segunda-feira, agosto 2, 2021

Gripen para o Brasil

Array

Índice de Atrito

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Voar tem ficado mais seguro com o passar do tempo. O padrão de segurança vem melhorando progressivamente desde a Segunda Guerra Mundial tanto no meio civil quanto no militar. Os índices de segurança pioraram após 1991 com o fim da União Soviética e depois decresceu com as aeronaves militares e civis russas saindo de serviço.

No meio militar o índice de segurança é medido em termos de acidentes sérios para cada 100 mil horas de voo. Por exemplo, os F-15 e F-16 americanos tem um índice de acidente de 3-4 para cada 100 mil horas de voo. Na Índia o índice é de 6-7 para 100 mil horas e na OTAN a média é de 4-5. Durante a Guerra Fria o índice de acidentes na Rússia era de cerca de 100 para cada 100 mil horas. Os dados eram secretos na época

Na década de 1950, para exemplificar, os caças F-89 da USAF tinham 383 acidentes para cada 100 mil horas de voo. Dez anos depois o índice caiu para 20 na geração de caças seguinte. Os F-4 tiveram um índice de atrito de 5 por 100 mil horas de voo.

As aeronaves de combate vem ficando cada vez mais confiáveis e fáceis de manter, mesmo ficando mais complexas. Sensores embutidos nos equipamentos facilitar detectar problemas potenciais. Sistemas de manutenção computadorizada são comuns em aeronaves.

Fonte: Strategypage

- Advertisement -

19 Comments

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz

Essa foto mostra uma característica importante do F-16: A capota deve ser ejetada para o piloto sair. Isso custa uma fração de segundo que o piloto voando a baixa altitude pode não ter.

Dos caças projetados após ele, apenas o F-22 (e ao que parece o J-20) aderiram ao canopi único. O F-35 usa um arco para reforçar o para brisas e permitir que o canopi acima da cabeça do piloto seja de um material mais fino. O Mitsubishi F-2, que é um F-16 modificado, basicamente para a função anti-navio, também abandonou o canopi em uma só peça.

jacubao

Tem mais um caça com canopi único Clésio, o HARPIA, hahahahahahahahah….:-D

Clésio Luiz

E o MiG-21F.

Giordani RS

Eu tenho uma publicação de “mil novecentos e oitenta e todos”, aonde o autor(acho que o Bill Guston) afirmava que os índices de acidente aéreo na URSS deviam ser elevadíssimos, mas que o mundo jamais saberia…

Sobre o canopi explodindo e ejetando: No filme top gun tem aquela cena rídicula e absurda, quando o goose ejeta e acerta o mesmo, vindo a falecer…ora…se o F-14 estava em parafuso chato, como o canopi, após a ejeção, continuou a rotação? E o atrito? Desconsidera?

Ah, e outra coisa, a probabilidade de queda é só para quem voa…

Clésio Luiz

A cena do filme Top Gun foi baseada em fatos reais. Eu tenho um making off onde um oficial da USN comenta sobre isso, quando os produtores pediram a ele idéias para um acidente no filme, e ele se lembrou de um que é muito parecido com o que acontece com o que vitimou Goose.

Observe que a foto acima mostra que o assento ejetor passa perto do canopi. A diferença de tempo entre a ejeção dos dois é muito pequena.

Marcos

Há um índice de atrito para aviões da FAB????

Giordani RS

“Clésio Luiz disse: 17 de janeiro de 2012 às 9:27 A cena do filme Top Gun foi baseada em fatos reais. Eu tenho um making off onde um oficial da USN comenta sobre isso, quando os produtores pediram a ele idéias para um acidente no filme, e ele se lembrou de um que é muito parecido com o que acontece com o que vitimou Goose. Observe que a foto acima mostra que o assento ejetor passa perto do canopi. A diferença de tempo entre a ejeção dos dois é muito pequena.” Cara, No filme era um parafuso chato…no momento da… Read more »

Marcos

Há um incidente envolvendo um A-6 da US Navy, no qual o navegador é parcialmente ejetado.
O foguete é acionado mas o assento fica preso, de modo que a cabeça do piloto é que rompe o canopi.
A aeronave teve de pousar no deque com o navegador com metade do corpo para fora.
Segue o endereço:
http://www.youtube.com/watch?v=Z6DQEPIWLFc&feature=related

E é para evitar esse tipo de problema que alguns assentos vem com aqueles dois “chifres”, de modo que, em caso do de falha na ejeção do canopi, aquelas lanças possam romper a fibra.

