segunda-feira, maio 10, 2021

Gripen para o Brasil

F-35 Lightining II completa testes em Edwards

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O protótipo F-35 Joint Strike Fighter AA-1 completou uma série de testes em 23 de outubro, em Edwards.
Os testes validaram a aeronave na capacidade de parar e reiniciar o motor em vôo, garantindo a recuperação  em caso de “flame-out”.

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Paulo Costa

Com certeza o teste deve ser feito antes em terra,se algo
der errado,o prototipo de testes não vai se acidentar.
Ainda é um problema em determinadas situações,em que ha perda
do fluxo do compressor….

Luiz Marcelo

Como a crise econômica poderá afetar este projeto? Já vimos no passado projetos serem abortados pelo direcionamento do dinheiro/recursos para a economia real e para assistência as Famílias Americanas. Ele já considerado um projeto maior e mais caro que o do Raptor F22.

Bosco

Esta aeronave será o divisor de águas da aviação de caça, como o foram a metralhadora que atirava por entre as pás das hélices na PGM, o motor à jato e a conquista da barreira supersônica. Dentro de alguns anos vários países terão acesso (mesmo que restrito) a um avião de combate genuinamente Stealth, que até agora é um item exclusivo das forças armadas americanas. As conseqüências da generalização desta tecnologia altamente sensível são imprevisíveis e com certeza irão moldar, juntamente com a tecnologia UAV e o conceito de “guerra centrada em redes”, a forma de se combater no futuro… Read more »

Cinquini

Eu acho que vai sair mais barato desenvolver um “vírus” para derrubar essas armas “ligadas em rede” do que tentar construir algo que entre em combate de igual para igual.

Luiz Marcelo

O Aerodromo da foto (link abaixo) é o Foch ou Charles d`Gaule?
http://frenchnavy.free.fr/aircraft/rafale/images/rafale-014.JPG

Vassily Zaitsev

Bosco,

acho que essa restrição incluirá um pouco da capacidade ” furtiva”. os americanos não irão fornecer, nem mesmo aos seus parceiros estratégicos toda sua tecnologia. Eles que se contentem com om F-35 “low”. O filé mesmo ficará na América,…………….

do Norte, é claro.

Cinquini

Luiz Marcelo, salvo engano é o Foch

Bosco

Vassily,
sem dúvida!
Mas mesmo com esta capacidade meio “deteriorada” vai ser interessante ver o que vem por aí.
Sem falar que os europeus (incluindo os do leste), embora atrasados uns 15 anos em relação aos americanos, já possuem uma tecnologia “furtiva” própria.
Os próximos mísseis antiaéreos com certeza terão sistemas de orientação terminal duplo ou mesmo triplo (radar, IIR e Ladar) para continuarem eficientes contra estas ameaças “invisíveis”.
Um abraço.

Nunão

F de Foch.

Luiz Marcelo

O NAe São Paulo poderia muito bem operar o Rafale, uma solução simples seria dotá-lo de uma rampa de impulsão, aos moldes do Hermes, e das Naves Russas. Acho que temos esta capacidade em nossos estaleiros de reformá-lo. Poderia ficar em operação por muito tempo.

Luiz Marcelo

Caso o FX2 se concretize, observe no vídeo abaixo a avant premiere do novo vetor da FAB. O melhor, produzido na Embraer.

http://www.youtube.com/watch?v=g8jqB0ziG98&feature=related

Hornet

Caro Luiz Marcelo,

belo vídeo. Esse eu ainda não tinha visto no Youtube. Muito bonito mesmo. Só não consegui identificar qual o é modelo do Rafale, no vídeo…vc conseguiu?

Se a FAB vier mesmo a voar o Rafale, estaremos bem na foto.

um forte abraço

Hornet

Sobre o F-35 e demais caças furtivos, só tenho uma dúvida que gostaria de dividir com os amigos do Blog: e quando os radares de baixa frequência se tornarem mais eficientes, será que a furtividade e os bilhões gastos nestes projetos não vão virar fumaça? É uma dúvida mesmo, não estou afirmando nada…Claro que o F-35 (assim como o F-22) não é “só” a furtividade, mas de qualquer modo a furtividade é sempre um diferencial quando o assunto são esses caças, não concordam? achei um site na internet sobre radares anti-furtividade, não sei se os amigos conhecem, o link é… Read more »

Nelson Lima

Enche os olhos. Já salvei minha foto para por como papel de parede junto com o nosso bicudo f5M.Passado, presente e futuro gloriosos da caça.Traço um paralelo sobre o fascinios que as forças aéreas possuem em adquirir o JSF com a atrção que o e-phome exerce sobre o consumidor.Entra-se em uma fila, usa-se um cartão de crédito e depois começasse a usar o brinquedo no meio dessa crise mundial sem saber como se vai pagar

Bosco

Hornet, no meu modo de entender, longe de ser um desenvolvimento heterodoxo e excepcional, a “furtividade” foi sim um desenvolvimento progressivo e lógico. Quem em sã consciência quer ser visto no campo de batalha? Se a “assinatura” radar, térmica, emissão de RF, visual e sonora de uma aeronave de combate pode ser reduzida, por que não fazê-lo? Se raciocinarmos de modo a que uma tecnologia não deva ser posta em prática porque logo será superada por outra e se tornar obsoleta e até mesmo inútil, não teríamos avanços em nenhuma área militar. O canhão dos caças foi superado pelo míssil… Read more »

Bosco

correção:
“elevarão” e não “elevaram”

Bosco

Hoje em dia, mesmo com o uso generalizado de câmeras de imagem térmica portáteis capazes de detectar um homem a 4 km, não seria justificável que um infante fosse combater sem estar com um traje camuflado no espectro visual. O mesmo acontece em relação a tecnologia Stealth. Mesmo sabendo que discrição de um caça (ou seja lá o que for) possa ser superada por novos sensores operando em freqüências não atenuadas, não justifica mais que uma aeronave não use a capacidade que tem em passar desapercebida (relativamente) em outras faixas de freqüência. A tecnologia caminha de maneira linear e somente… Read more »

Luiz Marcelo

Obrigado ao Ciquini e Nunão pelo F de Foch (São Paulo). No vídeo acima aparece na maior parte dele o Rafale B (Biplace) mas em algumas cenas acredito que apareceu o Rafale C (Chasseur) monoplace.
Caso o FX2 não seja mais uma vez adiado, acredito que o Rafale e suas armas seriam a melhor opção para a FAB e a MB (quem sabe).

Luiz Marcelo

A Dassault Aviation está leva muito a sério sua relação com a FAB a ponto de colocar este vídeo abaixo em seu site oficial. Neste vídeo é mostrado o processo de entrega e formação do Mirages 2000 à FAB em 2006. No meu ponto de vista a situação sempre foi Dassault na frente desta concorrência para o FX2 e com o F18 E/F (A Boeing coloca em evidência o processo de concorrência em sua fase final em seu site) e o Gripen esperando uma oportunidade. Nada foi encontrado de sitação do FX2 no site da SAAB Aero. Alguns posts mencionaram… Read more »

Baschera

Não sei não. Esta crise econômica pode nos levar a comprar o mais econômico vetor em termos de aquisição e principalmente custo de manutenção e hora de vôo.
Interessantes dados e perspectivas estão na nova reportagem dos colegas da Alide, no endereço abaixo, acerca do Gripen NG.
Vale à pena ler.
http://www.alide.com.br/joomla/index.php/component/content/article/36-noticias/163-gripenbsb-pt2
Sds.

Hornet

Amigo Bosco, vc tem toda razão e concordo com vc. Quando eu escrevi minha dúvida (e era dúvida mesmo) eu nem estava pensando em descartar a furtividade, apenas pensei na possibilidade de ela vir a ser anulada um dia…Mas isso já ocorreu várias vezes na história, não é mesmo? É aquela coisa: um inventa um “veneno qualquer” e o outro inventa o “antídoto”, um inventa um míssil guiado por calor e o outro inventa o flare…depois um terceiro inventa um míssel guiado a radar e um quarto inventa as contramedidas ao míssel e assim a coisa caminha…é assim mesmo, vc… Read more »

Hornet

Luiz Marcelo,

obrigado pela informação. Vendo novamente o vídeo agora, dá pra reparar bem os dois modelos de Rafale. Ontem de madrugada, já meio com sono, quando assisti pela primeira vez, não havia percebido os dois modelos, achei que fosse um só, por isso que fiquei na dúvida.

um forte abraço

Vassily Zaitsev

Tecnologia LADAR???????????? no que consistiria???????????????

Bosco

Vassily, o LADAR é um sistema que usa um laser para varrer um objeto formando uma imagem em 3D. É um sistema de orientação de mísseis promissor para a próxima década e possivelmente terá aplicações para a detecção de longo alcance inclusive com a capacidade IFF não cooperativa já que é capaz de formar uma imagem exata do “alvo”. Com certeza terá aplicação no campo da anti-furtividade (pelo menos até que a “invisibilidade” não seja inventada). Devido a precisão das imagens formadas ele capacita um míssil, por exemplo, a selecionar um alvo automaticamente com mais eficiência, sem necessidade de controle… Read more »

[…] na classe de empuxo de 40.000 libras com pós-queimador, os motores PW F135 ou GE/RR F136 do F-35 cobram um preço pela sua potência, em alto e bom som: ao menos em operações de pouso e […]

Paulo Costa

Com certeza o teste deve ser feito antes em terra,se algo
der errado,o prototipo de testes não vai se acidentar.
Ainda é um problema em determinadas situações,em que ha perda
do fluxo do compressor….

