segunda-feira, maio 17, 2021

Gripen para o Brasil

MQ-9 ‘Reaper’ faz primeiro ataque no Iraque

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Um UAV MQ-9 Reaper lançou, no dia 16 de agosto, uma bomba guiada a laser de 500 libras, contra um alvo no Iraque, no primeiro engajamento realizado por esse tipo de aeronave.

O Reaper começou a voar sortidas de combate em suporte à Operação Iraqi Freedom no dia 18 de julho e juntou-se ao MQ-1 Predator nas missões de patrulha dos céus para proteção das forças de coalizão.

O ataque bem-sucedido que destruiu um carro-bomba demonstrou a capacidade de ataque persistente da 332nd Air Expeditionary Wing .

A missão começou quando um veículo suspeito foi descoberto num vôo de vigilância realizado por operadores do Reaper do 46th Expeditionary Reconnaissance and Attack Squadron, baseados em Balad. Imediatamente a informação foi repassada a uma unidade terrestre, que confirmou logo depois que o veículo suspeito era um VBIED (Vehicle Born Improvised Explosive Device). Imediatamente um controlador de Reaper lançou uma bomba GBU-12 contra o alvo, neutralizando-o.

FICHA TÉCNICA DO MQ-9 REAPER:

Função primária: Sistema de armas não-tripulado de caça e destruição
Fabricante: General Atomics Aeronautical Systems, Inc.
Propulsão: Honeywell TPE331-10GD turboélice
Potência: 900shp
Envergadura: 20,1m
Comprimento: 11m
Altura 3,8m
Peso: 2.200kg, vazio
Peso máximo de decolagem: 4.760kg
Capacidade de combustível: 602 galões
Carga útil: 1.701kg
Velocidade: 230 milhas por hora (370km/h)
Alcance: 3.200 milhas náuticas (5.920km)
Teto de serviço:
Até 15.240m
Armamento: Combinação de mísseis AGM-114 Hellfire, bombas GBU-12 Paveway II and GBU-38 Joint Direct Attack Munitions.
Tripulação (remota): 2 (piloto e operador de sensor)
Custo: US$53,5 milhões (incluindo 4 aeronaves com sensores)

- Advertisement -

26 Comments

Subscribe
Notify of
guest
26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Manfred Von Richthofen

Imaginem aeronaves semelhantes a essas operando na Amazônia para guardar as fronteiras brasileiras. Seria uma forma econômica e efetiva de combater o narcotráfico e fornecer apoio aéreo aos batalhões de fronteira do EB. Eles poderiam ser usados antes dos A-29 e se fosse necessário, passariam informações aos Super Tucano para fogo mais pesado.

pablo

comcordo com o nosso amigo “falecido” ai de cima.
outro dia li que o Brasil assinou um memorando com a Africa do Sul para a continuacao do projeto para o desenvolvimento de um UAV. Alguem teria mais informacoes sobre esse memorando ??
o Brasil deveia ter uma frota de uns 50 UAV’s operando principalmente na Amazonia, Guianas, Pantanal e no Sul.

C.Queiroz

O governo Brasileiro via FAB, já fechou parceria nesta área com a Sul-Africana Denel para o desenvolvimento conjuto de um UAV com capacidade de desenvolvimento futura para um UCAV chamado Bateluer, caracteristicas gerais: Payloads Argos-410 E/O and IR (with optional laser rangefinder) Goshawk-350 E/O and IR (with optional laser rangefinder) Laser designator ELINT Synthetic aperture radar Roles and Missions Real-time day and night (E/O and IR) surveillance Electronic and Communications Intelligence gathering (ELINT and COMINT) Airborne communications relay Military and paramilitary photo reconnaissance Target location and laser designation Maritime and coastal patrol Border patrol Search and rescue Battlefield surveillance Artillery… Read more »

C.Queiroz

complementando a informação o UAV em desenvolvimento conjunto está em um seguimento diferente do Americano, sendo bem mais leve e modesto em capacidade, mas muito mais realista as nossas necessidades atuais.

Meirelles

A capacidade desse UAV realmente impressiona,principalmente o seu alcançe e tambem acho que seria uma boa as FAs do Brasil adotar UAV semenhantes a esse,mas pouco poderia fazer contra aeronaves ilícitas
que cruzam a fronteira na amazônia por,salvo engano,não ter capacidade ar-ar(a não ser que adaptassem o piranha nele).
Sds.

joao

So uma pequena correcao:VBIED significa Vehicle Bourne Improvized Explosive Device ou,em Portugues:Objeto Explosivo Improvisado Auto-transportado. Simplesmente,um carro-bomba.

Galante

Corrigido, João, obrigado!

[…] lança ataques aéreos a partir do Afeganistão contra posições insurgentes dentro do Paquistão, utilizando aviões não tripulados que disparam mísseis, mas as novas ordens reduzem as restrições para a realização de […]

Pedro José

Acho que o Brasil deve manter apenas os aviôes ‘A-29 SuperTucanos’ patrulhardo as fronteiras e comprar uns 78 caças “Rafale C” que carregam um monte de tecnologia para abater aéronaves de alta-tecnologia que invadam o espaço aéreo Brasileiro.
O Brasil deve investir em aeronaves de alerta-antecipado e aéronaves de transporte, além também de adiquirir algum bombardeiro.
Ah e uma coisinha, a FAB precisa sim de todas estas aéronaves…..

jose carlos siqueira de araujo

E UM GRANDE ABSURDO UM PAIS ATACAR SEUS PROPRIO SEMELNHANTE,NOS BRASILEIRO NAO A SEITAMOS TAL ATITUDE DESTE PAIS AROGANTE,NOS REPUDIAMOS SENPRE ESTA ATITUDE.

