sexta-feira, setembro 30, 2022

Gripen para o Brasil

Array

Enfim!

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Parece, as autoridades brasileiras vão separar – pela primeira vez –duas entidades historicamente imiscuídas entre si. Enfim! O acidente do PR-NOB ficará marcado pela façanha!

Quando um acidente aeronáutico, com aeronaves civis causa dano a bens materiais ou a pessoas a bordo ou não, invade a área cível, com possibilidade de alcançar a área criminal. A responsabilidade por tais conseqüências, determina a Constituição, será sempre apurada pela autoridade policial competente; denunciada, se for o caso, pelo membro do ministério público aplicável; e julgada pelo setor do judiciário a que estiver cometido o processo.

Não se perderá, através da investigação da investigação de acidente aeronáutico, o ensinamento que se puder aproveitar de tal ocorrência. Duas apurações correm em paralelo: (1) a da relação de causa e efeito e apuração de culpa ou dolo, e (2) a de identificação de fatores contribuintes com vistas à prevenção de futuros acidentes. Este é o ordenamento jurídico vigente. No Brasil, entretanto, as duas apurações – desde sempre exigidas nos códigos brasileiros – nunca foram desvinculadas uma da outra, eis que, historicamente, a utilidade da investigação de acidente aeronáutico, sob a ótica da normalização militar, sempre preponderou sobre a apuração judiciária também exigida. Os exemplos são muitos.

É fácil comprovar esta realidade. Todas as autoridades policiais espelham-se e apóiam-se nos chamados “relatórios finais” os quais, distorcidos pela subordinação hierárquica a que estão sujeitos e pela utilidade humanitária que têm, não identificam a relação causa/efeito com vistas a definição de eventuais culpa ou dolo.

Parece, entretanto, que neste evento as distintas investigações serão encaradas de outra forma. A quantidade de elementos de investigação, com foco aeronáutico, existentes e já publicados facilita a investigação aeronáutica. A investigação policial não precisa mais que perquirir a exatidão legal e regulamentar com que a atividade aeronáutica vinha sendo reali-zada tanto pela agência reguladora como pelo operador; e os afastamentos desta exatidão exigida perpetrados por uma ou outra destas entidades.

- Advertisement -

2 Comments

Subscribe
Notify of
guest

2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.

Deixa então, eu cutucar a onça…

Se os chamados “relatórios finais” são, “distorcidos pela subordinação hierárquica…”

…pq não tirar-lhes o uniforme e torna-lo algo semelhanta a NTSB – National Transport Safety Board americana???

Soyuz

Mauricio, eu acho que esta idéia em um plano mais acadêmico ou conceitual é perfeita. Porem na pratica observando a realidade brasileira ela seria problemática. Vejamos alguns exemplos. A ANAC era no papel uma idéia e tanto, passaria o controle da aviação comercial para a esfera civil. Liberaria a FAB para a sua atividade fim e daria um ar mais “moderno” por assim dizer a aviação comercial brasileira, sem no entando desmerecer o grande trabalho realizado pelo DAC durante décadas. O que esta idéia virou na prática? Um feudo politico, com uma estrutura técnica discutivel e uma eficiência diminuta. A… Read more »

Últimas Notícias

Força Aérea Brasileira inaugura nova estação radar de vigilância aérea em Rondônia

Estação será usada pelo Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) para auxiliar na proteção de fronteiras do Brasil A...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -