sábado, janeiro 22, 2022

Gripen para o Brasil

Aviões A-29 Super Tucano e T-27 Tucano celebram histórico de operações na Força Aérea Brasileira

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

troca de comando no EDA - AFA DEZ2013 - foto Forcas de Defesa - Guilherme Poggio 9

O A-29 Super Tucano, monomotor turboélice de ataque leve e treinamento avançado, estabeleceu este mês uma marca importante ao completar 10 anos de operação na Força Aérea Brasileira (FAB). A aeronave, que recentemente foi selecionada pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) para o programa Light Air Support (LAS), ou Apoio Aéreo Leve, já superou a marca das 200 mil horas de voo. Atualmente, o modelo está em operação em nove forças aéreas na América Latina, África e Sudeste Asiático.

Este ano, o A-29 Super Tucano também foi escolhido como o novo avião do EDA (Esquadrão de Demonstração Aérea) da FAB, mais conhecido como “Esquadrilha da Fumaça”, em que substituirá o venerável treinador T-27 Tucano. O T-27 é usado na formação dos cadetes da Academia da Força Aérea (AFA) e está celebrando 30 anos de operações na FAB. Para celebrar a efeméride, uma das aeronaves da AFA recebeu uma pintura especial que será apresentada ao público pela primeira vez na cerimônia de formatura dos aspirantes-a-oficial, que se realiza hoje (6/12), na sede da AFA, em Pirassununga (SP).

Sobre o A-29 Super Tucano

O A-29 Super Tucano é resultado de um projeto desenvolvido de acordo com as rigorosas exigências da FAB. Com mais de 210 encomendas e mais de 170 aviões entregues, é totalmente compatível com as operações de combate em ambientes complexos. Além da reforçada estrutura para operações em pistas não pavimentadas, o avião conta com avançados sistemas de navegação e pontaria de armas, o que lhe garante alta precisão e confiabilidade, utilizando tanto armamento convencional como inteligente, mesmo sob condições extremas. O avião requer apoio logístico mínimo para operações contínuas. O A-29 Super Tucano está em operação em nove forças aéreas, executando com sucesso missões de treinamento avançado, vigilância de fronteiras, ataque leve e contra-insurgência.

T-27 Tucano - 30 anos - 2

Sobre o T-27 Tucano

Monomotor turboélice de asa baixa, o T-27 Tucano é equipado com um motor Pratt & Whitney Canada PT6A-25C, de 750 shp, com hélice tripá e trem de pouso retrátil. Foi o primeiro treinador básico turboélice a utilizar assentos ejetáveis configurados em tandem (um atrás do outro). Outras novidades do projeto eram o avançado cockpit, com instrumentos dispostos de forma semelhante aos modernos caças a jato, e o fato de reunir os comandos de potência do motor, abertura e fechamento de combustível e funcionamento da hélice em uma única manete, facilitando a operação e tornando a pilotagem similar a de um avião a jato. Os primeiros aviões de produção foram entregues em 29 de setembro de 1983. No total, foram produzidas mais de 630 unidades do avião para forças aéreas de 14 países.

T-27 Tucano - 30 anos - 3

T-27 Tucano - 30 anos

T-27 Tucano - 30 anos - 4

FONTE: Embraer

- Advertisement -

28 Comments

Subscribe
Notify of
guest
28 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Guizmo

Que lindo ficou esse Tucano!

Que avião espetacular, parabéns à Embraer e à FAB pelo T-27, um avião na acepção da palavra

Carlos Alberto Soares

Guizmo

Concordo 110% e acrescento o A-29, nessa todos os
envolvidos acertaram. Esperemos o mesmo para o KC-390.

Clésio Luiz

Espetacular as imagens. Parabéns ao Sargento Johnson e aos pilotos envolvidos.

O EMB-312 é de longe o mais bonito treinador da sua geração. Uma pena que as exigências operacionais tenham descaraterizado sua aparência no EMB-314.

Iväny Junior

É triste constatar que o T-27 saiu de linha. Quando a gente vê porcarias como o unasur, bem que ele poderia voltar.

Santana Denis

Que bela aeronave, essas fotos estão espetaculares, uma coisa que me chamou atenção foi o canopy, eles redesenharam foi? Estou achando diferente, menos angular, isso foi depois do incidente com o passado que quebrou e atingiu o oficial instrutor? Achei que ficou bem melhor.

