Home Asas Rotativas Helibrás recebe ‘protótipo’ de produção local

Helibrás recebe ‘protótipo’ de produção local

168
14

Empresa, controlada por grupo francês, produzirá novos modelos de helicóptero no País para cumprir contrato com o governo

Roberto Godoy

Chegou ao Brasil no dia 16 e já está no galpão da engenharia de projeto da helibrás, em Itajubá (MG), o primeiro helicóptero pesado EC725 Super Cougar que vai entrar na linha de montagem nacional, que ficará pronta em 2012. Será o 17.º da série de 50 que a empresa, controlada pela francesa Eurocopter, produzirá para o governo brasileiro por cerca de R$ 5,2 bilhões e com transferência integral de tecnologia.

Testado e voado na Europa, servirá de protótipo para todo o conhecimento tecnológico entregue e também para o desenvolvimento de sistemas. “Toda a encomenda será concluída em 2020 com 50% de nacionalização, cerca de 3% acima da média internacional em operações desse”, diz o presidente da helibrás, Eduardo Marson.

O plano estratégico da Eurocopter em relação à helibrás, de acordo com Marson, é fazer do complexo brasileiro o seu quarto pilar mundial de produção, ao lado de Alemanha, França e Espanha. O investimento direto do grupo para o Programa ECT725 é estimado em R$ 500 milhões.

As primeiras 16 unidades do contrato com o Brasil sairão da França. Em 2012 outros três modelos operacionais serão entregues para as Forças Armadas. Uma quarta versão em configuração executiva vai para uso da Presidência da República. O conteúdo estrangeiro será gradativamente reduzido. Uma equipe de especialistas militares acompanha o processo desde o começo para garantir o domínio das tecnologias utilizadas.

As aeronaves serão “personalizadas” de acordo com seu destino final. O Exército quer os seus EC725 com um Flir, que usa o calor para “enxergar” à noite e sob neblina. Dois suportes laterais poderão receber metralhadoras e canhões leve, além de disparadores de foguetes. A Força Aérea está desenhando seu sistema de armas, mas terá a bordo um sensor de rastreamento de superfície. A Marinha vai adotar um conjunto de combate antissubmarino com recursos para detecção de alvos e lançamento de mísseis e torpedos.

Polo industrial. Há uma revolução em andamento na pequena Itajubá, cidade de 90 mil habitantes no sul de Minas Gerais, onde o governo quer implantar um polo aeronáutico. No centro deste processo está a helibrás, controlada pela Eurocopter na qual o governo de Minas Gerais tem pequena fatia societária.

Criada há 33 anos, a companhia tem um saldo de 550 unidades entregues. Além de fornecer os EC725. a helibrás está realizando a revitalização tecnológica de 32 modelos médios Pantera e de 36 Esquilos da Aviação do Exército. No total, são negócios da ordem de 2 bilhões.

Para cumprir a agenda, será inaugurada em março a nova unidade de produção, com hangar de 11,5 mil metros quadrados. O número de funcionários saltará dos atuais 610 para 1,1 mil, em 2015. O Centro de Engenharia, que prepara pessoal qualificado, aumentou a capacidade de 7 para 54 profissionais. O acordo bilateral franco-brasileiro prevê o treinamento de 96 funcionários brasileiros na França e a transferência de 44 franceses para Itajubá. A equipe vai criar em conjunto um simulador eletrônico de voo do Super Cougar, com movimento real nos três eixos e telas digitais. O valor do equipamento excede US$ 3 milhões.

FONTE: O Estado de SSão Paulo, via Notimp

14
Deixe um comentário

avatar
14 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
Mauricio R.ricardo_recifeVaderIvanUitinã Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
edcreek
Visitante
edcreek

Olá,

Ninguem por aqui? na hora de criticar apareçem os mesmo de sempre por o produto ser origem Russa ou Francesa quando está certo eles desaparecem. O preço pode até ser questionavel, mas o planejamento vem sendo seguindo corretamente. Como no caso dos submarinos….

Para helis pelados, aparecerão bastante opcionais não?

Mas como é Frances o heli prototipo é de isopor e as peças são falsas…..kkkkkk

Abraços,

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Meu nobre Ed! Não é popr aí, o fato ser Francês, ameicano ou de Saõ Cricário do bororoca não importa, vale se ele cumprirá a missão , ou não. N´[ops sabemos que tem duas delas que ele não cumpre e ainda todos os custos de integração que vão desde os aviônicos de missão até as integrações de armamento não estão incusos no preço que é um assalto por si só, se somarmos as integrações desejadas pela MB o custo via para US$ 45.000.000,00 sem capacidade ASW, lembrando que os BHs custaram mais ou menos isto com capacidade ASUW e ASW.… Read more »

Nick
Visitante
Member
Nick

Caro Ed,

Minhas críticas vão mais pelo fato da Helibrás hoje ser uma subsidiária da EADS. Que ToT é essa? Precisamos pagar esse pedágio todo, se eles(a EADS) é que está se beneficiando com essa “transferência”?

