sábado, abril 17, 2021

Gripen para o Brasil

Boeing, em São Paulo, reafirma custo-benefício do Super Hornet

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

f-18e-super-hornet-foto-boeing

A Boeing iniciou nesta terça-feira, 15 de setembro, dois dias de conferência com 140 potenciais companhias parceiras e fornecedoras em São Paulo, reafirmando seu comprometimento em cumprir todos os requerimentos brasileiros com o Super Hornet, dentro do programa F-X2.

Bob Gower, vice presidente do programa F/A-18E/F da Boeing, afirmou que a empresa está “confiante que sua oferta representa a solução de melhor custo-benefício para o Brasil, oferecendo a mais avançada tecnologia, um sistema comprovado e superior de suporte e logística e um preço que é consideravelmente inferior ao do Rafale”.

Segundo a empresa, os competidores receberam um prazo até dia 18 de setembro para melhorarem suas ofertas, e a Boeing está atenta a todas as opções. Em agosto, a Boeing entregou uma oferta à FAB que incluía total transferência de tecnologia. A oferta também trazia a opção para a co-produção do Super Hornet no Brasil e o compartilhamento de tecnologia que permitiria ao Brasil integrar seus próprios armamentos à aeronave.

O Departamento de Defesa, o Departamento de Estado e o Congresso dos EUA autorizaram e aprovaram plenamente a venda do Super Hornet ao Brasil. Gower afirmou que “o Governo dos Estados Unidos deu passos sem precedentes para apoiar essa oportunidade, tanto no que se refere a acelerar o processo normal de aprovação, quanto apoiando as metas brasileiras para autonomia nacional”.

Na conferência, lideranças da Boeing na área de suprimento estão se encontrando com representantes de empresas brasileiras para discutir os requisitos e certificações necessários para fazer negócios com a Boeing, assim como para conseguir um melhor entendimento dos padrões específicos e complexidades relativas à condução de negócios internacionais na indústria aeroespacial.

A meta da empresa é montar uma cadeia de suprimento que represente o melhor da indústria, e a Boeing vê oportunidades promissoras no Brasil, além de oportunidades para empresas na maior nação latino-americana que vão muito além da competição do F-X2, em todas as áreas de negócio da Boeing.

A Boeing afirma que sua taxa de sucesso na condução de programas de cooperação industrial, em quase 40 países, é de 100 por cento, tendo completado obrigações industriais que somaram mais de 31 bilhões de dólares no prazo ou antes do prazo.  Atualmente, a empresa tem mais de 45  programas industriais ativos em mais de 17 países, somando outros 13 bilhões de dólares em mais de doze produtos Boeing.

fa-18-super_hornet_foto-boeing

FONTE e FOTOS: Boeing

NOTA do BLOG: o texto acima foi traduzido diretamente do informe original da empresa.

- Advertisement -

55 Comments

Subscribe
Notify of
guest
55 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Hornet

Engraçado, o Globo publicou (hoje, terça) uma coisa diferente disso (ao menos em dois pontos, bem diferentes: preço e TT): “Caças: transferência dos EUA não é irrestrita WASHINGTON. O governo dos EUA afirmou ontem que a proposta de venda dos caças F/A18 Super Hornet, elaborada pela Boeing em parceria com o Departamento de Estado, prevê a transferência de tecnologia envolvida em tudo o que foi aprovado pelo governo e que já está descrito na proposta entregue à Força Aérea Brasileira (FAB). A informação é de uma alta fonte do Departamento de Estado que acompanha o negócio. Ele afirmou, no entanto,… Read more »

URUTAU

Caro Lucas Urbanski

Me perdoe prezado amigo mas o amigo Hornet não se expressou dessa formas mas sim foi ponderado sem antiamericanismo algum ao se referir nesses quesitos efetuando a ressalva de não ser pertinente o seu comentario somente a Boeing mas sim a todas concorrentes caro amigo
Alias diga-se de passagem com sensatez e discernimento

Forte Abraço

MICA

“…e um preço que é consideravelmente inferior ao do Rafale”.”

Boeing não é credível quando falam sobre o Dassault Rafale.