Santana Denis

Desculpem confundi o T27 com o T29, mas o canopy do T27 liso é muito mais bonito deveriam adaptarem ao T29.

Fernando "Nunão" De Martini

Santana Denis,

Não existe a denominação T-29, apenas A-29 (Super Tucano). Quanto ao canopi, o do A-29 tem o formato de bolha mais acentuado justamente por ser uma aeronave projetada para missões de combate, conferindo muito mais espaço para o piloto esticar o pescoço e olhar para os lados e para baixo sem bater o capacete no canopi.

Joner

Avião magnifico, preparado e pilotado por pessoas que amam o que fazem, não poderia ficar melhor.
Parabéns, e não mensionem aquele “Una alguma coisa” em uma matéria do T-27 e A-29, é um abismo INALCANÇAVÉL perante o projeto Embraer.

Modo fã off.

Santana Denis

Isso, obrigado pela correção.

Santana Denis

E esclarecimento claro, mas que o canopy liso da um ar de modernidade além de beleza da. =)

Control

Srs

O T27 tem um design mais equilibrado e limpo. É um ótimo projeto. Pena que a Embraer abandonou o T27 e o mercado dos treinadores, pois o design é ótimo e uma evolução em materiais e da motorização poderia render algumas novas versões interessantes. O A29 foi uma boa evolução para a função COIN, porém, além de mais pesado tem um design desequilibrado e é mais caro, o que limita seu mercado.

Sds

Mauricio R.

A bola da vez são os Grobs, o T-27 teve seu espaço e seu tempo, mas o momento de substituí-lo definitivamente chegou.

Rinaldo Nery

O redesenho do canopy do A-29 tem a ver com o novo assento ejetável, instalação do head up display e requisitos de corredor de ejeção. O T-27, projetado sob o FAR 25, não obedece os requisitos de corredor de ejeção. Se o piloto ejetar bate com a ponta dos pés no painel. As botas são padronizadas, e possuem uma biqueira de aço. Ainda guardo as minhas…

Gilberto Rezende

A Embraer é apenas uma covarde comercial por não modernizar sua aeronave, mas está mais que na hora do Comando da Aeronáutica decidir se vai atualizar o T-27 ou substituí-lo por um novo projeto.

O T-25 infelizmente será substituído pelo UNASUR I e o T-Xc da Novaercraft vai ter de lutar para sobreviver…

Fernando "Nunão" De Martini

Roberto,

Em caso de uma pergunta em post tão distante já da primeira página como este, acho melhor você copiar e colar num mais recente, como “off-topic”. É uma das poucas situações em que achamos válido o “off-topic”, se não há post sobre Tucano / Super Tucano na primeira página.

Isso porque dificilmente a pessoa que você quer conversar vai ver seu comentário (a não ser que esteja online enquanto seu comentário está na lista dos mais recentes).

Sobre ar-condicionado, o que posso lhe adiantar é que o Tucano não tem.

Justin Case

Nunão, boa tarde.

O Tucaninho tem (ou teve) ar condicionado, se não estou enganado.
Era um sistema problemático, de baixa confiabilidade. Pode ser que tenha sido retirado.
O principal motivo das constantes panes acho que era a sua concepção, que se assemelhava mais com o tipo utilizado em automóveis, pois utilizava um compressor acionado por correia em vez de usar diretamente o ar de alta pressão do compressor do motor.
Abraço,

Justin

Iväny Junior

Vou falar de novo por aqui, porque acredito que alguém da Embraer lê esse blog.

Cadê a versão embarcada do Super Tucano?

Guilherme Poggio

Iväny Junior escreveu:

Cadê a versão embarcada do Super Tucano?

Prezado Iväny Junior

Será que precisa? O OV-10 era operado a partir de NAes ou navios anfíbios de convés corrido sem o uso da catapulta.

