Home Noticiário Internacional Russos testam a defesa aérea britânica

Russos testam a defesa aérea britânica

237
45

Tornado e Tu-160

O Ministério da Defesa britânico revelou que dois bombardeiros russos Blackjack Tu-160 foram interceptados por Tornados F3 próximo às ilhas ocidentais Stornoway, no dia 10 de março.
O MoD também revelou que já ocorreram 20 interceptações do tipo, desde 2009.

SAIBA MAIS:

45
Deixe um comentário

avatar
43 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
29 Comment authors
DefourtgermaSukhoiRafaelMatheusts Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
rodrigo avelar
Visitante
rodrigo avelar

20? os Russos estão incomodando viu…

Antonio M
Visitante
Antonio M

Foi sem querer querendo …..

Rosan Amaral
Visitante
Rosan Amaral

Estão querendo fazer amizades, um convite para tomar um scoth.

marcelo
Visitante
marcelo

o urso ta morrendo de medo dos tornados…..hahahaha

Edgar
Visitante

Se fosse no Brasil, o Tupolev teria sido interceptado por um Super Tucano armado com .50 quando chegasse a 5 milhas de Anápolis 🙂

luiz-sp
Visitante
luiz-sp

se fazem isso com os ingleses o que sera que acontece no nosso quintal e não é divulgado , principalmente na amazonia , pertinhoooo temos algumas bases americanas ali do lado.

Paulo Henrique
Visitante
Paulo Henrique

Edgar

E ainda passava por cima como se fosse uma caixinha de fosforo…

Edgar
Visitante

Ele não precisaria nem ativar a pós combustão pra evadir do nosso filho menor.

Edgar
Visitante

Esse Tupolev sozinho já eliminava toda a nossa esquadra, com bombas convencionais, direto no AMRJ.

Nossa única possibilidade de defesa seria enviarmos nossos A330 pra combatê-los *.

* Combatê-los leia-se entupir o A330 de combustível e ir de encontro a 12 horas no Tu.

🙂

Clausewitz
Visitante
Clausewitz

Edgar. A 330 x Tu 160: tu nos desanima!

Carlito
Visitante
Carlito

Esse joguinho foi muito praticado nos tempos da guerra fria. Os soviéticos adoravam testar as defesas da OTAN em várias situações.

Recentemente a Rússia tem retomado esta prática como forma de dizer que ainda é capaz de causar alguma dor de cabeça.

heyarth
Visitante
heyarth

Rapaz, eu ja li muitas notícias aqui sobre interceptações que são bastante rápidas e eficientes…
Estranho que no Brasil só vejo interceptações de bandeirante de traficante…

Edgar
Visitante

Não vejo possibilidade para uma retaliação por parte dos F-5M, tendo em vista a velocidade máxima dele (1954 km/h) contra a velocidade máxima do Tu (2200 km/h), só nos resta um ataque a 12 horas de um A330 bem cheio de combustível direto “nariz-a-nariz” no Tupolev. Esquecendo as figuras de linguagem, nossa única saída seria o M2000 que tem máxima de 2394 km/h mas que está há mais de 900 km do AMRJ, impossibilitando uma interceptação antes de um possível bombardeio inimigo. Nem sei também se o M2000 aguentaria 900 km em PC. Como o Galante disse uma vez no… Read more »

Galileu
Visitante
Galileu

é uma distância tão pouco percorrida para os TU-160 que nem deu tempo de brincar.

MA
Visitante
MA

Putz Edgar, realmente nunca havia pensado que não temos um vetor com velocidade para fazer esse tipo de inerceptação contra bombardeiros supersônicos (também, nunca precisaríamos).
Mas em caso de combate não haveria problema, afinal, o vetor de interceptação não necessita ficar à mesma velocidade do alvo, dependendo da sua rota de aproximação.