Boeing e Washington versus Rafale no Brasil :
h**p://forum.keypublishing.co.uk/showpost.php?p=1458236&postcount=94
muito interessante

Hornet

Só pra destacar (da matéria de o Globo que postei acima): “Caça americano custaria mais se construído no Brasil. Nos EUA, estima-se que cada caça F/A-18 custe cerca de US$ 100 milhões. Em venda direta, portanto, levando-se em conta que a ideia da FAB é adquirir 36 jatos, o custo da compra seria de prováveis US$ 3,6 bilhões. Feito no Brasil, o custo subiria para mais de US$ 10 bilhões, por esta lógica.” Por isso que esse negócio de preço é complicado e não dá pra ficar afirmando, de forma direta e um tanto quanto simplista, que o caça X… Read more »

URUTAU

Caro Hornet

Como sempre amigo consciente e sensato em suas ponderações
pensamento alias que compartilho contigo pois penso que assinem acertem fechem com quem for este acordo o mesmo deve ser devidamente muito mas muito mesmo bem amarrado em clausulas contratuais com pesadas multas ou sanções ao descumprimento do mesmo seja parcial ou em sua totalidade ou seja o famoso por escrito ou se preferirem o preto no branco

Forte Abraço Amigo Hornet

Lucas Urbanski

Amigo Hornet, para você ver, eles mesmo se contradizem, ou seja, se escolhermos o F-18 S/H entramos em um barco não apenas furado, mas “metralhado”.Pois eles transferem a tecnologia que consideram necessária a um país como o Brasil, leia-se, partes como trem-de-pouso, pintura, etc.Sem mencionar o fato de que eles não liberam os códigos-fonte dos sistemas do avião, sendo assim, tudo que quisermos integrar a aeronave tem que passar pelas mãos deles,e o pior ainda esta por vir, todo tipo de operação,missões,etc, tem que passar pelo aval americano, então do que adianta comprar o avião se temos que pedir autorização… Read more »

FERNANDO

(……………..) ,desculpem o palavrão, mais esse FX2 pelo jeito só vai sair em 2100, afinal de contas, qual o melhor caça afinal?
Sem nenhum preconceito ideologico, econômico, político, cultural, geopolitico.
Enfim qual o melhor caça para a FAB?
Olha, é melhor o Brasil investir no aperfeiçoamento do AMX, e esquecer este FX2.

PREZADO FERNANDO, PALAVRÃO DESCULPADO PORÉM, APESAR DE RELATIVAMENTE FRACO, DEVIDAMENTE EDITADO. APROVEITAMOS PARA PEDIR A TODOS, MAIS UMA VEZ, QUE POUPEM OS EDITORES DO “TRABALHO SUJO” DE EDITAR PALAVRÕES, QUE DE TODO MODO NÃO ACRESCENTAM NADA À DISCUSSÃO.

Hornet

Amigos Urutau e Lucas, não sou anti-país algum, especialmente anti-EUA, país no qual tenho vários amigos e mantenho relações de trabalho constante. Se tem uma coisa que não sou é anti-americano, adoro Chicago, New Orleans e New York (por motivos pessoais, sou muito chegado a essas 3 cidades. O Marine conhece os motivos). Mas também não sou anti-francês e nem anti-suéco. Enfim, não sou anti-nada. Os sentidos dos meus posts acima foram apenas dois: a) chamar a atenção para a diferença entre o que os vendedores falam e o que deve ser a proposta real (é fácil usar a mídia… Read more »

SÉRGIOCIN

Hornet

Sobre custos e comparativos em suas analises, um SH chegando perto de Us$ 100mi a unidade -se fabricado aqui, o que v. entendeu pelo Rafale, digamos “pelado” mencionado na nota do anuncio do Sarkozi? e qual seria sua estimativa -pelo noticiado- do Rafale “vestido”, mas mesmas condições? De uma “bica”, para ajudar em raciocínios.

Robson Br

Como das outras vezes a Dassault pouco se manifestou até agora. A conversa deles é no pé de orelha.