Justin Case

Olá, Roberto. Essa parte do ar condicionado referente à refrigeração é realmente crítica nas operações no solo ou voando em baixa altura. Em voo de cruzeiro alto, o normal em um avião não-pressurizado é sentir os pés gelados e o efeito do sol no corpo. Atualmente é inconcebível ter um avião com motor a jato (turboélice, turbofan ou turbojato) sem ar condicionado. O sistema que usa ar do compressor do motor é muito simples. Ergonomia e conforto do piloto é essencial para missões de maior duração. Sobre a decisão pelo Gripen, todos sabem que sempre defendi uma escolha que proporcionasse… Read more »

André Sávio Craveiro Bueno

Prezados, o T-27 possui ar-condicionado. Certa vez acompanhei uma turma de alunos de eng. mecânica, ênfase em aeronaves (hoje há a eng, aeronáutica), a uma visita à AFA. A disciplina era sobre manutenção (eu era aluno da UFSCar) e um sargento nos mostrou alguns sistemas do T-27, entre eles o de ar-condicionado. Faz muito tempo mas lembro-me de ele ter citado alguma deficiência do mesmo. Roberto, em outro post você mencionou sobre asas e trem de pouso do Tucano terem semelhança com o Piper Navajo. Lembro-me de ter lido algo a respeito em uma revista Motor 3, certamente em um… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Gratos pelas respostas sobre ar-condicionado.

Estou sem tempo de procurar, mas tinha um artigo de revista que falava da ausência do mesmo. Pode ser que já fosse da época em que, segundo se está dizendo, o sistema problemático foi retirado.

Quando encontrar, avisarei.

Iväny Junior

Caro Poggio

Eu acredito que não precisa, pela baixa velocidade de pouso e decolagem e pelo peso da aeronave. Mas isso é achômetro. Se realmente não precisa, a Embraer tem que demonstrar isso (e aqui na MB poderia fazê-lo, junto ao NAe São Paulo), justamente para ganhar a certificação.

Quando ele começou a ser cogitado pelos Marines para apoio aéreo, já deveria ter-se feito um teste ou desenvolvido uma versão para que ele pudesse operar em porta aviões.

Saudações.

André Sávio Craveiro Bueno

Em tempo. A turma que eu acompanhei de carona era da EESC-USP.

Lembro -me do sargento que nos recebeu ter dito, se não me falha a memória (isso deve ter sido em 1994), que havia um T-27 da Academia “bom de ar-condicionado”. No dorso da aeronave existem dois trocadores de calor que são abaixados para refrigerar o sistema de A/C. Nesse T-27 específico esses trocadores viviam permanentemente baixados (uma pane) e, por conta disso, o A/C estava sempre resfriado e o mesmo ocorria com a cabine.

Isso tudo se nãome falha a memória!

André Sávio Craveiro Bueno

Em post de T-27 e A-29, um off topic sobre um antepassado, o T-6.
Alguém já havia visto esta foto:

http://www.esquadrilhadafumaca.com.br/christianopessoa/rasante-em-copacabana/rasantet_6copacabana/

Isso sim é rasante!

André Sávio Craveiro Bueno

É, sem palavras…

Iväny Junior

Off sobre o T6 indiretamente, hehehe

http://www.youtube.com/watch?v=RlC0wUxEmmo

Antonio M

Iväny Junior
28 de dezembro de 2013 at 0:03 #

Boa lembrança do P6, para lembrar que mesmo os melhores equipamentos podem durar mas não são eternos. Do que adianta estar produzindo T27 se não estiver vendendo? O modelo tinha e tem ótimos concorrentes então a decisão fazer o ST mesmo com seus riscos se mostrou acertada e partiram para atuar em outro nicho de mercado.

E lembrar também desse grande humorista, dos que faziam humor com qualidade sem apelação e pioneiro do “stand up”, termo usado por aqui a pouco tempo.

Iväny Junior

Antonio M

Se não tem mercado, não adianta. Consta, inclusive, que o Super Tucano nasceu da necessidade de uma concorrência americana. Acredito que o Tucano (com motores mais potentes, como os ingleses) seja melhor treinador que o ST.

Mas se é mais barato produzir A-29B (que incorpora várias características de treinamento, apoio e ataque) do que manter dois modelos na linha (mais o short Tucano, por exemplo) que se faça.

Últimas Notícias

Argentina também negocia a compra de caças F-16 da Dinamarca

Segundo o site argentino Pucara.org, as Forças Aéreas da Argentina e da Colômbia estão analisando ofertas para aeronaves Lockheed...
- Advertisement -
- Advertisement -