sábado, março 6, 2021

Gripen para o Brasil

República Dominicana também compra o Super Tucano

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

supertucano_fad_alta

São José dos Campos, 9 de janeiro de 2009 – A Embraer confirma a venda de oito aeronaves Super Tucano para o governo da República
Dominicana, com efetivação do contrato no final do ano passado. Os aviões serão operados pela Força Aérea do país em missões de segurança interna e patrulhamento de fronteiras, em um cenário de operações de combate ao narcotráfico. Este contrato representa a terceira exportação da bem-sucedida aeronave, após as vendas para as Forças Aéreas da Colômbia (FAC) e do Chile (FACH).
A escolha da Força Aérea da República Dominicana vem confirmar a extrema versatilidade, associada ao bom desempenho, tanto para treinamento como para missões operacionais, e aos baixos custos de aquisição, operação e manutenção, tornando o Super Tucano um dos
melhores aviões multimissão disponíveis no mercado.
Até a presente data, 63 unidades do Super Tucano já foram entregues à Força Aérea Brasileira (FAB) e 25 à FAC, utilizadas com sucesso na vigilância de fronteiras e em outras missões operacionais. No total, 144 aviões foram vendidos para quatro clientes na
América Latina.
A FAC recebeu o 25º Super Tucano em agosto do ano passado, marcando o encerramento das entregas iniciadas em dezembro de 2006 para este cliente. Tal contrato, que incluiu um avançado sistema de treinamento e suporte à operação com estações em solo denominado TOSS (Training and Operation Support System), representou a primeira exportação dessa aeronave. O acordo com a FACH para a venda de 12 aeronaves também foi anunciado pela Embraer em agosto de 2008.
O Super Tucano entrou em operação na FAB em dezembro de 2003 para ser empregado tanto no treinamento de pilotos como para executar missões operacionais. Esta capacidade coloca o Super Tucano como a única aeronave em produção no mundo capaz de cumprir missões de treinamento avançado de pilotos e realizar missões de vigilância e contra-insurgência, inclusive à noite, com o auxílio de óculos de visão noturna e sensores eletro-ópticos e infravermelhos.

FONTE: Embraer

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos

BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil

marujo

Já li, não me lembro onde, que está em estudos uma versão embarcada do Super Tucano. Parece-me que a idéia é torná-lo apto para operações embarcadas, para apoio de fogo aos fuzileiros navais.Vi uma foto na última edição de Tecnologia&Defesa, onde aparece a aeronave nessa função, obviamente operando a partir de terra.A conclusão é que nossas autoridades navais teriam chegado é que o custo de aquisição e manutenção do ST é mais barato que de um helicóptero embarcado destinado a cumprir a mesma função.

marujo

Viva a Bolívia! O país acaba de comprar seis L-159 ALCA tchecos para a renovação de sua Força Aérea.

welington

Uma otima aquisição por parte da bolivia!
Parabens a Embraer por esta exelente venda.

jacubão

Na boa.
L-159 para a Bolívia realmente é uma coisa fantástica e ainda mais uma grande quantidade de seis exemplares.
Parabens á Bolívia, que ao custo da sua grande produção de folhas de coca, que é a matéria prima de cocaína, está comprando uma frota de treinadores, digo, caças (???????????????), mostra que a Bolívia está crescendo na âmbito mundial.rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs.

jacubão

HÁ e tem mais, rsrrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs…

welington

kara se ta de brincadeira ne? veja as capidades do L-159 os sensores embarcados na mesma sem contar o desenpenho o L-159 é uma otima aeronave.

LeoPaiva

Gosto de ver o Super Tucano assim, configuração agressiva, com cara de mau, os da FAB geralmente aparecem com cara de bom moço.

Só acho essa dentadura na frente uma falta de originalidade sem tamanho, imitação dos P-40 dos Tigres Voadores, que por sua vez talvez tenham imitado de alguém, sei lá.

Concordo com o Welington, não é um vetor de se jogar fora, considerando apenas as capacidades do avião em si. Sem levar em conta confiabilidade, assistência, custo de manutenção e etc.

