Home Aeroportos Nova estatal deve gerenciar aeroportos regionais

Nova estatal deve gerenciar aeroportos regionais

188
22

Anúncio deverá ser feito hoje pela presidente

 

Daniel Rittner

A presidente Dilma Rousseff deverá anunciar hoje, junto com as concessões do Galeão (RJ) e de Confins (MG), a criação de uma estatal para operar aeroportos regionais. A nova empresa, que até ontem levava provisoriamente o nome de Infraero Serviços, poderá ser contratada por governos estaduais e municipais que serão contemplados pelo plano de aviação regional de Dilma.

O plano prevê investimentos de R$ 6 bilhões – um pouco mais do que estava sendo ventilado nos últimos dias – até 2018, em 70 a 80 aeroportos de pequeno porte, que são mantidos por Estados ou municípios e precisam de melhorias em sua infraestrutura para receber voos regulares.

Sem expertise na gestão aeroportuária, os governos locais poderão contratar a Infraero Serviços para administrar seus terminais. A nova estatal terá estatuto e diretoria independentes da Infraero, sua companhia-mãe.

A empresa federal prestará serviços como a operação dos aeroportos, o controle de tráfego aéreo nas proximidades, a exploração comercial dos terminais e até mesmo a compra de equipamentos para inspeção de bagagens e combate a incêndios, que precisam estar disponíveis para a cidade receber voos comerciais.

A titularidade (propriedade) dos aeroportos continuará sendo dos governos estaduais e municipais. Dilma aprovou a criação da Infraero Serviços porque antevê que esses governos terão dificuldade para gerir os terminais ou recorrerão a contratos com o setor privado. Preferiu então oferecer a experiência da Infraero, sem que ela tenha que assumir esses ativos e atuando apenas como uma prestadora de serviços.

A própria Infraero, que já perdeu receita com as concessões de três aeroportos neste ano, vê abrir-se uma nova possibilidade de fazer negócios com a criação de uma subsidiária. Com a Infraero Serviços, ela ficará livre do risco de prejuízo na operação dos aeroportos regionais, uma vez que será remunerada por meio de contratos com valores prefixados.

Nos cálculos dos auxiliares de Dilma, o plano de aviação regional permitirá expandir a quantidade de destinos com voos regulares, dos atuais 130 para algo entre 200 e 210. O governo assegura que todas as cidades com mais de 100 mil habitantes terão um aeroporto a menos de 60 quilômetros de distância. A presidente chegou a mencionar em Paris, na semana passada, a construção de 800 aeroportos regionais. Esse número, segundo acreditam técnicos que participaram ativamente das medidas a serem anunciadas hoje, diz respeito ao total de aeródromos públicos – incluindo pistas de pouso rudimentares – que poderão, no longo prazo, receber algum tipo de melhoria. Mas não haverá nenhum programa específico de investimentos para essas pistas.

Conforme já era esperado, Dilma anunciará as privatizações do Galeão e de Confins, mas decidiu não incluir nenhum outro aeroporto na lista. A Infraero manterá participação de 49% nas futuras concessionárias. Nas conversas com os assessores, a presidente deixou claro que não fecha as portas a novas concessões, mas preferiu não fazê-las agora porque elas têm “perfis diferentes”.

Na avaliação de Dilma, o Galeão e Confins são os últimos dois aeroportos nas mãos do governo que podem atrair megaoperadoras internacionais. Por isso, ela rejeitou a sugestão do Ministério da Fazenda de incluir um terceiro aeroporto na próxima rodada de concessões, como Salvador ou Manaus. Houve receio, no Palácio do Planalto, de contaminar o êxito do leilão dos dois terminais.

A Secretaria de Aviação Civil e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) defendiam a inclusão dos aeroportos de Goiânia e de Vitória, que enfrentam problemas históricos com o Tribunal de Contas da União (TCU), por irregularidades nos contratos firmados pela Infraero com empreiteiras responsáveis por suas obras de ampliação. As obras foram paralisadas há cinco anos, mas os contratos não foram rescindidos. Enquanto isso, os aeroportos ficaram saturados.

A concessão dos dois aeroportos era um pleito também do governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), e do prefeito reeleito de Goiânia, Paulo Garcia (PT). No entanto, Dilma avaliou que o perfil desses aeroportos é completamente diferente, mais apropriado para empresas de médio porte. E deixou uma decisão sobre eles para mais tarde.

A família Sarney também levou, ao Palácio do Planalto, um pedido de privatização do aeroporto de São Luís. Mas ele tem déficit anual próximo de R$ 10 milhões e dificilmente teria condições de se sustentar sem uma parceria público-privada (PPP).

Além das concessões e de estímulos à aviação regional, que contemplam um subsídio para voos entre pequenos municípios do interior, um decreto presidencial vai liberar a exploração comercial de aeroportos privados voltados exclusivamente para a aviação geral (executiva).

FONTE: Valor Econômico, via Notimp

FOTO: Roberto Stuckler Junior

Subscribe
Notify of
guest
22 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Hamadjr
Hamadjr
7 anos atrás

Se existe a Privataria Tucana agora temos Privataria Mensaleira mas a frente vai ter uma CPI que graças ao acordo com PT/PMDB e PSDB/DEMOS não será concluída, ainda bem que o mundo acaba amanhã.

