refrigeração do ar avançada, novo design das pás da turbina de baixa pressão, controle de busca de performance e otimização da área de exaustão do pós-combustor.

A incorporação das tecnologias de redução do consumo específico nos motores F414 da Marinha dos EUA poderia significar uma economia anual (estimada) de 2 milhões de galões.

Além disso, a GE Aviation informou que trabalha com a Marinha dos EUA para testar e qualificar o uso de uma mistura 50 / 50 de biocombustível e JP5 para o motor F414, em apoio à iniciativa da USN de reduzir sua dependência de combustíveis fósseis. Recentemente, o motor funcionou com sucesso com essa proporção de mistura, e componentes adicionais e testes de bancadas estão quase completos. Testes de voo com o Super Hornet são esperados para este mês de abril, e a aeronave será a primeira de uso tático da Marinha dos EUA a operar utilizando uma mistura com biocombustível.

Atualmente, a frota da USN de Super Hornets supera os 400 aviões, além de 21 unidades da versão EA-18G de guerra eletrônica. As turbinas F414 que equipam as aeronaves têm empuxo de 22.000 libras (98 kN), sendo da classe de empuxo-peso de 9:1. A Marinha dos EUA já recebeu mais de 1.000 motores F414, que acumularam, até hoje, mais de 1.300.000 horas de voo.

FONTE / ILUSTRAÇÃO: GE Aviation FOTO:USN

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

33 Comments

Subscribe
Notify of
guest
33 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
vplemes

E ainda tem quem queira comparar as turbinas da GE com as M-88 da SNECMA. Enquanto as F-414 estão recebendo atualizações constantes, a subnutrida M-88 pena para conseguir quem pague um upgrade.

Vader

Pois é, agora teremos F-414 Flex…

Mais um golpe na fraquíssima Snecma…

Roberto

F-414 é o melhor motor para um projeto de caça monomotor.
M-88, francês só sabe fazer perfume e champagne.

Rodrigo

Isto é porque tem gente aqui que afirma e jura de pé junto que o SH é tampão…

Ricardo

Hoje a F 404 é de longe a melhor turbina para equipar um caça do mundo. É um excelente projeto e sempre em desenvolvimento.

Robson Br

Esta notícia é do início de 2009, portanto não é nova.
É requentada…

Interessante…tudo é motivo para críticas.
O importante que o F-18 e o Rafale existem e tem apoio de seus governos e estão em constante evolução.

Enquanto o outro….fica de carona em tudo. Do motor americano. Como os franceses cairam fora, pegaram carona nos ítalos americanos para o radar….e por último o armamento…..sem comentários.

RESUMO: Quem não tem nada, nem críticas pode receber…

Parabéns aos americanos e franceses pelos seus produtos….

Marcos

E nós ficamos na quela, se ficar o bicho come se correr o bicho pega e aí??????

lc

A USN já recebeu mais de 1.000 destas aí, e a França têm quantas M-88?
O nome disto é escala.
Como diz um colega do blog, é a parceria CARACÚ em andamento.
Vamos ficar com a jaca e pagar de otário financiando a Dassault.
E se quisermos uma M-88 mk2 tranche25 sei-lá-o-que YZXBR tunada vamos ter que pagar os tubos.

ComAir

A SAAB fez bem, dentro de uma análise custo benefício, em escolher o F414 ao invés do EJ200 (passível de integração). Comparativo: F414 (F-18 e Gripen): 98Kn EJ200 (Typhoon): 90Kn M88-2 (Rafale): 75Kn M88-2 nem os Emirados querem saber: “Os Emirados Árabes Unidos também quer que o motor Rafale ter nove toneladas de impulso, a partir do motor de propulsão de 7,5 tonelada em uso pela força aérea francesa e versão da Marinha, de acordo com relatos da mídia. A versão em francês não é o ideal para as decolagens em países quentes e secos, ou se o avião está… Read more »

Robson Br

lc disse:
5 de abril de 2010 às 15:13

Não entendi a comparação. Sera que as 1000 tubinas já possuem isso?

O texto diz: “”PODERÁ TER…””

Em outro post diz que as tubinas M-88 já estão recebendo…..

lc

Robson Br,

Quis apenas comparar a quantidade de motores produzidos.
Qual parte vc não entendeu?

Sds.

Robson Br

lc disse:
5 de abril de 2010 às 15:33

pelo que entendi…você estava se referindo a uma nova turbina na sua dclaração comparando com o desenvolvimento da M-88

lc

Não, Robson Br. Somente valores globais de produção.

Abç.

Alexandre

Bom para os defensores do sh, de que adianta ter esse excelente motor se o caça tem uma aerodinâmica de um tijolo.
Para os defesores do gripen, de que adianta ter esse motor no caça se os eua não deixam fazer a manutenção do mesmo no gripen.

Robson Br

lc disse

ok amigão

Tecnocop

Como se reduzisse e muito o consumo de combustível.

Rodrigo

Os franceses não sabem fazer nem silicone! Vocês acreditam que eles vão fazer um avião ou heli que preste ?

http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u716442.shtml

Brincadeira brigada francesa, foi só para relaxar!

Almeida

Querer por querer, eu queria o Rafale F3 com os motores F414-GE-400 do Super Hornet pelo preço do Gripen C/D.

