quinta-feira, abril 15, 2021

Gripen para o Brasil

IRST do Super Hornet poderá ser instalado no… tanque central

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

A informação é do site Defense Industry Daily. No dia 10 de dezembro uma subsidiária da Boeing, a McDonnell Douglas Corp, teria recebido um contrato de 12 milhões de dólares para serviços relacionados à fase de desenvolvimento tecnológico de um sistema IRST (Infa-Red Search & Track) para os Super Hornet.

Complementando a notícia, o site relacionou uma decisão que teria sido tomada anteriormente em relação ao design, conforme estabelecido em uma parceria da Boeing com a divisão de mísseis e de sistemas de controle de fogo da Lockheed Martin: ao invés de instalar o equipamento de IRST na fuselagem da aeronave (em diversos caças, o sistema é instalado logo à frente do pára-brisa), o que acarreta  modificações na estrutura e no cabeamento, a instalação seria feita num novo modelo de tanque externo central, que nesse caso teria sua capacidade diminuída de 480 para 330 galões de combustível.

Teoricamente, isso reduziria os custos e esforços para integrar o sistema a toda a frota existente de F-18 E/F. Mas fica a inevitável pergunta, caso a Boeing continue seguindo por esse caminho: em uma situação de combate, seria um tanque externo a melhor localização para um sistema IRST?

Fonte: DID  Foto: US Navy

- Advertisement -

288 Comments

Subscribe
Notify of
guest
288 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ivan

Agora danou-se tudo…
Cadê o Marlos para tocar fogo no SuperHornet?

Marlos Barcelos

ah! agora é que os f-18 estão colocando infravermelho e é externo, os rafales possuem integrado a aeronave, menos rcs, já que não carregam externamente, o rafale é um caça mais novo de tecnologia mais atual, isso confirma o que eu digo.

Marlos Barcelos

e para aqueles que diziam que o infravermelho não travava o alvo, olha o desmentido, isso que dizer que os rafales podem travar os f-22 até uma distância de 100km, alcance de seu infravermelho.

Nunão

Marlos, agora você deixou até eu na dúvida… Há fontes que falam em travar alvos, outras em acompanhar, então traduzi como travamento. Mas para não incutir alguma falsa idéia, acabei de tirar essa parte do texto…

Saudações.

Tiago Jeronimo

IRST não da lock só o scan , deixa o Marlos viajar ae na maionese com o Rafale destruidor de F-22s dele. E se o center-line tank do F-18 for igual ao do F-15 que suporta a mesma força G da aeronave e permite todo tipo de manobra não vejo problemas, apesar de que é estranho isso, eu não acredito que essa idéia vá para frente.

Bosco

Apesar do nome, os sistemas IRST não são competentes para fazerem “busca”.
Travarem eles travam, já que podem ser “escravizados” pelo radar e o processador de imagem mantém o “alvo” escolhido travado.
Agora, querer que um IRST seja competente para varrer uma área gigantesca como um radar buscando fontes de calor de modo passivo, tendo que focar em virtualmente milhões de opções, ele ainda não faz isso. Que eu saiba.

Tiago Jeronimo

Bem para falar a verdade até que o IRST pode dar um lock em uma aeronave, mas nada mais longe do que 15kms e isso em condições atmosféricas ideais.

Nunão

Mas só pra não deixar o Marlos na mão e, de quebra, aprimorar a discussão, transcrevo um trecho de matéria de José Leandro P. Casella da Revista Força Aérea número 53, de Agosto / Setembro de 2008, pp.61-62, sobre o sistema Saab IR-OTIS do Gripen NG (e não coloco isso só porque o Gripen é meu favorito, mas é a revista que estava mais à mão e que eu lembrava de ter lido algo a respeito…) “Outro sensor importante é o Saab IR-OTIS (Infra Red – Optical Tracking and Identification System). Presente no nariz da aeronave, o OTIS é um… Read more »

Bosco

Se o Rafale consegue captar um F-22 de 100 km de distância, o que dirá de um F-15, Su-30, Typhon, etc, que não incorporam nenhuma supressão de IR nas suas tubeiras de escape.
O mesmo pode ser aplicado ao Rafale, ele deverá ser captado por um F-18 com IRST a uma distância de uns 200 kms.

