quarta-feira, julho 6, 2022

Gripen para o Brasil

Turquia pode se juntar ao KF-X da Coreia do Sul

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

O jornal Korea Times informou na última quarta-feira, 8 de setembro, que a Turquia vem mostrando interesse em se juntar ao programa de desenvolvimento do caça KF-X, da Coreia do Sul. O programa já ganhou investimento da Indonésia, segundo o jornal.

A informação veio do Maj. Gen. Choi Cha-kyu, diretor geral do bureau de programas de aeronaves da DAPA (Defense Acquisition Program Administration – Administração de Programas de Aquisição de Defesa), durante um fórum realizado na cidade Sul Coreana de Gyeongju. Segundo o Major General, a Turquia opera aproximadamente 180 caças F-16 e está considerando, seriamente, a participação no programa KF-X para substituir os velhos caças por novos, por volta de 2020.

Choi Cha-kyu também afirmou que o programa KF-X, que começou em 2002 mas foi adiado por problemas financeiros e técnicos, deverá ser iniciado novamente no ano que vem, com o consentimento de autoridades ligadas ao orçamento.

Fontes da indústria disseram que a participação da Turquia no projeto poderá resultar em um acordo de troca: a Turquia quer que a Coreia do Sul considere o helicóptero T-129, em desenvolvimento para o Exército Turco, como candidato para o programa de aquisição AH-X, de helicópteros pesados de ataque.

O programa KF-X pretende desenvolver um caça local similar às ultimas versões do F-16, por volta de 2022. A Coreia do Sul deverá bancar 60% dos custos de desenvolvimento, estimados em 5 trilhões de won (aproximadamente 4,2 bilhões de dólares, ou 7,3 bilhões de reais). O restante deverá ser financiado por nações estrangeiras ou companhias de defesa, dividindo os riscos.

A Coreia do Sul Korea espera receber transferências relevantes de tecnologia de empresas aeroespaciais dos Estados Unidos e Europa. Possíveis parceiros incluem Boeing e Lockheed Martin, dos EUA (esta última foi parceira da empresa sul coreana KAI no desenvolvimento do jato de treinamento supersônico T-50 Golden Eagle, que pode ser visto na foto abaixo).

Na Europa, possíveis parcerias poderão ser feitas com o grupo EADS e a sueca Saab (veja abaixo um slide de apresentação desta última, relacionado a uma participação no programa KF-X).

Inicialmente, espera-se produzir 120 caças, com outros 130 adicionais após os primeiros atingirem capacidade operacional. Os custos de produção, após a fase de desenvolvimento, estão estimados em 6 trilhões de won (aproximadamente 5,14 bilhões de dólares, ou 8,8 bilhões de reais)

Em 15 de julho deste ano, a Indonésia assinou um memorando de entendimento (memorandum of understanding – MOU) em que arcará com 20% dos custos e a compra de 50 caças KF-X quando a produção em massa começar. Espera-se que, entrando no KF-X, a Turquia se responsabilize pela mesma parcela de verbas para custear o desenvolvimento que a Indonésia.

O programa KF-X

A proposta original do KF-X era desenvolver um caça furtivo de quinta geração, com características entre o Dassault Rafale ou Eurofighter Typhoon e o Lockheed Martin F-35. Em meio a controvérsias sobre a viabilidade desse plano, a DAPA encomendou um segundo estudo, em abril do ano passado, para o Centro de Desenvolvimento e Aplicação de Conceitos de Sistemas de Armas, da Universidade de Konkuk.

O centro recomendou um plano de desenvolvimento de um avião do tipo F-16, com um radar AESA (varredura eletrônica ativa), uma suíte de guerra eletrônica e sistemas de data-link adequados a um ambiente de guerra centrada em redes. Também recomendou que o jato tivesse, comparado ao F-16,  um raio de combate uma vez e meia maior, uma vida útil da célula 1,34 vezes mais longa e aviônicos superiores aos da versão Block 50 do caça norte-americano.

