Home Sistemas de Armas AIM-9X agora de uso múltiplo

AIM-9X agora de uso múltiplo

466
22

A Raytheon adaptou o míssil AIM-9X, versão mais moderna do Sidewinder, para atacar alvos terrestres e até sobre a superfície do mar.

Não foram fornecidos detalhes das modificações, mas seriam mudanças principalmente relacionadas ao software do míssil.

Durante um teste realizado no Golfo do México no dia 23 de setembro último, um F-15C da USAF lançou um AIM-9X contra um alvo na superfície do mar que simulava um pequeno barco, como os utilizados em transporte de drogas. O míssil foi direto ao alvo. Antes deste teste, um F-16 já havia realizado uma ação semelhante.

A nova capacidade do Sidewinder abre novos horizontes para caças dedicados à interceptação aérea ou configurados para superioridade aérea. Empregando o mesmo armamento a aeronave pode alterar sua missão sem a necessidade de retornar para a base e substituir o armamento ou solicitar o apoio de outras aeronaves.

Com informações do site Flightglobal

SAIBA MAIS:

Subscribe
Notify of
guest
22 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Welington
Welington
10 anos atrás

Desde que os sensores passaram a ter a formação de imagens para identificação de alvos, sempre pensei nesta possibilidade de se utilizar um míssil ar ar para função ar superfície, o que beneficiaria o vetor transportador com uma maior capacidade de ataque contra alvos ar ar e ar superfície… Processamento Digital de Imagens Registro de Imagens Alinhar os pixels de duas ou mais imagens de geometria similar e que contenham os mesmos conjuntos de elementos. Através da utilização de pontos de controle, que correspondem ao mesmo objeto nas duas imagens, novos níveis de cinza são calculados (reamostragem). As técnicas mais… Read more »

Bosco
Bosco
10 anos atrás

O seeker de “formação de imagem” permite que o piloto veja a imagem que o míssil vê dentro do cockpit. Desse modo é possível ao piloto designar o alvo desejado no modo LOBL (travamento antes do lançamento). O AIM9X só não é apropriado contra alvos blindados já que não possui uma ogiva perfurante. Por enquanto. Ele é perfeitamente capaz de levar por exemplo a ogiva do Javelin que tem o mesmo diâmetro e ainda por cima continuar a ter uma poderosa ogiva de fragmentação anelar acionado por impacto/proximidade contra alvos aéreos como acontece por exemplo com o míssil ADATS. Num… Read more »

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Outra forma interessante as cabeças de busca do AIM-9X escravizada com um casulo designador de alvos como por exemplo o ATFLIR, Sniper, etc.
O casulo detecta vários alvos no campo de batalha e o piloto identifica e designa os alvos que quer atingir. Cada míssil trava em um alvo designado pelo casulo e da o OK para o piloto através de uma simbologia específica na tela. Isso permite o ataque a alvos múltiplos em uma mesma passada.

Bronco
Bronco
10 anos atrás

Sensacional!

mmartins2@uol.com.br
mmartins2@uol.com.br
10 anos atrás

Já não era sem tempo!! Um espetacular aumento na capacidade de ataque dos caças. Um caça pequeno como o A4 da MB poderia ser usado como defesa da frota com sidewinders e ao mesmo tempo poderia engajar pequenas embarcações com a mesma arma!

Joel
Joel
10 anos atrás

Um missil ar-ar de no minimo uns 250.000 dolares sendo usado no modo ar superficie para alvos pequenos que devem valer no maximo uns 100.000 to pasmo

Melhor usar o canhão…rsrs

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Joel,
mas será que ele custa assim tão caro?
Mas mesmo que seja ele não é mesmo a arma de primeira escolha contra determinados alvos. Só deverá ser usado em caso de necessidade absoluta.
Se formos pensar só em termos de custo/benefício a guerra toda é um completo desperdício. Diz-se que na Guerra do Vietnã eram gastos em torno de 1 milhão de projéteis para cada Vietcong atingido.
Também vale salientar que um alvo de 100.000 pode colocar à pique um porta-aviões de 10 Bi.
Cada caso é um caso.
Um abraço.

Musashi
Musashi
10 anos atrás

Us$100mil? Só se for um caminhão.
Um LAV custa pelo menos US$1,5mi, um MBT de US$5-7mi. E para proteger vidas, relação custo não existe (Ao menos não deve).

Bosco
Bosco
10 anos atrás

O AIM-9X além de ser usado no modo ar-ar também pode ser usado no modo sup-ar integrando o sistema SLAMRAAM (AMRAAM lançado do solo). Tal configuração (Amraam + AIM9X) aumenta a letalidade do sistema por dificultar as contra medidas e é usada também no sistema israelense Spyder (Derby + Python V). Agora a notícia que o mesmo é compatível no modo ar-sup. Não sou a “Mãe Diná” mas como o AIM-9X tem TVC não duvido que logo logo será apresentado uma versão sup-ar de lançamento vertical a exemplo do VL-Mica, do IRIS-T SL, etc. E pior, poderá ser usado até… Read more »

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Ah! Esqueci de mencionar que o AIM-9X está sendo também cogitado para ser o míssil de defesa de submarinos operando no litoral, dentro do programa LWMS.
Também está a caminho a versão Block 2 com capacidade de trancar no alvo após o lançamento (LOAL) contra um alvo fora do alcance do seeker, data-link e 40 km de alcance, tornando-o um quase BVR (NBVRAAMs).
O AIM-9X já possui a capacidade LOAL quando usado juntamente com o capacete JHMCS e lançado em high off boresigth.