Nunão

Carlos e Jacubão, pedimos que evitem a excessiva repetição de caracteres sem espaços, que às vezes acaba prejudicando a diagramação da página e nos obriga a editar os comentários.

jacubão

WELIGHTON, sempre vç né?
Vamos fazer o seguinte.
VÇ voa o L-159, e eu vôo o F-5M, e aí eu te pergunto, VAI ENCARAR???????????
Então faça a sua avalição de quem é o melhor.

Abraços

jacubão

Haaaaaaaaaaaaaaa. Deixa de besteira rapaz.
Tem coisa mais importante a ser discutida.

Almeida

Mais uma vitoria da Embraer e de seu maravilhoso time de administradores e engenheiros! Visao estrategica eh isso. O C-390 vai vender muito, acreditem.

welington

Esta aquisição tem repercussão no Brasil por Bolívia ser um vizinho muito próximo do Brasil porem não pode se fazer esta comparação mas que tal um combate entre um L-159 e um super tucano ALX rs?
Um abração cara.

welington

Almeida também acredito nisso a previsão de vendas é de 700 aeronaves vamos rezar para que se concretize pois produzira e manterá muitos empregos por muitos anos.

Robson Br

Marujo,
Na edição ano 14 nº 55 (dez08/jan09)da Revista Força Aérea, o Contra Alte Fernando, Diretor de Aeronáltica da Marinha, faz um comentário desse assunto (TUCANO NAVAL). É a primeira resposta dele na página 11. PARECE QUE O ASSUNTO É OFICIAL.

welington

Um tucano naval como já foi descrito por vários meios de comunicação específicos seria um sonho principalmente pelo custo de operação, manutenção e disponibilidade deste vetor.
Um abraço a todos.

Baschera

Caros RobsonBR e Welington,
Sobre o tucano naval é apenas uma opinião do oficial da MB.
Sobre o L-159 ALCA da Bolívia, é uma avião que tem só marketing, na verdade nem os tchecos o querem. Por que será que botaram, em 2004, a venda mais da metade de sua própria frota ??

Sds.

welington

Baschera o L-159 custa em media Us$8 Milhões, imagina este vetor com eletrônica nacional e sensores israelenses e equipados com o A-DARTER ou o R-DARTER, que máquina de poderosa não?
E não sairia caro.
Um abração cara.
Até amanhã.

Vassily Zaitsev

Welington,

Realmente, o L-159 armado com mísseis, canhões, tanques sub-alares seria uma maravilha de ……………….caca. Imagina como o potente motor dele iria sofrer para puxar tudo isso. Somente os mísseis teriam o mesmo efeito que uma âncora tem num navio.

Perguntinha básica: ele tem radar?

abraços.

Wilson Johann

Estive dando uma pesquisada na internet sobre esse avião, o L-159, adquirido pela Bolivia. É um avião de treinamento avançado e ataque leve. Parece ser um jato de excelentes capacidades dentro de sua categoria. Para um pais como a Bolívia é um tremendo avanço, e certamente será usado não só para treinamento, mas como caça leve de ataque. O arsenal de armas que ele pode usar é impressionante, praticamente todo o arsenal disponível para a Otan. Para um pais que não pode ter sequer um Gripen, o mais barato entre os concorrentes do FX-2, um L-l59 tá de bom tamanho.… Read more »

Vovódka Bolivariana da Venezuela

KKKKKKKKKKKK!!!!!! ta’ resolvido entao fora FX2!!!!!!!! e que venha o FX3 e como o Brasil nao tem peito pra complar sukhoi entao vai comprar esse L-159 que daqui a pouco vao dizer que abate ate’ o F-22!!!!!!!!

A veia vai dar uma volta agora com os bolivarianos pilotos de sukhoi e tomar uma vodka outra veiz em cima de Rondonia sem ninguem me ver nem o aviao!!!!! E se no caminho os bolivarianos toparem com um L-159 boliviano e bolivariano a gente se junta e bota a fab toda no chao!!!!! boa noite!!!!!!

joaquim

Pro Chavez tudo agora tem a palavra Bolivariano/a

lá as Pernambucanas chamam-se Casas Bolivarianas….