Marlos Barcelos

Tiago Jeronimo
em condições ideais são 100km e não 15km como você disse.

Marlos Barcelos

Bosco

O rafale também pode ser localizado a 100 km por infravermelho, e como o nunão expôs o infravermelho trava o alvo destacando sua fonte
Revista Força Aérea número 53, de Agosto / Setembro de 2008, pp.61-62.
Stelth pode ser para radar a longa distância, mas há outros meios de se localizar este tipo de aeronaves.

Bosco

Eu ainda digo que o IRST não substitui um radar. Ele não é competente para fazer busca em volume. Por ser um sistema passivo isso é muito difícil.
No texto colocado pelo Nunão da revista FA o IRST em questão também tem função de FLIR. Contra alvos na superfície ele pode sim fazer busca, mas não acredito que faça contra alvos aéreos.

Bosco

Marlos,
eu fiquei confuso! Quem falou que um IRST não trava em um alvo?

Você acha que o Rafale tenha o mesmo nível de emissão de IR que um F-22?
Eu creio que não. Mesmo em supercruzeiro mach 1,5 o F-22 deve emitir menos IR que um Rafale na mesma velocidade devido ao fato de não usar os pós-combustores e devido ao fato de estar limpo.

Marlos Barcelos

A cabeça de busca dos mísseis guiados por IIR atuais podem formar uma imagem do alvo. O míssil francês MICA pode ter seu sensor de busca usado como IRST sob comando da mira do capacete do piloto ou do radar. Os principais requerimentos para os IRST de caças são: – Busca e rastreio automático da assinatura IR de aeronaves em vôo a longa distância em um grande campo de visão e em todos os aspectos (olhando para cima, para baixo, mesma altitude e contra ruído de fundo). – Capacidade e assistência no engajamento de alvos múltiplos simultâneos e no lançamento… Read more »

Marlos Barcelos

segundo maior desenvolvimento de IRST europeu está sendo feito na França, que pretende equipar o caça Dassault Rafale com um sistema de busca e rastreio visual e infravermelho, chamado Optronique Secteur Frontal (OSF). O OSF é o resultado de seis anos de colaboração entre a Thales (ex Thomson-CSF Optronique) e a SAGEM-SAT com apoio do ministério de defesa da França (DGA). O OSF representa um sistema principal do sistema de navegação e ataque (SNA, Systeme de Navigation et d’Attaque), junto com o sistema de contramedidas SPECTRA e o radar RBE2. O sistema é capaz de realizar busca passiva e contra… Read more »

Bosco

Marlos, agora eu aceito que o IRST faça busca. Não exatamente pelo que colou, mas sim por isso que vou colar da fonte que você sugeriu. É a respeito do Pirate do Typhon. O que você postou poderia ser interpretado como uma idealização de um IRST, já este texto da mesma fonte é incisiva em afirmar que ele é capaz disso: Mais de 200 alvos podem ser rastreados, simultaneamente, com vários modos: – Multiple Target Track (MTT) ou rastreio de alvos múltiplos de alta velocidade (mais de 500, simultaneamente). O sensor varre um volume determinado do espaço olhando alvos em… Read more »

Marlos Barcelos

isso prova que os rafales podem detectar os f-22 e derruba-los e dependendo do sistema pode chegar a 180km e podem detectar 40 alvos, amplocampo de busca.

Os f-22 são os melhores caças, mas não é a 8ª maravilha e não são imbatíceis em nenheum tipo de combate, nem o BVR.

Tiago Jeronimo

“Os projetos de IRST europeus, fora os sistemas russos, foram liderados pelo consórcio EUROFIRST liderado pela Thales Optronics do Reino Unido (ex Pilkington-Thorn Optronics), FIAR (Itália) e TECNOBIT (Espanha). A equipe está desenvolvendo o IRST PIRATE (Passive Infra-Red Airborne Track Equipment) como complemento do radar do Eurofighter Typhoon, através de um contrato assinado em 1992. Embora nenhum limite superior foi definido, a distância de 150 km é aceita, e a típica é de 50 a 80 km. Nos testes o PIRATE detectou aeronaves Tornado e Mig-29 a mais de 100km.” Ele disse detectar, detectar e não travar. “O segundo maior… Read more »

Marlos Barcelos

Tiago Jeronimo
leia meu ultimo txto enviado, fala em travar alvo, até o bosco colocou umtxto que diz que o infravermelhotrava, além do nunão que colocou outro falando que trava o alvo e é capaz de lançar mísseis sté pelo capacete do piloto, como meu ultimo texto diz.