Nascimento

Agora q eu quero ver o Lula segurar a preferência dele ao Sarkoza. Os americanos sao ferrados. Já melaram a antiga Thompsom usando a rede Echelon no caso do SIVAM. Agora vao chegar com os relatórios supostos subornados e vao bater nas costas do Lulinha e do povo da Embraer. Vamos ver a reaçao. Os americanos perceberam que pisaram no tomate ao melarem as vendas do super tucano no governo do FHC, agora tao correndo atrás do estrago q fizeram. Uma coisa q eu acho bobeira dos americanos é tentar argumentar q a promessa de transferência IRRESTRITA por parte da… Read more »

Anildo Silva

Na boa, o Lula conseguiu estragar o negocio que ele queria fazer. Foi querer colocar os cacas, opa, carros na frente dos bois e conseguiu dar mais ‘bala’ para os EUA e ate mesmo para a SAAB. Ridiculo, a coisa ja esta ficando ‘baguncada’ DE NOVO.

Anildo Silva

Outra duvida meus amigos, porque se fala tanto no submarino nuclear??? O que da mais projecao de poder, o sub nuc ou o porta avioes???

URUTAU

Bom Dia Senhores Hornet parabens amigo novamente um texto limpo sutil e equilibrado realmente o segredo maior de todas estas compras estara num contrato bem firmado amarrado em clausulas contratuais bem definidas sem brechas ou lacunas que deixem razão a uma dupla interpretação ou qual quer dubiedade textual isso com americanos franceses suecos russos seja com quem for obs Caro amigo Nascimento não se iluda ninguem transfere TT pois o custo da mesma nunca é comberto por maior que seja a compra ou resumindo TT se obtem com aportes financeiros de monta para nossas universidades pesquisadores grupos de pesquisa e… Read more »

URUTAU

Bom Dia Senhores

Caro amigo Anildo Silva na minha opinião de leigo totalmente leigo alias em questão de projeção de poder os 2 devam ser bem semelhantes mas ja no quesito letalidade creio eu ser o Sub Nuc hoje uma arma extremamente letal logicamente devido a sua furtividade digamos assim a grosso modo

Forte Abraço

Dalton

Valeu Lucas… de minha parte nao gosto deste sentimento antiamericano nem antifrances…tinha lido um post seu onde vc escreveu que americanos seriam o povo mais prepotente e ignorante do mundo, o que discordo totalmente, sem falar que teriam posto um porta-avioes, na verdade o já descomissionado USS Forrestal perto de nossa costa durante o golpe de 64. Na epoca eramos, o mundo todo, peoes dos EUA e URSS, e havia muita paranoia sobre o comunismo principalmente de nossos militares na epoca. Devemos esquecer um pouco o passado senao veja… durante o reinado de Dom Pedro I o almirante frances Roussin… Read more »

LBacelar

Esses valores tbm são do SH pelado… a compra de armamento é um caso a parte, é por isso que a FAB quer os codigos fontes, para ter alternativas mais viáveis. Eu sinceramente gostaria que o Silent Eagle estivesse na disputa, o SH e o Gripen nunca foram aviões para supremacia aérea, e eu tenho as minhas duvidas se o RAFALE o será tbm

william

VAMOS FICAR COM CARA DE PALHAÇO DE NOVO, VÃO FAZER A MAIOR BESTEIRA PESSOAS TOTALMENTE INRRESPONSAVEIS ESTÃO À FRENTE DESTE NEGOCIO. A COMEÇAR PELO PRESIDENTE QUE JÁ FALOU BESTEIRA,SERA QUE NINGUEM APRENDE.

