segunda-feira, maio 17, 2021

Gripen para o Brasil

Array

Enfim!

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Parece, as autoridades brasileiras vão separar – pela primeira vez –duas entidades historicamente imiscuídas entre si. Enfim! O acidente do PR-NOB ficará marcado pela façanha!

Quando um acidente aeronáutico, com aeronaves civis causa dano a bens materiais ou a pessoas a bordo ou não, invade a área cível, com possibilidade de alcançar a área criminal. A responsabilidade por tais conseqüências, determina a Constituição, será sempre apurada pela autoridade policial competente; denunciada, se for o caso, pelo membro do ministério público aplicável; e julgada pelo setor do judiciário a que estiver cometido o processo.

Não se perderá, através da investigação da investigação de acidente aeronáutico, o ensinamento que se puder aproveitar de tal ocorrência. Duas apurações correm em paralelo: (1) a da relação de causa e efeito e apuração de culpa ou dolo, e (2) a de identificação de fatores contribuintes com vistas à prevenção de futuros acidentes. Este é o ordenamento jurídico vigente. No Brasil, entretanto, as duas apurações – desde sempre exigidas nos códigos brasileiros – nunca foram desvinculadas uma da outra, eis que, historicamente, a utilidade da investigação de acidente aeronáutico, sob a ótica da normalização militar, sempre preponderou sobre a apuração judiciária também exigida. Os exemplos são muitos.

É fácil comprovar esta realidade. Todas as autoridades policiais espelham-se e apóiam-se nos chamados “relatórios finais” os quais, distorcidos pela subordinação hierárquica a que estão sujeitos e pela utilidade humanitária que têm, não identificam a relação causa/efeito com vistas a definição de eventuais culpa ou dolo.

Parece, entretanto, que neste evento as distintas investigações serão encaradas de outra forma. A quantidade de elementos de investigação, com foco aeronáutico, existentes e já publicados facilita a investigação aeronáutica. A investigação policial não precisa mais que perquirir a exatidão legal e regulamentar com que a atividade aeronáutica vinha sendo reali-zada tanto pela agência reguladora como pelo operador; e os afastamentos desta exatidão exigida perpetrados por uma ou outra destas entidades.

- Advertisement -

2 Comments

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.

Deixa então, eu cutucar a onça…

Se os chamados “relatórios finais” são, “distorcidos pela subordinação hierárquica…”

…pq não tirar-lhes o uniforme e torna-lo algo semelhanta a NTSB – National Transport Safety Board americana???

Soyuz

Mauricio, eu acho que esta idéia em um plano mais acadêmico ou conceitual é perfeita. Porem na pratica observando a realidade brasileira ela seria problemática. Vejamos alguns exemplos. A ANAC era no papel uma idéia e tanto, passaria o controle da aviação comercial para a esfera civil. Liberaria a FAB para a sua atividade fim e daria um ar mais “moderno” por assim dizer a aviação comercial brasileira, sem no entando desmerecer o grande trabalho realizado pelo DAC durante décadas. O que esta idéia virou na prática? Um feudo politico, com uma estrutura técnica discutivel e uma eficiência diminuta. A… Read more »

Reportagens especiais

Perfil: Mirage IIIEBR no portão do PAMA-SP, dezembro de 2017

Aproveite a tranquilidade do final do ano para visitar esse veterano - e aproveite, também, para comparar suas dimensões...
- Advertisement -
- Advertisement -