Clésio Luiz

@ Giordani RS Você esquece do modo como o canopi é ejetado. Os primeiros explosivos a serem acionados são os da frente. Isso se soma a força do ar quando o caça voa para frente, para garantir que o canopi esteja fora do caminho dos pilotos durante a ejeção. NO caso do parafuso chato, a força para trás se soma a força centrífuga (para frente), as duas se anulam e o canopi fica na vertical, acima dos pilotos. Como eu disse antes, foi um instrutor da USN que veio com essa história do acidente, não os roteiristas do filme. @… Read more »

M.A

Antes que comentem, creio que o crescimento da taxa de atrito após o fim da URSS se deve ao fato da cadeia de suprimentos e do fornecimento de peças de reposição ter cessado, juntamente com o colapso do parque industrial do país, levando a uma séria dificuldade dos operadores de suas aeronaves manterem-nas no ar. Quanto estas saíram de operação, ou foram modernizadas utilizando-se componentes e estruturas produzidas por outros fornecedores, o índice voltou a decrescer. Desculpem pelo momento “Capitão Óbvio”. Falando em assentos ejetores, eu acho interessante o conceito do antigo SK-1, apesar de aparentemente para o piloto se… Read more »

Clésio Luiz

@ Giordani RS Eu reví agora o making of de Top Gun, o nome do carinha da UNS é Peter “viper” Pettigrew. Na época do filme ele não estava mais na ativa. Segundo ele, num parafuso chato existe uma zona de baixa pressão acima da aeronave, que suga o canopi para cima e impede que ele saia do caminho dos pilotos rapidamente. Então o procedimento é ejetar o canopi e esperar alguns segundos para depois ejetar os pilotos. No caso real o piloto esperou o tempo necessário e ejetou com segurança, mas no filme mataram o coitado do Goose. @M.A… Read more »

Marcos

Bom… de qualquer modo, seja qual for o tipo de canopi, é necessário descartá-lo antes da ejeção do piloto.

Grifo

Bom… de qualquer modo, seja qual for o tipo de canopi, é necessário descartá-lo antes da ejeção do piloto.

Caro Marcos, curiosamente nem sempre isso é necessário. Em vários aviões (o Xavante por exemplo) o canopi é quebrado pela cadeira de ejeção, não precisa ser alijado antes.

Marcos

Xavante já saiu de operação.

Vader

M.A disse:
17 de janeiro de 2012 às 10:56

“Antes que comentem, creio que o crescimento da taxa de atrito após o fim da URSS se deve ao fato”

…de que antes do fim dela quem falasse que caiu um avião soviético iria curtir férias num delicioso e aprazível gulag na Sibéria Oriental… 🙂

Marcos

Mirage III no Brasil
compraram 17
sobraram 12
logo perderam 5
voaram um total de 67000 horas
novesfora….
índice de atrito dos Mirage III na FAB = 7

Clésio Luiz

Marcos, foram 32 mirage adquiridos pela FAB, matrículas 4900 até 4931, sendo 10 DBR e 22 EBR.

E perdemos 13 deles, sendo 5 bipostos e 8 monopostos.

Isso é nivel F-104, ou seja, o Mirage III foi nosso widowmaker.

Clésio Luiz

Matrícula C/N Data de Entrega na FAB Observação F-103D 4900 18507 27 mar 1973 w/o – 20 nov 1980 – Anápolis (GO) F-103D 4901 2F/2A 29 mar 1973 F-103D 4902 18709 27mar1973 w/o-18ago 1981 – Anápolis (BAAN) F-103D 4903 18710 27 mar 1973 w/o-19 mar 1982-Natal (RN) F-103D 4904 BE271F/21A/BBR NR1 24 fev1984 Ex-Armée de l’Air F-103D 4905 18712 15 jun 1984 Ex-Armée de l’Air – w/o – 26/07/84 Petrolina (PE) F-103D 4906 DBR6 29 mar 1989 Ex-Armée de l’Air F-103D 4907 DBR5 29 jun 1989 Ex-Armée de l’Air-w/o- 15/02/90 Anápolis (GO) F-103D 4908 1997 Ex-Armée de l’Air F-103D 4909… Read more »

joseboscojr

Outro que tem canopi único é o “Bird of Prey”.

Últimas Notícias

Pilotos russos usaram receptores GPS feitos nos EUA durante missões de combate na Síria

Pilotos militares russos usaram receptores comerciais GPS de navegação por satélite durante suas operações de combate na Síria, de...
- Advertisement -
- Advertisement -