Home História da Aviação FAB se despede do herói de guerra Major-Brigadeiro Meira

FAB se despede do herói de guerra Major-Brigadeiro Meira

615
2
meira - contemporaneo Meira - Segunda Guerra

 

Sob a chuva fina que caiu no final da tarde do último sábado (30 de março) o Major-Brigadeiro José Rebelo Meira de Vasconcelos foi sepultado no Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro. O herói da aviação de caça na Segunda Guerra Mundial faleceu na manhã do dia 30 de março.

O velório do Major-Brigadeiro Meira reuniu diferentes gerações de pilotos de caça, militares, parentes e amigos no Terceiro Comando Aéreo Regional (III COMAR). O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito, acompanhado de membros do Alto Comando, prestigiou a despedida ao ex-combatente. “De eterno, o seu legado de inconteste amor à Força Aérea Brasileira e sua sublime devoção à aviação de caça permanecerão, carinhosamente, guardados em nossos corações, como uma poderosa centelha a alimentar nossos ideais de absoluto amor à Pátria. Hoje, a despeito da imensurável dor sentida por todos os aqui presentes, fica o modelo deste aguerrido homem dos céus, imortalizado na história do nosso glorioso País”, afirmou o Tenente-Brigadeiro Saito, em mensagem proferida durante o velório.

No hangar do III COMAR, companheiros do Grupo de Aviação de Caça relembraram histórias do heroi da Força Aérea Brasileira (FAB). O Capitão Osias Machado da Silva conheceu o então Segundo-Tenente Meira no Panamá, em 1944, quando o 1° Grupo de Aviação de Caça (1° GAVCA) realizava a transição entre as aeronaves T-6 e P-40. “Não tínhamos piloto de caça no Brasil, e fomos ao Panamá em fevereiro de 1944 para fazer a formação desses pilotos. O Tenente Meira tinha o jeito e a aparência de um garoto, era muito inteligente e excelente piloto”, contou o Capitão Osias, que foi para o Panamá como Soldado de Primeira Classe. A amizade durou uma vida toda e, na noite anterior ao falecimento, o Major-Brigadeiro Meira conversou com o amigo. “Recebi uma mensagem de que ele queria falar comigo e telefonei para ele no hospital, ele estava bastante tranquilo e conversamos como sempre fazíamos”, relembrou o Capitão.

Para Ariston Andrade, que integrou o GAVCA como Soldado no Panamá, o Major-Brigadeiro Meira se destacava pelo trato com os demais militares. “Ele tinha uma excepcional capacidade de relacionamento humano. O Meirinha dava atenção a todos, e tinha uma atenção especial com os Soldados”, observou.

A amizade do Major João Rodrigues Filho com o Major-Brigadeiro Meira também teve início no Panamá e atravessou mais de sessenta anos. “Eu era Terceiro Sargento, trabalhava na manutenção das aeronaves. Lembro que, logo no início do treinamento com o P-40 houve um acidente e um Aspirante morreu. O Meira ficou profundamente chocado, lembro de vê-lo chorar desolado a morte do colega”, afirmou o Major João que viu o amigo pela última vez no início de março, no almoço realizado mensalmente pelos ex-combatentes da caça.

Para as gerações mais novas, o Major-Brigadeiro Meira é fonte de inspiração. “A maneira entusiasmada como ele falava da aviação naturalmente faziam dele um espelho para qualquer aviador com quem tivesse contato”, afirmou a Primeiro-Tenente Aviadora Carla Borges, integrante do Primeiro Esquadrão do Décimo Sexto Grupo de Aviação (1°/16° GAV), Esquadrão Adelphi, que teve contato com o Major Brigadeiro Meira em inúmeras solenidades da Caça na Base Aérea de Santa Cruz (BASC).

FONTE: Agência Força Aérea

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
paulsnowsClésio Luiz Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Eu lembro do Meirinha de uma reportagem no Globo Reporter nos anos 90. Também foi ele que fez uma entrevista com o Pierre Clostermann na França pela RFA.

Descanse em paz.

paulsnows
Visitante
paulsnows

ADELPHI!!!!