Home Noticiário Internacional Boeing reativa lobby para venda de caças

Boeing reativa lobby para venda de caças

240
6

Apesar de licitação ter sido suspensa por Dilma até 2012, fabricante dos F-18 avalia que este é o momento de convencimento e envia seu presidente ao País

Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA – O presidente da Boeing internacional, James McNerney Jr., vem ao Brasil na próxima semana em mais uma visita para tentar avançar nas negociações para a venda dos caças F-18 Super Hornet. Apesar de o governo brasileiro ter suspendido qualquer decisão sobre a compra dos caças até o início de 2012, a avaliação dos americanos é que este segundo semestre é o momento de convencimento.

A compra dos caças foi suspensa pela presidente Dilma Rousseff logo ao assumir o governo, em janeiro deste ano, por conta do ajuste fiscal. No mesmo momento, a presidente deixou claro que nenhuma das ofertas está fora do páreo e os equipamentos americanos e os suecos Saab Gripen seriam considerados – apesar da preferência pelos caças franceses Rafale demonstrada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim.

O recuo do governo brasileiro acendeu o alerta na França, que, depois de meses de conversa entre Lula e o presidente Nicolas Sarkozy, já dava como certo o negócio de R$ 12 bilhões. Ao mesmo tempo, elevou o interesse dos americanos, que viram no recuo brasileiro a chance de retomar as negociações.

O assunto foi tratado na visita do presidente Barack Obama, em março.

Argumentos. Obama defendeu os caças da Boeing alegando que eles têm a melhor tecnologia. Semanas antes, o senador republicano John McCain, ex-candidato à presidência dos Estados Unidos, também aproveitou uma visita ao Brasil para fazer lobby pela Boeing e garantir que o Congresso americano apoiaria a transferência de tecnologia exigida pelo Brasil.

Esse tem sido o ponto mais complicado da negociação com os americanos.

Os suecos e os franceses concordaram em fazer a transferência total de tecnologia. No caso dos Saab Gripen, a intenção da empresa era terminar o desenvolvimento dos caças junto com o Brasil. Os americanos eram mais resistentes. Obama garantiu a Dilma, no entanto, que o tema estava superado e os Estados Unidos iam garantir o mesmo pacote que os concorrentes.

FONTE: O Estado de S.Paulo

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DrCockroach
DrCockroach
8 anos atrás

Gostaria de ver os propotipos do Gripen no Brasil, os ensaios de voo, homologacao, etc. A FAB colocou o Gripen em primeiro por solidos motivos. A SAAB tem que tirar coelho da cartola ou nao leva: embora ainda um pouco estranha a ideia, talvez o Gripen naval seja o “coelho”, mas apenas talvez. Mas os EUA tem mais forca p/ oferecer um acordo agora. Por exemplo: colocar a eliminacao dos vistos p/ brasileiros num pacote mais amplo. E p/ eles seria bom: dos 20 mil imoveis empacados em Miami, 5 mil jah foram comprados por brasileiros. Sem visto + turistas:… Read more »

Nick
Nick
8 anos atrás

Caro Dr Barata,

Eu seria mais direto:

“Ei ei Ministro Mantega @#%%$#@&*!!!!!!” 😀

Sobre o lobby americano, nada de novo… mas como já foi explicitado milhares de vezes por esse governo, eles querem “Independência” ou… “nada”.

Se quisessem de verdade independencia, à 10 anos atrás a Embraer já teria recebido a incubência de produzir um caça tupiniquim de 5ª geração, em parceria com os russos, ou suecos, ou até mesmo os franceses. E talvez agora, teríamos um protótipo impulsionado por turbinas Klimov. 🙂

Mas parece que o “nada” vai vingar…. 🙁

[]’s

edcreek
edcreek
8 anos atrás

Olá,

Amigos deixem o defunto em paz o NG se um dia vier a sair do papel será filho unico de um pais e terá peças feitas artezanalmente como o AMX como nosso amigo Juarez informou, como custo altos e inviaveis.

Sobre a investida Americana, como todos sabemos não temos dinheiro apesar dos recordes e recordes de arrecadação.

Abraços,

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

Tem mais Gripen fabricado, do que Rafale encomendado, aliás até a linha LRIP do F-35, é mais movimentada que a linha de produção do Rafale.
E o comentário do Juarez, se referia a uma aeronave, cuja linha fechou tem uns 10 anos.

Almeida
Almeida
8 anos atrás

Clap! Clap! Clap! Bravo DrCockroach!

Vader
8 anos atrás

Chega a ser divertido as rafanáticas e os antiamericanos em outros espaços a xingar o F/A-18E de “tijolão”, de “carregador de bombas” e a falar as velhas bobagens de “pilones enviesados”, “coleira americana” e etc e tals… 🙂