Home Aviação de Transporte Resgates em Santa Maria: piloto fez 4 viagens em 3 dias para...

Resgates em Santa Maria: piloto fez 4 viagens em 3 dias para levar vítimas

461
6

EDA 60 anos - C-105 Amazonas da FAB decolando - foto 2 Nunão - Poder Aéreo

Capitão-aviador José Ricardo Schwarz, da Força Aérea Brasileira, viu seu avião-cargueiro Amazonas C-105 ser transformado em hospital voador

vinheta-clipping-aereoA ficha só caiu na quarta-feira, quando a missão em Santa Maria foi concluída e ele retornou à Base Aérea de Campo Grande com seu avião Amazonas C-105. O comandante José Ricardo Schwarz, capitão-aviador da Força Aérea Brasileira só então relaxou e se deu conta do tamanho da tarefa que desempenhou da noite de domingo até a noite de terça-feira, período no qual transportou 25 pacientes em estado grave para o Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, em quatro idas e voltas.

Acionado em Campo Grande às 9h40, decolou com o avião-cargueiro às 11h15 de Mato Grosso do Sul sem saber exatamente o que o esperava no Rio Grande do Sul. “Partimos para o resgate de feridos com 15 macas a bordo”, explicou o capitão Schwarz, em entrevista ao Estado. Ao descer em Santa Maria, às 15h, porém, viu seu avião ser transformado não em um meio rápido de transporte de feridos, mas em um hospital. “As 15 macas se transformaram em sete camas de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).”

Muitas das macas foram isoladas para acomodação dos equipamentos de sobrevivência, como respiradores e desfibriladores. Nesse momento, o comandante começou a perceber que a operação não era somente de evacuação, mas de suporte médico efetivo. “Cada paciente tinha um médico e dois enfermeiros acompanhando. Os pacientes já chegavam entubados, sedados. Não esperava encontrar aquilo lá”, afirmou.

Diante da gravidade da situação, Schwarz teve de voar de Santa Maria para Porto Alegre com “rapidez e agilidade, porém com suavidade” por causa do estado crítico das vítimas do incêndio na boate Kiss. O trajeto em cada uma das quatro viagens foi coberto em até 40 minutos. O espaço aéreo estava aberto, com prioridade para o resgate, explicou o comandante.

A primeira viagem foi a mais demorada. As equipes médicas demoraram 1h30 para acomodar os pacientes. Com mais de 2,1 mil horas de voo, habituado a transportar passageiros especiais, como presidentes da República, aquela não seria uma missão corriqueira para Schwarz.

Eram 23h25 da noite de domingo quando Schwarz decolou da Base Aérea carregando sobreviventes da tragédia. Durante todo o domingo, aeronaves menores – Cessna Caravans, Bandeirantes da Embraer e helicópteros de diferentes modelos – já transportavam feridos para hospitais de Porto Alegre e Canoas, na região metropolitana da capital gaúcha. Schwarz então voou a 9 mil pés de altitude, mas mantendo a pressurização da cabine controlada como se os passageiros estivessem a 2 mil pés para evitar o desconforto maior dos pacientes e socorristas.

“Foi uma coisa impressionante”, confessa o oficial aviador, que já participou de salvamentos em enchentes em Santa Catarina e no Acre. Mas nunca nada igual ao trabalho em Santa Maria, com a tensão ampliada pela presença de militares na boate na noite do incêndio. “Mas nós temos treinamento para guerra. Temos de manter o foco”, argumentou. “Na fonia (comunicação do piloto em voo), o que se informava era aeronave com ‘enfermo grave’.” Na chegada ao Aeroporto Salgado Filho, o desembarque dos doentes levados para ambulâncias durou 50 minutos.

C-105 da FAB no Portões Abertos 2011 DCTA - foto Nunão - Poder Aéreo

Rodízio

O Amazonas voltou a aterrissar na Base Aérea de Santa Maria às 6h40, sob comando de Schwarz. Outra tripulação do Esquadrão Onça, de Campo Grande, também operou a aeronave em uma viagem com pacientes queimados e intoxicados.

Na tarde de segunda-feira, quando os enterros na cidade já haviam sido encerrados, o clima de comoção ainda paralisava Santa Maria, mas a operação de salvamento continuava. Schwarz fez então a quarta viagem no avião-hospital. Decolou para Porto Alegre com outros seis pacientes, às 21h30.

Já de volta à sua base, na quinta-feira, o militar contou que nunca tinha vivido situação semelhante na carreira. “O que mais chocou foi saber da idade das vítimas.”

FONTE: Estadão

NOTA DO EDITOR: a frase “resgates em Santa Maria” foi acrescentada ao título original. As fotos são meramente ilustrativas.

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
juarezmartinez
juarezmartinez
7 anos atrás

Caro Cap Av. Ricardo! Seguramente seu esforço e de sua tripulação no apoio as vitimas desta tragédia que o abalou o Rio Grande será sempre lembrado na memória do povo Gaúcho. O senhor e sua tripulação honraram a a tradição da Força Aérea Brasileira.

Muito obrigado por tudo

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Assino em baixo das palavras do meu amigo Juarez…..

E Nunão, se quiser enriquecer a matéria consigo umas fotos do interior dos Amazonas durante esta operação …..

Sds.

luis
luis
7 anos atrás

Filhotes da ditadura. Tem que ser fuzilados. Viva Che GUEVARA,
FIDEL e o PT.
BRICADEIRINHA IMBECIL.

NOTA DOS EDITORES: Luis, que conversa é essa?????????

luis
luis
7 anos atrás

Senhores editores, é o que sinto em relação ao que sente aqueles que votam em lula e dilma e desprezam as Forças Armadas. Na hora do sufoco, a QUEM APELAM? É uma vergonha pertencer a um povo tolo e leviano. (Enquanto eles estão gritando goooool nos estádios, nós estamos roubando estes idiotas.).
Este é o meu grito de revolta.
Senhores editores, com todo meu respeito.

NOTA DOS EDITORES: prezado Luis, sentimentos e opiniões à parte, solicitamos não usar este espaço falar em votos etc, o que configuramos como propaganda política, o que vai contra as regras do site.

Carcará 01
Carcará 01
7 anos atrás

Eu pensei que o Luis ai tinha aspirado outro tipo de fumaça… a de orégano…

Carcará 01
Carcará 01
7 anos atrás

No que se refere ao Capt. Ricardo e sua tripulação, fica aqui minhas congratulações pelo excelente trabalho feito e pela prontidão e presteza que dispensaram. Honraram as asas que carregam no peito e a bandeira que levam no braço.

Bravo Zulu, Capt. Ricardo e tripulação!!