Marlos Barcelos

texto do Bosco

Quando o alvo é rastreado e identificado, os dados do sensor são usados para pontaria de armas, incluindo ASRAAM, em grande ângulo de visada.

Bosco

Marlos,
me desculpe mas nada do que li prova em que distância um F-22 pode ser detectado e rastreado por um sistema de imagem térmica.
Isso traz subsídios para eu acreditar que um IRST tem capacidade de busca de volume e pode sim substituir um radar, mas daí a dizer que um rafale não stealth pode superar um F-22 stealth com radar AESA ANG77, só por conta da imagem térmica do mesmo e com mísseis Mica X Amraam C/5 aí já é outra estória.

Marlos Barcelos

Os principais requerimentos para os IRST de caças são:

Capacidade e assistência no engajamento de alvos múltiplos simultâneos e no lançamento de armas em um ambiente de contramedidas eletrônicas pesado

segundo texto que coloquei

Marlos Barcelos

Bosco

Bosco, só não será localizado se não emitir calor, não tem jeito duas turbinas e não emitem calor? E isso fica mais evidente em ambientes frios ou de alta umidade.

Marlos Barcelos

Bosco

O sistema é capaz de realizar busca passiva e contra alvos furtivos. É usado no caso do radar estar sendo interferido, sendo capaz de rastrear alvos múltiplos.

segundo texto que coloquei, alvo furtivo, tipo f-22, foi o que entendi.

Tiago Jeronimo

“#Tiago Jeronimo em 15 dez, 2008 às 22:38 Bem para falar a verdade até que o IRST pode dar um lock em uma aeronave, mas nada mais longe do que 15kms e isso em condições atmosféricas ideais.” Claro que InfraVermelho trava, se não como os misseis IR’s iriam funcionar? A questão é a distância, o AIM-9X que é o missel guiado a IR mais avançado tem um alcançe de 40KMs, então não fica viajando(ou fica você quem sabe) que um Rafale pode travar um F-22 à 180kms ou 100kms, isso não existe é impossivel. De todas as fontes que pesquisei… Read more »

Marlos Barcelos

Bosco

se eu fosse piloto e não tivesse um f-22, iria querer um rafale, que é o avião europeu que tem melhor sistema de infravermelho, poderia lançar mísseis BVR, e teria chances de vence, já os f-18 tem que ser externo aumentando o rcs, e não é integrado aao avião, acho mais fácil de ser atingido ou dar problema.

O Brasil deve escolher o caça mais avançado possível, dos três acho o Rafale

Marlos Barcelos

onde tu tirou 15 km? coloquei textos que o IR funciona até 180 km, e foram os americanos que disseram, agora você acredita, já que os ianques disseram.

Bosco

O radar AESA do F-22 pode detectar um caça não Stealth a uma maior distância que um IRST pode detectar a emissão de IR do F-22. Os mísseis Amraam podem ser disparados antes que o Rafale consiga detectar o F-22. O F-22 pode manobrar após disparar e não entrar no volume do espaço em que sua emissão de IR possa ser percebida. O Amraam disparado pelo F-22 pode ser orientado via data-link por um F-22 posicionado dezenas de quilômetros atrás do F-22 lançador. Os F-22 não precisam de IRST para serem efetivos contra as ameaças atuais. Seu radar é suficiente… Read more »

Marlos Barcelos

Tiago Jeronimo

parece que o sonho do caça invencível foi por água abaixo, pode ser superior, mas nunca invencível em nenhuma espécie de combate.

