quarta-feira, maio 12, 2021

Gripen para o Brasil

Sol Linhas Aéreas recebe aprovação da ANAC

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Empresa será a 20ª companhia regional do Brasil

Sol

A Sol Linhas Aéreas e a Agência Nacional de Aviação Civil – Anac – assinam nesta quinta-feira, em Brasilia, o Contrato de Concessão, ato que cumpre a última etapa do processo legal para início de operações da mais nova empresa de transporte aéreo regional, com sede em Cascavel, Paraná.

A solenidade está agendada para as 14h desta quinta, no gabinete da diretora presidente da Anac, Solange Paiva Vieira e contará com a presença do ministro do Planejamento Paulo Bernardo, do prefeito de Cascavel, Edgar Bueno, autoridades e convidados.

Segundo o presidente da Sol, empresário Marcos Solano Vale, após a assinatura do Contrato de Concessão, resta apenas a aprovação pela Anac, das rotas e horários de voos, para início de venda de bilhetes e operações comerciais.

O processo

A Sol será a 20ª companhia aérea brasileira a operar voos regulares de passageiros. A concessão que será firmada hoje, vale por 10 anos. A Sol está sendo aprovada depois de cumprir todos os requisitos legais. O primeiro passo foi a Autorização de Funcionamento Jurídico, expedido pela Anac para a empresa em 15 de outubro de 2008. A segunda etapa, a obtenção do Certificado de Homologação de Empresa de Transporte Aéreo (Cheta), o que ocorreu em 31 de julho deste ano.

Para a liberação do Cheta é realizada detalhada avaliação das condições operacionais de uma companhia aérea, de acordo com os padrões brasileiros e internacionais de segurança, quando são checadas as aeronaves (configuração, equipamentos a bordo etc.), treinamento de pessoal operacional (tripulação, equipe em solo), planos de segurança obrigatórios, procedimentos de manutenção, instalações físicas nos aeroportos e outros itens. A terceira e última fase da criação de uma companhia aérea é a concessão.

Proposta de trabalho

A Sol Linhas Aéreas é uma iniciativa de empreendedores paranaenses, que pretende atender oferecer alternativas de transporte aéreo adequadas à crescente demanda das principais concentrações urbanas.

Segundo o empresário Marcos Solano Vale, que lidera o empreendimento, as operações devem iniciar com voos diários entre Curitiba, Cascavel, Foz do Iguaçu e Maringá. Novas linhas serão incorporadas gradativamente, integrando cidades paranaenses, dos estados e países vizinhos.

“A Sol Linhas Aéreas nasce como uma contribuição ao desenvolvimento e integração regional. Temos o firme propósito de oferecer alternativas de vôos compatíveis com a demanda, por um preço justo, com conforto, segurança e pontualidade”, resume Marcos Solano.

FONTE: Sol Linhas Aéreas

- Advertisement -

15 Comments

Subscribe
Notify of
guest
15 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Roberto CR

Brigado povo!!!

Abs

André

A aviação regional é fundamental para as ligaçãoes interioranas. A chegada da SOl é importante, mas também o é uma política governamental (federal e estadual) que permita que as operações ocorram com um custo mais reduzido e com tarifas mais acessíveis.

Marcus

Sou de Cascavel e há muito tempo esperamos ansiosos pelo início dos voos. É um projeto ambicioso e que pretende culminar na construção de um novo aeroporto para a cidade, desejo de toda a população e necessário do ponto de vista econômico. A Sol prevê ainda contar com Ejets da Embraer muito em breve e eles tem calibre pra isso. O lado ruim é que se formou um lobby muito grande contra a Azul e a empresa ainda não foi autorizada a pousar por aqui, o que é uma pena e um contraponto ao sistema capitalista vigente.

RL

Deus queira que a empresa possa logo fazer aquisições de aeronaves EMBRAER.

João Curitiba

Caro Marcus

Você lembrou da Azul. É uma pena mesmo o que você disse, pois se a Sol irá cobrar uns 500 reais (ou algo perto disso) para vir a Curitiba, a Azul cobraria uns 100 reais.
Fica o dilema: protegemos a empresa da terra ou beneficiamos os usuários?
Mesmo assim o lançamento da Sol é uma grande notícia.
Abraços

Julio

João Curitiba. Será que a oposição que a Azul enfrenta é a mesma que a Trip enfrentou para fazer voos de Brasilia para algumas cidade do PR, cito exemplo de Maringa. Dizem que a oposição foi feita por uma empresa maior que não quer perder o mercado.Sds

André Castro

Muito bom o Brasil esta precisando de mais empresas aéreas regionais. Alguen sabe se é verdade sobre uma nova empresa aérea com sede em Brasilia que usara aviões russos, achei está noticia em vários lugares mas todos citam a mesma fonte,então não sei se é verdade.

João Curitiba

Julio
Que eu saiba, cascavel não é operada por nenhuma grande companhia. As grandes só operam em Foz do Iguaçu. Quanto a maringá, desconheço quem a atende. Sei que Londrina recebe vôos das grandes.
Falar em grandes, elas chegam a manter linhas fictícias entre muitas cidades, que diariamente são “canceladas” por falta de passageiros. Mas como oficialmente o vôo “existe”, elas mantém a concessão. E ninguém mais entra, mesmo que queira fazer vôos de verdade e não somente no painel de embarque/desembarque.
Abraços

Bruno Rocha

Já são 14:00 (2 da tarde), já começou

Roberto CR

Sem querer colocar água no choop mas a aeronave da foto não é um Fockker do mesmo modelo que teve problemas com o reverso e caiu anos atrás em SP? Esse avião não sumiu do mercado? Ou eu estou errado?

Roberto CR

Ai povo, viajei na batatinha no meu último comentário

Cristina

Não Roberto, o que aparece na foto é um LET410.

João Curitiba

Caro Roberto CR

O Fokker que caiu em SP era um Fokker 100. O Fokker parecido (mas com o dobro da capacidade) com este LET 410 é o Fokker 42, turbohélice.
O Fokker 42 talvez ainda esteja sendo operado por alguma empresa regional. Não sei ao certo.
O Fokker 100 ainda é utilizado pela TAM, mas com data final de devolução de todos eles.
Outra empresa que usa o Fokker 100 é a Ocean Air, mas para não dizer que se trata de F 100, devido ao fatídico acidente que você citou, eles chamam a aeronave de MK 28.

Marcos Pesado

Caro João, acho que o Fokker turbohélice que tu fazes referência é o 50, evolução do 27.

SDS

João Curitiba

Prezado Marcos Pesado

Você está certo. Confundi com o ATR 42. Pra quem não vive o dia a dia do meio aeronáutico, só pode dar em confusão mesmo.

Abraços e obrigado pela correção.

Reportagens especiais

O Rafale apresentado por quem entende

O Poder Aéreo participou de uma coletiva com a imprensa especializada fornecida pela Dassault Aviation na LAAD 2009. A exposição...
- Advertisement -
- Advertisement -