[…] – Pelo menos 25 pessoas morreram vítimas do impacto de dois mísseis que teriam sido lançados por aviões americanos não tripulados contra o cinturão tribal paquistanês, na fronteira com o Afeganistão, asseguraram neste sábado […]

Diego

Vamos comprar uns 1.000 e tomar toda a america do sul para o Brasil!

auahauhauahauaauhuhahauaauhah

antenor

loguinho os traficantes tambem terão a idéia de transpotar/traficar suas drogas usando aviões não tripulados..,E aí,como ficamos,já que esses aviões podem escapar do radar e, alem disso,a abordagem é muito mais difícil,principalmente se forem modelos pequenos de aviões..

Manfred Von Richthofen

Imaginem aeronaves semelhantes a essas operando na Amazônia para guardar as fronteiras brasileiras. Seria uma forma econômica e efetiva de combater o narcotráfico e fornecer apoio aéreo aos batalhões de fronteira do EB. Eles poderiam ser usados antes dos A-29 e se fosse necessário, passariam informações aos Super Tucano para fogo mais pesado.

pablo

comcordo com o nosso amigo “falecido” ai de cima.
outro dia li que o Brasil assinou um memorando com a Africa do Sul para a continuacao do projeto para o desenvolvimento de um UAV. Alguem teria mais informacoes sobre esse memorando ??
o Brasil deveia ter uma frota de uns 50 UAV’s operando principalmente na Amazonia, Guianas, Pantanal e no Sul.

C.Queiroz

O governo Brasileiro via FAB, já fechou parceria nesta área com a Sul-Africana Denel para o desenvolvimento conjuto de um UAV com capacidade de desenvolvimento futura para um UCAV chamado Bateluer, caracteristicas gerais: Payloads Argos-410 E/O and IR (with optional laser rangefinder) Goshawk-350 E/O and IR (with optional laser rangefinder) Laser designator ELINT Synthetic aperture radar Roles and Missions Real-time day and night (E/O and IR) surveillance Electronic and Communications Intelligence gathering (ELINT and COMINT) Airborne communications relay Military and paramilitary photo reconnaissance Target location and laser designation Maritime and coastal patrol Border patrol Search and rescue Battlefield surveillance Artillery… Read more »

C.Queiroz

complementando a informação o UAV em desenvolvimento conjunto está em um seguimento diferente do Americano, sendo bem mais leve e modesto em capacidade, mas muito mais realista as nossas necessidades atuais.

Meirelles

A capacidade desse UAV realmente impressiona,principalmente o seu alcançe e tambem acho que seria uma boa as FAs do Brasil adotar UAV semenhantes a esse,mas pouco poderia fazer contra aeronaves ilícitas
que cruzam a fronteira na amazônia por,salvo engano,não ter capacidade ar-ar(a não ser que adaptassem o piranha nele).
Sds.

joao

So uma pequena correcao:VBIED significa Vehicle Bourne Improvized Explosive Device ou,em Portugues:Objeto Explosivo Improvisado Auto-transportado. Simplesmente,um carro-bomba.

Galante

Corrigido, João, obrigado!

[…] lança ataques aéreos a partir do Afeganistão contra posições insurgentes dentro do Paquistão, utilizando aviões não tripulados que disparam mísseis, mas as novas ordens reduzem as restrições para a realização de […]

Pedro José

Acho que o Brasil deve manter apenas os aviôes ‘A-29 SuperTucanos’ patrulhardo as fronteiras e comprar uns 78 caças “Rafale C” que carregam um monte de tecnologia para abater aéronaves de alta-tecnologia que invadam o espaço aéreo Brasileiro.
O Brasil deve investir em aeronaves de alerta-antecipado e aéronaves de transporte, além também de adiquirir algum bombardeiro.
Ah e uma coisinha, a FAB precisa sim de todas estas aéronaves…..

jose carlos siqueira de araujo

E UM GRANDE ABSURDO UM PAIS ATACAR SEUS PROPRIO SEMELNHANTE,NOS BRASILEIRO NAO A SEITAMOS TAL ATITUDE DESTE PAIS AROGANTE,NOS REPUDIAMOS SENPRE ESTA ATITUDE.

[…] – Pelo menos 25 pessoas morreram vítimas do impacto de dois mísseis que teriam sido lançados por aviões americanos não tripulados contra o cinturão tribal paquistanês, na fronteira com o Afeganistão, asseguraram neste sábado […]

Diego

Vamos comprar uns 1.000 e tomar toda a america do sul para o Brasil!

auahauhauahauaauhuhahauaauhah

antenor

loguinho os traficantes tambem terão a idéia de transpotar/traficar suas drogas usando aviões não tripulados..,E aí,como ficamos,já que esses aviões podem escapar do radar e, alem disso,a abordagem é muito mais difícil,principalmente se forem modelos pequenos de aviões..

Reportagens especiais

John Boyd, o piloto de caça que mudou a arte do combate aéreo

A foto acima mostra os dois caças que foram projetados segundo as ideias de um piloto chamado John Boyd....
- Advertisement -
- Advertisement -