URUTAU

Senhores Me perdoem este off-topic mas é revoltante realmente começo a pensar que o BRASIL não é um pais sério Cortar parte do orçamento dos R$ 19 bilhões que o Ministério da Defesa espera obter para construir cinco submarinos com a França, um deles nuclear. Essa é uma das soluções que o relator da proposta orçamentária, deputado Geraldo Magela (PT-DF), vislumbra para encontrar espaço para investimentos que deseja incluir no projeto orçamentário e despesas polêmicas que não constam da proposta enviada pelo Executivo. Entre elas, a compensações aos estados por perdas da Lei Kandir, o reajuste maior aos aposentados que… Read more »

Marcelo Tadeu

Pessoal,
O radar do F-18 já está superado pelo do F-15 Silent Eagle, APG-82, vejam matéria no site da revista Segurança e Defesa: http://www.segurancaedefesa.com

Talvez agora eles transfiram a tecnologia do APG-79

Bosco

Anildo, existem porta-aviões e porta-aviões e submarinos nucleares e submarinos nucleares.rsrs… Um porta-aviões como um Nimitz tem uma imensa capacidade de projeção de poder já que conta com aeronaves de ataque em profusão. Assim como um submarino nuclear com mísseis de cruzeiro. Se o porta-aviões (NAe) tiver aeronaves limitadas à defesa aérea como é o caso dos Russos seu nível de projeção de poder (individual) fica bastante restrito, assim como os submarinos nucleares. Se eles não contarem com mísseis cruise de longo alcance eles servem apenas e tão somente como escoltas e para operações de projeção de poder limitada ao… Read more »

Edson

Não sei não…
Há males que podem vir para bem.
O fato do Lula ter falado demais acabou forçando as outras a melhorarem as propostas.
Sendo assim pode até ficar mais viavel a aquisição do Rafale e do Gripen (sonhar não custa nada…rs).
Quanto ao preço em si, esta compra não é uma licitação, isto é, não é para se comprar o mais barato e sim o que proporcionará melhor custo/beneficio dentro de uma estratégia de defesa.

Pelo menos esta é a minha opinião.
Parabens a todos pelo debate em alto nivel.

Abraços
Edson

Omega

A Boeing está lutando para não perder a oportunidade. Mas veja bem, escolha difícil, desde o início eu sempre preferi o Rafale, mas o Super Hornet é um excelente avião, assim como os outros, hoje eu demoraria para escolher. Sobre a notícia que saiu no Globo que nosso amigo Hornet postou: tudo é relativo, se os Super Hornets ficariam mais caros produzidos no Brasil, todos os outros também, acredito que até mais caro. Outra coisa, o Brasil já disse, se não tiver transferência do sistema de integração de armas ele não vai comprar, então creio que haja pontos errados na… Read more »

Edmar

Caros Amigos.:

Mas será que a “Boeing” vai transferir o código fonte para o Brasil como a “Dassault” ofereceu???
Além da transferencia de tecnologia o Brasil quer o código fonte.

Abraços.

Harry

Caro Hornet em
“quanto a minha deconfiança dos franceses que por varias vezes falei aqui” é justamente

a possivel fragilidade do Brasil em não colocar no papel tudo que esta sendo prometido,
não equacionar a questão do preço desde já, e
o governo não dar prioridade orçamentaria e
recursos para empresas privadas parceiras do projeto.

Ou seja nós somos o ponto fraco dessa parceria França/Brasil e
com certeza se bobiarmos eles passam a perna. Tanto quem esta garantindo tudo é o Sarkosy a Dassault tem ficado muda.

Abs.

Carlos

Mais uma vez a proposta da Boeing nao elucida a transferencia dos códigos fontes, ainda acho a proposta francesa mais clara e definida, alem de ser mais confiavel.

frederico

$100 milhões cada SH? O rumo que o FX-2 está tomando, ficará cada vez mais distante da realidade orçamentária da FAB. Não vejo como a FAB operar vetores tão caros como os caças do FX-2. Não se assustem se houver uma reviravolta no projeto, pois existe uma corrente fortíssima na FAB a favor da suspensão do projeto, em troca da ampliação da frota de F-5M, inclusive para os novos esquadrões, deixando o 1oGDA com os Mirages 2000 por mais 10 ou 15 anos. Esse relato foi feito por um piloto do 1o GAvCa que conheço. Ele alega que o custo… Read more »