PS:. Aposto que os traficantes vão começar a comprar Tu-160…

Galileu
Visitante
Galileu

Bem comentado luis, se até cesna com droga invade nosso espaço aéreo e só vão dar conta de alguns, quando estão perto de Ji paraná, imagina um TU-160..hahah 1 só dava conta dos nossos grupos de defesa e ainda sobrava bombinha

Fernando "Nunão" De Martini
Editor

Pessoal, Essa discussão sobre interceptação e velocidades está muito super-trunfo. Há muitas variáveis envolvidas, como rota do bombardeiro que invade o espaço aéreo, vindo do mar ou de terra, se do mar desde onde para ter autonomia para atingir o litoral brasileiro, tempo entre a detecção e a interceptação, tempo de voo em que ele pode desenvolver sua velocidade máxima (para o que também influem tanto o combustível carregado – por um lado, permitindo mais tempo em potência máxima, com o tanque “mais cheio”, por outro, permitindo mais velocidade com o tanque “mais vazio” devido à redução de peso –… Read more »

Edgar
Visitante

Se um Tu-160 que deve ter um RCS quase igual ao de um An-225 😛 faria isso, quem dirá um B-2 que não seria detectado por nenhum radar tupiniquim o que não faria aqui. Por isso que é bom sermos amigos deles 🙂

O B-2 passearia tranquilo por todo território nacional e ainda voltava pra casa com algumas fotos daqui. Nossas defesas só ficariam sabendo se as fotos saíssem no NY Times.

Edgar
Visitante

Nunão, em sua opinião, o que deveríamos ter para trancar melhor nosso país, bases mais espalhadas, radares com maior e melhor alcance, vetores com maior velocidade/alcance ou algum tipo de junção de um ou mais fatores?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor

Edgar, Falando apenas em Defesa Aérea, minha opinião é que deve-se ter menos esquadrões de caça, porém com maior número de aeronaves por esquadrão, operando a partir de poucas bases, para otimizar a logística, custos etc. Seis esquadrões, quatro em bases do Centro-Sul, um no Norte e outro no Nordeste. E, em bases para desdobramento entre essas seis principais, esquadrilhas desdobradas em rodízio para cobrir os “claros” em pontos estratégicos. Porque interceptação em alta performance de voo não combina com grande alcance. Esse combina com PAC (CAP), e outros tipos de missão. Interceptação digna desse nome é em raios de… Read more »

Elizabeth
Visitante
Elizabeth

Este tipo de noticia é um grande “jogo de cena” de ambos os lados. A Força Aérea Russa ganha uma grande mídia gratuita mundo a fora, mostrando que mantem seus aviões estratégicos operacionais. A Força Aérea Inglesa ganha uma grande mídia gratuita mundo a fora, mostrando que seus aviões de defesa aérea operacionais. Na pratica isto tem pouco valor militar. Haveria sim um grande valor se os EF-2000 interceptassem os Tu-160 utilizando o radar ECR90, isto daria aos russos informações sobre os modos e parâmetros do equipamento. Normalmente esta interceptação é comandada por radares em solo, que já tem parâmetros… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor

Ótimo comentário, Elizabeth, exatamente do tipo que procurei incentivar com meu comentário a respeito do “super-trunfo”, lá atrás.

Saudações!

Angelo Nicolaci
Visitante
Angelo Nicolaci

acho que nós deviamos é primeiro nos preocupar com quem ocupa o planalto, pois de lá saem os recursos necessários para obtermos uma força de defesa real e funcional.

De que adianta ter RAFALE, ou NG ou SH e muito equipamento de alta tecnologia se uma topeira e outro grupo de antas estão no comando???

Pessoal não temos verba nem pra realocar as bases aereas, quem dirá para manter um sistema avançado de interceptação ou distribuição da armada por nosso litoral….

O primeiro passo a ser dado é na organização interna, depois na tecnológica.

Andre
Visitante
Andre

Essas interceptacoes sao regulares tb no Alaska pelo que foi me dito por um piloto de F-15 baseado lah.

Getulio - São Paulo
Visitante
Getulio - São Paulo

Na última vez que um desses russos passou por nossa costa vindo da Venezuela até o Uruguai e fazendo o mesmo curso no retorno, só custou o cancelamento da inscrição deles no FX-2, sumariamente, pela FAB!

brunoholtz
Visitante
brunoholtz

José,

na verdade o tucano é mais moderno que isto. Ele usa o coice de uma mula para acionar o motor…

…brincadeirinha!

A partida manual é factivel apenas em aviões convencionais, a pistão.