Giordani
Giordani
7 anos atrás

Essa empresa deveria se chamar “layover”…sabem como é né, a cumpañerada precisa ter um lugar para trabalhar…

Nada muda.

🙁

Marcos
Marcos
7 anos atrás

São obrigados a privatizar porque são ineficientes, dai então criam uma nova estatal para cobrir a ineficiência de uma empresa já existente que deveria sumir do mapa porque vão entregar os aeroportos a iniciativa privada. Ou seja: a privatizar, ao invés de diminuírem o peso, criam mais uma. Só em Banarnia mesmo!

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Saito na mira de Dilma.
(CH)

renato.berlim
renato.berlim
7 anos atrás

Privatiza logo. caramba. Precisamos é de menos Infraero e não o contrário.

Requena
Requena
7 anos atrás

Mais cargos comissionados, mais cumpanheiros recebendo pra não fazer nada…

Apollo
7 anos atrás

A cara de pau desta gente é infinita. Ao invés de dar solução para a empresa ineficiente que já existe criam outra !!!

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Afinal governos… políticos…. esta corja …servem para quê ?? No setor público é assim…. se vc é incompetente, aparelhou tudo com um monte de sindicalistas e cupinchas desempregados e inúteis …. em vez de simplesmente fechar, deletar ou até mesmo atear fogo nestas empresinhas mequetrefes estatais pois só comem o dinheiro público e nem sequer sabem fazer dar lucro um dos melhores negócios do mundo, com clientela cativa, com renda e utilizando o serviço com altas taxas de crescimento….. é assinar um atestado de incompetência. Estamos pagando um preço demasiado alto para alguns bacanas empoleirados encher a boca e dizer… Read more »

Marcos
Marcos
7 anos atrás

A imagem acima, de Dilma no cockpit de uma aeronave, é bastante simbólica: ela está sentada do lado direito, lugar do co-piloto. A pergunta é: quem está sentado do lado direito, quem de fato comanda o avião Brasil?

Marcos
Marcos
7 anos atrás

correção:

A pergunta é: quem está sentado do lado esquerdo, quem de fato comanda o avião Brasil?

Antonio M
Antonio M
7 anos atrás

Mais um cabide de empregos de companheirospara nossos bolsos ….E ainda tem a promessa que o governo vai bancar a diminuição do valor das contas de luz …Adivinhem para quem vai a conta dessas bondades ?!?!?!

Ricardo Santos
Ricardo Santos
7 anos atrás

Para!!!! Que eu quero descer!!!

cristiano.gr
cristiano.gr
7 anos atrás

Mais tetas. Mais empregos para a petralhada de plantão. No RS o grandissíssimo ex-ministro da justiça e atual governador, durante sua chefia no Ministério da Justiça proibiu a então governadora Yeda de permitir que a iniciativa privada construísse presídios onde o Estado pagaria para ter os presos internados. Teria um custo, mas seria muito bom para o RS contar com novas vagas para os vagabundos, já que pela negativa do então ministro, atualmente no estado juízes ficam querendo soltar os vagabundos porque o Presídio Central está super lotado e em péssimas condições. Coitadinhos dos vagabundos. O atual governador ex-ministro Tarso… Read more »

cristiano.gr
cristiano.gr
7 anos atrás

Mas como esse pessoal gosta de avião, hein!

E mesmo assim não compraram caças até agora.

Franco Ferreira
Franco Ferreira
7 anos atrás

Pelo menos, nova nomenklatura:

1- Secretaria de Aviação Civil passa a Secretaria de Aviação Civil e Operacional: SACO

2- ANAC inclui a sigla de “regional”: ANARC

3- Infraero inclui a sigla de “regional”: Infraerro

Até que fica verdadeiro!

Giordani
Giordani
7 anos atrás

“cristiano.gr disse:
20 de dezembro de 2012 às 13:14
Mas como esse pessoal gosta de avião, hein!”

Não seja injusto! A cumpañerada gosta é de helicóptero…helicóptero… 😉

Almeida
Almeida
7 anos atrás

Sensacional Franco! 🙂

No mais, mais cabides de emprego para esses vagabundos e criminosos! Deviam era construir mais presídios, como bem disse um colega acima!

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Genti, óia eu aqui dirigindo um avião di verdadi!!
Vrummmmmm…

Vader
7 anos atrás

Dá com uma mão e tira com a outra. Esse é o PT.

HRotor
HRotor
7 anos atrás

Mais cargos cumpanheiros bancados pelos tolos pagadores de impostos.
País desgovernado…

Observador
Observador
7 anos atrás

Senhores, Quando esta foto foi publicada aqui a primeira vez, eu disse temer que seria o retrato do governo da “presidenta-pilota”: ela dirigindo o país olhando por cima do ombro, com um olhar aparvalhado de quem não sabe o que fazer e nem o que está fazendo ali. Aparentemente, os temores se tornam verdadeiros. É mais um governo estatizante, que não faz, não sabe como se faz e não deixa ninguém fazer. Como vários colegas disseram, a nova estatal é só mais um cabidão de empregos para gerenciar perdulariamente aeroportos que serão deficitários e que viverão a custa de subsídios.… Read more »

trackback
7 anos atrás

[…] Nova estatal deve gerenciar aeroportos regionais […]