Skyrider

A verdade é que o Brasil não está comprando um novo caça para a FAB, bem como o dos helicópteros e do submarino nuclear. Está comprando sim um conhecimento. Entende que tem base industrial para isso, mas não tem mercado para justificar um desenvolvimento do zero. Porém, precisa da independência tecnológica e capacidade de produção local para se firmar como potência. Assim, sai mais em conta comprar este conhecimento de fora, além de diminuir o tempo de assimilação. Por isso, não podemos nos basear nos preços de outras concorrências internacionais, afinal, conhecimento custa muito mais caro… Por isso, a questão-chave… Read more »

Nunão

“Carlos em 16 set, 2009 às 10:14 Mais uma vez a proposta da Boeing nao elucida a transferencia dos códigos fontes, ainda acho a proposta francesa mais clara e definida, alem de ser mais confiavel.” Carlos, Creio que quando o vendedor fala de “compartilhamento de tecnologia que permitiria ao Brasil integrar seus próprios armamentos à aeronave”, está falando de códigos-fonte. Lembrando que o texto é uma nota à imprensa da Boeing, não é o detalhamento de uma proposta. Por outro lado, confiando-se no parecer técnico que a FAB fará e no que requisitou – afinal, a FAB solicitou aos concorrentes,… Read more »

Lucas Urbanski

Prezadissímo amigo URUTAU,Hornet.
Quando escrevei meu comentário acima, não quiz mencionar em momento algum que fiz comentário de anti-americanismo, apenas citei os principais pontos fracos do acordo com a Boeing,e também não quiz levantar discuções se tal avião é superior a outro tal, apenas disse que a oferta do F-18 S/H em transferencia de tecnologia é inferior a apresentada pela França e pela Suecia, que além do mais Sarkozy terá de explicar o que significa “transferencia irrestrita de tecnologia”, pois esta é um termo muito vago.
Desculpem se criei algum tipo de anti-americanismo no post, não era minha intenção.

JULIO

Não quero navegar na critica contumaz, nem na devoção ilimitada. Mas é inegavel que a atitude, tão criticada, de apoio verbal do Lula a proposta feita pelo Sarkosi, fez bem ao processo brasileiro de compra das aeronaves. Aqueles minimamente racionais, sabem que o final do processo só se caracteriza na assinatura do contrato, e que o prazo para assinatura já sabia-se por muitos, principalmente por quem participa do processo com obrigação de informar, se daria mais a frente. Portanto, a critica só poderia ter partido de adversários politicos, ou concorrentes que visassem uma negociação mais de acordo com seu interesse.… Read more »

paulo

O que fez os americanos abrirem as pernas desse jeito de dar um suporte dessa maneira estranho.Como o F-18 esta uplapassado não em tem mais suporte de tecnologia que a FB deseja.

abraços

André

Srs, há um texto focando a Boeing na edição de hoje do Valor. Nela, entre outras coisas, o Sr Bob Gower coloca que a transferência por eles proposta visa a manutenção e o upgrade. Ele diz, tb, que não entende o que é uma transferÊncia irrestrita. Ele cita, por ex., um chip, questionando se essa transferência seria tb transferida. Bem, grosso modo podemos entender que para produzir uma aeronave como qq uma das 3 em questão precisariamos dominar: aerodinâmica supersônica, materiais, eletrônica e informática. Alguém acredita que seja possível uma “trasnferÊncia irrestrita” de tudo isso? Os fornecedores da Dassault também… Read more »

Jorge

Estamos todos de acordo, creio eu, que no aspecto “Defesa Nacional”, adquirir caças de 4ª geração, é essencial para o Brasil subir alguns degraus no caminho de se firmar como potência. Potência regional se os EUA continuarem com o poder atual. Potência mundial se acontecer a fragilização dos EUA, por qualquer motivo acidental ou não. Nessa confusão toda, o que fica claro para mim, é a fragilidade de argumento dos que defendem a forma como o Sr. Lula (nefasto II) conduziu e aparentemente continuará conduzindo as negociações da aquisição do futuro caça da FAB. Explico. Basta observar o descompasso entre… Read more »

Lucas Urbanski

Amigo Dalton, neste post aqui eu realmente não quis transparecer nenhum tipo de anti-americanismo, mais o mesmo acabou prevalecendo, apenas quiz ressaltar os pontos negativos do F18 S/H perante aos pontos negativos dos outros concorrentes.
Me recordo muito bem daquele post em que disse que os americanos eram prepotentes,etc, pois acabava de ler 2 noticias no mesmo site em que eles se contradiziam, pois a 4° frota foi reativada ainda em 2008 e já esta em operação no atlantico sul, não me referi ao ano de 1964.

JULIO

Novamente tenho que me manifestar, para lembrar, e ao lembrar certamente parecerá defender, os atos de governo implementados no governo deste governante, que não podem cair no esquecimento, tendo em vista que foram e continuam sendo muito importantes para o fortalecimento do País, e certamente para aqueles que pretendem considerar-se amantes de sua patria. A que lembrar que nada ocorre por acaso. Reativação da industria naval brasileira, antes sucateada com apenas a decisão politica de construir os navios da frota nacional em nossa patria. Restabelecimento do fortalecimento da Empresa Petrobras, que é vital para nosso fortalecimento soberano numa área de… Read more »

FelipeTP

Quem pode esclarecer tudo isso é apenas os responsáveis pela análise técnica. É função deles comparar estes itens. Cabe a nós apenas fazer suposições em base no que é divulgado.

Outra coisa importante, é que qualquer caça que seja montado aqui ou fabricado aqui, os custos unitários aumentarão bastante.

Eu não tento mais adivinhar números, espero que a FAB esclareça isso após as ofertas finais. Não temos capacidade de afirmar qual será o mais barato, porque se pode fazer MUITO JOGO DE NÚMEROS e dessa manipulação tornar o preço mais atrativo, mas não real.

marco antonio maierhoffer

Alguem poderia dizer em que grau esta a capacidade de absorção de tecnologia da industria de aviação do brasil,não seria do avião inteiro.

JC

Vejam o que o site do Claudio Humberto fala hoje sobre o Mulla e o Obrahma.
F18 jah era, INFELIZMENTE.
Vamos de aviao escolhido por torneiro mecanico. E pelos “patriotas” da Odebrecht.

Harry

Caro JULIO em
“O Lula, colocou o negocio em outro patamar. O ponto de partida passou a ser a proposta francesa, e isso foi bom para o Brasil”

Devendo a mesma linha de raciocinio e acrecento que o presidente deu o favoritismo mais disse que teriam que baixar o preço. Ainda deu um ultimato (prazo) pra entrega da última proposta.

Quem critica não sabe o que uma concorrencia, principalmente essa que esta francamente aberta.

Abs

Harry

Caro JULIO em
“O Lula, colocou o negocio em outro patamar. O ponto de partida passou a ser a proposta francesa, e isso foi bom para o Brasil”

Defendo a mesma linha de raciocinio e acrescento que o presidente deu o favoritismo, mais disse que teriam que baixar o preço. Ainda deu um ultimato (prazo) pra entrega da última proposta.

Quem critica não sabe o é que uma concorrencia, principalmente essa que esta francamente aberta.

Abs descupem erros acima

Fabio

Senhores Pode parecer estranho, mas tranferencia total de tecnologia ……..é melhor especificar o que voce quer , ouvir as propostas colocar em um documento e ai fechar.Fechar com quem atender sua espectativa. Se vc tem tecnologia para fabricar um Ford modelo T preto , e eu de forneço graficos , plantas e tecnologia para uma Ferrari F50 , o que acontece ??? quase nada talvez seu Ford modelo T ganhe uma opção de cor , nada mais que isto. A Embraer passa toda sua tecnologia a qualquer um que comprar seus avioes ? A petrobras ……………a sua empresa que tem… Read more »

Estranho

A transferência irrestrita é de todos os fornecedores ou só da Dassault? Thales? (novo radar aesa) Snecma? (novo motor) O assento ejetável é de fabricação inglesa. Se não soubermos perguntar, não aprenderemos nada e se realmente não temos conhecimento, qualquer explicação pode ser suficiente, então eles podem afirmar que estão repassando as informações mesmo que incompletas. Não sejamos ingênuos com um custo de quase 40 bilhões de euros ninguém entrega de bandeja por 5 bilhões. Se ninguém nunca fabricou esse tipo de material aqui no Brasil seremos meros montadores para só muito futuramente fabricarmos alguma coisa no Brasil. O maior… Read more »

Hornet

Lucas Urbanski,

eu nem tinha entendido seu comentário como anti-americano, mas como o Urutau chamou a atenção então resolvi esclarecer minha posição.