Alfredo.Araujo
Visitante
Alfredo.Araujo

Nunão…
Vc falou exatamente o q eu pensei lendo os comentários!!
Mto super-trunfo!! dsahudsauhdsa

Se um bombardeiro desses aciona o PC talvez ele nao volte para casa… dependendo do envelope de voo..

“Edgar em 25 mar, 2010 às 15:01

Se um Tu-160 que deve ter um RCS quase igual ao de um An-225”

Ainda bem q vc falou “deve ter”…
Pq o Tu-160, tirando o recente PAK-Fa, o aviao com menor RCS do inventário russo…
Um su-27 é mais perceptivel q um TU-160…

João Paulo Caruso
Visitante
João Paulo Caruso

Elizabeth em 25 mar, 2010 às 15:12 Que bom que voçê pareceu! Gostaria de saber com tu compara a RCS dos dois, consigo encontrar muito mais características de manejamento de assinatura no B-1B. No caso do 160 só sei de boatos russos, mas acredito que haja alguma coisa de verdade. Também acho que o voô èm baixa altitude no território britânico traria vários riscos, tanto para a aviação civil como até para a navegação. Um acidente seria um grande problema diplomático e se fosse sério deixaria os restos do bombardeiro para os ingleses. Como você falou esses voôs são simbólicos… Read more »

Francoorp
Visitante
Francoorp

Nunão em 25 mar, 2010 às 14:58:

Até concordo contigo em partes, mas temos que lembrar que a antiga URSS fez o MIG-25 especificamente para interceptar bombardeiros Yankees, competindo com eles até mesmo em velocidade supersônica!!!

Acho sim que ter uma aeronave mais veloz que o bombardeiro inimigo é importante, e nós seríamos eliminados em pouco tempo, pois um destes TU-160 que partisse da África nós atacaria e ainda voltava sem perder nem uma unidade dada as nossas defesas, e além disso esta aeronave é um bombardeiro intercontinental e tem uma autonomia de mais de 10.000KM e pode fazer até REVO !!!

Valeu!!

Edgar
Visitante

Alfredo, o comentário de Elizabeth explanou bem as características do RCS do Tupolev nas diferentes altitudes.

Francoorp
Visitante
Francoorp

Elizabeth em 25 mar, 2010 às 15:12

“Porque voando contra o terreno ele “entregaria” o seu real RCS no modo lock-down do radar de busca inimigo fornecendo estimativas mais precisas sobre os alcances efetivos para detecção do bombardeiro.

Aviões como o B-1B ou Tu-160 tem duas estimativas de RCS”

Mesmo assim chegaram a só 20 milhas da Inglaterra antes de serem “interceptados”, e vinte milhas para um supersônico é nada, poderia ser tarde demais para os ingleses protegerem um hipotética esquadra deles naquela área!

Valeu!!

Novesfora
Visitante
Novesfora

Os comentários depreciando o Super Tucano são próprios de imbecis.
O nosso Super Tucano já demonstrou de maneira real do que é capaz, e para que serve: mandou para o colo do capeta o 2º homen das FARC, amigão do (……………)
Agora imaginar Tupolev invadindo Anápolis-Go, é coisa de quem…

COMENTÁRIO EDITADO

Galileu
Visitante
Galileu

Elizabeth ou outro leitor me explique uma coisa que nunca entendi:

Já soube a tempos que interceptações de bombardeiros russos por f15 e até por f22 ocorreram e são até comuns no Alasca, mas nunca entendi o que um tu-160 aprenderia ao ser iluminado pelo radar de um f22 ou f15 que seja, gostaria que respondessem….

abraço

João Paulo Caruso
Visitante
João Paulo Caruso

Acho que a RCS do Tu-160 é mais semelhante à do B-1A, que é quase dez vezes maior do que o modelo B.