Outros requerimentos são um empuxo de 50.000 libras, que poderá ser fornecido tanto com o emprego de um único motor ou de dois motores, supervelocidade de interceptação e capacidade supercruise (voo de cruzeiro supersônico, sem uso de pós-combustores). Também requere-se capacidade de atingir alvos no ar, terra e mar.

FONTE: Korea Times

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

41 Comments

Subscribe
Notify of
guest
41 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo

Putz..

Este cockpit exagerado da maquete lá em cima, fica parecendo um F22 em revistinha do Pato Donald!

ehehehehe

Se eles estão aceitando parceiros, porque alguém da toda poderosa Banalândia, não dá uma ligada e vê o projeto de perto ?

Francisco de Bem

Olha o cavalo passando encilhado…
Que tal a dupla KC-390 & KF-X?

GBeck

Pois é. De onde um pais como pouca tradição em construção aeronáutica consegue projetar algo assim? Aposto que foi com transferência de tecnologia obtida junto ao programa T-50. Em um dos videos sobre esse projeto aparece o abundante uso de ferramentas virtuais. Penso que projetar em si não é o problema. O problemas são vontade política e recursos, coisas nem sempre abundantes neste campo. No mais, achei o avião meio feio, mas isso é bem subjetivo.

Michel Lineker

E a força aerea turca contará com o F-35 e o KF-X enquanto isso a FAB vai contar com o AMX modernizado e o Fantasma X2.

Theo Gatos

R$ 7,3 bi para um caça novo praticamente de 5a. geração (pelo visto é superior aos de 4,5 Geração) e com tecnologia desenvolvida e não “transferida”…

Tudo bem sei que isso é só 60% do valor, ainda tem o preço unitário de cada vetor e que ainda envolve outras empresas internacionais com tecnologia a ser transferida e tal, mas francamente poderíamos ter considerado um desenvolvimento ao invés de aquisição não acham? Ou a Korea é tão mais avançada que o Brasil tecnologicamente e em capacidade de desenvolvimento?

Affe, quanto vamos gastar no FX-2 mesmo??? Tsc… Tsc….

Sds.

Antonio M

E o governo/MD omendo mosca novamente !!!!

Poderiam mudar a fábrica da Embraer que está na China para a Coréia! rsrsrsrsrsr!!!!!

Luiz Ricardo

Oportunidade… =(

ouragan

Para quem acredita em “coelinho da pascóa” a chance é essa. Para quem trabalha com a realidade, mais uma comédia do século 18 para se rir.

Wellington Góes

Até que o projeto da SAAB é interessante!!!

Rodrigo

ouragan disse:
10 de setembro de 2010 às 13:15

Espertos são os caras que não conhecem aviação e escolhem um vetor defasado.

Gabriel T.

Em geral um projeto visa atender necessidades específicas de um país. Nesse ponto ele é um projeto viável. Vale analisar se um país terceiro que tem interesse nesse projeto terá as suas necessidades preenchidas. Num primeiro olhar, um projeto pode parecer fantástico. Mas quando posto em prática pode ser diferente do que seria na teoria.

Tysock

Histórinha pra boi dormir…é mais fácil o FX2 ser finalizado que a turquia participar(e quando digo participar é realmente botar um $$$$) deste projeto…

Realmente, a maquete tá um monstrinho…

Galileu

Primeiro alguem tem que mandar um link desse projeto aí pra FAB, acho que eles nem sabem que existe.