Lojas Americanas …..foram nacionalizadas e passaram a se chamar Lojas Bolivarianas….

Casas Bahia…..lá é Casas Bolivar….

Assembleia de Deus (com todo respeito que ele merece) lá é Assembleia Bolivariana…..

TAER

Será que os “bolivarianos”, ou melhor, os bolivianos vão pagar por essas aeronaves tchecas L-159 ou o cocaleiro vai aplicar o habitual calote?
Sds.

Nelson Lima

o L159 vai ser o caça de superioridade aérea da Bolívia?

Mauro Lima

Interessante esse negócio de Tucano Naval… seria uma opção para conseguir embarcar algum avião que “voe” no nosso aeródromo, certo?!?

Mas ainda acho o nome um tanto equivocado, uma vez que Tucano é uma ave pacífica, e não de rapina!!!

Seja como fôr, com os sistemas que tornam os foguetes guiados, agora sim, ele se torna uma arma muito interessante, até para nossas fronteiras.

Adoraria ver nosso pessoal caçando e jogando “fogos” sobre aqueles FDP madeirreiros na Amazônia!! hehehe!!!

Acho que o maior ressentimento dos militares no Brasil é esse… serem necessários, mas não serem de fato úteis!!!

Abraço gente!

Flávio

Hoje a Bolívia utiliza os obsoletos T-33 Silver Star ,contra esses eu sou mais a minha raquete de abater mosquitos…rsrs.
Brincadeiras a parte, em relação aos T-33, não há dúvidas que os L-159 são um avanço. Mas este é um jato de treinamento avançado que foi equipado com aviônica e armas mais modernas, na minha opinião, nada que um Super Tucano armado com misseis Piranha não possa botar pra baixo.
Um abraço a todos e bom fim de semana.

Billy

O super tucano naval dobraria as asas, teria reforço para pouso? AS aeronaves navais possuem algum tipo de revestimento especial anti-corrosivo? Teria condições de operar de LHD? Haveria mercado mundial para este tipo? Quais os possíveis operadores?

Fábio Max

Para o que a Bolívia precisa, os Super-Tucanos seriam a aeronave ideal. O problema é que, aliada de Hugo Chaves, haveria veto dos EUA, dado que alguns componentes do avião são americanos e eles podem, sim, impedir a venda pela EMBRAER, tal qual fizeram com os AM-X e os C-295-Casa que deveriam ser vendidos para a Venezuela. A Bolívia buscou um avião que modernizasse mesmo a sua força, pelo custo compatível com o que o país pode pagar. Penso que foi uma boa opção. Aliás, depois que vi as características da aeronave que compraram, eu mesmo penso que o Brasil… Read more »

Marlos Barcelos

welington

esquece os L-159, são parecidos com os nossos xavantes, só que mais modernos, não são caças de verdade, num combate aéreo não dá nem pra começar. cada um custa 8 milhões e um Rafale 70, dá para comparar? mas para a Bolívia e melhor que um turbo-hélice, resta saber se consiguirão mante-lo.

Os alx são aviões de treinamento avançado que podem ser utilizados para ataques terrestres e defesa aérea contra aviões civis, e seu custo de aquisição e manuntenção são baixos, por isso a grande quantidade de vendas.

Marlos Barcelos

Bem parecidos em desempenho com os xavantes da década de 70, que ainda servem na nossa força aérea. Vel. Max. Nível do Mar: 936Km/h Razão de Subida Nível do Mar: 47 m/seg Teto de Serviço: 13.200 m Alcance Máximo (Comb. Inter. + 10% reserva): 1.570 Km Alcance Máximo (Comb. Inter. e Ext. + 10% reserva): 2.530 Km Capacidade de Manobra: -4g to +8g at-26 xavante Velocidade Maxima: 871 km/h Velocidade de cruzeiro: 300 – 320 knots Ground Speed (No Flight Simulator e sem vento) Razao de subida: 1.737 m/min Teto: 14.000 m Alcance: 660 milhas (sem subalar e sem armamentos)… Read more »