Luiz Marcelo

Como a crise econômica poderá afetar este projeto? Já vimos no passado projetos serem abortados pelo direcionamento do dinheiro/recursos para a economia real e para assistência as Famílias Americanas. Ele já considerado um projeto maior e mais caro que o do Raptor F22.

Bosco

Esta aeronave será o divisor de águas da aviação de caça, como o foram a metralhadora que atirava por entre as pás das hélices na PGM, o motor à jato e a conquista da barreira supersônica. Dentro de alguns anos vários países terão acesso (mesmo que restrito) a um avião de combate genuinamente Stealth, que até agora é um item exclusivo das forças armadas americanas. As conseqüências da generalização desta tecnologia altamente sensível são imprevisíveis e com certeza irão moldar, juntamente com a tecnologia UAV e o conceito de “guerra centrada em redes”, a forma de se combater no futuro… Read more »

Cinquini

Eu acho que vai sair mais barato desenvolver um “vírus” para derrubar essas armas “ligadas em rede” do que tentar construir algo que entre em combate de igual para igual.

Luiz Marcelo

O Aerodromo da foto (link abaixo) é o Foch ou Charles d`Gaule?
http://frenchnavy.free.fr/aircraft/rafale/images/rafale-014.JPG

Vassily Zaitsev

Bosco,

acho que essa restrição incluirá um pouco da capacidade ” furtiva”. os americanos não irão fornecer, nem mesmo aos seus parceiros estratégicos toda sua tecnologia. Eles que se contentem com om F-35 “low”. O filé mesmo ficará na América,…………….

do Norte, é claro.

Cinquini

Luiz Marcelo, salvo engano é o Foch

Bosco

Vassily,
sem dúvida!
Mas mesmo com esta capacidade meio “deteriorada” vai ser interessante ver o que vem por aí.
Sem falar que os europeus (incluindo os do leste), embora atrasados uns 15 anos em relação aos americanos, já possuem uma tecnologia “furtiva” própria.
Os próximos mísseis antiaéreos com certeza terão sistemas de orientação terminal duplo ou mesmo triplo (radar, IIR e Ladar) para continuarem eficientes contra estas ameaças “invisíveis”.
Um abraço.

Nunão

F de Foch.

Luiz Marcelo

O NAe São Paulo poderia muito bem operar o Rafale, uma solução simples seria dotá-lo de uma rampa de impulsão, aos moldes do Hermes, e das Naves Russas. Acho que temos esta capacidade em nossos estaleiros de reformá-lo. Poderia ficar em operação por muito tempo.

Luiz Marcelo

Caso o FX2 se concretize, observe no vídeo abaixo a avant premiere do novo vetor da FAB. O melhor, produzido na Embraer.

http://www.youtube.com/watch?v=g8jqB0ziG98&feature=related

Hornet

Caro Luiz Marcelo,

belo vídeo. Esse eu ainda não tinha visto no Youtube. Muito bonito mesmo. Só não consegui identificar qual o é modelo do Rafale, no vídeo…vc conseguiu?

Se a FAB vier mesmo a voar o Rafale, estaremos bem na foto.

um forte abraço

Hornet

Sobre o F-35 e demais caças furtivos, só tenho uma dúvida que gostaria de dividir com os amigos do Blog: e quando os radares de baixa frequência se tornarem mais eficientes, será que a furtividade e os bilhões gastos nestes projetos não vão virar fumaça? É uma dúvida mesmo, não estou afirmando nada…Claro que o F-35 (assim como o F-22) não é “só” a furtividade, mas de qualquer modo a furtividade é sempre um diferencial quando o assunto são esses caças, não concordam? achei um site na internet sobre radares anti-furtividade, não sei se os amigos conhecem, o link é… Read more »

Luiz Marcelo

A Dassault Aviation está leva muito a sério sua relação com a FAB a ponto de colocar este vídeo abaixo em seu site oficial. Neste vídeo é mostrado o processo de entrega e formação do Mirages 2000 à FAB em 2006. No meu ponto de vista a situação sempre foi Dassault na frente desta concorrência para o FX2 e com o F18 E/F (A Boeing coloca em evidência o processo de concorrência em sua fase final em seu site) e o Gripen esperando uma oportunidade. Nada foi encontrado de sitação do FX2 no site da SAAB Aero. Alguns posts mencionaram… Read more »