Mais uma oportunidade….
Daqui 20 anos sai o FX, teremos um vetor de 4g enquanto a maioria com seus de 5g ahahah

Marcelo

o slide da Saab, é uma proposta para quando o projeto era de 5a geração full stealth. Isso já foi abandonado e será um de 4,5a a 4,75a geração, se é que isso existe…parece que não haverá mais participação de empresas de fora dos parceiros que irão comprar a aeronave (Coreia do Sul, Indonesia e talvez Turquia). A grande crítica é que não será um avião de 5a geração e vai entrar em operação, na Coreia e na Turquia, 10 anos depois de um avião de 5a geração (o F-35). A propósito na Aviation Week dessa semana, há um artigo… Read more »

Nick

Eu sinceramente seria favorável ao caça full 5ª geração, como a proposta da SAAB. Mas………

Se houver alguma provisão para conformal bays, será um projeto interessante, mesmo que com os requisitos furtivos reduzidos. De qualquer forma, uma visita à Coréia do sul para conhecer o projeto de perto, e podendo adequa-lo ao TO brasileiro, com participação efetiva de indústrias nacionais, seria perfeito.

Enquanto isso, nosso governo reluta em tomar qualquer decisão, o que indica obviamente que não sabe o que quer. Essa é a nossa realidade.

[]’s

Edu Nicácio

“Affe, quanto vamos gastar no FX-2 mesmo???” Se formos de Gripen E/F, US$ 4,5 bilhões, por 36 aeronaves + manutenção + armamentos + ToT + “sociedade” no projeto Gripen NG + exclusividade na fabricação dos Gripen para América Latina (mais fácil de vender que Rafale e F-18) + exclusividade na fabricação de determinadas partes para TODOS os Gripen fabricados no mundo. Detalhe: com 8 anos de carência e 15 anos pra pagar (terminaríamos de pagá-los por volta de 2033), quando teremos, se o cronograma da MB se cumprir, 13 S-BR, 3 SN-BR, dois novos NAE’s, um punhado de Fragatas e… Read more »

Humberto

Caro Eduardo..Viajar e sonhar..não custa..Até entendo a nova encomenda dos ST, mas F-35, 12 caças por ano..não creio que temos cacife e nem necessidade do mesmo (no mais, não acredito que os americanos venderiam mais de 100 F-35 ao Brasil). Mas voltando ao tópico, interessantissimo esta notícia, mesmo sabendo que grande parte dos sistemas DEVA ser Americano (ou sobre sua influencia direta), creio que o interesse Turco demonstra que eles sentiram a pressão dos gringos e estão querendo ficar menos alinhados com os primeiros (o pingo d´água foi aquele incidente com a morte de turcos pela marinha Israelense, não ficaria… Read more »

Marcelo

não tenho tanta certeza quanto à maioria dos equipamentos serem de origem americana para o KF-X. Para o F-50 (versão de combate do T-50) a Coreia gostaria de um radar AESA e estava negociando com a Selex e com a Elta, mas os EUA barraram (pois o T-50 teve apoio americano por parte da Lockheed e isto estava no contrato, que o F-50 não poderia ter capacidade similar ao F-16). Sendo assim, acho que não vão cometer o mesmo erro duas vezes, de encher o KF-X de componentes americanos para depois ficarem com restrições. Também já li que o motor… Read more »

Marcelo

lembrem-se que a KAI está com um bom relacionamento com a EADS (projeto Surion)…

Humberto

Caro Marcelo, Creio que a coisa é um pouco mais embaixo, os Coreanos queriam equipar o caça com o Vixen-500E e a LM (que é a maior subcontratada (e depois a GM) no projeto) disse que não, pois pelo contrato inicial, o caça coreano não poderia ser superior ao LM F-16 (obvio, ninguem quer mais um concorrente) e no mais a LM teria que abrir os seus códigos para uma empresa Britanica..Ou seja no-way… http://www.aereo.jor.br/2009/01/03/assinado-contrato-de-desenvolvimento-do-fa-50-o-caca-leve-sul-coreano/ No mais, a Raytheon também ofereceu o radar AESA para os coreanos ai por “encanto”, a LM fechou com o radar Israelense… Quanto ao motor… Read more »

Tito

Tá ai um projeto a ser estudado pelos nossos “governantes”.

