sábado, abril 17, 2021

Gripen para o Brasil

Array

Cancelado de vez o projeto do EB-52H

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Versão do bombardeiro seria o substituto natural do EF-111

b52_bomber

A USAF cancelou pela segunda vez o programa do EB-52H, agora em definitivo. O motivo alegado foi a falta de fundos para financiar o programa. O mesmo já havia acontecido em 2005, mas foi “ressuscitado” em 2007.

O programa EB-52H previa a modificação de 16 aeronaves B-52H para atuarem como plataformas aéreas de guerra eletrônica (EW), executando um papel semelhante ao desenvolvido pelos antigos EF-111 Raven. A proposta existe a mais de uma década e em 2002 o projeto foi considerado prioritário, tento o B-52 como plataforma central.

Segundo a USAF os custos do programa chegaram aos proibitivos sete bilhões de dólares, embora algumas fontes na indústria aeroespacial acreditam que o valor real seja metade disto.

Como forma de tapar a lacuna, a USAF pretende modernizar a frota de Lockheed Martin EC-130ECH Compass Call (aproximadamente 14 aeronaves), e incluir a capacidade de Medidas de Ataque Eletrônico (MAE). As aeronaves “Compass Call” são plataformas aéreas baseadas no tradicional Hercules dedicadas à guerra eletrônica, incluindo C3CM (Command and Control Communications Countermeasures).

FOTO: USAF

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Jacubão

Acho indrível essas aeronaves voarem a pelomenos uns 50 anos, eu acho, são magníficos e valiosos tanto que queriam aproveitar sua plataforma para essa função. Por quanto tempo será que esses majestosos bombardeiros continuarão sendo vistos pelos céus?

Dalton

Acredite se quiser jacubao…

Mas devem continuar voando ainda por mais 20 anos !!

Mas o mais espantoso é que o B52 mantem uma taxa de disponibilidade maior que a do B1 que é mais moderno, ou seja, na hora que o bicho pega, 80% dos B52 podem ser utilizados enquanto que apenas cerca de
50% dos B1 podem ser utilizados.

Dos 20 B2 disponiveis apenas 6 em media estao prontos para açao imediata.

abraços

Zero Uno

Incrível também é a logevidade dos C130…

Edmar

O Brasil poderia comprar pelo menos uns 4 destes aviões e modernizalos aqui mesmo, já que o EUA já não vai mais usar.

Jacubão

Os americanos “nunca” venderiam esses bombardeiros para o Brasil, sem falar que não teriam ultilidades p/ nós usarmos um avião desse com bombas convencionais. Eles só fazem os ataques quando toda as defesas AAA do inimigo foi aniquilada, senão seriam alvos fáceis.
Outra, um avião desse em duas surtidas, iriam esvaziar os paióis de bombas da FAB, hehehehehe.

Zero Uno

Sou mais o Tu-95 ou o Tu-142… Os turbo-hélices mais velozes de todos os tempos…

Zero Uno

Só como curiosidade para aqueles que acham que a frota russa está caindo aos pedaços.

Os Tu95/142 mais usados nos esquadrões de ataque estratégicos da Rússia têm no máximo 20 anos de uso.

E ainda estão saindo novos das linhas de montagem…

Abraços.

clêuber

O poderio americano vai decair muito nos próximos anos!Programas tidos como prioritários estão sendo cancelados ou drasticamente reduzidos.A exemplo dos EB-52H, os F-22 raptor poderão e deveram ter o mesmo destino!Que venha os novos tempos em que os EUA terão de ponderar MUITO EM SUAS AÇÕES!O império esta fortemente estremecido!E muitos chamam os bombardeiros etratégicos como os Tu95 e 142 de sucatas voadoras, então o que faz dos B-52 mais novos do que os mesmos já que estão a quase 50 anos em atividade?RSRSR
Abraços

Dalton

Zero,

Vc tem certeza que estao saindo Tu95 novos da linha de montagem?

Pelo que li a produçao deles assim como do B52 já foram encerrados faz tempo.

abraços

Zero Uno

Não Dalton.

Não estou enganado não. Nem o Tu22 saiu de linha também. Ambos estão sendo construídos só que num passo mais lento do que costumava ser. É que os Rússos ainda consideram – acertadamente – que esses aviões ainda são indispensáveis para as ameaças presentes e futuras…

Abraços.

Vassili Zaitsev

Até onde eu saiba, os russos não recebem bombardeiros pesados novos de fábrica faz um tempão, algo como 1990.

Zero Uno

Ok Pessoal.

Quando estiver – possívelmente amanhã – com as reportagens sobre os Tu95/142 e Tu22 nas mãos, eu posto aqui com os devidos créditos ok?

Abraços.

Dalton

Ok Zero,

Será novidade para mim, estarem ainda em produçao pois até onde sei estavam sendo modernizados, retirados dos estoques da antiga URSS.

E sim, sao avioes respeitaveis mesmo hoje em dia.

abraços e fico no aguardo, nao duvidando de voce, apenas querendo aprender mais.

Bosco

187 F-22 valem por 800 F-15.

Jacubão,
o B-52 utiliza muitas armas stand-off e não somente bombas burras.
Eles já usaram os mísseis Popeye israelenses, os ALCM, os ACM e continuam usando os CALCM e os Harpoons e provavelmente irão usar os JASSM-ER.
Quanto às bombas guiadas eles usam as JDAM, a GBU-15 e a WCMD. Acho que usam as bombas planadoras JSOW também.
Além disso pdem lançar as bombas nucleares B-61 e B-83.
Um abraço.

