Europa convida Coreia do Sul a se juntar ao programa Eurofighter

    350
    17

    Segundo jornal, o convite foi anunciado em conferência aeroespacial realizada na Coreia do Sul, onde também se pronunciaram concorrentes como Boeing e Lockheed Martin

    Segundo o jornal Korea Times, o consórcio Eurofighter convidou a Coreia do Sul a se juntar ao projeto de produção de seu caça avançado, em uma aparente tentativa de ganhar o que poderá se configurar como a maior compra de armamento do país.

    O convite veio após o anúncio do governo sul-coreano de que compraria 60 caças avançados, combinando com a mudança de postura militar de passiva para dissuasão pró-ativa, com um orçamento projetado de até 10 trilhões de won (aproximadamente 8,96 bilhões de dólares ou 14 bilhões de reais).

    Erwin Obermeier, acessor senior para projetos de exportação da EADS, disse que “nós damos as boas vindas à indústria coreana para participar como membro pleno da EADS”, durante a Conferência Internacional para Poder Aéreo e Espacial, realizada em Seoul na semana passada. Ele completou: “Ela (a indústria) vai dividir todos os benefícios, conhecimento e tecnologias dos Eurofighters. O programa Eufrofighter pertence e é desenvolvido, produzido e entregue de forma conjunta por todas as quatro empresas europeias.”

    Em 2008, o consórcio teria oferecido um acordo melhor que seu competidor norte-americano Boeing para o último projeto de aquisição da Coreia do Sul, mas teria perdido devido a decisões políticas – o país adquiriu 60 aeronaves F-15J da Boeing, que ganhou tanto o projeto FX-I quanto o FX-II, respectivamente em 2002 e 2008.  Já sobre a nova proposta à Coreia do Sul, Obermeier disse que o país terá a chance de montar os jatos e de fabricar partes localmente: “As primeiras 10 entregas serão montadas na Europa, mas as 24 seguintes serão construídas com componentes fabricados na Coreia”. Ele acrescentou que todos os restantes seriam montados no país, reforçando que todos os caças coreanos e Eurofighters são construídos para serem interoperáveis no ambiente da OTAN.

    A Boeing e o F-15 Silent Eagle

    Já a Boeing alega que oferece a solução de melhor custo-benefício, além de uma parceria próxima com empresas locais. O vice-presidente do programa F-15 da Boeing, Roger L. Besancenez, disse que sua companhia tem trabalhado com 22 empresas coreanas, incluindo Korea Airspace Industries, Korean Air, LIG Nex1 e Huneed Technologies.

     

    A Boeing também anunciou que entrará na disputa com seu F-15 Silent Eagle, um caça semifurtivo. Segundo Besancenez, “a infraestrutura para o F-15 já existe na Coreia, então a cadeia de fornecedores para o SE seria mais acessível. Ele também tem se provado bastante interoperável com o Peace Eye (versão AEW&C do Boeing 737)”. Ele também destacou a grande capacidade do F-15 de carregar armamentos, com maior variedade que outros concorrentes.

    A Lockheed Martin e o F-35

    Durante a conferência, a Lockheed Martin dissipou as crescentes críticas de que estaria tentando empurrar para a Coreia um primeiro lote de F-35 equipado apenas com capacidades mínimas, a um preço exorbitante. A empresa alegou que a Força Aérea dos EUA, que tem o maior nível de dados classificados sobre aeronaves avançadas escolheu o F-35 em detrimento do F-15, F-16 e outros, porque em seu julgamento os caças de quarta geração já atingiram o auge em desempenho, e que agora é necessário um novo patamar de capacidades.

    O F-35A Lighting II é conhecido como o único caça furtivo de quinta geração disponível no mercado, mas críticos afirmam que ainda precisa provar suas capacidades e que a aeronave poderia representar um risco, implicando em altos custos de manutenção.

    FONTE: Korea Times (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

    FOTOS: Eurofighter, Boeing e Lockheed Martin

    Subscribe
    Notify of
    guest
    17 Comentários
    oldest
    newest most voted
    Inline Feedbacks
    View all comments
    Vader
    8 anos atrás

    Um dia a Coréia terá de largar o F-15. Até porque o F-15 Silent é apenas um remendo. Um ótimo remendo, mas ainda assim um caça cujo projeto remonta aos anos 70 (40 anos, portanto). O Typhoon é uma ótima pedida. Uma aeronave multirole, com escala, moderna e poderosa HOJE, além de ser de mais fácil compartilhamento da produção. O F-35 é o futuro. Se a Coréia não tiver muita pressa essa é a aeronave ideal. De maneira que é o de sempre: 1. Se pesar o fator econômico, evidente que a melhor opção é o F-15; 2. Se pesar… Read more »

    Antonio M
    Antonio M
    8 anos atrás

    Enquanto isso no Brasil ……

    Nick
    Nick
    8 anos atrás

    A Coréia devia é seguir com seu KF-X, e se for prateleira que seja o F-35.