Se fosse por exemplo a recebedora a Avibrás, ou a Mectron, ou mesmo a Odebrecht que está está fazendo acordos com a EADS, eu até entenderia esse sobrepreço todo, apesar de não concordar muito, já que o EC-725 é um produto em fase final (talvez a última evolução do AS330 Puma).

[]’s

Nick
Visitante
Member
Nick

Só complementando o NH-90 é o produto similar, mas muito mais capaz que estará equipamento praticamente todas as Forças da OTAN, além de outras como a Suécia e Austrália.

[]’s

PS: Desculpem erros de concordância e outros 🙂

Uitinã
Visitante
Uitinã

Quem quer ter tem que pagar e boa se os malvados franceses ofereceram transferência de tecnologia, por um preço caro e nenhuma outra empresa ou país ofereceu algo igual por preço menor só resta calar a boca e deixar o barco andar.

Quem não quer manda, quem quer faz.

Ivan
Visitante
Member
Ivan

Monsieur Edcreek, Por falta de tempo e interesse não me apresentei para comentar uma notícia repleta de meias verdades, que usa as novas palavras de ordem oficiais. O Nick questionou com propriedade a atualidade do projeto EC-725, uma atualização do bom e (muito) velho Aérospatiale SA 330 Puma, um helicóptero que fez seu primeiro vôo em 15 de abril de 1965, sendo incorporado a França em 1968 e a Portugal em 1970. Se é para implementar algo realmente novo melhor seria o NH-90, que inclusive tem uma interessante versão embarcada, o NFH – NATO Frigate Helicopter. Mas deixo esta abordagem… Read more »

Vader
Visitante
Member

Perae! Pera um pouquinho! “Generosos” 50% de ToT e vocês estão achando que os nossos “parceiros estratégicos” (by Lula, NJ e CA) nos fazem um imenso favor? Como a própria reportagem diz, gigantescos 3% (TRÊS PORCENTO) acima da média mundial??? Isso porque são, como disse, “parceiros estratégicos”???? Após 20 (VINTE) anos de produção (e VENDA – muito bem remunerada, por sinal) de helicópteros ao Brasil??? E, ainda, isso apenas ocorrerá após as 15 primeiras unidades, que nem sequer serão MONTADAS (não falei fabricadas – muito menos projetadas – falei MONTADAS!) no Brasil????? E isso é uma “revolução”????? É isso que… Read more »

Vader
Visitante
Member

Meu Deus, que lástima; a burrice impera, e um povo que aprecia esse lixo aí tem mais é que ser dominado mesmo. Trocam os cabrestos, mas o dono é o mesmo. Au au au…

E depois ainda vemos cidadãos falando em “complexo de vira-latas”…

Vader
Visitante
Member

Meu pai do céu, estes devem ser os 200 empregos mais caros da história do Brasil. E não temos sequer um único projetista entre eles….

Au au au.
Au au au.
Au au… au.
Francês é bonzinho, grrrrrr, e au au, dão a eles mesmo, aqui no Brasil, a tecnologia que não au querem mais, arfh. E a gente ainda abana o rabicó, feliz da vida, au au… grrrrr…

Inacreditável.

ricardo_recife
Visitante
Member
ricardo_recife

1. Helibrás ou Parafusobrás. A reposta é: Parafusobrás.

2. Compramos um helicóptero de concepção antiga, mesmo com toda maquiagem ele ainda lá no fundo é um velho Aérospatiale Puma. Compramos bem mais que a própria França (14) que vai de NH-90 (61 comprados, fora mais 34 opções).

3. Estamos pagando muito caro pela tal “transferencia de tecnologia” que vai de uma empresa francesa para sua subsidiaria. O tal indice de nacionalização está dentro da média mundial, nada de ganho.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

“devemos gerar empregos para os pais de familia do Brasil e nao dos EUA.”

Ah, mas exportar empregos p/ a França pode???
Pq é exatamente o que ocorre na “Apertaparafusobrás”, cada vez que alguém aqui no Brasil adquire um dos produtos Eurocopter.

Uitinã
Visitante
Uitinã

KKKKKKKKKKKKK o pessoal não admite nem de pé junto, dá graça ver os comentários dos leitores acima, kkkkkkkkkkkkkkkk no final das contas tanto choro não adianta de nada o francês veio e pronto.

Vader
Visitante
Member

Uitinã disse:
22 de dezembro de 2011 às 17:22

Veio e pronto. E eu vou continuar denunciando essa farsa e pronto. 🙂

Ivan
Visitante
Member
Ivan

Monsieur Uitinã, Não há choro, apenas críticas de brasileiros que gostariam de ver nossos líderes conseguindo melhores negócios e condições para o Brasil. Mas no final vc tem razão, “o francês veio e pronto”, tem uma subsidiária integral no gigante adormecido chamado Brasil, conseguiu uma reserva de mercado com o maior contingente militar da América Latina e ainda conseguiu descarregar um helicóptermo mais antigo, com futuro limitado. Parabéns a França e aos franceses… como alguns ‘ami’. Para nós, brasileiros, fica a esperança que no futuro (somos o país do futuro, lembra?) aprendermos com o exemplo da China e Coreia (como… Read more »