quarta-feira, maio 12, 2021

Gripen para o Brasil

Primeiro disparo de alta energia, em voo, do ABL – Airborne Laser

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

abl-foto-mda

A Boeing, seus parceiros industriais e a Agência para Defesa de Mísseis dos EUA (U.S. U.S. Missile Defense Agency – MDA) realizaram um disparo bem-sucedido, de alta energia, do Laser Aerotransportado (ABL – Airborne Laser). Trata-se da primeira vez em que esse tipo de disparo de alta energia é realizado em voo, com a aeronave Boeing 747-400F especialmente modificada para esta finalidade.

O disparo, que ocorreu no último dia 18 de agosto, aproximou mais o projeto de uma futura demonstração de capacidade de destruição de mísseis, segundo a empresa. A aeronave decolou da Base Aérea de Edwards e realizou o disparo de alta energia enquanto voava sobre o deserto da Califórnia (EUA). O laser foi disparado em um medidor de calor (calorímetro) levado a bordo, que capturou o raio e mediu sua força.

A intenção do programa é realizar, até o final do ano, um teste de destruição de um míssil balístico durante sua fase de aceleração. Os próximos passos, até chegar a esse tiro de destruição, consistem em disparar o laser de alta energia, (classe dos megawatts) para fora da aeronave, através da torreta de disparo instalada no nariz do 747, empregando o sistema de controle de tiro.  A cada novo teste, alvos cada vez mais difíceis serão engajados, até se chegar ao míssil balístico.

FONTE: Boeing / FOTO: Missile Defense Agency (MDA)

SAIBA MAIS:

- Advertisement -

50 Comments

Subscribe
Notify of
guest
50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alecsander

Senhores, isso mostra que nossa tecnologia esta ficando cada dia que passa, mais e mais parecida com a dos filmes de ficção cientifica, ai fai um video sobre o ABL – Airborne Laser.

http://www.youtube.com/watch?v=6w-ql8msl0U

Um grande abraço.

Marcelo Tadeu

Daí para os torpedos de fotons é um pulo!

Bruno Correia

Poderiamos comprar alguns x-wing, para o fx-2. rsrs

ExV.Emanuel

Mas oq esse equipamento utiliza para detectar o alvo?
Radar, Flir, seja oq for, também estaria vulneravel as contra-medidas eu creio. Mas por ser continuo deve ser mais interessante que um missel.

Fernando Cabral

Muito interessante, talvez essa seja a primeira tecnologia militar que não é uma evolução de projetos alemães de meados do século XX.

P.S.: Será que a Leutnant Hurrura faz parte da tripulação?

Andre de POA

Técnicamente falando vejo problemas gigantescos a serem resolvidos tanto na parte de engenharia de produto quanto a na parte de física aplicada. Os fotons todos sabem que são praticamente instantaneos mas o detect, processamento, mecânica fina e questões como altitude, atmosfera e distancia interferem de forma relevante no resultado final. O uso de laser como arma vem desde o tempo da era REAGAN com o seu guerra nas estrelas e o unico ensaio que eu soube que teve sucesso foi contra um alvo fixo no solo de um satelite estacionario e não “explodiu” instantaneamente demonstrando as imensas barreiras tecnológicas a… Read more »

Rodrigo

Andre de POA, essa arma é para abater mísseis balísticos, como os que a Coréia do Norte e o Iran estão desenvolvendo; uma arma dessas operacional jogaria no lixo o poder de chantagem nuclear desses 2 países.

Tomahawks são misseis de cruzeiro, não tem tragetoria balistica e “voam como aviões”; não sendo o alvo dessa tecnologia.

Quanto a questão de abater alvos que transportam artefatos QNB, pense em uma situação em que você só tem duas escolhas, prefere que morram inocentes em seu país ou no do inimigo?

Márcio

O que impediria o fabricante de misseis e criar versões que giram no próprio eixo pra dissipar o calor ou revesti-los de espelhos prismáticos(que refletem a luz pra o ponto de origem independente do ângulo)?pelo menos agora me parece somente mais uma daquelas idéias em que se enterram muita grana e a gente nunca vê funcionar…
Em tempo espelho prismático é usado na industria para refletir sinais de sensores infravermelhos…

Bosco

ExV.Emanuel,
o alerta se daria primeiro através de satélites que detectariam o disparo do míssil e de radares aéreos e baseados no solo que podem tanto confirmar o alerta como fazer o acompanhamento dos mísseis.
Toda essa informação seria passada via data-link para que o acompanhamento se desse pelo sistema IRST e por um sistema laser telemétrico.
O disparo do laser de alta energia se dá na fase inicial da trajetória a grande altitude onde os motores ainda estão em funcionamento para que o combustível do mesmo se incendei.