Francisco AMX
Francisco AMX
10 anos atrás

O que faria um míssel como esse num barco patrulha ou corveta por exemplo (estrago)? acho que nada relevante…
ou vão usar 500mil dólares para afundar botes e barquinhos? 🙂

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Francisco, como você sabe existem mísseis anti-navios de todos os tamanhos para se adequar a todos os tipos de navios. Só a serviço das Forças Armadas Americanas existe desde o Hellfire II (AGM-114N) com uma carga de uns 9 kg, passando pelos Penguin, Maverick F, Harpoon, Slam-ER, até chegar ao Tomahawk Block IV com uma carga de meia tonelada. Depois ainda teriam bombas guiadas de até 1 tonelada para o porem à pique. Existem desde os barcos pequenos e rápidos até os navios gigantescos e lentos. Jamais um Tomahawk faria o serviço de um Hellfire II e vice-versa. Claro que… Read more »

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Como o menor míssil anti-navio levado por um caça americano é o Maverick F (já que o Hellfire II não é compatível) o fato de se poder contar com um míssil multifunção como o AIM-9X ajuda quando se espera combater barcos pequenos e velozes num litoral congestionado e confinado, típico das operações assimétricas contra o Terror. Outros programas visam dar mais alternativas a esses caças. O míssil JAGM da USN pretende substituir os Mavericks e os Hellfires do seu inventário com a função anti-navio, anti-tanque, antibunker, etc. Ele pesa menos de 50 kg e terá sistema triplo de orientação terminal.… Read more »

Welington
Welington
10 anos atrás

Bosco os mísseis ar ar BVR com cabaça EM também podem ser ajustados para missões ar solo, porem não podem ser disparados no modo “fire and forget” (dispare e esqueça), pois como bem citado por você estas cabeças não podem formar imagens, desta forma estes mísseis com cabeças EM tem que ser e guiados via radar, POD ou IRST e monitorados desde seu lançamento até o alvo e o seu radar seria ligado nos metros finais trabalhando em conjunto com o sensor do vetor de lançamento. Esta não é uma solução viável em comparação a outros mísseis dedicados, porem para… Read more »

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Wellington, o radar ativo de um Amraam, por exemplo, só seria viável contra um alvo de superfície se fosse naval ou se estivesse se movendo a uma certa velocidade sobre a terra. Contra alvos terrestres móveis creio ser difícil devido ao forte ruído de fundo e a relativa reduzida velocidade dos alvos que ACHO não ser compatível com o sistema de detecção de alvos móveis do míssil, que permite que o mesmo ataque alvos abaixo da aeronave lançadora tendo o terreno como fundo. É claro também que sempre se pode usar o míssil contra um alvo fixo no modo INS/GPS… Read more »

Welington
Welington
10 anos atrás

Minha idéia era utilizar um link de comunicação no caso um data link que em conjunto com o radar direcionaria o míssil o mais próximo do alvo e o radar do próprio faria a correção final para o choque nos metros finais. Acho que funcionaria como o desejado, pois com a proximidade do alvo e as pré coordenadas dadas pelo radar da aeronave, o radar do míssil não teria muitos problemas em localizar o alvo mesmo com os ruídos existentes neste cenário, ou poderia ser utilizada sua sugestão de utilizar o radar como diretor de tiro até o alvo sem… Read more »

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Wellington,
essa técnica que você descreve é a usada pelos mísseis Longbow e pelo Brimstone, para atingirem carros de combate. Ele possuem uma cabeça de busca com radar ativo de onda milimétrica (MMW). Essa faixa de frequência tem pouca penetração na atmosfera e por isso o míssil tem que se aproximar a no máximo uns 2 km para travar no alvo. Ele consegue formar uma imagem do alvo (de preferência metálicos e quentes) e é praticamente imune a interferência.
Um abraço meu amigo.

Welington
Welington
10 anos atrás

LADAR (Laser Detection and Ranging) e os radares de abertura sintética trabalhão de maneiras similares, o Radar de abertura sintética emite ondas eletromagnéticas em uma certa área que varrem o local desejado, em seguida estas ondas são ecoadas da superfície e/ou alvo em questão, estes ecos são processados e se forma uma imagen 3D com os dados obtidos, estas imagens por sua vez são comparadas por reamostragem com imagens pré obtidas, havendo a confirmação de um alvo o míssil se dirige para o abate do mesmo, já o LADAR utiliza em vez de ondas eletromagnéticas feixes de laser que são… Read more »

Welington
Welington
10 anos atrás

É verdade Bosco o Brimstone e o HELLFIRE utilizam um sistema semelhante, porem como bem citado por você eles trabalham com ondas milimétricas que possuem curto alcance. Aproveitando o assunto é por este motivo que radares que possuem antenas grandes possuem maiores alcances, graças a sua maior antena as ondas são mais largas e por conseqüência obtém maior alcance e é por este motivo aliado a grande potencia dos mesmos que o radares como do SU-35 BM e do MIG-31 possuem alcance superiores …
Um grande abraço Boco …

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Hahahahaha…..
Valeu Mauro. Boa!

giltiger
giltiger
10 anos atrás

Desejo relembrar aos “entusiastas” do AIM-9X que no improvável caso do Brasil escolher o F-18 no programa FX-2, o comitê de vendas de armamento ao estrangeiro do congresso americano já pronunciou-se que o AIM-9M (e não o mais moderno o AIM-9M-7) é perfeitamente adequado às necessidades da FAB e assim portanto VETOU o fornecimento do novo, moderno e elogiado AIM-9X para o Brasil….

Bosco
Bosco
10 anos atrás

giltiger,
a gente sabe que ele não vem pro Brasil mas a gente “gostia” dele mesmo assim. Rsrss…..
“Entusiasta” gosta de tudo quanto é ‘porcaria” tecnológica relacionada ao tema. rsrsrs…
Um abraço.