Tiago Jeronimo

“O primeiro uso operacional, a bordo do USS Carl Vinson, também foi junto com o uso de óculos de visão noturna no F-14D. De acordo com a Lockheed Martin, o AAS-42 é otimizado para detectar assinaturas de fricção da fuselagem com o ar a distâncias de mais de 180 km em ambiente claro sem nuvens, operando na banda de infravermelho longa (long-wave infrared – LWIR).” Eu sou um homem otimizado para pegar só atrizes-famosas e bonitas, mas isso não quer dizer que eu pego elas, ser otimizado é uma coisa, fazer é outra e não vi nada dizendo sobre nenhum… Read more »

Marlos Barcelos

Bosco

se dispararem um míssil a 100km de distância, vc acha que um piloto não distrói esse míssil? o combate BVR é além do visual, mas nunca numa distância tão grande.

hoje a precisão de um míssil é tão grande que esse míssil lançado pelo f-22 seria destrído por outro míssil.

Os f-22 tem que disparar a uma distância que o inimigo não tenha como reagir a seu míssil.

Marlos Barcelos

Tiago Jeronimo
convenhamos de 180km para 15km é uma distância enorme.

Hornet

Interessante a discussão aqui, estou aprendendo muito e ficando confuso também.

Alguém, por um acaso, chegou a ler essa reportagem, que saiu ontem, sobre o IRST do Super Hornet?

http://www.defenseindustrydaily.com/images/AIR_B-2_Close_View_IR_lg.gif

Estou perguntando só pra poder me localizar na discussão…

abraços a todos

Tiago Jeronimo

Marlos, quando você entender a diferença entre: Detectar, Seguir e Trancar(Lock-on) em um alvo ae a gente discute ok? Ou melhor não discute mas pelo menos você vai saber sobre o que eu tou me referindo.

Bosco

Marlos, quanto ao seu comentário das 23:20 eu concordo plenamente. Aí é puro exercício de lógica. Eu também já fui rato do “Sistemas de Armas” e já li todos os artigos mas não me lembrava sobre a capacidade dos IRST. Me lembro de ver fotos com imagens térmicas de aviões convencionais a dezenas de quilômetros, mas nunca vi uma de um F-22. Sem dúvida as emissões IR de um caça são inpossíveis de serem eliminadas ou severamente reduzidas, como é a reflectância radar para ondas de alta freqüência, mas creio que o nível de emissão de IR de um legítimo… Read more »

Hornet

em tempo: pra quem quiser ver uma imagem de um B-2 no IRST do Super Hornet (achei bem interessante):

http://www.defenseindustrydaily.com/images/AIR_B-2_Close_View_IR_lg.gif

Hornet

Bosco, postamos juntos, sem eu ler o que vc havia escrito e até que foi oportuno…aproveita, se puder, dá uma olhada na imagem do B-2 (que postei acima) e me tira uma dúvida: eles (os alvos) aparecem daquele jeito, com todo o contorno do caça…é quase uma foto em negativo…é assim?

abraços

Marlos Barcelos

Tiago Jeronimo
eu sei o que é detectar, seguir e trancar ou travar o alvo, mas você não quer entender que os irs travam o alvo e detectam alvos a longas distância, é difícil entender isso? porque você acha que todos iriam investir milhões em um sistema que não trava o alvo, só para ficar vendo filminho? ah! fala sério, ninguém gastaria tanto se não servissem a função de defesa aérea, ficar olhando não defende coisa nenhuma, travar alvo aí sim. Você subestima a inteligência dos que investem nesse tipo de tecnologia.

Tiago Jeronimo

Hornet essa provavelmente é uma imagem FLIR de um B-2 conseguida por um F-16 equipado com LANTRIN ou alguma outra aeronave equipada com FLIR/IRST. E como a própria imagem diz é uma Imagem de Perto(Close View) Não acredito que seja de um Hornet já que o mesmo como diz a nóticia acima ainda não possui IRST a não ser que o Hornet ou SH esteja equipado com um casulo FLIR. O interessante é a legenda abaixo dessa foto la no defense industry: IRST, B2 ICU(I See You, ou seja eu vejo você)