Bosco

Márcio,
em geral os mísseis balísticos já usam o artifício de girarem por outros motivos e sua superfície já são convexas, espelhadas ou brancas, propícias a refletirem um feixe de laser, mas um feixe dessa magnitude deve concentrar uma quantidade de energia impossível de ser dissipada por esses meios convencionais.
Eu acho.
Um abraço.

Bruno Rocha

Os americanos são seres muito engraçados mesmo pessoal. Ele tem o “direito” de terem a arma que quiserem sem dar satisfação para o resto do mundo e nem mesmo a ONU. E por falar em ONU. Parece que os Estados Unidos são donos da mesma. Fato facilmente comprovado. Veja as promessas que os EUA fazem ao Brasil e a paises onde eles tem algum interesse militar estratégico. Prometem favorecimentos políticos especiais(algo bem suspeito). Para aqueles que não lembram, vão lembrar agora. A alguns anos, os EUA noticiaram o interesse em desenvolverem uma arma LASER que poderia ter o potencial de… Read more »

KFonseca

Haveria tempo para um Boeing ABL (airbone laiser, acho que é assim que eles chamam) interceptar um ICBM? Afinal, tem que contar que, após lançado, o míssel teria que ser identificado, rastreado, e o avião guiado para sua trajetório até onde um ponto de interceptação seria possível.

Bem, os EUA têm um tamanho continental, fora seus outros territórios (ilhas, alaska, etc). Eles teriam que ter divisões desses aviões espalhados, e para ser mais efetivo, imagino que os boeings já deveria estar no ar. Se é assim, então esquece.

KFonseca

E se eles entrassem em guerra com outra superpotência, como a Rússia, cheia de ICBMs para jogar neles? Eles iam detectar o lançamento deles como, satélites? A primeira coisa que eu faria numa guerra contra os americanos seria tirar do ar todos seus satélites. A Rússia, como os states, tem mísseis ASAT (Anti-Satelite). Porém nao sei se esses tal de ASAT sao mesmo efetivos ou nao…

Cor Tau

O futuro está oculto atrás dos homens que o fazem……………….

Bosco

KFonseca, a intenção do programa anti-míssil americano hoje em dia diz respeito a conter um ataque de baixa intensidade, geralmente de um país ‘pária’. Em geral o ABL será usado contra mísseis táticos e de curto alcance (até 1000 km) e ele seria enviado para ficar orbitando a área quente perto da fronteira até que os lançadores fossem destruídos, ou seja, nos momentos iniciais de um conflito. Uma guerra generalizada dos russos contra os americanos é impensável hoje em dia. Se os russos atacarem os satélites americanos haveria uma resposta a altura. Os americanos têm metade dos satélites em órbita… Read more »

Bosco

Contra um ataque maciço de ICBMs russos a única resposta é o contra ataque nuclear. O sistema de defesa anti-balístico americano não está sendo projetado para isso. A ‘dissuasão nuclear’ continua sendo a principal defesa, embora é claro sem a neurose da época da Guerra Fria em que a palavra de ordem era a ‘Destruição mútua assegurada’ (MAD).
Um abraço.

KFonseca

Bosco, vc me atualizou qto ao uso atual do ABL.
Obrigado!

RAF

Eu acompanho o blog a algum tempo, mas não tenho comentado muito.
Mas Bosco parabéns cara tu sabes muito dessa area, trabalhas no pentagono ou alguma coisa assim?
Quem sabe, é um engenheiro aeronautico?

Andre de POA

rodrigo: “Tomahawks são misseis de cruzeiro, não tem tragetoria balistica e “voam como aviões”; não sendo o alvo dessa tecnologia.” Andre: foi exatamente o que escrevi. Rodrigo: “Quanto a questão de abater alvos que transportam artefatos QNB, pense em uma situação em que você só tem duas escolhas, prefere que morram inocentes em seu país ou no do inimigo?” Andre: Em nenhum dos dois, essa é uma forma tacanha de pensar. Neste ponto Israel leva vantagem.. se o iraque ou a siria pensam em AN então vai lá destroi a estrutura e pronto! Não é assim para reconstruir essas estruturas.… Read more »

Rodrigo

Obrigado pelo tacanho

Rodrigo

Não existem apenas sensores como radares, satélites ou IRST para detectar o lançamento de um missil; talvez o mais importante seria a “inteligência”, pois o ataque seria precedido de certa movimentação de meios e pessoal, sendo visíveis ao pessoal em campo.

