sexta-feira, setembro 30, 2022

Gripen para o Brasil

A caminho da Red Flag, caças Gripen suecos reabastecem sobre o Atlântico

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

KC-10 reabastece Gripen - foto Forças Armadas da Suécia

É a primeira vez que os caças Gripen da Suécia reabastecem em voo sobre o oceano Atlântico, a caminho dos Estados Unidos – participação no exercício Red Flag começará no dia 17

Na sexta-feira, 11 de janeiro, oito caças JAS 39 Gripen da Ala 17 (F17) da Força Aérea Sueca deixaram o aeródromo de Malmö, rumo aos Estados Unidos. O objetivo é participar do exercício Red Flag, na Base Aérea de Nellis, em Nevada. Entre os pousos em rota, nos Açores (Portugal) e Maine (EUA), dois aviões reabastecedores KC-10 norte-americanos garantem os reabastecimentos em voo para a viagem.

Cada KC-10 forma um grupo com quatro JAS 39 Gripen durante a travessia. Trata-se da primeira vez que esse tipo de traslado de milhares de quilômetros sobre o oceano Atlântico, envolvendo caças Gripen suecos, é feito com reabastecimento aéreo.

KC-10 de apoio para F17 na Red Flag - foto Forças Armadas Suecas

Um AN-124 (Antonov) está levando equipamentos de apoio. Foram vários meses de preparação tanto para a viagem sobre o Atlântico quanto para esse terceiro exercício Red Flag para o qual a Força Aérea Sueca é convidada (os outros foram em 2006, no Alaska, e 2008 , também em Nevada). Segundo nota das Forças Armadas Suecas, a Força Aérea dos EUA (USAF) se mostrou até hoje impressionada com os caças Gripen e a forma que os suecos os utilizam taticamente. A participação no exercício vai de 17 de janeiro a 1 de fevereiro.

Antonov de apoio para F17 na Red Flag - foto Forças Armadas Suecas

Segundo o comandante do contingente, o coronel Anders Segerby, anos atrás o reabastecimento aéreo era um desafio para os pilotos da Ala 17, mas atualmente é mais uma das tarefas a cumprir nas operações táticas do exercício. A novidade agora é a travessia do Atlântico com reabastecimento em voo – nas edições anteriores da Red Flag em que os caças Gripen suecos participaram, foi necessário fazer de sete a oito escalas até o local do exercício.

FONTE / FOTOS / VÍDEO: Forças Armadas da Suécia (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em sueco)

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

8 Comments

Subscribe
Notify of
guest

8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader

Vão dar trabalho os Gripen. Consta que esses caças jamais perderam um combate simulado.

thomas_dw

E a FAB, a FAB vai ter que esperar mais uns dez anos, imagino que na FAB existem os veteranos do RED FLAG, aqueles pilotos do A-1 que ha 15 anos atras participaram da primeira RED FLAG e contam para os mais jovens como foi … e os dos F-5M que foram la a 3 anos contam como foi a sua experiencia aos novatos, todos sabendo que quem sabe, com sorte, daqui a 10 anos uma nova RED FLAG pode ocorrer, quem sabe …

Giordani

thomas_dw disse: 13 de janeiro de 2013 às 8:33 Anota aí: Assim que os A-1M e A-4M estiverem “na ativa” os EUA convidam a FAB e a MB para uma RF. Os gringos são malandros, mesmo sabendo qual tipo de aviônica foi integrada, eles querem ver in loco como são operados…anota aí, dentro de no máximo uns 3 anos e a FAB volta ao RF e a MB* vai pela primeira vez… * Se um dia a MB participar com seus A-4M em solo gringo deverá ser com a USN lá pelas bandas de Miramar…Eu, particularmente, duvido que um dia… Read more »

Guilherme Poggio

Giordani disse:

Se um dia a MB participar com seus A-4M em solo gringo deverá ser com a USN lá pelas bandas de Miramar…

Miramar? Agora só se for para treinar com os Marines.

ricardo_recife

Em 2006 no Red Flag os Gripens executaram 220 missões de um total de 225 planejadas. Quatros foram canceladas por problemas meteorológicos e uma por problemas técnicos, ou seja, mais de 97% das missões planejadas foram concluídas.

No Red Flag de 2008, de acordo com o Tenente Coronel Lars Helmrich, “The Gripen fleet flew 95% of its planned sorties during the Red Flag Nellis exercise”.

Abs,

Ricardo_Recife.

Grifo

Senhores, como todo o respeito ao pessoal do esquadrão, que faz o que é possível com o que lhes foi dado, a MB não tem nem equipamento, nem doutrina e nem experiência para participar de uma Cruzex, quanto mais de uma Red Flag.

juarezmartinez

Vamos ver se desta vez eles vão conseguir operar em Nellis, porque dá úçltima vez foi uma sucessão de m_______, panes e acidentes que quse inviabilizaram a operação deles, eo s”forevis” com todas as suas limitações operacionais tiveram que carregar o piano e tiveram um índice cusperiro a 85 % de disponibilidade.

Grande abraço

EDITADO. SUBSTITUA PALAVRAS DE BAIXO CALÃO POR OUTRAS EXPRESSÕES MAIS APROPRIADAS.

O MODERADOR

Últimas Notícias

Força Aérea Brasileira inaugura nova estação radar de vigilância aérea em Rondônia

Estação será usada pelo Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) para auxiliar na proteção de fronteiras do Brasil A...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -