Lockheed Martin celebra a entrega do 100° F-35 Lightning II

100th F-35

Em cerimônia realizada hoje em Fort Worth no Texas, com a presença de mais de 2.000 empregados e convidados, a Lockheed Martin entregou o 100° caça F-35 Lightning II de produção.

Os primeiros 100 jatos F-35 incluem 44 F-35A (CTOL – conventional takeoff and landing), 42 do modelo F-35B (STOVL – short takeoff/vertical landing) e 14 F-35C  (CV – Carrier). O Departamento de Defesa dos EUA (DoD) recebeu 95 dos primeiros 100 jatos. Os outros cinco foram entregues para o Reino Unido (3 F-35B) e dois para a Holanda (F-35A).

A centésima aeronave, o F-35A designado AF-41, é o primeiro de 144 jatos programados para entrega à Luke AFB no início de 2014. Em junho a USAF anunciou a decisão de aumentar o número de esquadrões na Luke AFB para seis com 144 aeronaves. Em 2015, a Luke AFB irá treinar pilotos, incluindo os internacionais, destinados ao desdobramento de unidades ao redor do mundo.

O F-35 Lightning II é um caça de quinta geração, que combina furtividade com velocidade e agilidade, sistemas avançados de missão, completa fusão de dados de sensores e operações de guerra em rede. Três variantes distintas do F-35 vão substituir o A-10 e o F-16 na USAF, o F/A-18 na US Navy e o F/A-18 e o AV-8B Harrier II no USMC, e uma variedade de aeronaves em pelo menos mais 10 países.

FONTE/FOTO: Lockheed Martin

Subscribe
Notify of
guest

7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz

Dizem que qeum não estuda história, tende a cometer os mesmos erros do passado.

O F-35 ainda não está pronto. Nem extruturalmente, nem em avionica, etc. Eles estão produzindo protótipos em escala industrial. Ou criando a aeronave de série aos poucos…

Quem leu sobre os programas dos Century Fighters sabe do que eu estou falando.

Tadeu Mendes

Permita-me discordar Clesio. Nao sao prototipos, no sentido de que nao e um demonstrador de tecnologia, mas e claro que algumas caracteristcias do software/firmware todavia estao sendo calibrados.

Os F-35 estao em fase de testes operacionais (LIRP), para depurar possiveis bugs no sistema, e para depois passar para producao em escala industrial pesada.

Lembre-se que sao tres variantes de uma areonave considerada como a mais sofisticada plataforma de combate jamais desenvolvida.

Clésio Luiz

O propósito é chamar a atenção para as similaridades com os programas dos Century Fighters, como o F-100 e F-102, que começaram a fabricar em massa aeronaves que não estavam prontas. Estão fazendo a mesma coisa com o F-35. Construiram 100 aeronaves que não são “combat ready”. Um observador desavisado vai achar que é grande coisa e que o programa está caminhando a passos largos, mas não é isso que está acontecendo. E o que é pior, o custo de retrofit para parte dessa frota (duvido que atualizem todos) vai ser alto, porque não é só na parte de software… Read more »

Tadeu Mendes

Clesio,

Se o o programa nao esta caminhando a passos largos, entao o que significa isso?

Para que estao produzindo aeronaves “non combat ready”?

O que voce define como aeronave non combat ready?

Varios paises ja encomendaram os F-35, mas nao vao usa-las de imediato,

Mas como que voce explica o caso de Israel, que ja encomendou os F-35?

E nao tenha duvida, de que a IASF (antiga IAF) poderia ser o primeiro pais a usar os F-35 em combate.

Guilherme Poggio

Para que estao produzindo aeronaves “non combat ready”? O que voce define como aeronave non combat ready? Caro Tadeu Mendes Permita-me adentrar nesta prosa. Independentemente de qual seja a resposta do Clesio, para o DoD (aliás, para a OTAN, porque é um padrão deles e não só de um país) “combat ready” significa atingir a IOC (Initial Operational Capability) após a realização de testes operacionais (OT). Mas o F-35 não poderá realizar os OT enquanto o software bloco 2B não for instalado, e isso não ocorrerá antes de 2015. Isto está muito bem explicado na tradução exclusiva que o Poder… Read more »

Nick

O F-35 lembra o Windows, sempre em desenvolvimento…..

[]’s

Edgar

Nick, ele pode se comparar também às WebApps da Google, sempre na versão “Beta” 😀

http://en.wikipedia.org/wiki/Perpetual_beta