Mesmo o mais fechado regime é sujeito a infiltração, isso sem falar de dissidentes. Como vocês acham que Israel consegue responder rapidamente aos ataques de Qassam em Gaza, retaliando quase que imediatamente?

Bosco

O ABL é apenas um elemento do ‘escudo anti-míssil’ americano que contempla uma defesa que leva em conta desde mísseis táticos até os ICBMs. O ‘escudo’ é pensado em ‘camadas’. Existem as armas apropriadas para destruir um míssil balístico na fase inicial. Um exemplo é o ABL, mas existem outras, como o lançamento de mísseis antimísseis a partir de caças (NCADE, PAC-3, THAAD) e de plataformas terrestres (KEI, Standard SM3). A futura instalação do KEI (interceptador cinético) na Europa é que tem sido motivo de polêmica com a Rússia. Outros mísseis seriam usados na fase intermediária que vai desde o… Read more »

Henrique Sousa

Equipamentos de astronomia utilizam um procedimento que pode ser utilizado para apontar no alvo este ABL.

É uma estrela “virtual” formada pela reflexão de um feixe laser na alta atmosfera; acompanhando as distorções desta reflexão os equipamentos conseguem “compensar” as variações atmosféricas.

Não que eu acho que precisem, a tubeira de um foguete e sua flama são objetos bem identificáveis.

Outro ponto e que a densidade da atmosfera onde este equipamento vai operar e bem menor que ao nível do mar (a 15km temos cerca de 10% do nível do mar).

Bosco

Rodrigo, sem dúvida! Mas do ponto de vista tático essa ‘movimentação’ provavelmente seria primeiro detectada por aeronaves dotadas de radares de vigilância do ‘chão’ como o E-8 americano. Essa aeronave acionaria os meios para tentar destruir os lançadores antes que os mísseis fossem disparados. Esses ‘meios’ são caças e UAVs ‘orbitando’ na área. No futuro existirão outros recursos para atacar os lançadores, como por exemplo ‘enxames’ de UAVs suicidas que ficarão ‘vadiando’ por até semanas dentro do território inimigo a espera da ordem de atacar esses ‘alvos de tempo crítico’ que precisam ser destruídos em questão de minutos após serem… Read more »

sonic wings

Srs. o futuro dos nossos armamentos estão passando por grandes alterações. Outro armamento não letal já operacional nas FA´s americanas é o direcionador de som, que trabalha em uma frequencia sonora mais alta e direcionada é capaz de atordoar uma pessoa no meio do conflito sem maiores danos colaterais.

Abs

Alecsander

Senhores, isso mostra que nossa tecnologia esta ficando cada dia que passa, mais e mais parecida com a dos filmes de ficção cientifica, ai fai um video sobre o ABL – Airborne Laser.

http://www.youtube.com/watch?v=6w-ql8msl0U

Um grande abraço.

sonic wings

Srs. o futuro dos nossos armamentos estão passando por grandes alterações. Outro armamento não letal já operacional nas FA´s americanas é o direcionador de som, que trabalha em uma frequencia sonora mais alta e direcionada é capaz de atordoar uma pessoa no meio do conflito sem maiores danos colaterais.

Abs

Fernando Cabral

Muito interessante, talvez essa seja a primeira tecnologia militar que não é uma evolução de projetos alemães de meados do século XX.

P.S.: Será que a Leutnant Hurrura faz parte da tripulação?

Andre de POA

Técnicamente falando vejo problemas gigantescos a serem resolvidos tanto na parte de engenharia de produto quanto a na parte de física aplicada. Os fotons todos sabem que são praticamente instantaneos mas o detect, processamento, mecânica fina e questões como altitude, atmosfera e distancia interferem de forma relevante no resultado final. O uso de laser como arma vem desde o tempo da era REAGAN com o seu guerra nas estrelas e o unico ensaio que eu soube que teve sucesso foi contra um alvo fixo no solo de um satelite estacionario e não “explodiu” instantaneamente demonstrando as imensas barreiras tecnológicas a… Read more »

Rodrigo

Andre de POA, essa arma é para abater mísseis balísticos, como os que a Coréia do Norte e o Iran estão desenvolvendo; uma arma dessas operacional jogaria no lixo o poder de chantagem nuclear desses 2 países.

