segunda-feira, maio 17, 2021

Gripen para o Brasil

Array

Avanço da Embraer no campo militar depende do governo, diz analista

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Embora a venda inédita de vinte Super Tucanos da Embraer para os Estados Unidos reforce o sucesso comercial dessa aeronave militar, o avanço da empresa no mercado de armamentos requer um maior endosso do governo brasileiro, segundo Thomaz Costa, professor da National Defense University, em Washington.

“A compra é episódica, não significa que marque alguma tendência (de maior participação da Embraer no mercado militar)”, disse ele à BBC Brasil. Segundo Costa, que é brasileiro, o avanço da empresa no setor depende de encomendas do governo brasileiro e do que ela pode fazer para aumentar a produção de componentes no Brasil.

“O desenvolvimento de equipamentos militares leva vários anos e é muito custoso; o governo precisaria bancá-lo”, afirma. Ele acrescenta, no entanto, que o Planalto não tem demonstrado intenção de investir no setor militar, citando como exemplo a indefinição para a compra de caças para as forças brasileiras.

Em 2010, após vários anos de especulações, surgiram rumores de que Brasil e França haviam fechado um acordo para a venda de 36 caças franceses Rafale à Força Aérea Brasileira (FAB), ao custo de cerca de US$ 6 bilhões (R$ 11 bilhões).

No entanto, a negociação jamais foi concretizada e gerou polêmica, já que um relatório técnico da FAB teria revelado que o Rafale era inferior aos seus dois concorrentes na disputa – o caça sueco Gripen e o americano F-18, da Boeing.

Para Costa, sem o endosso do governo brasileiro, o avanço da Embraer no mercado dependeria de parcerias com empresas estrangeiras e oportunidades pontuais.

“Como a Embraer é uma empresa de capital aberto, os investidores buscarão sempre as melhores oportunidades, não necessariamente no campo militar”.

Ele afirma ainda que a expectativa de que a companhia amplie nos próximos anos as vendas para o governo dos EUA poderá ser frustrada por cortes no orçamento militar do país, que tornariam o mercado americano ainda mais competitivo.

Aeronave ‘madura’

Mesmo que considere incerta a evolução da Embraer no setor de armamentos, o professor diz que o acordo para a venda de Super Tucanos aos Estados Unidos “demonstra a maturidade” da aeronave, desenvolvida há cerca de 30 anos.

Segundo o Pentágono, os aviões serão repassados ao Corpo Aéreo do Exército Nacional do Afeganistão, onde serão usados para combater grupos insurgentes.

De acordo com Costa, o emprego dos Super Tucanos no país se justifica pelo sucesso obtido pela aeronave em operações de combate às Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) em território colombiano.

“Como o Afeganistão, a Colômbia é um país de vales. A compra faz sentido, porque o apoio aproximado para ataques em solo de vales requer aviões com grande capacidade de carga, velocidade baixa e capacidade de manobra eficiente – todas essas são características do Super Tucano”.

Firmado ao custo de US$ 355 milhões (R$ 650 milhões), o contrato para a venda dos vinte aviões foi o primeiro entre a Embraer e a Defesa americana e prevê ainda o treinamento de pilotos e a manutenção das aeronaves. A companhia terá 60 meses para entregar os equipamentos.

FONTE: BBC Brasil

- Advertisement -

5 Comments

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio M

Pois é ….é que tantos defendem aqui.

Mas creio que esta informação é equivocada:

“…um relatório técnico da FAB teria revelado que o Rafale era inferior aos seus dois concorrentes na disputa – o caça sueco Gripen e o americano F-18, da Boeing …”

Pelo que sei não seria questão de inferioridade da aeronave mas, de custos mesmo pois os outros cumprirem os mesmos tipos de missão e satisfazem as necessidades da FAB comr valores/acordos melhores além da própria experiência da FAB com fornecedores franceses, que provavlemnte não deve estar explicitado no relatório técnico.

Daglian

Então a Embraer pode tirar o cavalinho da chuva, porque o governo é incompetente demais pra fazer tudo o que não seja desviar dinheiro público.

Antonio M

O GF deveria levar em conta isso, antes de pensar no CS da ONU.

Bem, eles queriam fazer parte apenas para “peitar” os imperialistas, vetando suas ações e promover a paz mundial, dando o exemplo de não fomentar a própria indústria de defesa. rsrsrsr!!!!

Nautilus

O Super Tucano foi desenvolvido há 30 anos? Quanto conhecimento esse professor demonstra, não?

Antonio M

Nautilus disse: 5 de janeiro de 2012 às 23:35 Caro Nautilus, provavelmente o sr. Thomaz se referiu ao Tucano T27, que serviu de base ao projeto do Super Tucano, contabilizando o referido período desde a data de desenvolvimento do T27. E quanto ao lobby, convém lembrar que esta atividade é legalizada nos EUA, com legislação, normas etc e aqui sim, igaul ao jogo do bicho: não está legalizada, existe mas poucas autoridades admitem e ganham com tudo “rolando por debaixo dos panos”. A movimentação da HB é normal e é visível, comentada aqui e no mundo graças à legalidade. Se… Read more »

Reportagens especiais

‘DC-3 Affair’: o caso do avião espião sueco abatido pelos soviéticos

Por Alexandre Galante Em 13 de junho de 1952, um C-47 (versão militar do famoso DC-3) da Força Aérea Sueca,...
- Advertisement -
- Advertisement -