quarta-feira, maio 12, 2021

Gripen para o Brasil

Indústria aeronáutica ganha regime tributário especial para se desenvolver

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Adriana Fernandes e Fábio Graner

Para incentivar a expansão do parque industrial aeronáutico no País, a Receita Federal anunciou ontem a criação de um regime especial tributário de incentivo para a Indústria Aeronáutica Brasileira, o Retaero. O governo incluiu o novo regime na Medida Provisória (MP) 472, publicada no Diário Oficial da União. O Retaero estende a desoneração que já existe para a Embraer e os fabricantes de partes às empresas fabricantes de insumos para peças utilizadas na construção de aeronaves.

Segundo o subsecretário de Tributação da Receita Federal, Sandro Serpa, o novo regime desonera o Programa de Integração Social (PIS), Cofins e o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) das empresas que produzem bens ou prestem serviços utilizados como insumo na produção de bens voltados para aeronaves. Na exposição de motivos da medida provisória, o governo destaca que, apesar da presença da Embraer, a indústria Aeronáutica é “surpreendentemente incipiente”, com poucas empresas que atuam no setor. O governo destaca a baixa nacionalização das aeronaves produzidas pela Embraer.

A MP 472 também elevou de 8% para 15% a base de cálculo para a cobrança do PIS/Cofins incidente sobre as remessas ao exterior para pagamento de prêmios de contratos de resseguros.

De acordo com o subsecretário de tributação da Receita Federal, a medida foi adotada a pedido das empresas nacionais. Elas alegavam que o regime anterior favorecia as estrangeiras, deixando-as mais competitivas.

“A medida visa a equalizar a situação entre nacionais e estrangeiros”, explicou Serpa, ao lembrar que o regime anterior era de uma época em que havia monopólio do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB).

A medida provisória também reduziu a zero a alíquota do Imposto de Renda, da Cide e do PIS/Cofins incidentes sobre remessas ao exterior relativas ao pagamento de custos de regulação impostos por outros países, como exigências sanitárias, registradas na Organização Mundial do Comércio (OMC).

FONTE: O Estado de São Paulo, via Notimp

- Advertisement -

1 Comment

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Hornet

um off-topic: “FINEP liberará recursos para VANTs A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), do Ministério da Ciência e Tecnologia, lançou no início de dezembro um edital para a liberação de recursos não reembolsáveis no valor de R$ 9 milhões para o desenvolvimento de Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT). O apoio da FINEP será focado no desenvolvimento de micro e mini veículos, com até 200 gramas no primeiro caso e até cinco quilos no segundo, para uso em áreas como segurança pública, defesa, controle de fronteiras, meteorologia, agricultura, monitoramento de queimadas e poluição e degradação ambiental. O edital, disponível para… Read more »

Reportagens especiais

PAMA-SP 2014: Poder Aéreo no Domingo Aéreo – parte 4

Continuam no PAMA-SP quatro células de F-5E das oito aeronaves do tipo adquiridas da Jordânia e ainda não enviadas à Embraer - Chegamos...
- Advertisement -
- Advertisement -