Marlos Barcelos

Por 11 milhões de dólares sou mais adquirir os amx mais equipados para treinarem nossos pilotos, são mais modernos que esses L-159.

angelo

Como nos curvamos hoje aos emissários do cocaleiro, pois nos convenceram a comprar mais gás do que precisamos, talvez eles paguem os novos aviões. Nada como ser parceiro do Foro de São Paulo. Que vergonha, e depois eles falam em ser membros do Conselho de Segurança. Viva o Brasil!

welington

Os L-159 seriam a opção ideal para substituir os nossos xavantes pelas suas características similares e ótimo desempenho essa opção foi cogitada ate pela FAB em uma futura aquisição para substituição dos xavantes, o que vale neste vetor é o custo de aquisição manutenção e suas capacidades de ataque e até de combate, sou fã do AMX mas ficaria com os L-159 pelas características e custos. Nunca disse que o L-159 era uma aeronave desenvolvida para o combate disse que bem armada e com ótimos sensores é superior ao tucano em combate, não da para comparar ne? Um abraço a… Read more »

Baschera

Welington,
O problema é que o fabricante do L-159 DIZ que o mesmo pode levar o maravilhoso leque de armamento que informa. Mas voce já viu alguma FFAA que tenha o mesmo com estas armas ?? Não tem, as armas são todas amaricanas, o radar italiano(Griffo-P) e para completar o motor e o pood de contramedidas também são americanos. Ou o Evo vira amiguinho do “Obrahma” ou …… vira um AMX.
Sds.

Baschera

Correção:
O radar do L-159 Alca não é Griffo-P e SIM o Grifo-L. Desculpem-me.
Sds.

MARSP

Marlos Barcelos,

Uma pequena correção o custo de aquisição do rafale é de 60 milhões de euros, não de dólares. Veridique no link abaixo

http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads/2009/01/f-x2-infografico-folha-de-sao-paulo-5-1-2009.jpg

O que convertendo para dólares ficaria em 60 x 1,343 = 80,58 USD cotação de 9/10/2009

http://economia.uol.com.br/cotacoes/

Abraços

Leandro

O Super Tucano navalizado, pra mim é piada? Teríamos isso pra quê? A função primordial de nosso porta-aviões e grupo aéreo de combate é realizar a proteção aérea do grupo naval, defesa aérea a longo alcance, até pq nenhum de nossos navios possuí mísseis anti-aéreos de longo alcance. Outra coisa não conseguimos nem manter um porta-aviões e um punhado de A-4, comprar mais coisas pra mim não faz sentido. Quanto ao L-159 pra Bolívia, acho muito bom, tá de ótimo tamanho. A comparação entre eles e os meios da nossa força aérea é absurda, ganhamos deles com os Super Tucanos… Read more »

Noel

Welington, “essa opção foi cogitada ate pela FAB”, meu amigo, de que fonte vc tirou isso?

Roberto camarada

A escolha da Força Aérea da República Dominicana vem confirmar a extrema versatilidade, associada ao bom desempenho, tanto para treinamento como para missões operacionais, e aos baixos custos de aquisição, operação e manutenção, tornando o Super Tucano um dos melhores aviões multimissão disponíveis no mercado. O Super Tucano foi projetado para operar nos cenários mais complexos de combate, incluindo a funcionalidade de visão noturna, armamento inteligente e tecnologia de enlace de dados (data link, em inglês). Além de uma estrutura reforçada para operações em pistas não preparadas, o Super Tucano conta com um avançado e preciso sistema de navegação e… Read more »

Mauro Lima

Pensei.. Pensei… vamos lá! “Leandro em 10 jan, 2009 às 16:59 O Super Tucano navalizado, pra mim é piada? Teríamos isso pra quê? A função primordial de nosso porta-aviões e grupo aéreo de combate é realizar a proteção aérea do grupo naval, defesa aérea a longo alcance, até pq nenhum de nossos navios possuí mísseis anti-aéreos de longo alcance.” Não concordo totalmente com a sua opinião não. O Tucano ao menos seria uma aeronave funcional para o aeródromo sucata que nós temos… o que dá de 10 a 0 em qualquer jato moderno que não consegue decolcar ou se manter… Read more »

Vassily Zaitsev

hipótese- Se formos fazer uma concorrencia para substituir os EMB-326 Xavante, sou muito mais o M-346 “Master”, que é supersônico, razão peso/potência de quase 1:1, é Up-to-date (moderno), entre outras qualidades mais.