Tomahawks são misseis de cruzeiro, não tem tragetoria balistica e “voam como aviões”; não sendo o alvo dessa tecnologia.

Quanto a questão de abater alvos que transportam artefatos QNB, pense em uma situação em que você só tem duas escolhas, prefere que morram inocentes em seu país ou no do inimigo?

Andre de POA

rodrigo: “Tomahawks são misseis de cruzeiro, não tem tragetoria balistica e “voam como aviões”; não sendo o alvo dessa tecnologia.” Andre: foi exatamente o que escrevi. Rodrigo: “Quanto a questão de abater alvos que transportam artefatos QNB, pense em uma situação em que você só tem duas escolhas, prefere que morram inocentes em seu país ou no do inimigo?” Andre: Em nenhum dos dois, essa é uma forma tacanha de pensar. Neste ponto Israel leva vantagem.. se o iraque ou a siria pensam em AN então vai lá destroi a estrutura e pronto! Não é assim para reconstruir essas estruturas.… Read more »

Rodrigo

Obrigado pelo tacanho

Rodrigo

Não existem apenas sensores como radares, satélites ou IRST para detectar o lançamento de um missil; talvez o mais importante seria a “inteligência”, pois o ataque seria precedido de certa movimentação de meios e pessoal, sendo visíveis ao pessoal em campo.

Mesmo o mais fechado regime é sujeito a infiltração, isso sem falar de dissidentes. Como vocês acham que Israel consegue responder rapidamente aos ataques de Qassam em Gaza, retaliando quase que imediatamente?

Marcelo Tadeu

Daí para os torpedos de fotons é um pulo!

Bruno Correia

Poderiamos comprar alguns x-wing, para o fx-2. rsrs

ExV.Emanuel

Mas oq esse equipamento utiliza para detectar o alvo?
Radar, Flir, seja oq for, também estaria vulneravel as contra-medidas eu creio. Mas por ser continuo deve ser mais interessante que um missel.

Márcio

O que impediria o fabricante de misseis e criar versões que giram no próprio eixo pra dissipar o calor ou revesti-los de espelhos prismáticos(que refletem a luz pra o ponto de origem independente do ângulo)?pelo menos agora me parece somente mais uma daquelas idéias em que se enterram muita grana e a gente nunca vê funcionar…
Em tempo espelho prismático é usado na industria para refletir sinais de sensores infravermelhos…

Bosco

ExV.Emanuel,
o alerta se daria primeiro através de satélites que detectariam o disparo do míssil e de radares aéreos e baseados no solo que podem tanto confirmar o alerta como fazer o acompanhamento dos mísseis.
Toda essa informação seria passada via data-link para que o acompanhamento se desse pelo sistema IRST e por um sistema laser telemétrico.
O disparo do laser de alta energia se dá na fase inicial da trajetória a grande altitude onde os motores ainda estão em funcionamento para que o combustível do mesmo se incendei.

Bosco

Márcio,
em geral os mísseis balísticos já usam o artifício de girarem por outros motivos e sua superfície já são convexas, espelhadas ou brancas, propícias a refletirem um feixe de laser, mas um feixe dessa magnitude deve concentrar uma quantidade de energia impossível de ser dissipada por esses meios convencionais.
Eu acho.
Um abraço.

Bruno Rocha

Os americanos são seres muito engraçados mesmo pessoal. Ele tem o “direito” de terem a arma que quiserem sem dar satisfação para o resto do mundo e nem mesmo a ONU. E por falar em ONU. Parece que os Estados Unidos são donos da mesma. Fato facilmente comprovado. Veja as promessas que os EUA fazem ao Brasil e a paises onde eles tem algum interesse militar estratégico. Prometem favorecimentos políticos especiais(algo bem suspeito). Para aqueles que não lembram, vão lembrar agora. A alguns anos, os EUA noticiaram o interesse em desenvolverem uma arma LASER que poderia ter o potencial de… Read more »

KFonseca

Haveria tempo para um Boeing ABL (airbone laiser, acho que é assim que eles chamam) interceptar um ICBM? Afinal, tem que contar que, após lançado, o míssel teria que ser identificado, rastreado, e o avião guiado para sua trajetório até onde um ponto de interceptação seria possível.