Hornet

Bosco,

esqueci do “por favor”…desculpa aí…

e agradeço desde já…(pois vai que eu esqueça depois…hehehe)

abraços

Bosco

Hornet, bem vindo ao debate. A discussão começou no post do F-18 que trancou em um F-22 e veio parar aqui. Marlos, F-14 já abateram alvos a 160 km levando em consideração o ponto de disparo e o ponto de impacto. Ou seja, quando o míssil foi disparado seguramente as aeronaves em questão estavam há mais de 200 km de distância. Nenhum AAM WVR conseguiu ainda atingir um AAM ou um SAM. Essa possibilidade está sendo aventada e possivelmente testada e com certeza será possível num futuro próximo, mas não por hora. Inclusive essa capacidade futura é uma das razões… Read more »

Hornet

Tiago,

o site que tem essa imagem é esse:

http://www.defenseindustrydaily.com/f-18-super-hornets-to-get-irst-03429/

Dá uma conferida e vê o que vc acha que é? Eu estou em dúvida também…

abraços

ps. Aproveito para falar que a reportagem que eu falava (acima) está neste site, acho que eu postei equivocadamente duas vezes o link com a imagem do B-2. Desculpem a nossa falha…

Tiago Jeronimo

Marlos, o sistema IRST não tem como objetivo primordial o guiamento de armas contra determinado alvo. A função principal do IRST é servir como um sistema de buscas passivo para não alertar o caça inimigo sobre a sua presença na área. Após a detectção o sistema(na maioria das vezes automaticamente) transfere os dados ao radar que passa a funcionar com o objetivo de travar e destruir o caça. O IRST também funciona como IFF non coperative ou sejá para identificar se uma aeronave é amigo(friend) ou inimigo(foe) quando a aeronave em questão não quer ou não pode “coperar” por meio… Read more »

Hornet

Bosco,

tô sabendo…eu li uma parte dos posts na matéria anterior…

Hornet

“B2 ICU(I See You, ou seja eu vejo você)”…Bem observado, Tiago. Não tinha reparado nisso…

Marlos Barcelos

Tiago Jeronimo

finalmente você entendeu.

Distância correta e função correta. os dados do ir são repassados ao radar e este trava o alvo, mas se não tivesse ir o alvo não seria travado, isso é o que tentava dizer, logo, não existe avião invisível, nem invencível.
100km é muita distância, tanto é que jamais em um combate de alto nível um míssil seria lançado a essa distância. Os Rafales tem condições de abater os f-22 em combates BVR.

Bosco

Hornet, os sistemas FLIR e IRST atuais operam em duas faixas de freqüências diferentes. Uma é específica para o calor das turbinas, outra é específico para o calor de um corpo, já que todo corpo acima do zero absoluto emite calor. Os sistemas atuais conseguem detectar uma diferença de menos de 1 grau centígrado Não me lembro quais são as faixas de freqüência. As das turbinas são propagadas a grandes distâncias não sendo facilmente inibidas pela atmosfera e são de fácil percepção. As freqüências do “corpo” são de mais difícil detecção por serem inibidas pela atmosfera. Por isso os Stealth… Read more »

Tiago Jeronimo

Hornet, Foi exatamente nessa nóticia que cheguei após o link que você postou. A nóticia é basicamente igual a daqui de cima falando sobre a instalação do IRST no center line tank do SH. Mas não acho que a imagem do B-2 tenha sido produzida pelo IRST do SH já que o mesmo ainda não se encontra operacional. “First production deliveries of F/A-18 E/F IRST systems are expected in 2012, with initial operational capability anticipated in 2013.” Sobre as imagens FLIR elas são realmente parecidas com um negativo, a qualidade da imagem varia apenas da potência do sistema suado e… Read more »

Tiago Jeronimo

A imagem do FLIR do R-99B que falei:

https://sistemadearmas.sites.uol.com.br/amx/amxr99b2.jpg

Francisco M. Xavier

F-22, você ainda vai ver um na sua mavika!
Meu celular fotografa o F-22, é só eles deixarem eu entrar numa base da USAF… e custo 250 conto, só. 🙂
Marlos Barcelos e Tiago Jeronimo (uma dupla bem incomum:)

Combates Aéreos

DARPA promove competição virtual de combate aéreo com inteligência artificial

Participantes vão desenvolver 'pilotos' habilitados para IA para séries de combates aéreos simulados A DARPA selecionou oito equipes para competir...
- Advertisement -
- Advertisement -