quinta-feira, maio 6, 2021

Gripen para o Brasil

Array

Les Echos: após ações dos Rafales na Líbia, EAU diminuem exigências

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Jornal francês informou que nova proposta será apresentada este mês

A Dassault Aviation deve apresentar uma oferta comercial final para os Emirados Árabes Unidos (EAU) ainda no início do mês de setembro para a venda de sessenta aviões de combate Rafale, informou nesta quinta-feira o jornal francês Les Echos.

Em função da experiência da Líbia, que permitiu que o Rafale mostrasse a sua versatilidade, Abu Dhabi teria revisado para baixo de forma significativa os seus pedidos de mudanças na tecnologia. Agora, o emirado não exige mais um aumento na propulsão do motor e melhorias no sistema de guerra eletrônica, segundo o jornal.

FONTE: Reuters

NOTA DO BLOG: o Rafale foi o primeiro dos três “Eurocanards” a sobrevoar a Líbia em missão real no conflito.  O desempenho do Rafale sobre os céus da Líbia foi tema de matéria especial publicada na revista Forças de Defesa 2.  A matéria apresenta os diferenciais do Rafale e dos dois outros “Eurocanards” em missões realizadas nos últimos meses sobre a Líbia.

Para adquirir o seu exemplar, clique num dos botões abaixo. Use o PagSeguro para gerar um boleto pagável em qualquer banco e o PayPal para pagar com cartão de crédito. Ao efetuar a compra por estes botões, favor informar o endereço completo para o envio. Para dúvidas sobre outras formas de pagamento e demais informações, envie um e-mail para revista@fordefesa.com.br. Ao comprar a revista, o leitor torna-se assinante dos sites das Forças de Defesa, podendo postar comentários após o seu cadastramento.











- Advertisement -

17 Comments

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Giordani RS

Que coisa…não?

ivanildotavares

Off-Topic

Paguei a revista e estou aguardando sem problemas (recebi o e-mail de confirmação de pagamento).

O problema é:

Eu quero fazer a minha contribuição trimestral e não estou conseguindo porque não estou vendo o esquema de antes na tela, somente para a compra da revista, embora haja a informação de que essa compra torne o leitor um assinante. Tá, então com apenas R$19,00 eu tenho a revista e ainda deixo de doar os R$ 30,00 de antes?

GUPPY

edcreek

Olá,

Noticia importante a se confirmar, nada como operações reais para mostrar a verdadeira capaçidade de um caça.

Vamos aguardar, mas como os Indianos(que voaram os Rafales) agora os EAU devem ter fatos relevantes a se considerar. Quem vooa gosta…

Abraços,

Franco Ferreira

Off-topic

GUPPY – Passei pela mesma situação. Falei com o Galante que CONFIRMOU ser esta a intenção atual dos editores. Contrariei verbalmente a intenção demostrada, mas fui vencido. Se Você achar o “link” da contribuição trimestral, diga-me onde está que eu também “entro nesta”.

Forte abraço – Franco Ferreira

ivanildotavares

Off-Topic

Caro Franco Ferreira,

Diante do expoxto, a minha vingança será “malígrina”. O Galante não escapará. Vou adquirir outra revista e, quando chegar, vou doar à Biblioteca do Instituto de Matemática e Estatística da UFF, onde trabalho.

Abração,

GUPPY

Vader

“Agora, o emirado não exige mais um aumento na propulsão do motor e melhorias no sistema de guerra eletrônica, segundo o jornal”

Ou seja, mais uma vez se confirma a entrevista do Brigadeiro Alain Silvy. 😉

LuppusFurius

EAU …Não exigem , Mas Não Compram…..
India de Typhoon…
Réquiem de Lê Jakê!!!!!!!

Luis

Quem voa gosta. => Não na hora de assinar o cheque.

Mauricio R.

“…o Rafale foi o primeiro dos três “Eurocanards” a sobrevoar a Líbia em missão real no conflito.”

Ficou esperando, enquanto os Tomahawks faziam o serviço sujo.

edcreek

Olá, Guilherme Poggio, vejo que não tem como comparar com a India eles testaram exaustivamente os caças, aqui os pilotos fizeram uma passeio apenas. A realidade é que quem voou os 4.5G preferiram os caças mais novos. Vader nunca duvidei das exigencias iniciais e prematuras, assim como nunca duvidei que a turbina é otima, decola de NAe com 8 ton de carga, para achar a turbina fraca só torçedores como vc e mais alguns. Torçida não se discute, mas o caça a cada dia prova que hoje é um dos melhores 3 caças 4.5G e será o melhor de todos… Read more »

Joker

Edcreek,

dessa forma quer dizer que nossos pilotos em especial aqueles do COPAC não tem como dar um parecer qualitativo porque foi um passeio e todo o processo de avaliação dos mesmos deve ser descartada e basearmos-nos outros fatores e informações, tais como as informações passadas pelo indianos que “verdadeiramente” testaram as maquinas?

Ivan

ivanildotavares disse:
1 de setembro de 2011 às 17:18

Franco Ferreira disse:
1 de setembro de 2011 às 17:44

Off-Topic

Guppy e Franco,

Eu comprei a revista e consegui realizar uma contribuição, pois acredito que a renda da revista vai ficar apertada para nossos amigos.

Acredito que Dinair Alves, que cuida da parte da comercialização das revistas pode ajudar vocês e tantos outros que pretendam colaborar, como me ajudou.

Sds,
Ivan, do Recife.

edcreek

Olá, Joker nesse caso sem duvida, o pareçer Indiano está bem melhor embasado que o Brasileiro, os pilotos não tem nada haver com isso mas sim a como e onde foi feito: -Na India os aviões tiveram que ir voando para lá; -O uso do radar AESA foi obrigatorio em teste de voo( deve ser por isso que o gripado foi excluido 😉 ) -Lá os caças foram testados em varias temperaturas e altitudes; -Lá foram semanas e semanas de testes com os caças lá na India; Não dá para comparar um coisa seria, com a palhaçada e briga de… Read more »

Ivan

Mossieur Ed, Vc escreveu: “-O uso do radar AESA foi obrigatorio em teste de voo( deve ser por isso que o gripado foi excluido.” Pelo que eu li, os únicos concorrentes do M-MRCA que poderiam se apresentar com radar AESA operacional era o Super Hornet e F-16IN, pois os demais ainda não estavam voando com as novas antenas, inclusive os finalistas Typhoon e Rafale. Assim sendo NÃO era necessário o uso do radar AESA nos testes, sendo uma exigência para a entrega do produto final. Quanto ao meu Gripen, que vc insiste em chamar de “gripado”, acredito que não teria… Read more »

ivanildotavares

Ivan disse:
2 de setembro de 2011 às 10:13

Off-Topic

Ok, Ivan. O Galante já entrou em contato comigo, mesmo assim obrigado pela dica.

Abraços

Mauricio R.

Não é demérito, mas limitação mesmo, como tdo o restante do pacote europeu, tiveram que esperar o “abre alas” americano passar, p/ somente depois poderem operar em segurança.

Reportagens especiais

Visita ao National Naval Aviation Museum – última parte

Na última parte da reportagem da nossa visita ao National Naval Aviation Museum, publicamos as fotos do pavilhão que abriga...
- Advertisement -
- Advertisement -