Mas como não rola um “chatô”…

Marcelo

acho que nunca houve um prototipo de AMX com EJ-200…acho que foram só estudos de viabilidade assim como com uma versão sem after burner do GE F404, só estudos…

Marcelo

o radar israelense “liberado” para o F-50 coreano não é AESA…os coreanos devem estar um pouco chateados com sua “amizade” com os EUA, porém, o que pesa, no final, é que eles precisam muito mais dos EUA do que os EUA deles, em caso de conflito com uma Coreia do Norte nuclearizada, então, realmente eles precisam engolir esses sapos de vez em quando…mas já nem tudo é americano, como no caso do Surion.

Vader

Theo Gatos disse: 10 de setembro de 2010 às 12:59 “a Korea é tão mais avançada que o Brasil tecnologicamente e em capacidade de desenvolvimento?” Sim. Marcelo disse: 10 de setembro de 2010 às 14:17 “6a geração inclui armas de “energia” como lasers ou pulsos EMP + stealth melhorado em todo o espectro de ondas (a tecnologia de hoje foca mais em ondas de radar, acredito que 6a geração deve se preocupar mais com Infravermelho, visto que os sistemas IRST se tornarão mais poderosos e baratos, lembrem-se que o Rafale foi capaz de detectar o F-22 usando o OSF).” Classificações… Read more »

Vader

Marcelo disse:
10 de setembro de 2010 às 17:39

“eles precisam muito mais dos EUA do que os EUA deles, em caso de conflito com uma Coreia do Norte nuclearizada”

Bem, eu acho que eles precisam muito dos EUA por um montão de motivos, mas não por causa da patética CN, que não duraria uma semana em guerra contra um exército moderno. Até porque esta não tem como lançar em território sul-coreano sua bomba-atômica carregada por três caminhões.

Sds.

Rafael

Deve existir alguma coisa estranha acontecendo na Asia, pois os paises mais desenvolvidos estão passando por um surto de militarização muito interessante. Só nesse projeto temos 3 paises envolvidos( eu sei que a Turquia tem mania de ser europeia), e o mais interessante é que em cada projeto eles buscam mais autonomia tecnologica e desenvolvimento de sua tecnologia.

No mais, esse projeto resultara em mais um caça de 4,5ª que só sera justificado por grandes compras dos paises que fazem parte do mesmo.

zmun

A indústria aeronautica coreana, ciente das suas limitação, nunca foi a favor do desenvolvimento de um caça de 5nd geração. Até porque eles vem se mostrando uma tremenda furada. Na verdade o que os industriais queriam mesmo era o desenvolvimento de uma versão mais “parruda” do T-50. Caso isso aconteça ou, caso seja projetado um novo avião, dificilmente ele será muito mais superior que o Gripen NG. Parece que eles querem um F-16 com super cruzeiro a avionicos modulares melhores que os atuais. Duas conclusões: O Gripen NG pode ganhar um concorrente. Detalhe, existe uma enorme lacuna no mercado para… Read more »

Robson Br

A coreia gastou anos para terminar o T-50 e só chegou a este ponto com ajuda americana.

Este caça, até no estágio de rascunho é ruim.

A SAAB ainda nem coseguiu produzir um caça superior ao Gripen C/D (nem um protótipo do Ng produziu), não tem tecnologia nem grana para isso. Pelo geito está a procula de uns trouxas para bancar seus rascunhos.

General

Se a Coréia do Sul e Turquia conseguirem desenvolver o KF-X,caso a parceria se concretize, a dor de cabeça de Kim Jong-Il vai piorar, e muito

juggerbr

Tão melhor que a gente… ouviu Jobim????

Marcelo

Vader, o F-35 não é superior ao F-22 em stealth (tanto radar e infravermelho), o RCS dele é cerca de 10 vezes maior que o do F-22, se não me engano a comparação é de uma bola de gude para uma bola de tênis. Só porque é mais novo não significa que é melhor, os requisitos de projeto foram diferentes.