Mas sério, se o Rafale ganhar mesmo o FX-2 temos que começar a pensar numa nova turbina para eles. É seu maior ponto fraco, tecnicamente falando, além de não possuir escala.

Francisco AMX

A turbina é boa, talvez a melhor…, o problema é o que ela “carrega”…
com esta poderosa turbina o SH tem menor ascenção, menor velocidade e precisa de mais pista para decolar…

Sds!

Top Gun

O Blog postou uma notícia recente sobre o desenvolvimento do m88-3, com performance semelhante ao ej200!!
Basta procurar.

Sobre o F414, é msm inacreditácel como esse motor pode evoluir…

Na minha modesta opnião, no mundo só perde pro pw-F100.

vlw

vplemes

Top Gun disse:
5 de abril de 2010 às 18:03

Pois é, querer eles querem, se podem já é outra questão. Eles não tem din-din para isto. Estão esperando um otário (parceiro estratégico) aparecer e pagar.

Asimov

Interessante nesta foto é o bloqueador de sinais de radar feito de materiais compostos que protege as pás do compressor.

Bruno Rocha

Custa o F-18 SH ganhar TVC?

Bosco

Já falei isso algumas dezenas de vezes mas volto a repetir. Sem que seja definida a configuração de um caça no momento da “aferição”, seus dados isolados não servem para absolutamente nada em termos comparativos. Só se cada fabricante dispusesse na internet uma “tabela” interativa onde as mais diversas configurações e situações pudessem ser simuladas é que nós entusiastas teríamos uma visão mais realística a cerca da capacidade de um caça em relação a outro. Ou seja, dizer que um caça tem uma taxa de ascensão x ou que decola de Y metros de pista ou que puxa n gs,… Read more »

Bosco

desculpem-me pelo “a cerca”. Leia-se “acerca”.

Bosco

Por exemplo, o que explica a estrondosa diferença de taxa de ascensão do Rafale sobre o SH? Com certeza não é a relação empuxo/peso que é bem semelhante. Os dois projetos não são dotados de TVN (TVC), o que poderia explicar uma maior razão de ascensão caso um dos dois o tivesse. O Super Hornet e o Rafale tem carga alar semelhante. Seria um melhor coeficiente de arrasto? Acho improvável. Seria a configuração Delta/Canard? Possível. Seria mentira pura e simples da Dassault? Pouco provável Teria a Dassault aferido tal taxa de ascensão numa configuração diferente da aferida pela Boeing em… Read more »

Harry

Caros

General Electric F414G Turbofan – prefiro 50% de transferencia dessa fera.

Que 100% desse voo de galinha – Snecma M-88-2.

Abs

Francisco AMX

Bosco existe aerodinãmica diferente e visivelmente mais evoluida no Rafale e Gripen, existe 4 toneladas de diferença contra o SH, existe maior sustentação do Rafale pelas asas deltas e Canards, eu acho que as aferições são feitas com os caças vazios… natural… assim como se afere vecidade ótima de um veículo, consumo de combustível… os fabricantes precisam falar uma língua só, a da sua melhor paridade… e acredite são muito similares umas dos outros… precisam provar isso para seus clientes que invariavelmente irão comprovar tais façanhas… Li diversos artigos dando conta da superioridade aeronáutica do F-16 frente ao F-18, inclusive… Read more »

Bosco

Francisco, eu não digo que não é e até acredito que seja. Só coloquei pra ilustrar. Só acho que todos os fabricantes tinham que disponibilizar em seus sites uma tabela interativa onde pudéssemos alterar a configuração do caça, altitude da pista, temperatura ambiente, perfil da missão (Hi-Lo-Hi). Com a tecnologia hoje disponível seria facílimo e acho até essencial. Em pleno Século XXI é muito pobre colocar um dado seco e isolado como “taxa de ascensão de x metros/seg ou alcance de x quilômetros ou decola de uma pista de n metros. Ora! Convenhamos que não temos mais 13 aninhos e… Read more »

Francisco AMX

Bosco, apesar de os fabricantes não o fazerem, publicações especializadas, conceituadas acabam tendo algum tipo de acesso a estas… e em nenhuma delas, por exemplo, vi ou li algo que contestasse a superioridade do F-16 sobre o F-18 nestes quesitos… o Rafale é novo no pedaço, mas eu acredito piamente que ele não seja nada inferior ao F-16 nestes pontos… Concordo quando vc diz que estas qualidades, hoje, não decidem o combate… porém se somam a varias outras… O SH na mão da USNAVY é uma coisa… supremo, por todos os fatores que sabemos, assim como seria o Rafale… mas… Read more »

Deivid

jente pega leve as m-88 são ótimas turbinas e econimizão muito no gasto de combustivel e tamben são menos poluentes,lembren-se que estamos falando de Brasil,nos nessa questão temos que dar o exenplo.

[…] Turbina do Super Hornet poderá ter redução de 3% no consumo específico […]

[…] Turbina do Super Hornet poderá ter redução de 3% no consumo específico […]

Últimas Notícias

Finlândia participa do Exercício de Defesa Aérea 2021 na Suécia

FORÇAS ARMADAS DA SUÉCIA – Durante o período de 21 de outubro, das 12h a 27 de outubro às...
- Advertisement -
- Advertisement -