Nelson Lima

Enche os olhos. Já salvei minha foto para por como papel de parede junto com o nosso bicudo f5M.Passado, presente e futuro gloriosos da caça.Traço um paralelo sobre o fascinios que as forças aéreas possuem em adquirir o JSF com a atrção que o e-phome exerce sobre o consumidor.Entra-se em uma fila, usa-se um cartão de crédito e depois começasse a usar o brinquedo no meio dessa crise mundial sem saber como se vai pagar

Bosco

Hornet, no meu modo de entender, longe de ser um desenvolvimento heterodoxo e excepcional, a “furtividade” foi sim um desenvolvimento progressivo e lógico. Quem em sã consciência quer ser visto no campo de batalha? Se a “assinatura” radar, térmica, emissão de RF, visual e sonora de uma aeronave de combate pode ser reduzida, por que não fazê-lo? Se raciocinarmos de modo a que uma tecnologia não deva ser posta em prática porque logo será superada por outra e se tornar obsoleta e até mesmo inútil, não teríamos avanços em nenhuma área militar. O canhão dos caças foi superado pelo míssil… Read more »

Bosco

correção:
“elevarão” e não “elevaram”

Bosco

Hoje em dia, mesmo com o uso generalizado de câmeras de imagem térmica portáteis capazes de detectar um homem a 4 km, não seria justificável que um infante fosse combater sem estar com um traje camuflado no espectro visual. O mesmo acontece em relação a tecnologia Stealth. Mesmo sabendo que discrição de um caça (ou seja lá o que for) possa ser superada por novos sensores operando em freqüências não atenuadas, não justifica mais que uma aeronave não use a capacidade que tem em passar desapercebida (relativamente) em outras faixas de freqüência. A tecnologia caminha de maneira linear e somente… Read more »

Luiz Marcelo

Obrigado ao Ciquini e Nunão pelo F de Foch (São Paulo). No vídeo acima aparece na maior parte dele o Rafale B (Biplace) mas em algumas cenas acredito que apareceu o Rafale C (Chasseur) monoplace.
Caso o FX2 não seja mais uma vez adiado, acredito que o Rafale e suas armas seriam a melhor opção para a FAB e a MB (quem sabe).

Baschera

Não sei não. Esta crise econômica pode nos levar a comprar o mais econômico vetor em termos de aquisição e principalmente custo de manutenção e hora de vôo.
Interessantes dados e perspectivas estão na nova reportagem dos colegas da Alide, no endereço abaixo, acerca do Gripen NG.
Vale à pena ler.
http://www.alide.com.br/joomla/index.php/component/content/article/36-noticias/163-gripenbsb-pt2
Sds.

Hornet

Amigo Bosco, vc tem toda razão e concordo com vc. Quando eu escrevi minha dúvida (e era dúvida mesmo) eu nem estava pensando em descartar a furtividade, apenas pensei na possibilidade de ela vir a ser anulada um dia…Mas isso já ocorreu várias vezes na história, não é mesmo? É aquela coisa: um inventa um “veneno qualquer” e o outro inventa o “antídoto”, um inventa um míssil guiado por calor e o outro inventa o flare…depois um terceiro inventa um míssel guiado a radar e um quarto inventa as contramedidas ao míssel e assim a coisa caminha…é assim mesmo, vc… Read more »

Hornet

Luiz Marcelo,

obrigado pela informação. Vendo novamente o vídeo agora, dá pra reparar bem os dois modelos de Rafale. Ontem de madrugada, já meio com sono, quando assisti pela primeira vez, não havia percebido os dois modelos, achei que fosse um só, por isso que fiquei na dúvida.

um forte abraço

Vassily Zaitsev

Tecnologia LADAR???????????? no que consistiria???????????????

Bosco

Vassily, o LADAR é um sistema que usa um laser para varrer um objeto formando uma imagem em 3D. É um sistema de orientação de mísseis promissor para a próxima década e possivelmente terá aplicações para a detecção de longo alcance inclusive com a capacidade IFF não cooperativa já que é capaz de formar uma imagem exata do “alvo”. Com certeza terá aplicação no campo da anti-furtividade (pelo menos até que a “invisibilidade” não seja inventada). Devido a precisão das imagens formadas ele capacita um míssil, por exemplo, a selecionar um alvo automaticamente com mais eficiência, sem necessidade de controle… Read more »

[…] na classe de empuxo de 40.000 libras com pós-queimador, os motores PW F135 ou GE/RR F136 do F-35 cobram um preço pela sua potência, em alto e bom som: ao menos em operações de pouso e […]

Reportagens especiais

A Saab e o desenvolvimento dos sistemas de controle de voo

Este texto descreve como a Saab trabalhou no desenvolvimento de sistemas de controle de voo para aviões militares e...
- Advertisement -
- Advertisement -