Marcelo

não é preciso muito para atacar Seoul, capital da Coreia do Sul, ela está muito proxima da fronteira, misseis de curto/medio alcance, que a Coreia do Norte possui, são suficientes. A Coreia do Norte é um país patético, porém ainda perigoso, possui um exercito enorme, e creio que a Coreia do Sul não os subestima…

Marcelo

não estou me referindo a nenhum blog frances, mas à Air et Cosmos que é uma das publicações mais importantes da Europa em aviação e espaço, e também à Flight International, aliás a Flight International publicou um artigo de um ex piloto da RAF que voou o Rafale e simplesmente, nas palavras dele, o melhor caça que já voou. Lembrem-se que esta revista é inglesa.

Klevston

Zmun,
Aonde você tirou esta idéia de que caça de 5ª geração é uma furada? Imagina você em um caça de 4ª geração e eu em um de 5ª quando você me ver eu já estarei travado em seu avião e o pior você será destruido ser saber o que o atingiu; quanto as tecnologias para detectar um caça de 5ª geração estas quando já estiverem prontas as contra medidas estarão mais adiantadas.Um caça furtivo levará sempre vantagem em relação a outro caça detectável, isso todos sabem.

Gilberto Rezende-Rio Grande/RS

A DESESPERADA sueca SAAB está doida para participar em QUALQUER projeto militar que voe pois com seu tamanho industrial minimo e a falta de compromisso do governo sueco com um novo projeto de avião militar, se não achar algum tolo que a financie (brasileiro ou indiano), em 10 ou 5 anos ela estará simplesmente FORA do negócio da produção de caças militares…

Wellington Góes

Gilberto, a SAAB está tão desesperada quanto está a Dassault pra vender Rafale, a diferença é que ela está diversificando, ou tentando, diferente da Dassault que não faz nada pra mudar o status de seus produtos, o mercado é assim mesmo, a empresa tem que procurar dinamizar seu portifólio.

Até mais!!!

Gilberto Rezende-Rio Grande/RS

Não Wellington, a Daussault tem o apoio do governo Francês e um programa de fornecimento do Rafale com a Marinha e a Força Aéreas francesas…

A SAAB não tem NADA só seu Gripen DEMO e ESPERANÇAS…
Isso indica que é a SAAB que esta DESESPERADA…
Diversificando só está quem tem algo a diversificar…
De efetivo a SAAB só tem o JAS 39 Gripen…

A Dassault está apenas RECEOSA… No máximo…

mariorcosta

até a Turquia se adianta em relação ao Brasil… Barbaridade!

Daniel Rosa

Os EEUU excercem uma força politica tremenda sobre a Coréia. Com a entrada da Turquia, acho que talvez o projeto vá em frente. Seria interessante a Embraer acompanhar de perto, ou talvez até investir com sua capacidade e seus conhecimentos! Quem sabe teriamos um avião a altura para fazer frente ao F-35…

marujo

Gostaria que os companheiros comentassem se valeria a pena o Brasil participar do desenvolvimento de um caça ( e operá-lo futuramente) de um caça que é apenas um pouco superior ao F-16. Qual seria o preço de compra de uma avião como este? E sua hora de vôo?

Fernando Fidelis

Na boa pessoal brasil perdendo o bonde dinovo???? com o pak fa eu concordo mais um aviao um poco melhor que um f-16 para começar nas melhores das hipoteses a ser produzido daki 15 anos…
Na boa né pessoal…. duvidu qui isso vai ser furtivo nem a nivel do f-15 silent…
Brasil precisa de parceiros realmente poderosos chega de aliança com potencia meia boca né

Últimas Notícias

Base Aérea de Anápolis inaugura prédio do Primeiro Grupo de Defesa Aérea

O prédio simboliza um marco na operação do novo vetor da FAB, o F-39 Gripen A Base Aérea de Anápolis...
- Advertisement -
- Advertisement -