Bosco

Quanto à capacidade de guerra eletrônica ofensiva eu acho que há um “convênio” entre a USAF e a USN para operarem em conjunto os EA-6 que agora estão sendo substituídos pelos F-18G. A doutrina de ataque aéreo americana prevê um mix de aeronaves stealth, aeronaves convencionais fazendo uso intensivo de EW e de armamento stand-off capaz de ser lançado fora do alcance dos sistemas defensivos. A falta de uma aeronave dedicada de guerra eletrônica, função crucial, dando apoio às operações ofensivas sinaliza ao meu ver que a USAF está precisando menos delas, tanto devido ao F-22 que acabará sendo usado… Read more »

Jacubão

Acho indrível essas aeronaves voarem a pelomenos uns 50 anos, eu acho, são magníficos e valiosos tanto que queriam aproveitar sua plataforma para essa função. Por quanto tempo será que esses majestosos bombardeiros continuarão sendo vistos pelos céus?

Dalton

Acredite se quiser jacubao…

Mas devem continuar voando ainda por mais 20 anos !!

Mas o mais espantoso é que o B52 mantem uma taxa de disponibilidade maior que a do B1 que é mais moderno, ou seja, na hora que o bicho pega, 80% dos B52 podem ser utilizados enquanto que apenas cerca de
50% dos B1 podem ser utilizados.

Dos 20 B2 disponiveis apenas 6 em media estao prontos para açao imediata.

abraços

Zero Uno

Incrível também é a logevidade dos C130…

Edmar

O Brasil poderia comprar pelo menos uns 4 destes aviões e modernizalos aqui mesmo, já que o EUA já não vai mais usar.

Jacubão

Os americanos “nunca” venderiam esses bombardeiros para o Brasil, sem falar que não teriam ultilidades p/ nós usarmos um avião desse com bombas convencionais. Eles só fazem os ataques quando toda as defesas AAA do inimigo foi aniquilada, senão seriam alvos fáceis.
Outra, um avião desse em duas surtidas, iriam esvaziar os paióis de bombas da FAB, hehehehehe.

Zero Uno

Sou mais o Tu-95 ou o Tu-142… Os turbo-hélices mais velozes de todos os tempos…

Zero Uno

Só como curiosidade para aqueles que acham que a frota russa está caindo aos pedaços.

Os Tu95/142 mais usados nos esquadrões de ataque estratégicos da Rússia têm no máximo 20 anos de uso.

E ainda estão saindo novos das linhas de montagem…

Abraços.

clêuber

O poderio americano vai decair muito nos próximos anos!Programas tidos como prioritários estão sendo cancelados ou drasticamente reduzidos.A exemplo dos EB-52H, os F-22 raptor poderão e deveram ter o mesmo destino!Que venha os novos tempos em que os EUA terão de ponderar MUITO EM SUAS AÇÕES!O império esta fortemente estremecido!E muitos chamam os bombardeiros etratégicos como os Tu95 e 142 de sucatas voadoras, então o que faz dos B-52 mais novos do que os mesmos já que estão a quase 50 anos em atividade?RSRSR
Abraços

Dalton

Zero,

Vc tem certeza que estao saindo Tu95 novos da linha de montagem?

Pelo que li a produçao deles assim como do B52 já foram encerrados faz tempo.

abraços

Zero Uno

Não Dalton.

Não estou enganado não. Nem o Tu22 saiu de linha também. Ambos estão sendo construídos só que num passo mais lento do que costumava ser. É que os Rússos ainda consideram – acertadamente – que esses aviões ainda são indispensáveis para as ameaças presentes e futuras…

Abraços.

Vassili Zaitsev

Até onde eu saiba, os russos não recebem bombardeiros pesados novos de fábrica faz um tempão, algo como 1990.

Zero Uno

Ok Pessoal.

Quando estiver – possívelmente amanhã – com as reportagens sobre os Tu95/142 e Tu22 nas mãos, eu posto aqui com os devidos créditos ok?

Abraços.

Dalton

Ok Zero,

Será novidade para mim, estarem ainda em produçao pois até onde sei estavam sendo modernizados, retirados dos estoques da antiga URSS.

E sim, sao avioes respeitaveis mesmo hoje em dia.

abraços e fico no aguardo, nao duvidando de voce, apenas querendo aprender mais.

Bosco

187 F-22 valem por 800 F-15.

Jacubão,
o B-52 utiliza muitas armas stand-off e não somente bombas burras.
Eles já usaram os mísseis Popeye israelenses, os ALCM, os ACM e continuam usando os CALCM e os Harpoons e provavelmente irão usar os JASSM-ER.
Quanto às bombas guiadas eles usam as JDAM, a GBU-15 e a WCMD. Acho que usam as bombas planadoras JSOW também.
Além disso pdem lançar as bombas nucleares B-61 e B-83.
Um abraço.

Bosco

Quanto à capacidade de guerra eletrônica ofensiva eu acho que há um “convênio” entre a USAF e a USN para operarem em conjunto os EA-6 que agora estão sendo substituídos pelos F-18G. A doutrina de ataque aéreo americana prevê um mix de aeronaves stealth, aeronaves convencionais fazendo uso intensivo de EW e de armamento stand-off capaz de ser lançado fora do alcance dos sistemas defensivos. A falta de uma aeronave dedicada de guerra eletrônica, função crucial, dando apoio às operações ofensivas sinaliza ao meu ver que a USAF está precisando menos delas, tanto devido ao F-22 que acabará sendo usado… Read more »

Reportagens especiais

Poder Aéreo nos Estados Unidos: Fort Worth Aviation Museum – parte 1

Alexandre Galante Enviado especial Preservar, Inspirar e Educar é a missão do Fort Worth Aviation Museum (FWAM), localizado no norte do...
- Advertisement -
- Advertisement -