Já que o MAKO muito dificilmente sairá do papel mesmo……..

E tem o T-50 Golden Eagle, que está se transformando em F-50, com as mesmas características do M-346.

abraços.

Vassily Zaitsev

Mauro Lima,

ST naval equipado com .50″ e foguetes de 2.75″. Isso sem falar que o mesmo pode levar bombas guiadas à Laser, tipo Lizard, GBU*, BGL*, usar data-link, NVG, etc.

* obs: as bombas GBU e BGL, citei como possibilidades, pois se a Lizard pode ser disparada, pq não essas outras??

abraços.

Mauro Lima

Eu citei aqueles armamentos porque os acho muito bons para apoio de fogo… não é lá um A10 Thunderbold, mas quebra o galho com boa fé e respeito!

Os foguetes agora podem ser guiados, o que torna este equipamento espetacular para este tipo de missão.

http://www.gizmag.com/go/5510/

http://www.defenseindustrydaily.com/apkws-ii-hellfire-jr-hydra-rockets-enter-sdd-phase-02193/

http://en.wikipedia.org/wiki/Advanced_Precision_Kill_Weapon_System

Pra fechar com chave de ouro tem as Small Diameter Bombs

http://www.aereo.jor.br/?p=2786

Estas belezinhas são mais leves, menores, e provavelmente cairiam como uma luva para o ST Naval.

É isso aí!

Super Carcará, Super Árpia, Super Gavião, Super qualquer coisa… menos Tucano!!

🙂

Mauro Lima

Aí… acho que seria legal começar o ano com uma GRANDE matéria sobre o Mustang P-51 véio de guerra!!!

Noel

A possibilidade de ser desenvolvido um A-29 naval é pequena, devido aos custos desse projeto. As mudanças na estrutura da aeronave não são poucas, devido ao desgaste maior de qualquer avião naval. Todos devem saber que a EMBRAER, hoje em dia, só participa de projetos que lhe deem algum retorno, temos como exemplo a sua recusa em participar da modernização do P-3. A EMBRAER não embarca mais em canoa furada como o CBA 123. Não tô dizendo que o A-29 é uma furada, apenas que ele talvez tivesse pouco mercado como avião naval, pois as encomendas da MB serão de… Read more »

pjms

Prezados, esta idéia surgiu devido a falta de aeronaves para o treinamento de pilotos.Os pilotos atualmente estão voando os Tucanos da FAB, devido os A-4 estarem parados, esperando as revisões das turbinas.

Paulo

[…] recente confirmação da venda de aeronaves Embraer Super Tucano para a República Dominicana teve, dentre vários objetivos, recuperar a capacidade de combate perdida com a aposentadoria dos […]

[…] EMB-312 Tucano, versão anterior ao atual Supertucano, iniciou sua operação na Força aérea Brasileira (FAB) em 1983 como treinador avançado de […]

Carlos

BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil
BrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasilBrasil

marujo

Já li, não me lembro onde, que está em estudos uma versão embarcada do Super Tucano. Parece-me que a idéia é torná-lo apto para operações embarcadas, para apoio de fogo aos fuzileiros navais.Vi uma foto na última edição de Tecnologia&Defesa, onde aparece a aeronave nessa função, obviamente operando a partir de terra.A conclusão é que nossas autoridades navais teriam chegado é que o custo de aquisição e manutenção do ST é mais barato que de um helicóptero embarcado destinado a cumprir a mesma função.

Combates Aéreos

Foi de Mustang e voltou de Fw190

Combates Aéreos: traduções inéditas por Roberto F.Santana   O piloto da USAAF, Capitão Bruce W. Carr, 20 anos, foi o único...
- Advertisement -
- Advertisement -