Theo Gatos
Visitante
Theo Gatos

KKK… Super Trunfo foi boa!!! Cancela o FX-2 e vamos todos de Tu-160 !!! (a cada notícia diferente tem um pessoal que defende a morte do FX-2, não é o meu caso, foi uma ironia apenas!) De um jeito ou de outro só mostra que o Tu-160 é uma aeronave formidável! Se o Brasil tivesse um ou outro (mesmo ‘velhinho’, mas com mísseis de cruzeiro com mais de 2000km de alcance) queria ver o Evo Morales toma alguma planta da Petrobras ou o Hugo Chavez tentar se meter muito na nossa vida! Já pensou Brasil de Tu-160 e Pak-Fa, sei… Read more »

João Paulo Caruso
Visitante
João Paulo Caruso

Galileu em 25 mar, 2010 às 17:52 talvez não aprendesse muita coisa, mas à princípio o sistema de defesa eletrônica ou outros equipamentos especiais iriam poder gravar e analisar informações como: frequências que o radar utiliza, comprimento de onda, quantidade de energia, tempos de reação e mudança de frequência, à que distância o caça localiza o alvo, à que distância rastreia, à que distância os RWR localizam o radar do caça e outras coisas. Mas talvez o Tu-160 não aprendesse muito mais do que os russos já sabem, pois difilcimente os radares dos caças estariam operando em modo de guerra… Read more »

Galileu
Visitante
Galileu

valew joão paulo

Ilya Ehrenburg
Visitante
Ilya Ehrenburg

Estou curiosíssimo com a participante Elizabeth, haja vista a aridez que se configura, no que tange às mulheres, os assuntos militares. Por favor, senhorita, não coloque em seu avatar outra coisa que não seja sua foto.

Matheusts
Visitante
Matheusts

primeiro a marinha ia poder detectalos em auto mar dando assim mais chances para FAB TU-160 não é stealth apenas um B-2 poderia faser tal coisa com menos dificuldade

Rafael
Visitante
Rafael

Tem uns caras no blog que são amigos de piloto de F-15, e eu que achava que era popular na escola.Mas falando serio, se a Inglaterra manda um missil ou simplesmente abate o Tu-160 oque aconteceria?

Francoorp
Visitante
Francoorp

Guerra!!!

Sukhoi
Visitante

Rafael em 25 mar, 2010 às 22:00

(…), se a Inglaterra manda um missil ou simplesmente abate o Tu-160 oque aconteceria?

A Inglaterra não faria este tipo de coisa – é claro, se ela não quisesse arrumar problema pro seu lado, entrando em conflito com a Rússia, e causando uma guerra.

Parece que essas “chegadas” dos bombardeiros são apenas testes de defesa.

Vejo até um aviso pra Inglaterra: “Abre o olho, foi só um teste de defesa, e se outro fizer o mesmo, pode não ser um teste…”

E claro, pra mostrar que eles estão “na ativa”.

germa
Visitante
germa

Ontem mesmo eu estava lendo sobre o Tu-160 “blackjack” a ideia é que voe entre 18 e 20 mil pés.

mas o que me assusta ,e olha que eu nem sei, o custo de hora voo de um bichão desses daí.essas asas que se ajustam automaticamente de acordo com a missão/ tipo de voo devem custar o olho da cara!!!

e os ingleses não seriam lokos de intimar o velho urso.
primeiro pq não existe essa demanda nas cupulas de poder e depois que seria uma M… gigantesca lembrem do tratado de shangai 😉

abs 😉

Joao Paulo Caruso
Visitante
Joao Paulo Caruso

Matheusts em 25 mar, 2010 às 20:17 Não sei se te entendi. Olha eu acho que isso depende de táticas, com certeza a marinha brasileira não tem cobertura eletrônica total do nosso litoral, existem várias brechas grandes, ainda muito mais contra alvos a baixa altitude. Qual dos nossos navios pode detectar aviões além da linha do horizonte? Mesmo com bons radares não dá para fazer muito, veja a dificuldade que é encontrar aqueles aviões sobre a amazônia, mesmo com Sivan e AWACs. é claro que esta é uma situação diferente, mas o princípio é o mesmo. E voando alto um… Read more »

Defourt
Visitante
Defourt

Ilya Ehrenburg,

Eu também estou ansiosíssimo e curiosíssimo por esta comentarista expertíssima (senhora ou senhorita) não sabemos.

Mas que desejo que ela possa ser “charmossérrima” porque para mim estará boníssimo!

Ela sabe arrebentar o coco e preservar a sapucaia…

“Abrasíssimos” a todos, mesmo não podendo,

deste intrigadíssimo,
Defourt.