    Ser sócio do Typhoon é perda de tempo e dinheiro. O F-15 Silent seria uma alternativa ao F-35, já que a Rokaf já dispõe de uma boa quantidade de Slam Eagles, a versão mais recente do F-15. Nesse caso haveria alguma economia na padronização da manutenção.

    []’s

    Darkman
    Darkman
    8 anos atrás

    Seria um alternativa para sair dos americanos, já prevendo um futuro duvidoso para os F35 ???

    Acredito que os coreanos não estão lendo jornal e já pensam seriamente no futuro.

    Abs.

    Mauricio R.
    Mauricio R.
    8 anos atrás

    Por enquanto o F-15K é adequado, mas na medida em que a China PRC melhore suas capacidades, c/ versões melhoradas dos J-10 e J-11 e a introdução do J-20; outra aeronave será necessária e é aí aonde entrarão tanto o F-35 bem como o KF-X. No momento a RoKAF está somente provendo a substituição de tipos mais antigos, como os F-5A/B; F-5E/F e F-4E, cuja efetividade se foi. Tanto no Japão como na Coréia o EF-2000 Typhoon corre absolutamente por fora, ambas as indústrias aeroespaciais são intrínsecamente ligadas aos EUA.

    Observador
    Observador
    8 anos atrás

    Senhores: Isto parece aquelas matérias dirigidas sobre o Rafale. Não dá para levar à sério. A Coréia do Sul está uma das regiões mais “quentes” do mundo. Se o caldo entornar, vai contar com quem? Com os EUA ou com a Europa? Por isto, farão de tudo para manter os laços com o grande aliado e escolher um avião europeu na época em que este mesmo aliado está em crise econômica não ajudaria nem um pouco. Não tenho nenhuma dúvida que o Eurofighter só está na concorrência para pressionar a Boeing ou a LM a dar ótimas vantagens para a… Read more »

    Mauricio R.
    Mauricio R.
    8 anos atrás

    E o Japão pretende fazer voar seu caça stealth voar em breve:

    (http://www.aereo.jor.br/2011/07/01/japao-reafirma-plano-de-voar-o-shinshin-em-2014/)

    Almeida
    Almeida
    8 anos atrás

    Vejamos, a ROKAF possui: 60x F-15K 35x F-16C/D Block 32 134x KF-16C/D Block 52 68x F-4E 170x KF-5E/F As turbinas do últimos F-15K são intercambiáveis com as dos KF-16C/D. Os KF-5E/F serão substituídos pelo KAI FA-50. Restam 68 F-4E bipostos a serem substituídos por 40 a 60 caças nesta terceira fase do mesmo programa F-X que já desclassificou o Typhoon e o Rafale frente ao Slam Eagle. Com a fila do F-35A cheia e suas capacidades ainda em dúvida, alguém duvida que a ROKAF vai de mais F-15K ou F-15SE agora? É o próximo passo lógico. Typhoon só está na… Read more »

    Vader
    8 anos atrás

    Caramba, quanto F-5…

    Almeida
    Almeida
    8 anos atrás

    Shhh Vader! Não fala alto que o Alto Comando da FAB pode te ouvir e aí já viu né? Mais 170 radares Grifo da Selex Galileo por aqui! 😛

    Almeida
    Almeida
    8 anos atrás

    Agora, deixando a ROKAF de lado e pensando na EADS, ei, por que eles não oferecem uma parceria dessas por aqui? Com a Embraer? Que é maior e tão capaz quanto CASA, Finmecanica, KAI e etc?

    Seria o final, feliz, do FX-n. Quer melhor ToT e offsets do que fazer parte do time internacional que projeta, produz e atualiza o avião?

    Eu realmente devo ser muito inocente e não entendo o que acontece no Mundo, algumas coisas me parecem tão óbvias!

    Vader
    8 anos atrás

    Shhhh Almeida!!! Não fala alto que o Jorge Viana te escuta e aí já viu né? Toca a gente pagar o triplo do preço pelo Typhoon… 🙂

    juarezmartinez
    juarezmartinez
    8 anos atrás

    Muito simples! Eles sabem que este país não é sério, sabem que defesa não é prioridade e sabem ainda da nossa imensa dificuldade de mão de obra especializada, ou sejam, tudo conspira contra isto.

    Grande abraço

    Nick
    Nick
    8 anos atrás

    Caro Almeida,

    Se o Typhoon fosse um 5ª geração, até valeria a pena. Typhoon e Rafale sofrem do mesmo mal. Caros e conceitualmente ultrapassados. Nesse caso não vejo vantagens em ser mais uma linha de montagem desses caças europeus.

    []’s

    Wagner
    Wagner
    8 anos atrás

    Talves ele queiram comprar nossos F5 EM…

    Wagner
    Wagner
    8 anos atrás

    Que bela foto essa, então é ali que essas belezinhas nascem ??

    Igualzinho a minha mesa onde monto minhas maquetes !! kkkkkkkkkkkk !!

    🙂

    Almeida
    Almeida
    8 anos atrás

    Nem eu quero o Typhoon na FAB, mas nos termos que expus acima, acho que ninguem ficaria triste!