quarta-feira, janeiro 26, 2022

Gripen para o Brasil

X-51A Waverider ultrapassa Mach 5.1 em testes

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

waverider-fourth-test

Projeto da Boeing em conjunto com a DARPA e a Força Aérea dos Estados Unidos atinge marca histórica

 

De acordo com as notas oficiais divulgadas pela Boeing e pela Força Aérea dos Estados Unidos, no dia 29 de abril de 2013 a aeronave X-51A Waverider conseguiu voar cerca de três minutos e meio depois de lançada de um B-52, atingindo a velocidade chamada de Mach 5,1, ou cerca de 5.400km/h nas condições padrão. O novo recorde de velocidade quebrou a marca atingida em 2010 também pelo X-51A.

A Força Aérea Estados Unidos, em conjunto com a DARPA e a Boeing, vêm testando há alguns anos um novo tipo de aeronave conhecida como X-51A Waverider.

O X-51A Waverider tem um sistema de propulsão revolucionário conhecido como “scramjet” que só funciona em velocidades hipersônicas, por isso a aeronave emprega um “booster” de combustível sólido para impulsioná-lo a uma velocidade inicial de Mach 4.8. Atingida essa velocidade, entra em ação o motor Pratt Whitney Rocketdyne SJY61, projetado para funcionar dentro da sua própria onda de choque.

A tecnologia empregada no X-51A visa o desenvolvimento de aeronaves e mísseis hipersônicos. Veja o vídeo abaixo:

waverider-fourth-test-0

waverider-fourth-test-3

LEIA TAMBÉM:

- Advertisement -

10 Comments

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

Parece a boca de um tubarão.

maxi47

E agora ele consegue completar o seu vôo de teste até o fim?

Blind Man's Bluff

A marca de Mach 5.1 é apenas um marco simbólico, já que o objetivo principal não era bater nenhum recorde de velocidade, mas sim, verificar se a propulsão scramjet seria capaz de acelerar o artefato.

Um míssil de cruzeiro anti-navio, baseado nesse protótipo e voando baixo, facilmente passaria por qualquer defesa atual, incluindo BMD.

joseboscojr

Blind, Mas esses mísseis hipersônicos não irão voa baixo. No máximo irão mergulhar em grande velocidade. Mísseis hipersônicos deverão voar acima de 30.000 metros. Já sabem que funciona, agora irão expandir a velocidade que deverá ultrapassar a Mach 7. A nível do mar é muito difícil sustentar um vôo a mais de Mach 2. Por exemplo, o Brahmos em baixa altitude voa a Mach 1.5, já a 15.000 metros chega a Mach 2.9. Ha uma certa facilidade na defesa de navios mesmo contra mísseis supersônicos e hipersônicos, que é o fato deles virem de frente,terem pouca manobrabilidade e uma assinatura… Read more »

Roberto F Santana

Prezado “Blind Man´s Bluff”, O voo baixo a Mach 5.1 (velocidade hipersônica) é impraticável, devido ao aquecimento aerodinâmico. Um SR-71 em altitudes de 80.000 pés +/-, com velocidades em torno de Mach 3.0, atinge em certas partes da estrutura temperaturas superiores a 600ºc. Um corpo viajando hipersônico ao nível do mar, romperia com facilidade os 1.000ºc e muito mais. Derreteria, se não de todo, seus componentes internos não resistiriam. Somam-se a isso o complexo problema da temperatura da entrada de ar do motor, que, no caso, atingiria uma enorme temperatura. Seria como dar um tiro em uma piscina olímpica cheia… Read more »

Roberto F Santana

“Somam-se a isso…, sim no plural, porque acabei esquecendo de citar o problema do material capaz de suportar temperaturas muito acima dos um mil graus centígrados.
É melhor chamar o Tony Stark.

Renato Oliveira

Prezado Blind, Recentemente os EUA escolheram por um míssil subsônico com características stealth ao invés de um hipersônico a baixa altitude. Os motivos são diversos. Primeiramente, a resistência do ar é muito maior ao nível do mar que a 30 mil metros. Conforme mencionado, mesmo sendo de titânio, o SR-71 já tinha problemas com as temperaturas da fuselagem – isso a ‘apenas’ Mach 3. Outro problema é que a manobrabilidade de tais mísseis é muito restrita, pois velocidades tão elevadas fazem com que qualquer manobra, por mais básica que seja, ‘puxe’ altas cargas g. Isso, mais a resistência do ar,… Read more »

Roberto F Santana

Prezado Renato Oliveira,

Muito bom comentário, parabéns.

joseboscojr

Maxi, Esse é o quarto teste. No primeiro não se conseguiu chegar a 300 segundos de vôo mas chegou-se a 200 segundos (140 segundos em modo scramjet) e não pode ser considerado um fracasso. Nos outros dois houve problemas e a aeronave caiu muito antes do esperado, mas pelo menos serviu para saberem como não se faz. rrsrss Esse é o quarto voo e todos os objetivos esperados foram alcançados (tempo de voo em scramjet de 240 segundos, velocidade acima de Mach 5, tempo total de voo de 300 segundos) Vale lembrar que o X-43 antes desse ultrapassou Mach 9… Read more »

Nick

O objetivo do missil é ser capaz de atingir qualquer ponto da terra em uma hora, o que dispensaria a necessidade dos balísticos. Mesmo porque não é sempre que vai ser necessário o uso de warheads com nukes. 🙂

[]’s

Últimas Notícias

Embraer conclui com sucesso reintegração do negócio de Aviação Comercial

São José dos Campos, 26 de janeiro de 2022 - A Embraer concluiu com sucesso a reintegração dos principais...
- Advertisement -
- Advertisement -