Mas tranquilo, não esquenta a cabeça, não.

Por exemplo, como eu disse acima, acho Chicago (principalmente) uma cidade mágica (terra do Blues e do Jazz, mais até que New Orleans). Mas por outro lado, acho Nashville (e todo lugar aonde exista aquela cultura cafona da romantic country-music – do Texas a Barretos, não importa) um cancro para a humanidade….hehehe…E nem por isso me acho anti-americano. Só sou anti-música ridícula e anti-cultura brega. Isso eu sou mesmo…hehehe

abração

JULIO

A propósito, a meu ver a Boeing, em sua explanação midiatica, jogou a toalha. Praticamente confirmou que seu país não está disposto a compartilhar tecnologias sensiveis. Sua argumentação baseada no jogo de palavras não convence, e comprova que seu interesse é manter-nos como fornecedores de algumas peças, ainda que sofisticadas, e de mão de obra mais barata. Aquilo que alguns corroboram na versão desta cia. eu repi-lo. Sim, creio que nos habilitamos, como parceiros, a receber tecnologias de ponta, passamos a ser economicamente importante e politicamente interessantes para compor alianças estratégicas. Só não vê quem não acredita no que os… Read more »

Hornet

SÉRGIOCIN,

Todo caça virá “pelado”. Ou melhor, todos os preços anunciados são relativos aos aviões apenas. Armamentos entram numa outra conta, com mais dinheiro a ser pago. Isso é normal, e vale para qualquer um dos 3 caças.

abraços

Hornet

Harry,

pelo o que entendi, acho que sua desconfiança é em relação ao Brasil, e não a França…hehehe

Na minha opinião, acho que saberemos fazer um bom contrato. Não se preocupe. Eu pelo menos não estou preocupado com isso.

abração

Lucio

Fabio, Concordo com você. Leigo que sou, fico imaginado que segundo informações dos membros desse forum , um AMX “brasileiro” acabou custando mais que um f-16, e agora nos é dito que um f-18 produzido aqui vai a grosso modo custar tanto quanto um f-22!!!! Isso saindo da boca de um americano. Quanto vai custar um Rafale construído aqui??? E a promessa debochada de que vamos poder vender Rafales Brasileiros pra quem quisermos??? Quem na América latina ou no mundo vai querer ou poder compra-los? Talvez o BNDS vai abrir linhas de credito para a Bolívia, Equador ou mesmo para… Read more »

JULIO

Nesse nosso País, de opiniões tão diversas, algumas muito engraçadas. Mas ditas com a seriedade de quem acredita. Passar a crença de que devemos manter sucata e até comprar mais, olhando o preço que um avião com tecnologia de ponta possa ter, em detrimento dos avanços em areas de interesse do estado que nos trará, demonstra muita má vontado com o governante, até mesmo desrespeitosa, que só demonstra a pouca importancia que dá a própria cidadania.

Dalton

Oi Lucas… já que vc mencionou a IV frota americana, a mesma já foi debatida por aqui, e caso vc leia o que escrevo, entenda que foi uma medida mais administrativa do que qualquer outra coisa, ou seja, o quartel general mudou de Norfolk para Mayport. Os EUA estao transferindo navios e submarinos do atlantico para o pacifico, até mesmo todos os caça minas foram transferidos para San Diego e a proporçao de navios e submarinos é de de 60% pára o Pacifico e 40% para o Atlantico. A unica frota com porta-avioes permanente é a VII baseada no Japao… Read more »

Reportagens especiais

Poder Aéreo no Airshow China 2018

Por Tomislav Mesarić* Especial para o Poder Aéreo Zhuhai, República Popular da China 6 a 11 de novembro de 2018 Zhuhai, uma cidade...
- Advertisement -
- Advertisement -