Bem, os EUA têm um tamanho continental, fora seus outros territórios (ilhas, alaska, etc). Eles teriam que ter divisões desses aviões espalhados, e para ser mais efetivo, imagino que os boeings já deveria estar no ar. Se é assim, então esquece.

KFonseca

E se eles entrassem em guerra com outra superpotência, como a Rússia, cheia de ICBMs para jogar neles? Eles iam detectar o lançamento deles como, satélites? A primeira coisa que eu faria numa guerra contra os americanos seria tirar do ar todos seus satélites. A Rússia, como os states, tem mísseis ASAT (Anti-Satelite). Porém nao sei se esses tal de ASAT sao mesmo efetivos ou nao…

Cor Tau

O futuro está oculto atrás dos homens que o fazem……………….

Bosco

KFonseca, a intenção do programa anti-míssil americano hoje em dia diz respeito a conter um ataque de baixa intensidade, geralmente de um país ‘pária’. Em geral o ABL será usado contra mísseis táticos e de curto alcance (até 1000 km) e ele seria enviado para ficar orbitando a área quente perto da fronteira até que os lançadores fossem destruídos, ou seja, nos momentos iniciais de um conflito. Uma guerra generalizada dos russos contra os americanos é impensável hoje em dia. Se os russos atacarem os satélites americanos haveria uma resposta a altura. Os americanos têm metade dos satélites em órbita… Read more »

Bosco

Contra um ataque maciço de ICBMs russos a única resposta é o contra ataque nuclear. O sistema de defesa anti-balístico americano não está sendo projetado para isso. A ‘dissuasão nuclear’ continua sendo a principal defesa, embora é claro sem a neurose da época da Guerra Fria em que a palavra de ordem era a ‘Destruição mútua assegurada’ (MAD).
Um abraço.

KFonseca

Bosco, vc me atualizou qto ao uso atual do ABL.
Obrigado!

RAF

Eu acompanho o blog a algum tempo, mas não tenho comentado muito.
Mas Bosco parabéns cara tu sabes muito dessa area, trabalhas no pentagono ou alguma coisa assim?
Quem sabe, é um engenheiro aeronautico?

Bosco

O ABL é apenas um elemento do ‘escudo anti-míssil’ americano que contempla uma defesa que leva em conta desde mísseis táticos até os ICBMs. O ‘escudo’ é pensado em ‘camadas’. Existem as armas apropriadas para destruir um míssil balístico na fase inicial. Um exemplo é o ABL, mas existem outras, como o lançamento de mísseis antimísseis a partir de caças (NCADE, PAC-3, THAAD) e de plataformas terrestres (KEI, Standard SM3). A futura instalação do KEI (interceptador cinético) na Europa é que tem sido motivo de polêmica com a Rússia. Outros mísseis seriam usados na fase intermediária que vai desde o… Read more »

Henrique Sousa

Equipamentos de astronomia utilizam um procedimento que pode ser utilizado para apontar no alvo este ABL.

É uma estrela “virtual” formada pela reflexão de um feixe laser na alta atmosfera; acompanhando as distorções desta reflexão os equipamentos conseguem “compensar” as variações atmosféricas.

Não que eu acho que precisem, a tubeira de um foguete e sua flama são objetos bem identificáveis.

Outro ponto e que a densidade da atmosfera onde este equipamento vai operar e bem menor que ao nível do mar (a 15km temos cerca de 10% do nível do mar).

Bosco

Rodrigo, sem dúvida! Mas do ponto de vista tático essa ‘movimentação’ provavelmente seria primeiro detectada por aeronaves dotadas de radares de vigilância do ‘chão’ como o E-8 americano. Essa aeronave acionaria os meios para tentar destruir os lançadores antes que os mísseis fossem disparados. Esses ‘meios’ são caças e UAVs ‘orbitando’ na área. No futuro existirão outros recursos para atacar os lançadores, como por exemplo ‘enxames’ de UAVs suicidas que ficarão ‘vadiando’ por até semanas dentro do território inimigo a espera da ordem de atacar esses ‘alvos de tempo crítico’ que precisam ser destruídos em questão de minutos após serem… Read more »

Reportagens especiais

Avro Canada CF-105 Arrow, um sonho interrompido

Por Luiz Reis*, especial para o Poder Aéreo Na aviação, muitos projetos considerados promissores acabam sendo cancelados, não por causa...
- Advertisement -
- Advertisement -