domingo, dezembro 5, 2021

Gripen para o Brasil

LAAD 2013: Dassault mostra o desenvolvimento contínuo do Rafale

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

dassault - laad 2013

Consórcio Rafale International marca presença na LAAD Defence & Security 2013, e mostra que o caça continua expandindo seus recursos Omnirole

O Consórcio RAFALE International, formado pelas companhias francesas Dassault Aviation, Thales e Snecma (Grupo Safran), participa da 9ª edição da LAAD – Defence & Security. Representando o Consórcio, a Dassault Aviation promete apresentar o mais completo material sobre o caça RAFALE, um dos participantes do programa F-X2 de renovação da frota brasileira.

O Rafale já é um caça omnirole tático extremamente eficaz, testado em combate no Afeganistão e na Líbia, mas o seu desenvolvimento continua em ritmo acelerado para explorar cada vez mais as suas diversas capacidades e adicionar novos atributos de forma transparente. Como resultado, o Rafale está destinado a tornar-se ainda melhor em um futuro próximo.

Potencial de crescimento comprovado

Os últimos meses se mostraram decisivos para o programa Rafale. A primeira aeronave Rafale equipada com o radar RBE2 AESA foi entregue à Força Aérea Francesa e aconteceu a fase final de qualificação da variante da AASM guiada a laser, a SBU-54. Ambos combinados com a última geração de sistemas de aviso de mísseis e diversas melhorias na interface homem-máquina fizeram com que o caça omnirole se tornasse ainda mais eficiente, letal, duradouro, confiável e de fácil manutenção.

Com isso, o Rafale passa a ser o primeiro caça de combate europeu em operação equipado com a tecnologia do radar RBE2 AESA. Também agrega um grande número de melhorias operacionais à aeronave, como o aumento em cerca de 50% da faixa de alcance e o aprimoramento da capacidade do radar.

A cobertura angular foi melhorada, ampliando a capacidade de detectar alvos de menor assinatura. Além disso, os radares AESA são mais seguros e têm baixo custo de manutenção.

Os tiros da qualificação final do SBU-54, variante da AASM “Hammer” guiada por laser, foram realizados em 12 de dezembro 2012 a partir de um Rafale, o que permitiu o início do uso dessa arma de precisão pelas Forças Armadas francesas a partir de 2013. Um impacto direto foi registrado em um veículo comandado por controle remoto que corria a 50 km por hora. O SBU-54 será adotado pelas tropas francesas para atacar alvos inimigos ágeis e em movimento, geralmente uma caminhonete armada ou uma embarcação de patrulha.

Único no setor, o HAMMER é equipado com uma cauda acoplada e um kit de extensão de alcance, que inclui um potente motor de foguete e asas com abertura automática. Graças a seu alcance de longas distâncias (mais de 60 km para um lançamento em alta altitude, ou 15 km se lançado em baixa altitude), é possível atingir sistemas de defesa aérea e se manter fora de alcance com segurança. Ainda mais importante é a capacidade de engajar seis alvos diferentes em um só passe. Com o AASM, o Rafale não tem que sobrevoar o alvo para realizar sua tarefa com precisão.

O Rafale pode transportar um grande volume de armas, mas o inventário de armamentos do caça é constantemente ampliado, oferecendo maior flexibilidade operacional e eficiência de combate. A integração entre armamentos é facilitada pela configuração aerodinâmica do caça, por sua grande quantidade de pontos de carga e pela sua Unidade Modular de Processamento de Dados, que oferece considerável potencial de crescimento.

Lançamento Meteor por Rafale - foto 2 Dassault via CDN

 Atualizações contínuas

Os primeiros testes de disparo do míssil de propulsão “RAMJET” Meteor foram feitos em outubro de 2012, abrindo caminho para a adoção de novas táticas avançadas em defesa aérea, superioridade e autossuficiência, que vão revolucionar a maneira como os caças Rafale operam no modo ar-ar.

Os testes de disparo dos mísseis Meteor complementam os ensaios de compatibilidade com porta-aviões, já realizados no navio nuclear Charles de Gaulle, para garantir que o novo míssil suporte os choques associados aos lançamentos de catapulta e pousos embarcados. É parte de um programa global de integração que culminará com a entrada em serviço do novo míssil Meteor, em 2018, que proporcionará uma zona de sucesso garantido muitas vezes maior do que a dos mísseis atuais.

Outras melhorias encomendadas pelo Ministério da Defesa francês, tais como as de modo 5 do IFF, o link de dados avançado com sistema anticolisão, a nova geração de targeting pods (designador de alvos) da Thales e seus novos recursos (aumento da capacidade de identificação e de visão geral de danos colaterais), vão expandir a capacidade do Rafale para enfrentar conflitos futuros.

O RAFALE é um avião de concepção nova, de última geração, comprovado em combate, e com grande potencial de crescimento, diferentemente de aviões que são apenas melhorias de modelos anteriores. Todas as suas tecnologias sensíveis foram colocadas à disposição do Brasil através da oferta RAFALE para o programa F-X2. A França é um dos poucos países no mundo que domina independentemente todas elas, e o governo Francês já autorizou seu total compartilhamento com o Brasil.

O programa F-X2 é para o Consórcio RAFALE INTERNATIONAL uma oportunidade para o desenvolvimento de um programa tecnológico de longo prazo, com parceria estratégica de larga escala e cooperação industrial entre Brasil e França. O amplo programa de parcerias firmadas com o Brasil inclui mais de 70 acordos com 50 empresas e uma quinzena de Universidades, e abrange mais de 160% do valor total do projeto.

DIVULGAÇÃO: Dassault / CDN Comunicação

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias

Os jatos mais avançados da Força Aérea dos EUA podem estar vulneráveis ​​devido às suas próprias armas

A Força Aérea dos Estados Unidos tem algumas das aeronaves mais sofisticadas do mundo e está desenvolvendo jatos mais...
- Advertisement -
- Advertisement -